A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
105 pág.
APOSTILA MIDIA

Pré-visualização | Página 18 de 22

anúncio é 
consumido várias vezes sempre no espaço e no tempo que o receptor está mais 
acessível ao consumo virtual daquele produto, construindo marcas, gerando 
share, ganhando simpatia do público consumidor, possível consumidor e formador 
de opinião, além de se tornar assunto em festas, mesas de bar e roda de amigos. 
 
De forma mais geral, o marketing viral se utiliza as vezes para descrever algumas 
classes de campanhas de marketing baseadas na internet, incluindo o uso de web 
logs*, de sites aparentemente amadores, e de outras formas de comunicação 
virtual para criar o rumor de um novo produto ou serviço. O termo "publicidade 
viral" se refere a idéia que as pessoas passarão e compartilharão conteúdos 
divertidos. Esta técnica muitas vezes está patrocinada por uma marca, que busca 
construir conhecimento de um produto ou serviço. Os anúncios viráis tomam 
muitas vezes a forma de divertidos videoclips ou jogos Flash interativos, imagens, 
e inclusive textos. 
 
 
Glossário: *Um weblog ou blog é um página da Web cujas atualizações 
(chamadas posts) são organizadas cronologicamente (como um histórico ou 
diário). Estes posts podem ou não pertencer ao mesmo gênero de escrita, se 
referir ao mesmo assunto ou à mesma pessoa. A maioria dos blogs são 
miscelâneas onde os blogueiros escrevem com total liberdade. 
 
 87 
CASE 
 
Clássico do Marketing Viral ! 
 
Você sabe como o Hotmail.com conseguiu mais de 9 milhões de usuários 
em menos de 2 anos sem gastar praticamente nada com publicidade? 
 
Se você utiliza este serviço de e-mail já deve ter notado que no rodapé das 
mensagens há entre outras, uma pequena frase mais ou menos assim: 
 
Tenha seu Hotmail grátis! 
www.hotmail.com 
 
Com esta pequena frase no rodapé de cada mensagem, o Hotmail conquistou 
milhões de clientes em mundo todo, antes mesmo de ser comprado pela Microsoft 
por milhões de dólares. 
 
 
 
10.1 - O que é marketing viral? 
 
Você já deve ter recebido na sua caixa de entrada de e-mails algo que encantou 
um amigo seu e ele fez questão de enviar para você e dezenas de outros 
colegas. 
 
Talvez você até já tenha feito o mesmo. Quem sabe com uma mensagem 
interessante, inteligente, ou mesmo uma dica valiosa? 
 
Então, Marketing Viral é um termo novo e ainda pouco conhecido, mas que já é 
alvo dos marketeiros pelo mundo afora. Em outras palavras, é a boa e velha 
propaganda de boca, só que no contexto da Internet. 
 
Veja o caso do Tourist Guy, onde foi feita a montagem de um turista no topo de 
uma das torres do World Trade Center com o avião chegando por trás. A foto foi 
feita como gozação mas se espalhou pelo mundo inteiro. Existem até alguns sites 
dedicados ao assunto como http://www.touristofdeath.com. 
 
 
 
 88 
Por muito tempo se pensou que a vítima da montagem fosse um brasileiro, José 
Roberto Penteado, de Campinas. 
 
Recentemente se descobriu que o Tourist Guy na verdade é húngaro. 
 
A descoberta foi relatada no endereço http://64.224.191.180/touristguy/found.html, 
onde o real tourist guy aparece em outras fotos, sem o avião e em outros lugares 
na torre do World Trade Center. 
 
Outro exemplo interessante é de uma empresa de contabilidade americana. No 
serviço de atendimento telefônico, a voz na secretária eletrônica anunciava: 
disque 1 para falar com nosso atendimento ao cliente, disque 2 para falar com não 
sei quem. No último número colocaram: disque 9 para ouvir um pato. O que 
começou como brincadeira, quem ia pensar que alguém ia ouvir a mensagem até 
o final, tomou proporções gigantescas. A notícia se espalhou pela Internet e eles 
chegaram a receber alguns milhões de ligações de pessoas que queriam ouvir um 
pato grasnar. O sistema telefônico da empresa entrou em colapso, mas eles 
aumentaram substancialmente a sua carteira de clientes. 
 
Estes exemplos acima são involuntários, mas que geraram dividendos de algum 
tipo para os envolvidos. Para qualquer empresa tal propaganda gratuita é um 
verdadeiro achado. A questão é como achar o tom certo, que faça com que a 
mensagem seja reenviada de um para outro? 
 
Uma “receita” onde podemos discutir os elementos chaves desse sucesso ainda 
não existe, visto que a ferramenta da internet ainda é nova e não possibilita um 
caminho ideal. Mas sabe-se que o humor é o essencial para a conquista da 
simpatia do internauta e o primeiro passo para o reenvio a lista de amigos do 
mesmo. 
 
Interatividade também tem se mostrado bastante viável nestes casos: jogos, quiz, 
e links para páginas de promoção onde o usuário é de alguma forma beneficiado. 
 
Segue um artigo de uma revista para discussão em grupo e logo após convido 
todos vocês a exporem uma opinião sobre essa nova e eficiente ferramenta do 
marketing moderno. Convido a todos também a apontarem (em forma de lista) 
alguns dos elementos que podem contribuir para o sucesso dessa comunicação 
viral. 
 
TRABALHO: A questão é como achar o tom certo, que faça com que a 
mensagem seja reenviada de um para outro? Opine e entregue uma resenha 
crítica sobre o assunto e a aula. 
 
Utilize como ilustração o artigo seguinte: Agora, as pessoas clicam para ver 
anúncios e não para fugir deles. (EXPOSTO NA PRÓXIMA PÁGINA) 
 
 
 89 
Agora, as pessoas clicam para ver anúncios e não para fugir deles. 
 
Stuart Elliott 
The New York Times 
 
Por gerações, a publicidade servia para interromper o entretenimento que os norte-americanos 
queriam ler, assistir ou ouvir. Agora, em uma inesperada reversão de tendências, é a publicidade 
que cada vez mais surge apresentada como entretenimento - e surpreendentemente a idéia de 
publicidade e só publicidade, o tempo todo, começa a ganhar adeptos. 
 
Um dos motivos é a proliferação das conexões de banda larga com a Internet, que tornam mais 
fácil aos usuários de computador assistir ou baixar vídeos. Isso vem permitindo que as empresas 
de mídia, agências e anunciantes criem sites dedicados aos comerciais e outras formas de 
publicidade para diversão, em lugar de para esforços pesados de venda. 
 
Estranhamente, a tendência contraria outro impulso poderoso entre os consumidores: o forte 
desejo de evitar a publicidade. Os telespectadores, por exemplo, estão investindo milhões de 
dólares ao ano em produtos como o TiVo e outros gravadores digitais de vídeo que os ajudam a 
pular comerciais, e os índices de visitas aos anúncios em formato banner, na Web, estão em 
queda. 
 
A diferença entre "assistir a um comercial em um site e em sua sala de visitas", diz Michael Jacobs, 
vice-presidente executivo e diretor de criação da MRM Worldwide, em Nova York , é que quem 
assiste online "o faz porque quer; a pessoa escolhe estar lá". 
 
"É parte da natureza da Web oferecer um destino ao qual se possa recorrer sabendo o que será 
assistido lá", disse Jacobs, cuja agência é parte da divisão McCann Worldgroup, da Interpublic. 
 
"Existe certamente uma audiência que assiste a essas peças em busca de entretenimento", ele 
afirma. "Os números parecem confirmar a idéia". 
 
Por exemplo, o site http://www.veryfunnyads.com , um site de banda larga operado pela rede de 
TV a cabo TBS, recebeu mais de 63 milhões de visitas a clipes individuais desde que começou a 
operar, há um ano. 
 
"Trata-se de uma premissa muito simples. A pessoa terá uma experiência divertida, e ela se 
repetirá a cada 30 segundos", disse Ken Schwab, vice-presidente sênior de programação das 
redes TBS e TNT, parte da divisão Turner Broadcasting System da Time Warner. 
 
O site de comerciais divertidos é parte de uma campanha de reformulação da marca TBS, cujo 
tema é "muito engraçado". O objetivo é cultivar uma identidade para a rede como especialista em 
comédias e séries de humor. 
 
"Muita gente fala em pular os comerciais porque é raro que o intervalo traga