A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
222 pág.
Preparação Física Geral

Pré-visualização | Página 36 de 39

com mais poder ofensivo que Maicon –, 
abre espaço para que os laterais atuem como alas e cheguem mais ao ataque.
A seleção alemã, por sua vez, conta com a qualidade para trabalhar as jogadas 
como principal trunfo. Os alemães têm o melhor aproveitamento de passes 
no torneio, com 82% de acertos, em um total de 2938 – mais que o dobro 
da média da competição, que é de 1458. Nesse fundamento, a peça mais 
eficiente da Alemanha é Toni Kroos. O meio-campista é o segundo jogador 
com mais assistências nesta Copa (três em 10 gols de sua seleção), atrás 
somente de Cuadrado, da Colômbia, que somou quatro ao longo do torneio.
Cotado como possível substituto de Neymar, Willian deve ser umas das 
principais alternativas entre os suplentes de Felipão. Embora pouco testado 
nesta Copa, há grande expectativa sobre o rendimento do meio-campista do 
Chelsea desde o início da competição. Caso o treinador opte por sua entrada, 
o time pode abrir mão da formação com três volantes e voltar ao esquema das 
partidas anteriores, com trio ofensivo.
Maior artilheiro das Copas – ao lado de Ronaldo, com 15 gols –, Klose teve 
chance entre os titulares no último jogo, mas o mau rendimento o colocou de 
volta entre os reservas. Apesar disso, o atacante deve ser nome certo em 
campo durante a partida, caso a Alemanha precise do gol. Além do poder de 
finalização, existe o incentivo extra de que um tento nesta terça-feira coloca 
Klose definitivamente acima de Ronaldo na artilharia da história dos Mundiais, 
justamente contra o Brasil.
O mexicano Marco Rodriguez Moreno, auxiliado pelos compatriotas Marvin 
Torrentera e Marcos Quintero, será o árbitro da partida. O juiz fará a sua terceira 
participação nesta Copa do Mundo. Antes disso, Moreno já havia apitado duas 
partidas na fase de grupos: Bélgica e Argélia, e Itália e Uruguai – esta última, 
marcada negativamente por não ter visto a mordida de Suárez em Chiellini. Ao 
todo, o mexicano aplicou seis cartões amarelos e uma expulsão no torneio. 
––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––
208 © PREPARAÇÃO FÍSICA GERAL
UNIDADE 4 – PrEPArAção TécNIco-TáTIcA E PsIcológIcA
Preparação Psicológica
 
Figura 17 Preparação Psicológica
Atualmente a preparação psicológica dos esportistas tor-
nou-se um ponto precípuo da preparação física, diversos auto-
res, entre eles aqueles que estão embasando nossos estudos 
Weineck (1999) e Platonov (2008) evidenciam a grande impor-
tância desta preparação principalmente no alto nível, onde a so-
brecarga das competições, o estresse físico dos treinamentos, as 
repentinas e longínquas viagens se não forem controlados psico-
logicamente poderão abreviar o desempenho e até a carreira de 
atletas.
O sucesso no desporto depende de forma significativa, das 
particularidades psicológicas individuais, e consequentemente 
uma modalidade desportiva apresenta aos atletas exigências 
que ajudam a formar a qualidade individual necessária para o 
êxito nas competições (PLATONOV, 2008, p. 382).
No esporte de alto nível o esportista é muitas vezes sobrecarre-
gado pela grande sobrecarga psicofísica; neste caso, o processo 
de treinamento deve ser otimizado por medidas que favoreçam 
a recuperação após a sobrecarga esportiva. Neste contexto, 
a contemplação do treinamento tradicional com métodos de 
apoio psicológico tem se demonstrado muito eficiente (WEINE-
CK, 1999 p. 587).
209© PREPARAÇÃO FÍSICA GERAL
UNIDADE 4 – PrEPArAção TécNIco-TáTIcA E PsIcológIcA
Segundo o autor supracitado os métodos de treinamento 
psicológico podem ser classificados basicamente de acordo com 
seus objetivos em três grupos:
1) Os métodos psicológicos para a melhoria da recupera-
ção e aumento do desempenho físico.
2) Métodos psicológicos para a melhoria do processo de 
aprendizagem da técnica.
3) Métodos psicológicos para recuperação de distúrbios 
físicos que influenciem no desempenho do esportista.
Existem pesquisas, segundo Platonov (2008) que afirmam 
sobre as particularidades da personalidade de desportistas, prin-
cipalmente no esporte de rendimento (alto nível) que se desta-
cam quando comparados a atletas menos qualificados ou pes-
soas que não praticam atividades físicas ou não fazem nenhum 
exercício e tampouco estão envolvidos com altos treinamentos 
que os esportistas qualificados que possuem maior destaque 
apresentam:
1) Sentimento de superioridade e confiança de maneira 
geral.
2) Autossuficiência e determinação para defender seus di-
reitos em quaisquer situações e a qualquer momento.
3) Obstinação.
4) Persistência.
5) Equilíbrio emocional.
6) Grande clareza de objetivos. 
7) Extroversão.
8) Agressividade competitiva.
210 © PREPARAÇÃO FÍSICA GERAL
UNIDADE 4 – PrEPArAção TécNIco-TáTIcA E PsIcológIcA
Os atletas de alto nível possuem uma atividade cognitiva 
mais eficaz do que aqueles que não se enquadram na elite das 
modalidades esportivas, assim, como um nível de atenção mais 
aguçado, possuindo maior capacidade de perceber e avaliar si-
tuações e grande perspicácia em prever inquietações e dificul-
dades, antevendo situações, por outro lado, devido a acentua-
da capacidade de perceber as ações dos adversários, devido ao 
sentimento de superioridade anteriormente citado, a latente 
posição e sentimento de autossuficiência e pela obstinação mar-
cante pode levar estes atletas a comportamentos antissociais 
(VEALEY, 1992 apud PLATONOV, 2008).
Assim como nas outras formas de treinamento, as caracte-
rísticas individuais estão relacionadas a particularidades da mo-
dalidade esportiva, podemos notar nos jogos que as característi-
cas pessoais de maior significância na determinação da eficácia 
da segurança da atividade competitiva, segundo KLESOV, 1993 
apud PLATONOV, 2008) são:
• Na esfera da motivação e volição: motivação competiti-
va, autocontrole volitivo e firmeza.
• Na esfera emocional: equilíbrio estabilidade e segurança.
• Na esfera comunicativa: posição pessoal elevada nos 
ambientes esportivos, profissionais e nas relações 
informais.
Podemos notar a importância da preparação psicológica 
nas diversas vertentes da preparação física, na preparação dos 
atletas (a) durante a concentração de atletas (b), no controle 
emocional das partidas (b) ou mesmo na assimilação de uma 
derrota (c)
 
211© PREPARAÇÃO FÍSICA GERAL
UNIDADE 4 – PrEPArAção TécNIco-TáTIcA E PsIcológIcA
 
Figura 18 Diego Hipólito 
 
Figura 19 Gabriel Medina, em sua concentração antes de entrar no mar e se consagrar 
campeão 
212 © PREPARAÇÃO FÍSICA GERAL
UNIDADE 4 – PrEPArAção TécNIco-TáTIcA E PsIcológIcA
 
Figura 20 Expulsão do atleta brasileiro Neymar no final do Jogo entre Brasil e Colômbia 
pela Copa América (17/06/15) 
Figura 21 Atletas brasileiros após derrota por 7 x 1 para Alemanha na Copa do Mundo 
do Brasil 2014
213© PREPARAÇÃO FÍSICA GERAL
UNIDADE 4 – PrEPArAção TécNIco-TáTIcA E PsIcológIcA
A preparação psicológica na formação de atletas ––––––––
Os anos 90 decretaram uma nova postura nas equipes de diversas modalida-
des esportivas através do surgimento dos clubes-empresa. Em decorrência 
desse tipo de patrocínio, tornou-se possível viabilizar uma nova filosofia or-
ganizacional, onde um dos itens mais importantes deveriam ser o reconheci-
mento da necessidade de um psicólogo atuante e presente para garantir um 
rendimento positivo e estável das equipe .
A preparação psicológica dos atletas é uma das temáticas mais discuti-
das no mundo dos esportes, sendo objeto de estudos no campo do conhe-
cimento das ciências humanas e sociais. O nível de preparação psicoló-
gica se manifesta mediante a eficiência dos métodos de procedimentos 
e na eficácia das múltiplas técnicas empregadas em relação aos atletas. 
A mídia ressalta frases comuns ouvidas por comentaristas esportivos e trei-
nadores de diversas modalidades: “Temos que mexer com o

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.