Princípio da identidade física do juiz - Resumo
2 pág.

Princípio da identidade física do juiz - Resumo

Pré-visualização2 páginas
1
Processo Civil - Resumo
PRINCÍPIO DA IDENTIDADE FÍSICA DO
JUIZ
Esse princíp io prevê qu e o magist rado respon sável pela colheita d a prova oral
é o compet ente para julgar a l ide. Este ent endimento, e ntretanto, não vem se ndo
mais utiliza do, conform e veremos a seguir.
O CPC/1973 pre via que o respo nsável por ju lgar a lide s eria o juiz qu e
concluísse a au diência, s alvo se est ivesse aposent ado, afastad o (inclusive du rante o
gozo de féri as), promov ido, convocad o ou licen ciado.
O novo Código d e 2015 não trou xe essa exigên cia, visto qu e, com o advent o do
processo vi rtual a pro va oral pode ser produ zida por vi deoconferê ncia. Desse modo,
não é cabíve l a vinculação d o juiz responsá vel pela inst rução na sent ença. Como as
provas perm anecerão document adas nos au tos, e, portant o, estando a audi ência
gravada em áu dio e víde o, o juiz qu e não as colheu pode cons ultá-las a qualquer
tempo, de mod o a resguardar s eu convenci mento para a melhor forma d e resolver a
lide.
Portanto, n ão há mais obrigat oriedade da ob servância des se princípio n a
vigência do Novo Códi go. É evide nte que o magistrado que colheu a prova p ossui
melhores cond ições de pr oferir a sentença em menor temp o; todavia, não há mai s
previsão normat iva para tal, não se pod endo falar em nulidade do process o.
Não há dúv idas que enquanto não houver um sist ema para o reg istro fiel das
provas colh idas na audiênc ia, é prefe rível que o juiz p resente nest e ato profira a
2
decisão, ou que o substituto que o faça repita as prov as já produz idas se entend er
necessário.