A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
apol educação de jovens e adultos

Pré-visualização | Página 1 de 2

Atente para o seguinte fragmento de texto:
 “Para Vieira Pinto [...], compete ao educador praticar um método crítico de educação de adultos, dando ao aluno a oportunidade de alcançar a consciência crítica. Neste sentido, não basta formar para o trabalho, o educador tem que se comprometer em trabalhar na intenção de que o educando adulto desenvolva sua consciência crítica”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: SILVA. Cristiane Rodrigues de Viveiros. Álvaro Vieira Pinto e a educação de adultos. Ler e escrever com histórias do cotidiano. FERNANDES, Adriana Aparecida et al. <http://www.unioeste.br/cursos/cascavel/pedagogia/eventos/2007/Simp%C3%B3sio%20Academico%202007/Trabalhos%20Completos/Pratica/PDF/46%20Prat.%20Marijane%20II.pdf>. Acesso em 20 fev. 2017.
De acordo com os conteúdos do livro-base Educação de jovens e adultos, analise as afirmativas que representam a posição de Álvaro Vieira Pinto, autor do livro Sete lições sobre a educação de adultos, sobre a noção crítica de alfabetização:
I. Para o autor, é impossível apresentar ao educando imagens de seu dia a dia, de seu modo de vida a fim de gerar reflexão, ação e crítica.
II. Para o autor, o método crítico visa constituir no educando uma consciência crítica de si e de sua realidade.
III. O método crítico, para o autor, permite que o analfabeto seja visto como sujeito da alfabetização, pois transforma a si mesmo, sendo que a contribuição do educador consiste em possuir uma técnica adequada para proporcionar os elementos da linguagem escrita.
IV. Para o autor, o método crítico visa constituir no educando uma posição de oprimido ou opressor, atuando em uma dessas perspectivas em sua sociedade.
Estão corretas apenas as afirmativas:
	
	A
	III e IV.
	
	B
	I e II.
	
	C
	II e IV.
	
	D
	II e III.
	
	E
	I e IV.
Considere a seguinte informação: 
“O MEB [Movimento de Educação de Base] apresenta à sociedade brasileira um serviço de capacitação de agentes de educação de base que está sendo operacionalizado através da rede de dioceses e paróquias, aproveitando a estrutura montada em torno dos regionais da CNBB [Conferência dos Bispos do Brasil], bem como por eventuais convênios com o governo federal e/ou estaduais, sempre com o objetivo de trabalhar na linha da educação popular [...]. [Sua] concepção e pedagogia privilegiam não apenas o processo e a caminhada de indivíduos analfabetos considerados isoladamente, mas sua inserção e promoção, na busca da autonomia pessoal e de suas comunidades”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: BEISIEGEL, C. de R. MEB: Movimento de Educação de Base. <http://www.meb.org.br/quem-somos/>. Acesso em 16 fev. 2016. 
Tendo em vista o dado fragmento de texto e os conteúdos do livro-base Educação de jovens e adultos sobre os encaminhamentos voltados à Educação de Jovens e Adultos quando da criação do Movimento de Educação de Base (MEB) em março de 1961, analise as afirmativas a seguir:
	(  ) Criado em 1961 e vinculado à Igreja Católica, com apoio do Governo Federal, o MEB 
propunha-se a desenvolver um programa de alfabetização e educação de base a jovens e 
adultos por meio de escolas radiofônicas.
	II. (  ) Nas escolas radiofônicas que trabalhavam tendo em vista a proposta de educação do MEB, 
um monitor voluntário estabelecia as ligações entre conteúdos didáticos e a atividade dos alunos e, 
em seguida, promovia debates sobre os temas focalizados pelo professor-locutor.
	III. (  ) O MEB propunha-se a desenvolver uma educação de base como processo de “conscientização”
 das camadas populares, para a valorização plena do homem e consciência crítica da realidade, 
visando sua transformação. Portanto, temas como sindicalismo e processo de sindicalização rural faziam 
parte das ações educativas do MEB.
	IV. (  ) O MEB, por ser ligado à Igreja Católica, foi constituído para lançar a campanha contra a 
erradicação do analfabetismo dos católicos do Brasil. Assim sendo, as escolas que se propunham a 
desenvolver uma educação voltada aos objetivos do referido movimento tinham como prioridade 
diminuir os índices de analfabetismo dos católicos brasileiros.
Agora, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta:
	
	D
	V – V – V – F
Leia o seguinte fragmento de um artigo:  
“Moacir Gadotti acredita que a criação de um novo termo para designar o que Paulo Freire já obtinha em sua alfabetização é, assim como Emília Ferreiro defende, um ‘retrocesso conceitual’, uma supervalorização do que poderia ser chamada ‘cultura escrita’, desvalorizando a visão de Freire, pois alfabetização passa a ser simplesmente codificação e decodificação, mas, na realidade, em Paulo Freire se ultrapassa esta definição, sua visão é como leitura do mundo que precede a da palavra, visão crítica e que traz transformação”.  
 De acordo com os conteúdos do livro-base Educação de jovens e adultos, analise as afirmativas que representam a quarta característica da concepção de alfabetização defendida por Paulo Freire como sendo um ato de conhecimento:
I. A quarta característica refere-se à alfabetização no sentido de conscientização política.
II. Essa característica não leva em consideração a trajetória de vida e os aspectos econômicos dos educandos.
III. Essa característica refere-se a imposições de um ideal político.
IV. Essa característica relaciona-se aos temas geradores que não são propostos aleatoriamente, pois fazem parte da realidade vivenciada pelos educandos.
Estão corretas apenas as afirmativas:
	
	A
	III e IV.
	
	B
	I e II.
	
	C
	II e IV.
	
	D
	II e III.
	
	E
	I e IV.
Leia o seguinte excerto de texto: 
“Os Encontros Nacionais de Educação de Jovens e Adultos (ENEJAs) mantêm a preocupação com o registro das reflexões produzidas nesses eventos, além de um trabalho cuidadoso de síntese dessas reflexões, sistematizadas em relatório final, em cada encontro. Construídos a muitas mãos, publicá-los é também reconhecer o importante trabalho de cada equipe de relatoria, como guardiã do pensamento contemporâneo da EJA”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: PAIVA, Jane; MACHADO, Maria M.; IRELAND, Timothy. Educação de Jovens e Adultos: Uma memória contemporânea, 1996-2004. Brasília: UNESCO/MEC, 2004. p. 12.
Considerando os conteúdos do livro-base Educação de jovens e adultos, os objetivos principais dos Enejas no Brasil são:
	
	A
	Fiscalizar e advertir as instituições privadas que não ofertam a EJA.
	
	B
	Proporcionar discussões sobre o cenário da educação de jovens e adultos no 
país, suas demandas e desafios
	
	C
	Ampliar e resgatar a oferta de ensino para jovens e adultos no país e no
 exterior..
	
	D
	Questionar e mostrar o alto índice de instituições privadas do país que ofertam a 
EJA.
	
	E
	Apresentar e verificar a quantidade de instituições privadas de ensino da
 educação de jovens e adultos no país.
Leia o excerto de texto a seguir: 
“Historicamente, a Educação de Jovens e Adultos, no cenário brasileiro, nasce da união e compromisso estabelecido entre a alfabetização e a educação popular. Aquela [- a educação de adultos -] [...] destinando-se a grandes contingentes populacionais, ao mesmo tempo em que contribuísse para que estas pessoas voltassem a acreditar na possibilidade de mudança e melhoria de suas vidas [...]. Esta – a educação popular – era concebida como um instrumento de libertação das classes subalternas, exploradas e expulsas da mínima condição de sobrevivência digna e humana [...]. Compreendia-se a educação de adultos inserida na educação popular, no sentido de que o compromisso para com a transformação das condições de opressão e dominação da população constituía-se em bússola para orientar os diferentes trabalhos e práticas de educação de adultos”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: FREITAS, Maria de Fátima Quintal de.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.