A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
39 pág.
Neoplasias resumo

Pré-visualização | Página 1 de 2

NEOPLASIAS: aspectos celulares e relevância para o estudo
Apoio
NEOPLASIA
DEFINIÇÃO:
É uma massa anormal de tecido, cujo crescimento é autônomo, e persiste após interrupção de estímulos e excede os tecidos normais.
Todas as neoplasias dependem do hospedeiro para a nutrição e suprimento vascular;
Neoplasia: novo crescimento (Neo: novo/ plasein: formar). Esse novo crescimento é um neoplasma.
TUMORES BENIGNOS x MALIGNOS: CARACTERISTICAS 
Todos os tumores, benignos e malignos, possuem dois componentes básicos:
1 - Células neoplásicas em proliferação, que constituem o parênquima;
2 - O estroma de apoio, constituído de tecido conjuntivo e vasos sanguíneos.
OBS: estroma – tecido conjuntivo vascularizado contendo ramificações nervosas, que constitui o arcabouço de um órgão ou de um tumor. É o tecido de sustentação.
 Parênquima – tecido funcional de um órgão, em oposição ao tecido de sustentação.
TUMORES BENIGNOS x MALIGNOS: CARACTERISTICAS 
CARACTERÍSTICAS DO TUMORES BENIGNOS
Tumores benignos ou neoplasias benignas
Desenvolvem-se lentamente por expansão; 
Tendem a permanecer localizados;
Seu crescimento pode estacionar, quando se esgota o potencial de proliferação de suas células.
Tem forma compacta;
Possuem cápsula fibrosa;
As células são bem diferenciadas, assemelhando-se a células normais;
Não são invasivos.
Tumores benignos
Em geral, os tumores benignos são designados pelo sufixo – oma acrescentado ao nome da célula de origem.
Ex:	células fibroblásticas – fibroma
 	cartilagem – condroma
osteoblastos - osteoma.
Tumores malignos ou neoplasias malignas
 Os tumores malignos que surgem no tecido mesenquimatoso são geralmente denominados sarcomas (do grego sar = carnoso). Possuem pouco estroma de tecido conjuntivo e, portanto, são carnosos (por ex: fibrossarcoma (tecido fibroso), lipossarcoma (céls adiposas)). 
OBS: Mesenquimatoso – forma jovem de tecido conjuntivo, com células estreladas, que dá origem aos vários tecidos conjuntivos (os ossos e cartilagens inclusive) e aos elementos do sangue.
CARACTERÍSTICAS DAS NEOPLASIAS MALIGNAS
As neoplasias malignas que se originam de células epiteliais, são denominadas carcinomas.
Ex: adenocarcinoma – câncer de padrão glandular.
São infiltrativos ou invasivos (metástase);
Não tem cápsula;
Pouco diferenciados (indiferenciados); núcleos muito volumosos;
Ritmo de crescimento rápido;
Aproximadamente 80% de todos os cânceres originam-se em apenas 10 locais anatômicos: pulmões, mama, cólon e reto, próstata, útero, pâncreas, sangue e estômago;
CARACTERÍSTICAS DAS NEOPLASIAS
1 - Diferenciação e Anaplasia
 
Diferenciação (tumor Diferenciado):
As células se assemelham às células normais maduras do tecido de origem da neoplasia.
Tumores benignos em geral são bem diferenciados.
Anaplasia (tumor indiferenciado):
Semelhança muito pequena ou inexistente. É a ausência de diferenciação.
CARACTERÍSTICAS DAS NEOPLASIAS
Tumores malignos variam desde células bem diferenciadas a células indiferenciadas. 
É considerada uma característica básica da transformação maligna. Esta se caracteriza por diversas alterações morfológicas e funcionais. Tanto as células quanto os núcleos exibem pleomorfismo, isto é, uma variação de tamanho e forma.
OBS: Uma neoplasia pouco diferenciada tende a ser mais agressiva do que uma neoplasia bem diferenciada.
CARACTERÍSTICAS DAS NEOPLASIAS
2 - Velocidade de Crescimento
Tumores benignos: geralmente crescem lentamente no decorrer de um período de anos.
Tumores malignos: geralmente crescem rapidamente, algumas vezes num ritmo errático, disseminando-se finalmente e matando seus hospedeiros.
.
CARACTERÍSTICAS DAS NEOPLASIAS
3 – Invasão Local
	Quase todos os tumores benignos crescem como massa compacta em expansão, que permanecem localizados em seu sítio de origem, porém sem a capacidade de infiltração, invasão ou metástases para locais distantes, como fazem os tumores malignos. 
Em virtude de seu crescimento e expansão lentos, eles geralmente, formam uma cápsula fibrosa ao seu redor que os separa do tecido do hospedeiro.
CARACTERÍSTICAS DAS NEOPLASIAS
3 – Invasão Local
Esse encapsulamento tende a conter a neoplasia benigna como massa isolada, facilmente palpável e passível de cirurgia para retirada.
Os cânceres crescem por infiltração progressiva, invasão e destruição do tecido circundante.
	Os tumores malignos são invasivos e isso dificulta a sua retirada cirúrgica e, mesmo quando o tumor parece ser bem circunscrito, é necessário remover uma considerável margem de tecido aparentemente normal ao redor da neoplasia infiltrativa.
CARACTERÍSTICAS DAS NEOPLASIAS
4 - Metástases
São implantes tumorais sem continuidade com o tumor primário, ou seja, em outros tecidos. É característica primordial de um tumor maligno;
A invasão dos cânceres permitem a sua penetração nos vasos sanguíneos, linfáticos e cavidades corporal, proporcionando-lhes a oportunidade de disseminação.
VIAS DE DISSEMINAÇÃO
1 – Implantação nas Cavidades Corporais e Superfície:
Quando a neoplasia penetra nas cavidades naturais. Ex: cavidade peritoneal, pleural, pericárdio, devido à ocorrência de uma semeadura de células neoplásicas.
2 - Disseminação Linfática:
Constitui a via mais comum para a disseminação inicial, favorecida pela delicada estrutura da parede dos capilares linfáticos. Tendo alcançado o linfonodo iniciam a sua multiplicação.
Via mais comum de disseminação dos carcinomas.
3 - Disseminação Hematogênica:
As artérias com suas paredes mais espessas são menos facilmente penetradas do que as veias.
Via mais comum de disseminação dos sarcomas.
ONCOGÊNESE
Oncogenes são genes cujos produtos estão associados à transformação neoplásica;
Os genes celulares normais podem tornar-se oncogênicos por alterações que transformem o seu comportamento no hospedeiro natural.
Oncogêneses
FIGURA A Células normais danificadas de modo irreversível são eliminadas através de um mecanismo conhecido como apoptose.
FIGURA B Células cancerígenas evita a apoptose e continuam a multiplicar-se de maneira desregulada.
Biologia do Crescimento Tumoral
 A história natural da maioria dos tumores malignos pode ser dividida em quatro fases: 
1. Alteração maligna na célula-alvo, denominada transformação;
2. Crescimento das células transformadas;
3. Invasão local;
4. Metástases distantes.
Fatores de formação de massa tumoral
A formação de uma massa tumoral sofre a influência de três fatores:
1. Cinética do crescimento das células tumorais;
2. Angiogênese tumoral;
3. Progressão do tumor.
1. Cinética do crescimento das células tumorais:
A célula transformada original, precisa sofrer pelo menos 30 duplicações populacionais para produzir 109 células (1 bilhão), pesando aproximadamente 1g, que constitui a menor massa clinicamente detectável.
Fatores de formação de massa tumoral
Na época em que um tumor sólido torna-se clinicamente detectável, ele já completou a maior parte do seu ciclo vital, constituindo um obstáculo para o tratamento.
2. Angiogênese tumoral:
 
É o fator mais importante que modifica a velocidade de crescimento dos tumores.
Os tumores não podem ultrapassar 1 a 2 mm de diâmetro ou de espessura a não ser que sejam vascularizados. A hipóxia induz apoptose.
Fatores de formação de massa tumoral
A neovascularização possui um efeito duplo sobre o crescimento dos tumores:
A perfusão fornece os nutrientes e oxigênio;
As células endoteliais recém-formadas estimulam o crescimento de células tumorais ao secretar citocinas.
A angiogênese constitui um pré-requisito não apenas para o crescimento contínuo do tumor, mas também para a formação de metástases. 
Fatores de formação de massa tumoral
3 - Progressão dos tumores
Depois de certo período de tempo muitos tumores tornam-se mais agressivos e adquirem maior potencial maligno. Em alguns casos, existe uma progressão ordenada de lesões pré-neoplásicas.
Esse fenômeno é conhecido com progressão tumoral. 
EPIDEMIOLOGIA
 Fatores que predispõem