Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Apol 05  Cenário Econômico Mundial Sistemática de Importação100%

Pré-visualização|Página 1 de 4

Questão 1/5 - Sistemática de Importação
Tã o impor tante qua nto negoci ar inter naci onalme nt e é efeti var o paga me nto d a
operaç ão de imp ortação. E par a r eali z ar essa a ti vidad e com e xa tidã o, se faz
import an te c onhec er as formas mais usuai s de paga mento das i mport aç ões.
A parti r do enunc i ado, l eia a tenta mente a s propo siç ões a seg uir e a va lie a c orr elaç ão
entr e e las:
I No Adv anc ed Pay ment o paga men to da merc ador ia é reali z ado qua ndo o
e xport ador enc a mi nha ao i mpor tador a doc u men tação q ue c ompro va o e mbarq ue d a
merc ador ia. É o méto do de pa ga men to mais segur o par a o impor tador.
PORQUE
II Garan te que o i mporta dor r ec ebe a mer c ador ia sem ter qu e rea lizar
paga me nto s se m garanti a s e ger a l men te e sse mé to do de paga me nto é au torizad o
pelo e xporta dor qua ndo j á e xis te uma r e laç ão s óli d a de c omér c io en tre as par tes.
A respeito de ssas asse ões, assin ale a opç ão c orr eta.
Nota: 20. 0
A
A asse rção I é uma propos ição fa lsa, e a II é uma propos ão verd ade ir a.
B
As asse rções I e II o propos ições ve rdade iras, e a I I co mp le me nta a I.
C
A asse rção I é uma propos ição verd ade ir a, e a II é uma propo s ição fa ls a.
D
As asse rções I e II o propos ições fa lsa s.
A alte rnativ a que apres enta a re s pos ta c o rre ta é a (d), pois a a sse ão I fa z me nçã o a moda lidade de pa ga mento c onhe c ida como P a game nto
Media nte Apre se nta çã o de Docume ntos de E mbarque . Difere nte do Adv an ce d Pa y men t que é o pa game nto r e alizado antec ipa dame nte , o nde o
im portador re a liza o pagame nto antes da merc adoria se r e mba rca da e a mesmo produzida . Ro ta 6 Te ma 1 .
E
As asse rções I e II o propos ições ve rdade iras, ma s e a I I co ntrad iz a I.
Questão 2/5 - Cenário Econômico Mundial
Com base na s negoc iações e r egime s inter nac ionais:
Qu ando s e fala e m c omérc io ou c ooper aç ão Sul -Su l, esta mo s fala ndo de merc ados
da Améric a Lati na, Áfr ic a, Ori ente Médio, Ásia e Oc eania.
A af ir mação é verdad eir a em:
Nota: 20. 0
A
At ua lme nte o ce nár io eco nô mico e po t ico mund ia l freq ue nte me nte é d ivid ido co mo na G uer ra Fr ia, e ntre cap ita lis tas e co munis tas,
confo r me mode lo e co nô mico at ua l.
B
O comé rc io S ul- S ul pa ra o B ras il é e xpo rtar ma nufa t urado s e prod uto s ind us tr ia lizados co m a lto va lor a gr egado, e ntre e les : e le trô nicos,
maq uinár ios, se r viço s de infraes tr ut ura e e xp loração de rec urso s, etc.
Vo cê ace rto u!

Rota 6. Te ma 5. Pá gina.
P a ra o Bras il, o c omé rcio su l-su l s ig n if ica e xportar ma nufaturados e produtos ind ustria liza dos c om alt o va lor a gregado c omo ma qu iná rios , e le trôn ic os,
se rviç os de infrae strutura e e xploraç ão de rec ursos. Iss o se dá devido à natureza agropec ua ris ta e de re cursos natura is da ma ioria da s na ções a o s ul.
C
O Bras il não te m neces s idade de inves t ir e m ind ust r ia lização e ser viços, po is já de mo nst ra a uto ss ufic iê nc i a e m d ive rsos prod utos a gr íco las
e na t ura is.
D
Gera lme nte, o preço de p rod utos a gr íco las de o utras na ções s ulis tas é ma is caro do q ue o pr eço do Bras il d evido ao c usto d e p rod ução e
impos tos e xiste ntes.
Questão 3/5 - Cenário Econômico Mundial
His tori c amente a r e lação c omer c ial do Br asil c om a Eur opa s e mpre f oi impor tante,
desde os pri meiros ci c los ec onô mi c os aind a c omo u m país c o lônia até os dias d e
hoje. Consider e as af ir mações a segui r:
I. União Eur op eia é u ma maneir a genera lizad a d e se refer i r aos países d aqu ele
c ontinen te, por é m as neg oc iações comer c iais são esta be lec idas i ndi vi dua lmen te c o m
c ada merc ado, de ac ordo c om as oportu nidades de c ada u m.
II . O Brasi l é u m e xpor ta dor de ser vi ços p ara os paí se s me mbro s d a Uni ão Eur op eia
atr a vé s de i migran tes legais que vi ve m e tr a balham e m di versos p aíses.
II I. Embor a r epr ese nt ati vo e m vo lu me, a r e laç ão en tr e o Brasi l e o b loc o econô mic o
europeu po ssui alguns i mpedi men to s q ue se r eferem a me di das pr ot ec ionista s d e
amb os os lado s.
As af ir mações são verd adeir as e m:
Nota: 20. 0
A
Some nte a a fir mat iva I.
B
Some nte a a fir mat iva I I.
C
Some nte a a fir mat iva I II.
Vo cê ace rto u!
Rota 6. Te ma 4. Pá gina 12.
As negoc ia ç õe s entre os merc ados sã o prevale cida s atra vé s de blocos (Europeu e Mercosul)
A principal e xp orta çã o do Brasil, s ão ite ns bá sic os como m iné r io de fe rro e petróle o e não s erviç os como desc reve a a firma tiva.
D
As a fir mativas I e II são ve rdade iras.
E
As a fir mativas I e III s ão verdade iras.

Questão 4/5 - Sistemática de Importação
Na s tr ans aç ões i ntern aci onais, as empre sas i mport adoras po de m optar por vári as
formas de pag amen to, no e nta nto, f r equent e mente é uti li zada a Car ta de Cr édito qu e
se c arac teriza por um doc u men to e mi tido por u ma ins ti tu ão financeir a ilibada, o qu e
dá ao expor tador a gar antia d o r ec ebimen to da ven da, desde qu e as c ond ões
doc ume ntais se ja m cumpr idas. Para op er ac i onalizar essa oper aç ão é impor ta nte
c onhec er os par tic i pantes de u ma c ar ta de c rédi to. ( BIZELLI, 2014, p.93)
Sobr e os parti c ipant es de u ma Car ta de Crédito é c or reto afi rmar :
Nota: 20. 0
A
To mado r : é ba nco e le ito pe lo be ne fic iá r io pa ra e ntre ga do s doc ume ntos e pa ga me nto da
operação.
B
N egoc iado r : é o ba nco no pa ís do e xport ador, pa ra o q ua l é e nviado o doc ume nto pe lo
e mit e nte inst it do.
C
A visado r : é o ba nco loca lizado no pa ís do impo rtado r q ue o doc ume nto de créd ito e se
co mpro me terá a ho nrá- lo.
D
Emite nte : é um impo rtador (pessoa s ica o u j ur íd ica ) q ue so lic ita a um ba nco, a aber t ura do
docume nto de c réd ito.
E
Be ne fic iá r io : é a e mp resa e xportado ra q ue ao c umpr ir todas a s co nd ões da C arta de C réd ito
receberá o va lor co ns ta nt e da mes ma.
Vo cê ace rto u!
A alte rnativ a que apre se nta a re s pos ta co rre ta é a (e ) , porque o be nef ic iá r io é o exportador
res ponsável por c umprir a s d iretr ize s c onstantes na Ca rta de Crédito e re c eberá o valor e xpre sso na
me sma.
A a lte rna tiva (d) e stá incorreta, pois o e mitente é o ba nc o loc a liza do no pa ís do e xporta dor q ue o
documento de c rédito e se c omprome te a hon - lo. A a lterna tiva (b) es incorre ta, po is o negoc ia dor
é o banco e le it o pe lo be ne f iciár io para e ntre ga dos doc ume ntos e paga me nto da o pera ç ão. A
alternativa (c ) e stá incorreta, pois o a vis ador é o banco no país do e xporta dor, para qua l é e nvia do o
documento pe lo em ite nte . A alternativa (a) e stá incorre ta, pois o toma dor é um im portador , seja
pes soa s ic a ou jur íd ic a , que so lic ita a um banc o, a a be rtura do doc ume nto de cré dito. Ro ta 6 Te ma
3.
Questão 5/5 - Sistemática de Importação
Uma d as f orma s de fi sc ali zar as e mpr e sas q ue es tão n egoc iando no merc ado
internac i ona l mer c ador ias de alto val or ( máquin as, equip amen tos, ferr amenta s), que
possu a m f inanc iamen to su per ior a 360 dias, é pelo Re gistro de Operaçõe s
Financeir as ( ROF). Esse r egistr o de ve ser realiz ado na s c ond ões c omerc iais
c onforme a docume ntaç ão que acompanh a o proc esso.
Dentre as operações que e xig e m o Re gistro de Op eraç ões Financ eir as tê m-se:

Quer ver o material completo? Crie agora seu perfil grátis e acesse sem restrições!