A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
NBR 12131   MB 3472   Estacas   Prova De Carga Estatica

Pré-visualização | Página 1 de 3

ABNT - Associagiio 
Brasileira de 
Normas Tknicas 
Sede: 
RIO de Jan~?m 
Av. Treze de Maio. 13 28* andar 
CEP 2000:1-900 - Caixa Postal 1660 
Rio de Jamiro - RJ 
Tel.: PABX (21) 210-3122 
Fax: (21) 220-l 762/220-6436 
Endereqo f!letrBnico: 
ww.abnt.rxg.br 
Copyright 0 1992, 
ABNT-As:.ocfa@o Brasilera 
de Norma:. T&was 
Prlnted m 13razlV 
lmptesso no Bras11 
Todos os tlireltos resewados 
1 ABR’gg* ( NBR 12131 
Estacas - Prova de carga esthtica 
M&odo de ensaio 
Origem: Projeto 02:004.11-001/1990 
ABNT/CB-02 - ComitQ Brasileiro de Constrqgo Civil 
CE-02:004.11 - Comissao de Estudo de Execu@o de Prova de Estacas 
NBR 12131 - Pile load test - Method of test 
Esta Norma cancela e substitui a NBR 6121/l 986 
Reimpressso da MB-3472, de NOV 1991 
Palavras-chave: Estaca. Prova de carga I 4 pgginas 
1 Objetivo 
1.1 Esta Norma prescreve o mktodo de prova de carga em estakak, qu$ visa fornecer elementos para avaliar seu compor- 
tamsnto carga x deslocamento e estimar suas caracteristicas de’capacidade de carga. 
1.2 A prova de carga consiste, basicamente, em aplicar esforgos esttiticos crescentes g estaca e registrar OS desloca- 
merltos correspondentes. OS esforqos aplicados podem ser axiais de trapgo ou compresslo, ou transversais. 
! 
1.3 Esta Norma se aplica a todos OS tipos de estacas, vetticais ou inclinadas, independente do process0 de execu@o e de 
instala@o no terreno, inclusive a tubulbes, que a elas se assemelham. 
I 
2 Aparelhagem 
2.1 Dispositivo de aplicaG8o de carga 
2.1.1 0 dispositivo de aplica@o de carga 6 constituido por urn ou mais macacos hidrdulicos alimentados por bombas el6- 
tricas ou manuais, atuando contra urn sistema de rea@o estlvel. 
2.1.:2 0 conjunto deve ser projetado, montado e utilizado de forma que a carga aplicada atue na dire@0 desejada, sem 
procluzir choques ou vibra@es. Quando for utilizado mais de urn macaco hidrhulico, deve ser feita uma programa@o de 
carregamento de modo a garantir a dire@0 e o ponto de aplica@o da carga. 
2.1.:3 0 macaco ou macacos utilizados devem ter capacidade ao menos 10% maior que o mPximo carregamento do en- 
saio e curso de Qmbolo compativel corn OS deslocamentos mbimos esberados entre o topo da estaca e o sistema de rea- 
550. I 
2.1.4 0 sistema de rea$lo para provas de carga & compresslo pode ser: 
$3) plataforma carregada (cargueira), desde que: 
- a plataforma seja sustentada por cavaletes ou “fogueira$“, projetadas de forma a garantir condi@es adequadas de 
seguranqa; 
- a plataforma seja carregada corn material cuja massa total perpita superar a carga mdxima prevista para a prova 
em a0 menos 15%; 
- a seguranGa do sistema seja veriifcada durante toda a realiza@o da prova de carga; 
b) estruturas fixadas ao terreno atrav6s de elementos tracionados, projetados 8 executados em nicmero suficiente para 
que o conjunto permaneqa estavel sob as cargas maximas do ensaio. Estes elementos tracionados podem ser: 
- conjunto de estacas definitivas ou executadas apenas para atender B realiza@o do ensaio, projetadas corn capa- 
cidade de carga 8. tra@o ao menos 1,5 vez maior que a maxima carga prevista para a prova. Por seguranqa, 0 
comportamento das estacas de reapio deve ser verificado durante todo o desenrolar da prova; 
NBR 12131/1992 
- conjunto de tirantes ancorados no terreno, previamente ensaiados corn pelo menos 1,2 vez a maxima carga prevista 
para cada tirante; 
c) a propria estrutura, devidamente verificada. 
2.1.5 Nas provas de carga corn carregamentos transversais ou axiais a trapHo, a reaplo pode ser obtida no terreno, nas es- 
truturas existentes ou em outras estacas. 0 sistema deve ser projetado de modo a garantir coeficiente de seguranca mi- 
nimo de 15. 
2.1.6 Psra provas de carga corn esforcos simukkeos, em estacas inclinadas e em obras dentro d’agua, exige-se a apre- 
sentacao de projeto especifico e memorial justificativo. 
2.1.7 Entre o sistema de reacao e a estaca ensaiada, quando esta tiver se@0 transversal circular, deve haver uma dis- 
tancia livre minima de tres vezes o diametro da maior se@o transversal da estaca ou ao menos 15 m. Esta distdncia livre e 
medida do eixo da estaca ao ponto mais proximo do eixo do bulbo dos tirantes ou estacas tracionadas ou, no case de 
reacao contra a estrutura ou cargueiras, do eixo da estaca ate.0 ponto mais pr6ximo do apoio do sistema de reacgo. Para o 
case de estacas de secao transversal nHo circular, a distdncia livre minima deve ser 2,5 vezes a menor dimen&io da maior 
secao transversal, medida de qualquer ponto do menor poligono que circunscreve esta secao ate o ponto mais proximo do 
eixo do bulbo dos tirantes ou estacas da reacao, ou ainda, do ponto mais proximo do apoio do sistema de reacao, nos 
cases em que este seja a estrutura ou cargueiras. 
2.1.8 A distdncia minima especificada em 2.1.7 deve ser majorada nos seguintes cases: 
a) quando o process0 executive do sistema de reapSi e a natureza do terreno puderem influenciar o comportamento da 
estaca a ser ensaiada; 
b) quando as estacas tiverem comprimentos superiores a 20 m e nSio houver garantia da sua axialidade. 
2.2 Dispositivos de medidas 
2.2.1 Na prova de carga sao obrigatoriamente realizadas medidas das cargas aplicadas, dos deslocamentos axiais (ensaio 
corn carregamento axial) ou transversais (ensaios corn carregamento transversal) do topo da estaca e do tempo da 
realizac?io de cada medida. Eventualmente, podem ser medidos OS deslocamentos e deformaooes ao longo da estaca 
ensaiada, visando conhecer a transferencia de carga. 
2.2.2 As cargas aplicadas no topo da estaca sao medidas corn manometro instalado no sistema de alimentacao do macaco 
hidraulico ou por uma celula de carga. 0 manbmetro a ser utilizado deve ter uma leitura maxima que nao ultrapasse 25% a 
maxima prevista na prova de carga. 0 uso da celula nas provas de carga permitira uma major precisao dos resultados. 
2.2.3 0 conjunto macaco hidraulico-bomba-manometro deve estar calibrado 8 ter certificado de calibraoao atualizado anual- 
mente. 
2.2.4 OS deslocamentos verticais do topo da estaca SPO medidos simultaneamente atraves de quatro extensbmetros me- 
canicos nstalados em dois eixos ot-togonais. OS extensametros devem permitir leituras diretas de 0,Ol mm. 
2.2.5 No case de carregamentos transversais, OS deslocamentos slo medidos por dois ou mais extensametros dispostos no 
plano onogonal ao eixo da estaca, simetricamente posicionados em relqlo ao plano vertical que contem a carga e na dire- 
cao desta. OS extensbmetros devem permitir leituras diretas de 0,Ol mm. 
2.2.6 Por seguranca, em ensaios corn carregamento axial, OS movimentos laterais da estaca devem ser continuamente 
acompanhados para identificar a introdu@o de esfor9os adicionais. 
2.2.7 OS extensometros ficam apoiados ou fixados em vigas de referencia coim as seguintes caracteristicas: 
a) rigidez compativel corn a sensibilidade das medidas; 
b) independencia de eventuais movimentos do terreno. Para tanto, sao simplesmente apoiadas em ambas as extremi- 
dades, em pecas fixadas ao solo distantes, quando as estacas forem de segao transversal circular, cinco dibmetros 
da rnaior secao transversal ou I,5 m, no minimo, do eixo da estaca ensaiada, ao eixo dos tirantes ou estacas 
tracionadas ou do ponto mais proximo do apoio do sistema de rea@o. Para as estacas de secao transversal nao 
cirwlar, a distancia deve ser 4,5 vezes a menor dimensao da maior segao transversal da estaca ou 1,5 m, ao 
menos, medidos de qualquer ponto das faces do menor polfgono que circunscreve a se@o; 
c) OS efeitos externos, tais coma o vento e a temperatura sobre a viga de referencia, devem ser considerados quando OS 
deslocamentos por eles provocados forem significativos. 
2.2.8 Nos cases em que houver dtividas quanto a imobilidade do sistema ‘de referbncia, deve haver controle atraves de 
instrume’ito otico de precisao