OSTEOPOROSE E RAQUITISMO
15 pág.

OSTEOPOROSE E RAQUITISMO


DisciplinaSaúde do Idoso1.699 materiais8.564 seguidores
Pré-visualização3 páginas
e aos sintomas que ele apresentar. Exercícios de 
alongamento, de fortalecimento muscular, além de outros como Pilates, 
caminhada ou hidroginástica devem ser realizados sempre com a supervisão do 
fisioterapeuta e, uma vez realizado com a devida cautela, podem contribuir, 
significativamente, para retardar a perda da massa óssea que ocorre com a 
inatividade e melhorar a força e o equilíbrio do paciente com osteoporose. 
 
 
 
6 
CONCLUSÃO 
 
 
Analisamos com este trabalho, que a Osteoporose é uma doença 
degenerativa dos ossos que diminui bastante a qualidade de vida do doente. 
A população-alvo desta doença é da maioria idosa e feminina, sendo as principais 
\u201cvítimas\u201d as mulheres na menopausa. A Osteoporose é uma doença que não tem 
cura mas pode ser facilmente prevenida e controlada, através de exercícios físicos 
adequados, uma alimentação rica em cálcio e vitamina D e medicamentos 
próprios. 
Este trabalho ajudou-nos também a perceber que a prática de exercício 
físico contribui, não só para a prevenção da doença, mas também no seu controle, 
sendo os exercícios com carga os ideais para estimular a remodelação óssea. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
7 
RAQUITISMO FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU 
 
 
 
 
 
SUMÁRIO 
 
 
 
1. Introdução................................................................................ 9 
2. O que é Raquitismo? (Fatores de risco).................................10 
3. Tipos de Raquitismo (Sintomas)........................................11/12 
4.Tratamento.............................................................................13 
5. Conclusão................................................................................14 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FORTALEZA 
2018 
INTRODUÇÃO 
 
 
É comum associarmos o termo raquítico com uma pessoa pequena e de 
aparência fragilizada. Mas você sabe exatamente de onde vem essa expressão? O 
nome raquitismo vem de uma antiga palavra inglesa chamada \u201cwrickken\u201d, que 
literalmente significa torcer ou dobrar \u2013 esse termo faz referência a aparência 
curvada, uma das principais características de crianças que têm raquitismo. Nesse 
trabalho apontamos algumas noções importantes referentes à doença. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
9 
O QUE É RAQUITISMO? 
 
 
 É uma enfermidade que surge após um processo de mutação experimentado 
pelos ossos infantis, ainda em desenvolvimento, decorrente da ação incorreta de 
substâncias minerais no campo ósseo. Esta modificação deixa os ossos das 
crianças mais frouxos e, portanto, frágeis, o que pode causar lesões e 
deformações. 
 
 
FATORES DE RISCO 
 
Cor da pele: a pele escura produz menos vitamina D já que não reage 
tão facilmente à luz do sol quanto a pele mais clara \u2013 requerem 5 a 10 vezes o 
comprimento da exposição solar para atingir os mesmos níveis daquelas com 
pigmentação mais leve; 
Dieta: a falta de ingestão de alimentos como peixes, ovos e leite \u2013 todos 
fontes de vitamina D \u2013 favorece a doença; 
Idade: crianças com idade entre 6 e 36 meses passam por um rápido 
crescimento e necessitam de maior quantidade de cálcio e fosfato para fortalecer 
os ossos; 
Amamentação exclusiva: o leite materno não contém quantidade 
suficiente de vitamina D para evitar o raquitismo; 
Localização geográfica: morar em regiões onde há menor incidência 
solar pode diminuir os níveis de vitamina D no organismo; 
Genes: casos de raquitismo hipofosfatêmico na família favorecem o 
surgimento desse tipo da doença; 
Nascimento prematuro: nascer antes do momento esperado aumenta 
as chances do bebê desenvolver o raquitismo; 
 
 
 
 
 
 
 
10 
TIPOS DE RAQUITISMO 
 
 
O raquitismo pode ser dividido em dois tipos: hipocalcêmico ou 
hipofosfatêmico. Apesar de apresentarem causas diferentes, em ambos os casos há 
hipofosfatemia \u2013 redução de fosfato no sangue. 
Hipocalcêmico 
O raquitismo hipocalcêmico é caracterizado pela deficiência de vitamina D 
ou resistência à sua ação. Pode ser subdividido em: 
Raquitismo nutricional 
Nessas situações, a falta do hormônio costuma ser provocado pela 
exposição solar inadequada ou ingestão insuficiente de vitamina D, cálcio ou 
fósforo. 
Raquitismo dependente de vitamina D tipo I 
Também chamado de raquitismo pseudo-deficiente em vitamina D, é um 
distúrbio autossômico recessivo que se manifesta com a síndrome de deficiência 
de vitamina D logo no primeiro ano de vida. 
Raquitismo dependente de vitamina D tipo II 
Considerado uma doença rara autossômica recessiva, geralmente é 
provocado por mutações no gene receptor de vitamina D, o VDR. Nesses casos, a 
alopecia (queda de cabelo) costuma ser um dos primeiros sintomas. 
Hipofosfatêmico 
Costuma ser causado por perda renal de fosfato e está diretamente 
relacionada ao fator genético. Pode ser subdividido em: 
Raquitismo hipofosfatêmico familiar 
Também chamado de raquitismo ligado ao cromossomo X, é o tipo mais 
comum de raquitismo hipofosfatêmico, na qual a absorção de fósforo é 
prejudicada e os níveis de calcitriol (forma ativa da vitamina D) são anormais. 
11 
Raquitismo hipofosfatêmico hereditário com 
hipercalciúria 
Distúrbio autossômico com perda renal de fosfato e concentrações elevadas 
de calcitriol (forma ativa da vitamina D). Nesse subtipo da doença, existem 
defeitos nos canais de reabsorção de fósforo, além da presença de hipercalciúria \u2013 
excesso de eliminação de cálcio na urina. 
Raquitismo e Osteomalácia 
Assim como o raquitismo, a osteomalácia também é um tipo de 
doença caracterizada pelo defeito da mineralização óssea, provocando 
ossos frágeis e quebradiços. Apesar das condições geralmente estarem 
associadas, enquanto a osteomalácia atinge os adultos, o raquitismo se 
manifesta na infância, mais especificamente durante a fase de 
crescimento. 
Quando se fala em sintomas, a osteomalácia não costuma 
apresentar sinais claros. O adulto pode sentir dores ósseas difusas na 
região lombar, pelve e extremidades inferiores, além de fraqueza 
muscular. Já as deformidades esqueléticas, comuns no raquitismo, são 
raras e ocorrem somente em quadros de longa duração. 
 
 
SINTOMAS DO RAQUITISMO 
\uf0b7 Atraso no desenvolvimento e crescimento da criança; 
\uf0b7 Ossos fracos com maiores chances de fratura; 
\uf0b7 Problemas nos dentes; 
\uf0b7 Dores músculo-esqueléticas; 
\uf0b7 Cansaço fácil; 
\uf0b7 Crescimento atrofiado e baixa estatura; 
\uf0b7 Irritabilidade; 
\uf0b7 Hiperatividade; 
\uf0b7 Fraqueza muscular; 
 
12 
TRATAMENTO 
 
 
O diagnóstico de raquitismo pode ser feito por um clínico geral, ortopedista, 
pediatra ou endocrinologista pediátrico. O tratamento pode envolver a adição de 
vitamina D ou cálcio na dieta, medicamentos ou, eventualmente, cirurgia. 
 
Medicamentos: 
Vitamina 
Ajuda a promover as funções, o crescimento e o desenvolvimento normais 
do corpo. 
Suplemento alimentar 
Atua isoladamente ou juntamente a outros tratamentos para melhorar a 
saúde. 
 
Cirurgia: 
 
Uma intervenção cirúrgica só será necessária em casos de deformidades 
esqueléticas mais severas, provocadas pelo crescimento danificado do osso e/ou 
fraturas. Antes disso, porém, é necessário corrigir os desequilíbrios metabólicos e 
nutricionais, a fim de que haja uma cicatrização adequada. Nesses casos, as 
cirurgias indicadas incluem a osteotomia e epifisiodese.