Requisitos processuais necessários à admissibilidade do processo - Resumo
4 pág.

Requisitos processuais necessários à admissibilidade do processo - Resumo


DisciplinaDireito Processual Civil I42.514 materiais737.837 seguidores
Pré-visualização4 páginas
1
Processo Civil - Resumo
REQUISITOS PROCESSUAIS SUBJETIVOS
DE VALIDADE
a) Competê ncia do órg ão jurisdi cional: após a petição in icial se r apresent ada, por um
agente capaz, à um órgão in vestido de ju risdição, o process o passa a exist ir, e então,
deve-se discorr er sobre os requisit os que lhe darão valid ade.
A competência do juízo é o primeiro deles, que nada mais é do qu e a atribuição
legal para ju lgar a causa. A função jurisd icional, que é una, é distribu ída entre vários
órgãos de a cordo com diversos cri térios (por exemplo, o julgam ento da ADI em face
de Lei Federal cabe ao STF) . A essa limitação dá-se o nome de competência, q ue
demarca os l imites de a tuação de c ada juízo.
O julgamento da ação por órgão c ompetente é di reito das partes e decor re da
garantia do juízo nat ural. L ogo, para o proces so ser válido é necessário q ue o ór gão
jurisdiciona l que o julg ará seja c ompetente para tanto.
A competência pode ser dividida em absoluta e relativ a. A absolut a constitu i um
requisito d e validade d o processo, nã o pode ser p rorrogada, e, o magi strado, d e
ofício, pode rá declar ar a sua i ncompetência absoluta. A relativa, não é caus a de
nulidade do processo, d eve ser alegada pel a parte e m sede de de fesa (cont estação),
e, se não for s uscitada pelo MP ou pelo Réu, i mpedirá a de claração de incom petênci a
do magistr ado e pro rrogará a competênci a (o ju ízo incompe tente to rna-se
competente ). Caso arg uida, o m agistrado de verá, se f or o caso, reconhecer a sua
incompetência e decli -la em f avor do órgão compete nte.
b) Imparcial idade do juí zo: é uma caracterís tica da fu nção jurisdi cional e, também,
um requisit o de vali dade do processo, o qual vi sa asseg urar a s egurança d os
2
provimento s que irão re sultar do p rocesso. Os agentes que int egram o juíz o devem
ser imparci ais, com ex ceção dos advogados e demais p atrocinado res das causas
(Defensoria P ública e Advogados Públi cos) os qu ais defende m os i nteresses d as
partes, e, port anto, agem no melhor intere sse dest as. No caso do MP agir como part e,
se considera que ele aparentemente ap resente um inte resse processual esp ecífico, o
seu verdad eiro interes se deverá ser a correta apl icação d o Direit o e não o result ado
processual, de vendo agir também de forma imp arcial, de acord o com os p arâmetros
legais e no melhor intere sse do Dire ito (com o exemplo pod emos citar os casos
criminais e m que o MP, ao final d a instruçã o processual , postul a pela abs olvição d o
Réu).
Acerca dos mag istrados, não b asta qu e sejam imparci ais, é nece ssário,
também, que não h aja dúvid as sobre ess a imparcial idade. No c aso de ha ver
quaisquer d úvidas o ma gistrado de ve abster-se de conhece r e julgar a causa
A parcialidade do juízo pode ser caracteriz ada pelos impe dimentos (de cunho
objetivo, peremptório) e a su speição (cunho subjetivo, seu reconhecimento demanda
prova em caso de não conhecime nto de ofício) . E, sendo cons tatada a parci alidade, o
seu efeito é a remessa dos autos ao substituto legal e não a sua extinção.
Dentre os m otivos acim a, apenas o impediment o é um requisito proce ssual de
validade. Esse impede o exercíc io da ju risdição, podendo s er arguidos no pro cesso a
qualquer te mpo, mesmo ap ós o trâ nsito em ju lgado da dec isão. O praz o para arg uir o
impediment o é de 2 an os contados do trânsit o em julg ado da decis ão. De out ro lad o,
a suspeiçã o preclui se não a rguida no m omento cor reto, log o, não p ode ser
considerada c omo um req uisito de validade pr ocessual.
c) Capacidade process ual: é um requisi to de valid ade rel acionado à c apacida de
postulatóri a, de esta r em juízo, de s er parte, independen temente de assist ência ou
representaç ão. Porém, nem todos que detém personal idade jurídi ca possue m
capacidade p rocessual. Um exempl o são as pes soas absolu tamente inc apazes, o s
quais podem ser parte ( Autor ou Réu) mas devem ag ir em juízo m ediante
representaç ão (pais, gu ardião, tu tor ou curad or).
3
Se houver alg um defeito na c apacidade proc essual ou alguma irregul aridade
na represent ação, o proces so deve ser suspenso pel o órgão ju risdicion al e será
concedido praz o para r eparação d o vício. No caso de p ermanência d o vicio po r parte
do autor, o processo será exti nto; se coub er ao réu, será julgado revel; já em relação a
terceiros, s erá excluído do processo ou declarad o revel a de pender do p olo que figu ra.
No caso de o p rocesso est ar em grau de recurso e a incapaci dade ou
irregularida de permanecer em razão do r ecorrente, o tribunal não conhecerá o
recurso; já se for ao re corrido, será determi nado o desent ranhament o das
contrarrazõ es.
Por fim, se nenhuma das partes ou ju lgadores se atentarem ao vício de
incapacidade e a sentença já tiver transit ado em julg ado, será poss ível propor Ação
Rescisória p ara descons tituir a dec isão.
d) Capacidade postulatória: a p rática dos atos postulatóri os exige a apti dão técnica
do sujeito, chamada d e capacidad e postulatória. Essa c apacidade diz respeito à
aptidão de intervir no process o e prat icar ato s postulat órios, sem a qual os atos
realizados s erão consid erados in válidos.
Os advoga dos regular mente ins critos na OAB (privados, int egrante s da
Advocacia-Geral da União, D efensoria Pública, Procuradori as estaduai s e municip ais)
e os integra ntes do MP gozam de c apacidade postulatóri a.
Se o advogado nã o possuir procu ração para postular em nome da parte e
representá-la em juízo, este poder á requere r prazo pa ra a junt ada da pr ocuração e
estará apto a p raticar em nom e da parte os at os urgent es que se fizer em necess ários.
O prazo para ap resentação d o instru mento de mand ato é de 15 d ias podendo se r
prorrogado por igual perí odo pelo jui z, mediante despacho. O s atos praticad os em
nome de o utrem, sem mandato, são ineficaz es para aquele em cujo nome foram
praticados, salvo se es te os ratifi car, pode ndo o advogad o respo nder por pe rdas e
danos.