5 periodo
14 pág.

5 periodo


Disciplina5 Periodo7 materiais45 seguidores
Pré-visualização2 páginas
\ufffdPAGE \ufffd
SUMÁRIO
31	INTRODUÇÃO	\ufffd
42	DESENVOLVIMENTO	\ufffd
42.1	ANÁLISE DO BALANÇO PATRIMONIAL DA EMPRESA \u201cEDIFICA\u201d	\ufffd
42.2	CONTABILIDADE APLICADA NA ADMINISTRAÇÃO	\ufffd
82.3	PLANEJAMENTO TRIBUTARIO	\ufffd
92.4	MATEMATICA FINANCEIRA	\ufffd
112.4.1	Juros simples	\ufffd
112.4.1.1	Juros compostos	\ufffd
123	CONCLUSÃO	\ufffd
13REFERÊNCIAS	\ufffd
\ufffd\ufffd
INTRODUÇÃO
No presente trabalho serão abordados alguns temas muito relevantes para que uma organização obtenha sucesso e bons rendimentos. Já que sem conhecimento não se vai muito longe e é essencial para um bom administrador entender o papel da contabilidade na gestão de uma empresa assim como ter a compreensão do que um bom planejamento tributário pode fazer para a saúde financeira de uma organização. Ter entendimento sobre juros simples, juros compostos, equivalência de capitais e como funcionam os sistemas de amortização também é fundamental.
Como objetivo conhecer os fundamentos de um sistema tributário para o contexto empresarial, desenvolvendo o senso crítico em relação à importância do controle patrimonial bem como sobre a geração de informações úteis para apoiar o processo de decisão no contexto das organizações. Incentivar a análise da situação econômica e financeira das organizações por meio das técnicas de análise dos demonstrativos financeiros, em especial, a análise vertical.
.
DESENVOLVIMENTO
ANÁLISE DO BALANÇO PATRIMONIAL DA EMPRESA \u201cEDIFICA\u201d
Na busca de maior competitividade, é essencial um sistema de gerenciamento de desempenho constante que possa identificar, recolher, analisar, armazenar e distribuir informações de modo a agregar valor ao negócio. Com o intuito de buscar melhores resultados e de uma gestão eficaz, as empresas têm a seu favor o balanço patrimonial, que tem por finalidade demonstrar a situação financeira e patrimonial da s mesma s em determinado período e que é composto por três elementos básicos: Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido.
Considerando os aspectos apresentados de cada área bem como seu papel no contexto das organizações e baseados nos balanços apresentados da EDIFICA na (SGA), os dados apresentado, representam uma estabilidade econômico-financeiro.
CONTABILIDADE APLICADA NA ADMINISTRAÇÃO
Por que a EDIFICA está obrigada a publicar seus demonstrativos?
Como a empresa EDIFICA. Trata-se de uma empresa de sociedade ela tem que publicar seus demonstrativos financeiros. Base Legal: Item 7 da NPC 27 do IBRACON e; Item 13 da ITG 2000 - R1 (Checado pela Tax Contabilidade em 13/04/17).
As Demonstrações Financeiras são o conjunto de informações que devem ser elaboradas pelas empresas e demais entidades com objetivo de prestar contas e/ou informar aos sócios ou acionistas, governo e demais usuários da informação contábil as reais condições de seu patrimônio. Tais informações, juntamente com outras constantes das Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras, auxiliam os usuários a estimar os resultados futuros e os fluxos financeiros futuros da entidade.
A diferença entre o que está apresentado no Balanço Patrimonial e o que a Demonstração do Resultado apresenta em termos de contas e tipos de informações. Explica:
A diferença fundamental entre a DRE e o BP, se circunscreve em que o Balanço Patrimonial tem natureza patrimonial e financeira, vale dizer, expressa os bens, direitos e obrigações e por conseqüência o PL das entidades.
Do ponto de vista Patrimonial, a estrutura material e financeira das entidades está expressa no BP.
Já à DRE é uma peça contábil estritamente econômica, ou seja, tem a função de apurar o resultado das entidades, haja vista que é composta das seguintes rubricas:
a)- Receitas no sentido amplo que inclui: 
- Receitas Operacionais
- Receita não operacional
- Receitas financeiras
b)- Custos para as empresas industriais, comerciais e de serviços;
c)- Despesas operacionais e não operacionais.
Portanto, à DRE tem função precípua de apurar o lucro liquido ou prejuízo líquido do exercício e remetê-los para conta no Patrimônio Líquido, já que às contas da DRE são zeradas no final de cada exercício, tendo em vista o confronto obrigatório das receitas/custos/despesas para apuração do resultado final.
Assim, no início de cada exercício às contas da DRE iniciam-se com saldo zero, por qual motivo: em face do encerramento, e as contas Ativas e Passivas do Balanço Patrimonial trazem consigo, sempre o saldo final do exercício anterior que será o saldo inicial no novo exercício. Em termos de análise: no Balanço Patrimonial evidenciam-se os índices de liquidez, retorno, rentabilidade, e na DRE, tem-se fundamentalmente o retrato da condição econômica da entidade, ou seja, se teve lucro, qual o lucro, qual o custo em relação à receita, montante das despesas operacionais em relação à receita bruta, nível de impostos sobre o faturamento.
Análise Vertical e Horizontal com base no Balanço Patrimonial e Demonstração de Resultado do Exercício da EDIFICA de acordo com (SGA).
Analise Vertical: 
Podemos perceber no Balanço Patrimonial, que no ativo tivemos uma pequena queda gradativa em quase todas as contas da empresa, exceto no Ativo Circulante, no Ativo Realizável, Ativo á longo Prazo, Ativo Permanente e investimentos, que teve um pequeno aumento, em relação ao anos de 2011 á 2013. O que podemos entender é que nesse período a empresa investiu mais do que teve lucros. Continuando a analise no passivo confirmamos que a empresa fez investimento de curto e longo prazo.
Na demonstração do resultado do exercício diminuiu a Receita de vendas, aumentou em 2012 e diminuiu em 2013 as Despesas operacionais e despesas administrativas, teve aumento de investimento por parte dos sócios no decorre dos anos. 
Então seu ATIVO NÃO CIRCULANTE tem a maior representação no seu Ativo Total, confirmando que a empresa esta com as contas Ativo Realizável a Longo Prazo, Investimentos, Imobilizado e Intangível positivo.
Analise Horizontal:
O ativo total teve um aumento de 9,7 % em 2012 e diminuiu 17,8% em 2013. No Ativo circulante tivemos um baixa na variação da conta em 2011 á 2013; No Ativo não circulante houve aumento de 22,35% em 2012 e diminuiu 18,07% em 2013; tivemos uma variação positivas pelo que podemos analisar nas conatas: Imobilizado, Investimentos e Ativo Permanente Total. O passivo circulante teve variação negativa entre 2011 á 2013. Houve variações negativas também nas contas: Empréstimos e Financiamentos, PATRIMÔNIO LÍQUIDO e Reservas de Lucros. Tendo também diminuição positivas nas conata: Tributos Diferidos.
Podemos concluir que a empresa teve pontos positivos e negativos mais está com as contas positiva tendo que correr atrás de vendas e negócios á curto prazo.
PLANEJAMENTO TRIBUTARIO
 Em 2011 que referenciou o planejamento tributário. A empresa desejou abrir uma filial na região sul para que pudesse aumentar seu Market-share e, com isso se solidificar no mercado. Na fase de planejamento desta nova filial, o setor contábil e financeiro da Mendes Jr. começou a realizar estudos para que pudesse maximizar todos os resultados financeiros e, assim garantir a eficiência econômica e financeira desta nova unidade. Logo, uma das preocupações centrais foi realizar um planejamento tributário que viesse a gerar uma queda na carga tributária que incide sobre as operações da organização.
É muito importante começar o novo exercício financeiro planejando sua atividade como um todo, incluindo, essencialmente o Planejamento Tributário.
 Diante da situação econômica e financeira da empresa e da sua estratégia para aumentar seu Market share com a implantação de uma filial na região sul é preciso analisar de forma operacional e estratégica os aspectos tributários desta nova unidade empresarial.