A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Atividade 04

Pré-visualização | Página 1 de 2

CURSO:	PEDAGOGIA 
DISCIPLINA	: LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO I
PROFESSORA Ma.: NOHAD MOUHANNA FERNANDES
ACADÊMICO(a): Ana Cristina Pondé Neves RGM: 053.15679
POLO:	 Guiratinga - MT 
		 
			
ATIVIDADES OBRIGATÓRIAS DAS AULAS 3 e 4 
(Valor: 2,5 )
AULA 3 - MODALIDADES DE USO: LÍNGUA ORAL E LÍNGUA ESCRITA.
AULA 4- A IMPORTÂNCIA DA COERÊNCIA E DA COESÃO PARA A LEITURA E A PRODUÇÃO DE TEXTOS.
“A palavra é uma arma que pode ser bem ou mal usada: a culpa do crime nunca é da faca.”
( Eduardo Galeano)
OBS.: individual 
Os exercícios a seguir são referentes às aulas 3 e 4. Você deverá enviar este arquivo com as atividades respondidas pelo Portfólio da aula 4. 
ATENÇÃO!
 É de extrema importância que você:
 - estude as aulas antes e durante a resolução dos exercícios;
- leia com bastante atenção os enunciados das questões para que responda de forma adequada ao solicitado;
- escreva de forma coerente e coesa e de acordo com a norma culta da língua portuguesa;
- confira suas respostas antes de enviar o arquivo, pois não será possível refazer a atividade;
- observe o prazo estipulado para o envio, pois não serão aceitas atividades fora do prazo;
- não use meios fraudulentos para resolver as atividades individuais. Atividades com respostas iguais às do colega ou com plágio (cópias tiradas da internet) receberão nota ZERO.
1) Você aprendeu que a Língua Portuguesa do Brasil apresenta variabilidade nos fenômenos gramaticais, de sotaques e de léxico, pois cada falante usa a língua de uma determinada forma, segundo o seu nível de instrução, idade, sexo, região, cultura, profissão e situação em que ocorre a comunicação. 
Observe o texto humorístico a seguir no qual contém uma inadequação no nível da linguagem de José Carlos em decorrência do interlocutor, já que contém expressões de gírias e estruturas próprias da oralidade. 
José Carlos é um rapaz simpático e sociável e adora viajar. Em uma de suas viagens ao interior, um inesperado acidente com a sua moto obrigou-o a ficar no mato. Por sorte, um fazendeiro socorreu-o, dando-lhe abrigo. Com o auxílio do fazendeiro, ele pôde retornar a sua casa sem maiores problemas. Em casa, o moço, felicíssimo pela ajuda que recebera, resolveu agradecer ao fazendeiro, por meio da seguinte carta:
	Sampa, 10-08-2005.
Paz e amor, bicho!
Você me amarrou na sua de cara legal, muito barra limpa. Achei jóia a sua quando sacou que eu estava na pior, com a minha máquina detonada naquele breu, no maior
baixo astral. O envenenamento da minha máquina às vezes me deixa baratinado e você
ligou bacana, levando-me para o seu habitat.
No dia seguinte, com a colher de chá que você me deu com o seu carango, consegui emplacar no asfalto e batalhar uma carona até conquistar a metrópole.
Como o nosso papo foi manero, espero você vir moitar uns dias aqui comigo em minha
lona legal. Poderemos curtir fino papo com a turma e descolar umas minas geniais. Você vai se amarrar na onda do rap e curtir um som the best. Fique na minha, mano, você vai gamar.
Do chapa, Zeca.
Agora, leia a resposta de Bertolino, o fazendeiro.
	Descalvado, 15 de agosto de 2005.
Senhor José Carlos,
Estou escrevendo-lhe para dizer que fiquei muito aborrecido com sua carta.
Começou me chamando de bicho, quando, na verdade, fui seu amigo sem o conhecer direito. Depois, demonstrou ser um ladrão sem-vergonha, ao revelar ter levado uma jóia daqui de casa, depois de ter sido acolhido como se fosse meu parente. Quanto ao envenenamento de sua máquina, vou verificar se foi algum funcionário meu. Caso tenha sido, vou mandá-lo embora imediatamente. Moço, até colher de chá o senhor levou daqui de casa? Pode ficar com ela de lembrança. Mas procure um tratamento urgente!
Com relação aos papos curtidos, não vou poder atendê-los. Aqui não tem curtume e não vou sacrificar minhas aves para lhe dar o papo. Esse negócio de minas não serve para mim. Nunca tive gosto nem tempo para ser garimpeiro. Também, não sou marinheiro, não entendo de ondas. E não sou louco como o senhor, portanto, não pretendo me amarrar em lugar nenhum.
Eu sempre fui muito respeitado na minha cidade. Nunca ninguém me chamou de bicho nem pelo nome de outros animais. Esta foi a primeira vez em que fui roubado dentro da minha própria casa. E, o que é pior: por um convidado meu.
Não apareça mais aqui, porque o senhor será muito MAL RECEBIDO.
Bertolino.
(Autor desconhecido.)
Responda: sob o ponto de vista da linguagem formal e da modalidade escrita em norma culta, a qual atende à padronização ortográfica e gramatical, como seria transcrita a carta de José Carlos? Reescreva-a. (0,85)
Caro Senhor!
O Senhor me acolheu com muita gentileza, percebendo que minha motocicleta havia quebrado, em plena noite, quando estava muito nervoso por este fato. Fiquei muito grato por me levar até sua casa e me deixar pernoitar.
No dia seguinte me conduziu em seu automóvel até a estrada mais próxima quando pude, através de favor de outros, chegar até a cidade.
Como tivemos um diálogo muito bom e nos demos muito bem em nossas conversas, convido-o a passar uns dias em minha casa e retomarmos nossas conversas agradáveis. Apresentarei o Senhor ao meu círculo de amigos e poderemos, até mesmo, conhecer algumas mulheres simpáticas. O senhor irá gostar do ritmo Rap e poderá desfrutar desse ritmo ouvindo as melhores músicas que já ouviu. Venha e fique comigo, tenho certeza que irá apreciar a minha companhia.
De seu amigo José Carlos.
2) As orações de cada item a seguir encontram-se desconectadas, sem o conector que explicita a relação entre elas. Reescreva-as, unindo-as em um único período*, usando o conector apropriado. (0,6)
*Período é a frase constituída de uma ou mais orações, formando um todo, com sentido completo. Encerra-se com um ponto final. 
Leu o livro.
 É capaz de descrever as personagens com detalhes.
Leu o livro, portanto é capaz de descrever as personagens com detalhes.
A festa estava muito interessante. Fabíola saiu cedo. Tinha outros afazeres.
A festa estava muito interessante , porém Fabíola saiu cedo, pois tinha outros afazeres.
3) Empregue adequadamente os verbos entre parênteses atendendo ao contexto.(0,45)
a) Será necessário que refáçamos esse documento hoje? E se nós o refizermos amanhã, haverá problemas? Afinal, quer queiramos, ou não, o documento terá de ser refeito. (refazer) 
c) É possível que, no futuro, surjam novidades interessantes, que instruam e divirtam ao mesmo tempo. (surgir – instruir - divertir )
4) Dê continuidade à ideia apresentada a seguir, observando a relação de sentido do elemento coesivo destacado. Somente um período deve ser redigido: (0,6)
Nossos alunos lêem pouco, portanto...
Nossos alunos lêem pouco, portanto possuem um vocabulário muito pobre.
BOM TRABALHO!!!
............................................................................................................................................Obs.: Somente as atividades acima devem ser enviadas. 
 Pratique um pouco mais a teoria estudada.
As atividades abaixo não são objetos de avaliação (não envie respostas). 
1) Acesse o site http://exercicios.brasilescola.uol.com.br/exercicios-gramatica/exercicios-sobre-paronimos-homonimos.htm e resolva os cinco exercícios sobre parônimos e homônimos. Observe as respostas somente depois de resolver os exercícios.
2) Acesse o site http://www.gramaticaparaconcursos.com/2013/06/ortografia-exercicios.html e resolva os dez exercícios sobre ortografia. Observe as respostas somente depois de resolver os exercícios.
3) Retire todos os sinais de pontuação de um texto qualquer, escrevendo as palavras que iniciam as frases com letras minúsculas. Peça a um colega para pontuar o texto e, em seguida, compare-o com o texto original. Discuta com seu colega as regras para o uso dos sinais de pontuação.
Veja o vídeo:
YOU TUBE Pontuação. Disponível