A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
61 pág.
LIVRO   FLEXIBILIDADE E ALONGAMENTO 61.pdf

Pré-visualização | Página 1 de 2

Universidade Estadual do Oeste do Paraná 
Curso de Graduação de Fisioterapia 
 
Flexibilidade e Alongamento 
 Flexibilidade 
 
 É a habilidade de mover uma articulação ou 
 articulações através de uma ADM livre de dor 
 e sem restrições. 
 
 Depende da extensibilidade 
 dos músculos. 
 
 
FLEXIBILIDADE 
 “É a qualidade física responsável pela 
execução voluntária de um movimento de: 
 amplitude angular máxima 
 por articulação ou conjunto de articulações 
 dentro dos limites morfológicos 
 sem risco de provocar lesão.” 
 (DANTAS) 
FLEXIBILIDADE 
 Ativa – é a máxima amplitude que se pode 
obter através de movimentos efetuados 
pelos músculos de forma voluntária. 
 
 Passiva – é a máxima amplitude articular 
que se consegue em um movimento através 
de uma ação de uma segunda pessoa, 
aparelhos, força da gravidade, etc. 
 
FATORES QUE INFLUENCIAM A 
FLEXIBILIDADE 
 Idade 
 Sexo 
 Individualidade Biológica 
 Tonicidade Muscular 
 Hora do dia 
 Temperatura ambiente 
CAUSAS DE ENCURTAMENTO 
MUSCULAR 
 Imobilização prolongada 
 Mobilidade restrita 
 Doenças de tecido conectivo ou 
neuromusculares 
 Processos patológicos devido a traumas 
 Deformidades ósseas congênitas e 
adquiridas 
TIPOS DE ENCURTAMENTO 
MUSCULAR 
 CONTRATURA: encurtamento de estruturas 
contráteis e não contráteis. 
 RETRAÇÃO/ESPASMO: contratura transitória leve. 
 CONTRATURA IRREVERSÍVEL: perda 
permanente da extensibilidade , substituição por tecido 
fibrótico ou osso. 
 ESPASTICIDADE : hipertonicidade devido a lesões 
no SNC. 
 ADESÕES OU ADERÊNCIAS: diminuição da 
mobilidade devido ao desarranjo das fibras de colágeno 
e o aumento das ligações cruzadas no músculo. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ADERÊNCIA 
ESPASMO 
CONTRATURA 
 
 
 
 Aderências entre as fibras de colágeno 
 causadas por ausência de movimento e 
 aumento nas ligações cruzadas 
 
 
 
 
 
 
 
Adesões 
 
 
 
 
Adesões cicatriciais: causada por cicatrizes, 
 resposta à lesão, resposta inflamatória. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Adesões 
 
 Perda permanente da extensibilidade dos 
 tecidos moles que é substituído por tecido 
 ósseo ou fibroso. 
 
 
 
 
 
Contratura irreversível 
Causada por alteração do tônus muscular 
 
 
 
 
ESPASTICIDADE 
 
 
 
Músculos, tecido conectivo (tendões e 
 ligamentos) e pele 
 
Características mecânicas e neurofisiológicas 
 dos tecidos contráteis e não contráteis 
 afetam o alongamento 
 
 
 
Propriedades dos tecidos moles 
 
 
 
I. Alongamento: se de curta duração tende a 
 retornar ao seu estado inicial 
 – elasticidade 
 
II. Imobilidade:↓de proteínas e mitocôndrias 
 – atrofia e fraqueza 
 
III. Imobilidade na posição alongada: nº de 
 sarcômeros 
 – forma plástica do músculo 
 
 
Respostas mecânicas da unidade contrátil 
IV. Imobilidade na posição encurtada:↓nºde 
 sarcômeros e de tecido conectivo. 
 
 A adaptação dos sarcômeros às posições 
 alongadas é transitória se for permitido 
 ao músculo voltar ao comprimento após 
 imobilização. 
 
 
PLASTICIDADE: novo comprimento 
muscular, após ter sido eliminada a 
força do alongamento. 
Alterações 
plásticas 
Alterações 
elásticas Alongamento 
Curva sobrecarga - distensão 
DISTENSÃO - DEFORMAÇÃO 
C 
A 
R 
G 
A AMPLITUDE 
 ELÁSTICA 
AMPLITU
DE 
PLÁSTICA 
FALHA 
REGIÃO 
DA 
PONTA 
LIMITE ELÁSTICO 
 
 
 
• Depende da proporção de colágeno e 
 elastina e estrutura das fibras 
 
• Podem alterar o colágeno: 
 – Imobilidade 
 – Inatividade 
 – Idade 
 – Corticoesteróides 
 
 
Comportamento mecânico do tecido 
não contrátil 
PROPRIEDADES 
NEUROFISIOLÓGICAS DO 
TECIDO CONTRÁTIL 
INERVAÇÃO MUSCULAR 
 Neurônios Motores alfa: responsáveis pela 
excitação da unidade motora 
 Neurônios Motores gama: responsáveis 
pela inervação das fibras intrafusais 
 
FUSO NEUROMUSCULAR 
(FNM) 
 Órgão sensitivo presente na massa muscular 
 Composto por fibras intra e extrafusais em 
paralelo 
 Função: Monitorar a velocidade e duração do 
alongamento e detectar as alterações no 
comprimento do músculo 
REFLEXO DE ESTIRAMENTO 
(MIOTÁTICO ) 
 Sempre que o músculo for estirado 
rapidamente haverá excitação dos fusos 
causando contração reflexa para evitar a lesão 
 O Fuso Muscular envia estímulos à medula 
pela fibra aferente IA 
 Excita a fibra alfa 
 Provoca a contração da musculatura agonista 
e relaxamento da antagonista 
Contração reflexa no 
mesmo músculo que 
originou a informação 
REFLEXO DE 
ESTIRAMENTO 
 Exemplo 1: lançamento de um livro sobre 
as mãos de alguém com os cotovelos 
fletidos à 90º 
 Ocorrerá um estiramento (estímulo) da 
musculatura flexora e imediata contração 
para sustentar o livro, assim como o 
relaxamento dos extensores do cotovelo 
REFLEXO DE ESTIRAMENTO 
(MIOTÁTICO ) 
 Exemplo 2: reflexo patelar 
REFLEXO DE ESTIRAMENTO 
(MIOTÁTICO ) 
ÓRGÃO TENDINOSO DE 
GOLGI (OTG) 
 Órgão sensitivo localizado nos tendões 
 Função: informar sobre a tensão causada pelo 
alongamento e contração muscular 
 Mecanismo de proteção que inibe a contração 
 Limiar baixo para contração 
 Limiar alto para alongamento 
ÓRGÃO TENDINOSO DE 
GOLGI (OTG) 
REFLEXO MIOTÁTICO INVERSO 
(ESTIRAMENTO INVERSO) 
 
 Variação na tensão do tendão 
 OTG estímulos à medula pelas fibras 
aferentes IB 
 Excita as fibras alfa 
 Relaxamento da musculatura agonista e a 
contração da antagonista 
REFLEXO 
MIOTÁTICO 
INVERSO 
Redução da 
contração do 
agonista 
 O exemplo pode ser o mesmo do reflexo de 
estiramento, mas ao invés de lançar um 
livro usa-se um peso de, por exemplo, 100 
Kg 
 O resultado será o relaxamento da 
musculatura flexora e a contração da 
extensora do cotovelo, pois a tensão gerada 
será muito alta e a musculatura não 
suportaria esta carga 
 
REFLEXO MIOTÁTICO INVERSO 
(ESTIRAMENTO INVERSO) 
ALONGAMENTO 
 Manobra terapêutica elaborada para aumentar 
 o comprimento de estruturas de tecidos moles 
 patologicamente encurtadas e deste modo 
 aumentar a ADM. 
 
 
Alongamento 
ALONGAMENTO 
 "Forma de trabalho que visa à manutenção 
dos níveis de flexibilidade e a realização 
dos movimentos de amplitude normal com 
o mínimo de restrição física possível” 
 
 
 
(DANTAS) 
 
 
 
 
 
 
Alongamento além da ADM normal da articulação 
 e tecidos moles vizinhos, resultando em 
 hipermobilidade 
 – Ex.: esportes 
 – Cuidado: 
pode levar a 
fraqueza por 
alongamento, 
e rompimento dos 
tecidos 
 
 
Hiperalongamento 
 FRAQUEZA POR RETRAÇÃO : 
O músculo retraído não é capaz de produzir um 
pico de tensão. 
 FRAQUEZA POR ALONGAMENTO : 
O músculo hiperalongado não é capaz de manter a 
estabilidade normal de uma articulação. 
Alongado 
Encurtado 
TIPOS DE ALONGAMENTO 
TIPOS DE ALONGAMENTO 
 Alongamento passivo 
 Alongamento ativo 
 Alongamento balístico 
 Inibição ativa 
 
ALONGAMENTO PASSIVO 
 É feito com ajuda de forças