A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Estudo de Caso - Joan/John

Pré-visualização | Página 4 de 5

fato com o qual sua mulher                                 
manifestou insatisfação. 
Porém Dr. Diamond não percebeu também uma possível depressão em John e termina o relato do                               
caso dizendo “John é um homem maduro e voltado para o futuro com senso de humor perspicaz e                                   
equilíbrio. Enquanto ainda ressentido pela sua experiência, ele filosoficamente aceita o que aconteceu e                           
tenta superar isso com o apoio de sua mulher, pais e família.” 
 
Para Diamond é possível que as interpretação dos primeiros anos de John tenham sido erradas,                             
pela dificuldade de pesquisador de ver os resultados saindo de sua hipótese. As manifestações                           
comportamentais masculinas de Joan iriam sempre ser interpretadas como uma fase, ou                       
comportamentos desviantes normais para uma garota. Os comportamentos masculinos de Joan eram                       
repetidamente rejeitados pelos médicos também pela crença a diminuição da dúvida do paciente levaria                           
a um maior sucesso da mudança de sexo 
Para Diamond, todo o caso foi construído na crença de que toda a imagem pessoal depende da                                   
criação que a criança receberá baseada no órgão sexual funcional: era melhor que John tivesse uma                               
vagina funcional que um pênis não funcional. Apesar da funcionalidade do órgão ser um fator                             
importante para pessoa, Diamond não acredita que é o ponto central para o estabelecimento do                             
gênero. 
Diamond aponta que o caso de John/Joan é incomum na literatura (não hermafrodita), mas cita                             
outros artigos de follow­up de casos de pacientes com micropênis, que tiveram a mudança de sexo                               
para o feminino, e que hoje não possuem nenhuma dúvida de seu sexo ser o masculino. E vários                                   
estudos nos quais homens com o pênis anormal sofreram uma mudança de sexo para o feminino e hoje                                   
vivem como homens. 
Diamond ressalta que há casos na literatura de homens que aceitaram a vida como mulheres,                             
quando trocado de sexos quando bebês. Mas os casos relatados não contém detalhes da vida sexual                               
ou pessoal do indivíduo e não há um longo follow up, acompanhando apenas os primeiros anos de vida.                                   
Diamond afirma que os follow­ups de mudança de sexo tem que ir além dos 5 ou 10 anos e                                     
acompanhar a pessoa principalmente na puberdade, quando a pessoa realmente reafirmará o seu                         
gênero. 
 
 
Discussão 
 
O caso de John/Joan é emblemático em dois pontos principais: na ideologia de gênero, criada por                               
Dr. Money, que é ainda hoje defendida por alguns grupos, e no enviesamento científico que um                               
pesquisador pode ter quando se apaixona demais por sua teoria e começa a distorcer os fatos ao seu                                   
favor.  
É preciso ressaltar o cuidado que o pesquisador deve ter com sua teoria e pesquisa, para que não                                   
se apaixone tanto por ela ao ponto de que esta não vire um dogma para si próprio e ao invés de criar                                           
teorias que tentem explicar a realidade ele dobre a realidade para encaixar em sua teoria.  
Money considerou o caso um exemplo de sucesso, e provavelmente realmente o enxergou como                           
um completo sucesso, deixando de ver ou arranjando justificativas para qualquer comportamento de                         
Joan que saía do esperado. A sua teoria e o caso se espalharam rapidamente, não só nos meios                                   
acadêmicos, como também na mídia. Time magazine escreveu “Este caso dramático… dá bastante                         
suporte… que os padrões convencionais de comportamentos masculinos e femininos podem ser                       
alterados. Também impõe dúvidas na teoria de que a maioria das diferenças sexuais, psicológicas e                             
anatômicas, são imutáveis, deterrminadas por genes e concepção.  
O modelo Hopkins se espalhou pelo mundo nos hospitais. Com a crença de que a criança se                                 
adaptaria a qualquer gênero a escolha passou a se guiar pelo orgão que seria mais funcional para                                 
pessoa. Os endocrinologistas manipulavam hormônios para o melhor desenvolvimento sexual do                     
paciente na puberdade. Neste guia pelo orgão mais funcional muitos meninos sofreram mudanças de                           
sexo apenas ter um pênis que os médicos consideraram muito pequeno, com a crença de que eles                                 
teriam um vida mais satisfatória como meninas.  
Após a revisão do caso por Diamond, o caso de John/Joan levou ao início de mais estudos de                                   
follow­up de pacientes que tiveram uma mudança de sexo ainda quando bebês/crianças. A Intersex                           
Society of North America (ISNA) realizou levantamentos com pacientes adultos e percebeu que um                           
grande número dos que tiveram troca de sexo quando bebês estavam insatisfeitos com o sexo ou já                                 
haviam realizado uma mudança de sexo.  
Por mais que Money afirmasse que o desenvovimento do gênero é social, o foco no tratamento se                                 
concentrava na funcionalidade e mudança do orgão sexual, pouco se trabalha o lado social dos papeis.                               
Money insistia em mostrar as diferenças dos orgão sexuais para os gêmeos, acreditando que Joan                             
entenderia que porque tinha tal orgão era uma menina e então teria que agir de uma certa forma.  
Apartir de vários estudos as concepções sobre gênero e manejo destes pacientes começaram a                           
mudar, hoje defende­se que a própria pessoa deve decidir qual gênero irá ter, quando tiver capacidade                               
para tal. A INSA afirma “Não há evidência que crianças que crescem com genitálias hermafroditas                             
estão piores psicologicamente que aquelas que possuem o sexo alterado. Na verdade há evidências de                             
que crianças que crescem com genitálias hermafroditas crescem bem, psicologicamente… as cirurgias                       
acontecem antes da idade de consentimento sem justificativa”. 
Como o próprio John narra “Doutor… disse, vai ser difícil, as pessoas irão pegar no seu pé, você                                   
será bastante solitário, você não irá achar ninguém a não ser que tenha uma cirurgia vaginal e viva como                                     
uma mulher. E eu pensei comigo mesmo… me desapontou o fato de que estas pessoas serão muito                                 
baixas se esta é a única coisa que eles pensam que há para mim…. Se isso é tudo o que elas pensam                                           
de mim, que meu valor é baseado pelo o que eu tenho no meio das minhas pernas I tenho que ser um                                           
completo perdedor”. 
No caso de John/Joan toda família foi afetada drasticamente pelas decisões e ações tomadas.                           
Obviamente o processo pelo qual estava submetido não afetou e desgastou apenas o psicológico de                             
John, mas de seus pais e irmão, tornando­os uma família traumatizada e vítima de depressão. Fora