A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
A IMPORTANCIA DO COOPERATIVISMO PARA O CRESCIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Estudo de Caso da Associacao dos Beneficiadores da Lagoa do Carmo em Campos Sales CE

Pré-visualização | Página 1 de 4

A IMPORTÂNCIA DO COOPERATIVISMO PARA O CRESCIMENTO DA 
AGRICULTURA FAMILIAR: Estudo de Caso da Associação dos Beneficiadores da Lagoa 
do Carmo em Campos Sales -CE 
Antonia Suyane Santana Alencar 
Graduando em Administração –Universidade Estadual do Piauí- suyanyallencar@gmail.com 
Fernando José de Morais 
Graduando em Administração –Faculdade do Vale do Jaguaribe - morais10099@hotmail.com 
Genival Santos Sobrinho 
Graduado em Administração –Universidade Estadual do Piauí- genivalsantos@nassau.com.br 
 
RESUMO 
Este trabalho destaca algumas práticas, e desafios enfrentados por agricultores familiares 
pertencentes à associação dos beneficiadores da Lagoa do Carmo - ABELC, em direção à 
busca pelo fortalecimento da atividade produtiva. Principalmente no que se refere ao destino 
final de sua produção e a questão dos preços ofertados para a mesma. Desta forma o presente 
trabalho tem como objetivo informar a importância do cooperativismo e sua influência para o 
crescimento da agricultura familiar, de forma sustentável e econômica, enfatizando seus 
benefícios para a sociedade e para o meio ambiente. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, e 
para a realização da coleta de dados utilizaram-se questionários, onde os dados encontrados 
foram transformados em gráficos e tabelas. Através do resultado, a pesquisa aponta que o 
maior índice de renda familiar é a agricultura, onde os mesmo ressaltam a busca de inovação 
para agregar valor à produção, para que obtenham mais aceitação e participar do mercado, 
como também após os incentivos através do cooperativismo ganharam maiores vantagens 
competitivas. Onde buscam incentivos de instituições financeiras, prefeitura e organizações de 
apoio do Governo federal. 
Palavras-chave: Cooperativismo, Agricultura Familiar, ABELC. 
 
 
ABSTRACT 
 
This paper highlights some practices, and challenges faced by farmers belonging to the 
Association of Carmelite Lagoon improvers - ABELC toward the search for the strengthening 
 
 
of the productive activity. Especially as regards the final destination of its production and the 
question of prices offered for the same. Thus, the present study aims to inform the importance 
of the cooperative movement and its influence on the growth of family farming in a 
sustainable and economically, emphasizing its benefits for society and the environment. A 
qualitative research was conducted, and the achievement of data collection were used in 
questionnaires, where the results were transformed into graphs and charts. Through profit or 
loss, the research shows that family income index is agriculture, where even highlight the 
search for innovation to add value to production, so you get more acceptance and participate 
in the market, but also after the incentives through the cooperative They gained greater 
competitive advantages. Where seek incentives from financial institutions, municipal 
government and support from the federal government organizations. 
 
Keywords: Cooperatives, Family Agriculture,ABELC. 
 
1 INTRODUÇÃO 
 
 
Em pleno século XXI, a agricultura é ainda desvalorizada, principalmente no que se 
refere à questão de preços de produtos e destino final da produção. Deste segmento destaca-se 
a agricultura familiar, que vem se destacando por conta da forma de produção sustentável e 
volátil para o meio ambiente e benéfica para as famílias. 
A agricultura Familiar é caracterizada por famílias que trabalham com a finalidade de 
obter sustento, e transforma um cenário que, ainda é visto por muitos como critico, em viável 
e desenvolvido para a sociedade, tornando esta uma atividade promissora e em destaque para 
o país. Visto que o setor primário é quem faz girar grande parte do globo. 
Seguindo essa visão o cooperativismo é peça chave para o crescimento agricultura 
familiar. Através da união de forças entre pessoas com o mesmo objetivo, o cenário rural 
agrícola tomou outros rumos, buscando formas e estratégias viáveis para o aperfeiçoamento 
de manejos e novas técnicas em maquinários e de plantio, com a finalidade de parcerias com 
organizações privadas ou estatais para aquisição de suas produções. Onde os membros 
participam diretamente na gestão, capital e trabalho das cooperativas. 
Este trabalho foca o cooperativismo no ramo da agricultura familiar. Possui como 
principal objetivo informar a importância do cooperativismo e sua influência para o 
 
 
crescimento da agricultura familiar, de forma sustentável e econômica, destacando seus 
benefícios para associação dos beneficiadores da Lagoa do Carmo (ABELC). 
A ABELC é formada por oito pequenas agricultoras rurais, que buscam melhorias na 
forma de produção e organização na agregação de valor dos mesmos, através do 
cooperativismo, para se manterem no mercado competitivo. 
O presente trabalho foi desenvolvido mediante estudos e levantamentos através de 
estudo de caso. Os dados encontrados foram organizados de forma a resumir e simplificar o 
entendimento acerca do assunto, onde ressalta-se a otimização do estudo através de pesquisa 
realizada. 
Desta forma o presente trabalho esta dividido da seguinte forma: além da introdução, a 
primeira seção desencadeia o referencial teórico, onde contempla o contexto histórico da 
agricultura e do cooperativismo, a parte seguinte ressalta a importância do cooperativismo 
para agricultura familiar, posteriormente aborda a metodologia utilizada, em seguida mostra 
os resultados da pesquisa e por fim são realizadas as conclusões. 
 
2. REFERENCIAL TEÓRICO 
 
2.1 CONTEXTO HISTÓRICO DA AGRICULTURA FAMILIAR E COOPERATIVISMO 
 
Para Tamdjian e Mendes (2005): a palavra Agricultura, de origem latina, significa 
“cultivo dos campos”. A atividade agrícola parece ter surgido há cerca de 10.000 anos, na 
Mesopotâmia, com o cultivo de grãos e a criação de ovelhas. 
A agricultura permitiu e ainda permite a existência de agrupamentos de pessoas com 
maior densidade populacional, onde a mesma é considerada como um passo fundamental para o 
desenvolvimento humano. Permitindo a fixação de pessoas para cuidar das terras, possibilitando 
mais tempo dedicado a atividades, com a finalidade de produzir alimentos, fabricação de novas 
tecnologias, aquisição e acumulação de bens e de capital. 
A agricultura familiar no Brasil foi marcada pelas origens coloniais da economia, 
destacando algumas características, como: Grandes propriedades, monocultura de exportação e a 
escravatura. 
Bialoskorski Neto (2006) fala que o cooperativismo e as formas de cooperação são 
antigos na história da humanidade. Há registros sobre a cooperação e a associação solidária desde 
a Pré-História da civilização, em tribos indígenas ou em antigas civilizações como os Babilônicos. 
 
 
As pessoas quando se unem, conseguem produzir muito mais do que de forma 
individual. O Conjunto sempre tem força, e conseguem objetivos eficazes. Onde desde primórdios 
através da agricultura já incentivava no processo de desenvolvimento da sociedade. 
Conforme Rios (2007) O Surgimento do Cooperativismo liga-se ao desenvolvimento 
do capitalismo industrial na Europa do século XVIII, como expressão de um movimento operário, 
reagindo às condições de extrema exploração então existentes. 
A Primeira Cooperativa foi criada em 1844, no sul da Inglaterra, a mesma era 
constituída por 28 tecelões desempregados, que idealizaram a proposta de uma sociedade 
equitativa, a qual foi denominada de sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdalle, onde a mesma 
é considerada um marco inicial para o cooperativismo moderno. 
Já a primeira cooperativa agropecuária foi fundada em Hjedding, na Dinamarca, em 
1882, onde o foco era a fabricação e à venda de manteiga aos consumidores