Estética e História da Arte Contemporânea - Resumo
8 pág.

Estética e História da Arte Contemporânea - Resumo


DisciplinaEstética e História da Arte Contemporânea985 materiais20.766 seguidores
Pré-visualização4 páginas
A reflexão filosófica sobre a arte nasceu na 
Grécia, no século VI a.C. No século V a.C. 
Sócrates foi o primeiro a indagar a 
respeito do que seria uma pintura. 
Livro República \u2013 Platão: Platão 
problematizou em seu livro A república, a 
existência e a finalidade das artes, ligando-
as ao problema mais geral da realidade e do 
conhecimento, do sentido da beleza e da 
vida psicológica e moral. 
Aristóteles \u2013 Poética: desenvolveu em seu 
livro Poética ideias relativas à origem da 
poesia e à conceituação dos gêneros 
poéticos, representando uma primeira teoria 
da arte. 
 
A doutrina de Platão condensou a 
experiência do Belo, alcançada pela cultura 
antiga: O princípio da imitação, para definir 
a natureza da arte, o estético para 
estabelecer as condições necessárias de 
sua existência e o moral para julgar seu 
valor. Princípios da Beleza Clássica: 
1. Equilibrio 
2. Respeito às proporções 
3. Harmonia 
4. Simetria 
 
Para Platão: 
Ideia = conhecimento verdadeiro 
Imagem (obra de arte) = não devia 
pretender alcançar uma categoria mais 
elevada do que a da \u201cimagem\u201d por se opor 
ao conceito de \u201cideia\u201d. 
 
Linha do Tempo Histórica 
Idade Média: Com a queda do Império 
Romano e com a dispersão do pensamento, 
não se discutiu a questão estética. O belo 
era considerado pertencente a Deus e não 
era considerado nas discussões sobre as 
artes, que tinham por função transmitir a 
doutrina cristã para os que não sabiam ler. 
 
Renascimento: Surgiu com o fim da \u201cIdade 
Média\u201d conjuntamente à filosofia 
denominada Humanismo. Nesse período, o 
belo retorna à esfera das artes por meio do 
conceito de natureza. Passa a ser tarefa do 
artista, identificar e destacar da natureza os 
belos aspectos da criação divina. 
 
Conceito de Estética: O conceito de 
estética surge como uma disciplina filosófica 
com A. G. Baumgarten, no século XVIII, 
conceituada como ciência do belo e da arte, 
mas vai ganhar importância com a 
contribuição de Kant. 
 
Evolução da Estética 
Estética Kantiana: A reflexão sobre a 
beleza assume a forma de uma descrição 
da consciência estética, da impressão 
produzida pela obra. O entendimento 
estético passa a ser considerado ligado à 
imaginação e contrasta agora o belo com o 
sublime. A ideia do sublime funda uma 
estética nova, que supera a definição 
clássica do belo. A obra de arte em vez de 
imitar a natureza, passa a tornar visível 
um mundo desconhecido. 
 
Pensamento Pós-Kantiano: Categorização 
da estética como uma ciência, substituindo 
a palavra \u201cbelo\u201d por \u201cestético\u201d, passando a 
incluir todas as categorias pelas quais os 
artistas e pensadores haviam refletido, 
assim como o trágico, o sublime, o gracioso, 
o risível e o humorístico, reservando para a 
denominação de belo aquele modelo 
clássico definido pela harmonia e pelo 
senso de proporção. 
 
Idealismo Hegeliano: O conceito de 
estética passou a considerar o belo da arte 
como sendo superior ao belo da natureza, 
nascido duas vezes do espírito. E, como 
consequência, a arte passou a ser 
percebida como uma forma de 
manifestação do pensamento visual. 
 
Pop Art: Representou um tratamento de 
choque que indicou a onipotência da atitude 
"criadora pura". O vulgar, o medíocre e o 
cotidiano são retratados. Ex. Andy Wahrol. 
 
 
 
Antiguidade 
A Grécia produziu os conceitos de história, 
filosofia, arte e tentou explicar o conceito da 
vida, por meio dos mitos e do destino. No 
campo da arte surgiu o teatro e há um 
notável desenvolvimento técnico da 
arquitetura, da pintura - segundo os textos - 
e da escultura. 
Cultura Greco-romana: Após Roma ter 
invadido a Grécia, os romanos adotaram 
seus hábitos e costumes criando a cultura 
Greco-romana. A Roma Imperial \u201cimportou\u201d 
os artistas gregos e desenvolveu a arte dos 
retratos. Se na Grécia os deuses recebiam 
a forma de homens ideais, em Roma os 
homens eram idealizados para se tornarem 
deuses na figura dos governantes. 
 
Idade Média 
Arte Cristã Primitiva - a arte dos povos 
romanos convertidos ao cristianismo, junto 
com o Imperador Constantino. 
 
O estilo gótico: Esse estilo desenvolveu-se 
pelos séculos seguintes e culminou na 
construção de igrejas altíssimas como a de 
Notre Dame, em Paris. É cheia de 
arcobotantes e contrafortes, que 
caracterizam a arquitetura desse período. 
 
O Renascimento - ou Renascença - é 
marcado por uma corrente de pensamento 
chamada de Humanismo, que traz uma 
valorização do ser humano e da natureza, 
em oposição ao sobrenatural cultuado na 
Idade Média. 
 
Idade Média \u2013 Economia: artesanal, agrária 
e urbana. \u2013 Arte: formas góticas 
Idade Moderna \u2013 Economia: manufatureira 
mercantilista e nacional. \u2013 Arte: formas 
renascentistas. 
 
No século XVII inicia-se o período 
conhecido como Barroco. Ocorreram então 
grandes mudanças na estrutura do 
pensamento ocidental com a revolução 
científica. O mais influente filósofo foi René 
Descartes. Com esse espírito os 
pensadores passaram a aceitar apenas 
aquilo que podia ser experimentado ou 
compreendido racionalmente. Há então uma 
mudança da concepção aristotélica - 
defendida pela Igreja - de um mundo 
ordenado, limitado e imóvel, para a de um 
mundo em constante movimento. 
Arte Barroca: É caracterizada por 
suntuosidades, exageros ornamentais, 
efeitos de claro/escuro, de movimento, de 
contrastes e de cores. A origem da palavra 
barroco é irregular, contorcido e grotesco. 
 
A arte barroca no Brasil: A arte populariza-
se por meio das Igrejas, principalmente em 
Minas Gerais, com destaque para Antonio 
Francisco Lisboa, o \u201cAleijadinho\u201d. Em 
oposição ao estilo oficial que seria trazido 
pela Corte, o Barroco brasileiro apresenta 
traços de arte ingênua, destacando-se a 
liberdade de representação. Com a 
despreocupação das relações de 
proporções corretas das obras 
neoclássicas, criam-se trabalhos de forte 
apelo emocional e de grande expressão. 
 
Período Rococó \u2013 A predileção por cores e 
decorações delicadas que sucederam ao 
gosto mais robusto do período barroco e se 
expressou em alegre frivolidade. 
 
A Arte Neoclássica - O Neoclássico foi o 
estilo oficial do Absolutismo, mas novas 
condições surgiram durante o seu 
predomínio: 
\uf0a7 Durante a Revolução Industrial: 
Destruiu a tradição do artesanato e 
progressivamente vai 
transformando a vida, 
principalmente nas grandes 
cidades. 
\uf0a7 Na Revolução Francesa: A França 
vivia o Absolutismo, mas a 
burguesia já era fundamental para a 
economia. Filósofos como 
Rousseau e Voltaire pediam 
liberdade e respeito à vontade do 
povo. 
\uf0a7 Na Independência Americana: 
Serviu como modelo para as 
independências das colônias da 
Europa e para o fim da escravidão. 
 
O Iluminismo - A era da razão: 
desenvolve-se na França, há uma inerente 
ideia de progresso, e foi um movimento 
intelectual do século XVIII, com base nas 
ideias de progresso, liberdade e valorização 
do homem. As ciências desenvolviam-se 
dando continuidade ao racionalismo 
proposto por Descartes. 
 
O Romantismo - Foi uma reação contra a 
Idade da Razão; os artistas confiavam no 
instinto, opondo-se ao racionalismo. 
Perseguiam a paixão e cultuavam a 
natureza e a imaginação. 
 
\uf0a7 Theodore Géricault: pintava 
corpos em luta e realidades 
contemporâneas suas, mas sua 
ênfase na emoção o leva a ser 
considerado um dos precursores do 
movimento. 
\uf0a7 Eugène Delacroix: tornou-se o 
líder do movimento romântico 
depois da morte de Géricault. 
Caracteriza-se por cores 
voluptuosas, curvas exuberantes, 
tons intensos, contrastes vívidos, 
formas turbulentas e amplas 
pinceladas. 
 
O impressionismo \u2013 Paris, entre 1860 e 
1870. A primeira apresentação ao público 
incluiu artistas \u201cindependentes\u201d em 1874, no 
estúdio do fotógrafo Nadar. 
 
Conceitos estéticos do impressionismo: 
Necessidade