Buscar

mapa mental Direito do Trabalho

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 39 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 39 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 39 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
1 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
2 
ALTERAÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO - REQUISITOS E POSSIBILIDADES 
Sergio Ferreira Pantaleão 
 
O contrato individual de trabalho poderá ser acordado tácita ou expressamente, verbalmente ou por escrito e por 
prazo determinado ou indeterminado entre o empregador e empregado, consoante o artigo 443 da CLT. 
Conforme dispõe o artigo 444 da CLT as relações contratuais de trabalho podem ser objeto de livre negociação das 
partes interessadas em tudo quanto não seja contrária às disposições de proteção ao trabalho, aos contratos 
coletivos que lhes sejam aplicáveis e às decisões das autoridades competentes. 
No entanto, o art. 469 da CLT determina que nos contratos individuais de trabalho só seja licita a alteração das 
respectivas condições, por mútuo consentimento, e ainda assim, desde que não resultem direta ou indiretamente, 
prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia. 
Esta nulidade está prevista no artigo 9º da CLT o qual estabelece que os atos praticados com o objetivo de 
desvirtuar, impedir ou fraudar a aplicação dos preceitos contidos na Consolidação das Leis do trabalho, ou seja, as 
garantias ao empregado nela previstas, serão nulos de pleno direito. 
Os dispositivos citados acima asseguram a liberdade de contratação das partes, resguardando as alterações 
contratuais de forma arbitrária por parte do empregador. Assim, as alterações devem decorrer da manifestação da 
vontade das partes e, ainda assim, não poderá, em hipótese alguma, ocasionar qualquer prejuízo direto ou indireto 
ao empregado. 
 
Alteração Contratual - Requisitos Para sua Validade 
Qualquer alteração contratual, conforme art. 468 da CLT, deve observar os seguintes requisitos: 
a) Mútuo consentimento (concordância) das partes; 
b) Que da alteração o empregado não sofra nenhum prejuízo, direta ou indiretamente, não só pecuniários, mas de 
qualquer natureza (como benefícios, jornada de trabalho, vantagens, saúde e segurança e etc.) anteriormente 
garantidos. 
Portanto, qualquer alteração em desconformidade com os requisitos acima não produzirão qualquer efeito no 
contrato de trabalho. 
 
Manutenção da Essência do Contrato - Possibilidade de Alteração 
Embora pareça que o empregador esteja restrito a qualquer alteração do contrato, caso este mantenha a essência do 
contrato de trabalho, há alterações contratuais que são possíveis, ainda que a vontade seja exclusiva do 
empregador. 
A CLT estabelece algumas condições lícitas em que o empregador poderá alterar o contrato de trabalho, a saber: 
1 - mudança do local de trabalho desde que não se caracterize a transferência ou seja, desde que não haja a mudança 
de domicílio do empregado; 
2 - mudança de horário (de manhã para tarde ou de noturno para diurno); 
3 - alteração de função, desde que não represente rebaixamento para o empregado; 
4 - transferência para localidade diversa da qual resultar do contrato no caso do empregado que exerça cargo de 
confiança; 
5 - transferência quando ocorrer extinção do estabelecimento em que trabalhar o empregado; 
6 - transferência do empregado para localidade diversa da qual resultar do contrato quando desta decorra 
necessidade do serviço, sob pagamento suplementar, nunca inferior a 25% do salário; 
 
O empregador deve se atentar para as alterações que decorrem da sua liberalidade ou simples falta de atenção em 
relação ao que foi contratado e o que de fato acontece, já que o princípio da "Primazia da Realidade" (um dos 
princípios do Direito do Trabalho), dispõe que havendo divergência entre a realidade fática e a realidade de 
documentos e acordos, prevalece o mundo dos fatos. 
Assim, se um empregado contratado para trabalhar 44 horas semanais (mundo das formas) acaba trabalhando 
somente 36 horas (mundo dos fatos) por liberalidade ou por prática do empregador, entende-se que houve uma 
alteração tácita de contrato de trabalho por vontade exclusiva do empregador. 
Neste caso, o empregador não poderá mais alterar o contrato de trabalho deste empregado ou exigir que este 
trabalhe 44 semanais, sem que haja o aumento proporcional do salário em razão das horas trabalhadas, uma vez 
que poderá caracterizar prejuízos ao empregado, situação em que a alteração será considera nula perante a Justiça 
do Trabalho. 
Sergio Ferreira Pantaleão é Advogado, Administrador, responsável técnico pelo Guia Trabalhista Mapa Jurídico e autor de obras 
na área trabalhista e Previdenciária. 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
1 
 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
2 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
3 
 
Constantemente, nos deparamos com pessoas fazendo as seguintes perguntas: 
Fui demitido sem justa causa, o que devo fazer? 
Me demitiram, quais meus direitos? 
Fui mandado embora do emprego. E agora? 
Infelizmente, no Brasil não há qualquer proibição de que o empregado seja dispensado sem justa 
causa. Ressalvados os casos de estabilidade previstos em lei, o Empregador pode simplesmente 
acordar de mau humor, chamar o empregado na sua sala e dizer “Você está demitido”. Porém, o 
empregado possui alguns direitos nos casos de demissão sem justa causa. 
Rafael Praxedes 
 
- ANOTAÇÃO DA CTPS: Isso vale para os casos em que o empregado vinha trabalhando sem 
carteira assinada ou, como se chama popularmente, sem registro. Nesse caso, o empregado tem o 
DIREITO de ter sua carteira assinada de forma retroativa, constando o dia em que realmente 
começou a trabalhar na empresa. 
- AVISO PRÉVIO: Caso o patrão queira demitir na hora, deverá pagar o Aviso Prévio referente 
ao período mínimo de 30 dias, devendo ser acrescidos 3 dias a cada ano de serviço prestado. 
- SALDO DE SALÁRIO: Se você foi demitido no dia 14 de um mês, você tem direito adquirido ao 
salário referente aos 14 dias que você trabalhou naquele mês. Se você trabalhou, você tem direito! 
- 13º SALÁRIO PROPORCIONAL: Para você ter direito ao 13º salário integral você deve 
trabalhar um ano inteiro. Se você começou o ano trabalhando para a empresa e foi demitido em 
MARÇO, por exemplo, você terá direito ao 13º salário proporcional na razão de 3/12. Da mesma 
forma, se você foi demitido em AGOSTO, você terá direito a 8/12 de 13º salário proporcional, 
entendido? 
- FÉRIAS PROPORCIONAIS + 1/3: Todo trabalhador tem direito a férias. Caso exista um 
período aquisitivo de férias que sequer se encerrou, você possui férias proporcionais acrescidas de 
1/3 para receber, porém apenas por meio de uma análise do caso concreto, pode-se dizer a fração 
correta. 
- FÉRIAS SIMPLES + 1/3, se houver: Se você completou seu período aquisitivo de férias, mas 
não chegou sequer a tirar seus dias de folga, você terá direito ao recebimento de férias simples 
acrescidas de 1/3. 
-FÉRIAS DOBRADAS + 1/3, se houver: Se você jamais gozou férias durante todo o período de 
emprego (Que seja mais de 1 ano), você tem direito a receber essas férias em DOBRO. É isso 
mesmo, se seu patrão nunca lhe pagou férias, ele terá que pagar dobrado, tudo acrescido de 1/3. 
-LEVANTAMENTO DO FGTS: O empregado demitido sem justa causa pode fazer o 
levantamento do FGTS (Fundo de Garantia por tempo de Serviço). Lembrando que o Patrão é 
obrigado por lei a fazer o depósito de 8% do salário do empregado TODOS OS MESES em uma 
conta vinculada na Caixa Econômica Federal. Se ele jamais fez isso, terá que fazer tudo de uma vez 
só. Está na lei. 
 
 
 
 
 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
1 
 
 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
2 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
3 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
4 
Art. 7º/CF 
São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua 
condição social: 
I - relação de emprego protegida contra despedida arbitráriaou sem justa causa, nos termos de 
lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos; 
II - seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário; 
III - fundo de garantia do tempo de serviço; 
IV - salário mínimo , fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas 
necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, 
lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe 
preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim; 
V - piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do trabalho; 
VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo; 
VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem remuneração variável; 
VIII - décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou no valor da aposentadoria; 
IX - remuneração do trabalho noturno superior à do diurno; 
X - proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção dolosa; 
XI - participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da remuneração, e, excepcionalmente, 
participação na gestão da empresa, conforme definido em lei; 
XII - salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da 
lei; (Emenda Constitucional nº 20, de 1998 - Modifica o Sistema de Previdência Social, 
estabelece normas de transição e dá outras providências) 
XIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, 
facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção 
coletiva de trabalho; (Decreto-Lei nº 5.452, de 1943 - Aprova a Consolidação das Leis do 
Trabalho.) 
XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, 
salvo negociação coletiva; 
XV - repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos; 
XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em cinqüenta por cento à do 
normal; 
Dec. Lei5.452, art. 59 § 1º - 
Art. 59 - A duração normal do trabalho poderá ser acrescida de horas suplementares, em número 
não excedente de 2 (duas), mediante acordo escrito entre empregador e empregado, ou mediante 
contrato coletivo de trabalho. 
§ 1º - Do acordo ou do contrato coletivo de trabalho deverá constar, obrigatoriamente, a 
importância da remuneração da hora suplementar, que será, pelo menos, 20% superior à da hora 
normal. 
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário 
normal; 
XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte 
dias; 
XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei; 
XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos 
da lei; 
XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos 
termos da lei; 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
5 
XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e 
segurança; 
XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma 
da lei; 
XXIV - aposentadoria; 
XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de 
idade em creches e pré-escolas; (Emenda Constitucional nº 53, de 2006 - Dá nova redação aos 
arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições 
Constitucionais Transitórias) 
XXVI - reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho; 
XXVII - proteção em face da automação, na forma da lei; 
XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização 
a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa; 
XXIX - ação, quanto a créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de: 
XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional 
de cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do 
contrato de trabalho; (Emenda Constitucional nº 28, de 25/05/2000) Dá nova redação ao inciso 
XXIX do art. 7o e revoga o art. 233 da Constituição Federal.) 
a) (Revogada). 
b) (Revogada). 
XXX - proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por 
motivo de sexo, idade, cor ou estado civil; 
XXXI - proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do 
trabalhador portador de deficiência; 
XXXII - proibição de distinção entre trabalho manual, técnico e intelectual ou entre os 
profissionais respectivos; 
XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de 
qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de 
quatorze anos; (Emenda Constitucional nº 20, de 1998 - Modifica o sistema de previdência 
social, estabelece normas de transição e dá outras providências.) 
XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e o 
trabalhador avulso 
Parágrafo único. São assegurados à categoria dos trabalhadores domésticos os direitos previstos 
nos incisos IV, VI, VII, VIII, X, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, XXVI, 
XXX, XXXI e XXXIII e, atendidas as condições estabelecidas em lei e observada a 
simplificação do cumprimento das obrigações tributárias, principais e acessórias, decorrentes da 
relação de trabalho e suas peculiaridades, os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV e 
XXVIII, bem como a sua integração à previdência social. 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
Ĉ 
و� v ĵ Ă▄ Ă ŕĵ ʼnĂŇĎ◘ ■◘ʼn▓Ă▄ ŕ◘ ╙◘ʼnĄʼn╜◘ ŕś ĊʼnĂĽĂ▄╙◘ ŕśĊśʼn▓╜■Ăŕ◘ ♫ś▄Ă Lei? 
R: A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de oito horas 
diárias, desde que não seja fixado expressamente outro limite (art. 58 da CLT). Neste sentido é o disposto na 
Constituição Federal em seu artigo 7º, XIII, prevendo o direito do trabalhador a duração do trabalho normal não 
superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a redução da 
jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho. 
2) A duração da jornada de trabalho poderá ser prorrogada além da jornada normal determinada em 
Lei? 
R: Sim. A duração normal do trabalho poderá ser acrescida de horas suplementares, em número não excedente de 
duas, mediante acordo escrito entre empregador e empregado, ou mediante contrato coletivo de trabalho (Art. 59 
da CLT). 
3) Como será convencionado a hora suplementar, sua remuneração e eventual dispensa do acréscimo? 
R: Deverá do acordo ou do contrato coletivo de trabalho constar, obrigatoriamente, a importância de 
remuneração da hora suplementar, que será, pelo menos, 50% (cinquenta) por cento superior à hora normal 
(Adicional conforme CF, art. 7º, XVI). Poderá ser dispensado o acréscimo de salário se, por força de acordo ou 
convenção coletiva de trabalho, o excesso de horas em um dia for dispensado pela correspondente diminuição em 
outro dia, de maneira que não exceda, no período máximo de um ano, à soma das jornadas semanais de trabalho 
previstas, nem seja ultrapassado o limite máximo de dez horas diárias (Art. 59, parágrafos 1º e 2º da CLT). 
4) Como se dará o processamento das horas trabalhas, além da jornada normal, se ocorrer a rescisão do 
contrato de trabalho antes da compensação? 
R: Na hipótese de rescisão do contrato de trabalho sem que tenha havido a compensação integral da jornada 
extraordinária, na forma do parágrafo anterior (§ 2º do artigo 59 da CLT), fará o trabalhador jus ao pagamento 
das horas extras não compensadas, calculadas sobre o valor da remuneração na data da rescisão (Artigo59, 
parágrafo 3º da CLT). 
5) Qual a variação de horário para a marcação do registro de ponto do empregado? 
R: De acordo com o artigo 58, parágrafo 1º da CLT, não serão descontadas nem computadas como jornada 
extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos, observados o limite 
máximo de dez minutos diários. 
6) Qual a duração do trabalho em regime de tempo parcial e como se dará o salário do empregado neste 
caso? 
R: Considera-se trabalho em regime de tempo parcial aquele cuja duração não exceda a vinte e cinco horas 
semanais. O salário a ser pago aos empregados sob o regime de tempo parcial será proporcional à sua jornada, 
em relação aos empregados que cumprem, nas mesmas funções, tempo integral (Art. 58-A e parágrafo 1º da 
CLT). 
7) Qual o intervalo entre uma jornada de trabalho e outra? 
R: Dispõe o artigo 66 da CLT que entre duas jornadas de trabalho haverá um período mínimo de onze horas 
consecutivas para descanso. (Ex. o empregado de terminar sua jornada ás 18 horas somente poderá ingressar para 
o trabalho a partir das 5 horas do dia seguinte). 
8) Em relação ao horário de alimentação, qual é a determinação da Lei? 
R: Em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda de seis horas, é obrigatória a concessão de um intervalo 
para repouso ou alimentação, o qual será, no mínimo, de uma hora e, salvo acordo escrito ou contrato coletivo 
em contrário, não poderá exceder de duas horas (Art. 71 da CLT). Não respeitado o intervalo para repouso e 
alimentação, ficará o empregado obrigado a remunerar o empregado com acréscimo de no mínimo cinquenta por 
cento da remuneração da hora normal de trabalho (parágrafo 3º do Art. 71 da CLT). 
9) Como disciplina a Lei o trabalho realizado em horário noturno? 
R: Considera-se noturno o trabalho executado entre as 22 horas de um dia e as 5 horas do dia seguinte. A hora do 
trabalho noturno será computada como de 52 minutos e 30 segundos. Salvo nos casos de revezamento semanal 
ou quinzenal, o trabalho noturno terá remuneração superior à do diurno e, para esse efeito, sua remuneração terá 
um acréscimo de 20% (vinte por cento), pelo menos, sobre a hora diurna (Artigo 73 da CLT e parágrafos). 
10) O menor de 18 (dezoito) anos poderá trabalhar em horário noturno? 
R: Não. A Constituição Federal em seu artigo 7º, XXXIII, proíbe o trabalho noturno ao menor de idade. 
Dados do Artigo 
 
Autor: Dr. Agnaldo Rogério Pires 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Empregado é a pessoa física que presta pessoalmente a outrem serviços não eventuais, subordinados e 
assalariados. 
 “Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, 
sob dependência deste e mediante salário” (CLT, art. 3º). 
Requisitos legais do conceito: 
a) pessoa física: empregado é pessoa física e natural; 
b) continuidade: empregado é um trabalhador não eventual; 
c) subordinação: empregado é um trabalhador cuja atividade é exercida sob dependência; 
d) salário: empregado é um trabalhador assalariado, portanto, alguém que, pelo serviço que presta, recebe 
uma retribuição; 
e) pessoalidade: emmpregado é um trabalhador que presta pessoalmente os serviços. 
Diferença entre empregado e trabalhador autônomo: 
o elemento fundamental que os distingue é a subordinação; empregado é trabalhador subordinado; 
autônomo trabalha sem subordinação. Para alguns, autônomo é quem trabalha por conta própria e 
subordinado é quem trabalha por conta alheia; outros sustentam que a distinção será efetuada verificando-se 
quem suporta os riscos da atividade; se os riscos forem suportados pelo trabalhador, ele será autônomo. 
Diferença entre empregado e trabalhador eventual: 
há mais de uma teoria que procura explicar essa diferença: 
Teoria do evento, segundo a qual eventual é o trabalhador admitido numa empresa para um determinado 
evento; dos fins da empresa, para qual eventual é o trabalhador que vai desenvolver numa empresa serviços 
não coincidentes com os seus fins normais; 
da descontinuidade, segundo a qual eventual é o trabalhador ocasional, esporádico, que trabalha de vez em 
quando; 
da fixação, segundo a qual eventual é o trabalhador que não se fixa a uma fonte de trabalho; a fixação é 
jurídica. 
 
Trabalhador avulso: são características do trabalho avulso a intermediação do sindicato do trabalhador na 
colocação da mão-de-obra, a curta duração do serviço prestado a um beneficiado e a remuneração paga 
basicamente em forma de rateio procedido pelo sindicato; pela CF/88, art. 7º XXXIV, foi igualado ao 
trabalhador com vínculo empregatício. 
Trabalhador temporário: é aquele que prestado por pessoa física a uma empresa, para atender à 
necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou acréscimo extraordinário de 
serviços (art. 2º, da Lei 6.019/74); completa-se com outro conceito da mesma lei (art. 4º), que diz: 
“compreende-se como empresa de trabalho temporário a pessoa física ou jurídica urbana, cuja atividade 
consiste em colocar à disposição de outras empresas, temporariamente, trabalhadores devidamente 
qualificados, por elas remunerados e assistidos.” 
Terceirização: é a transferência legal do desempenho de atividades de determinada empresa, para outra 
empresa, que executa as tarefas contratadas, de forma que não se estabeleça vínculo empregatício entre os 
empregados da contratada e a contratante; é permitida a terceirização das atividades-meio (aquelas que não 
coincidem com os fins da empresa contratante) e é vedada a de atividades-fim (são as que coincidem). 
Estagiário: não é empregado; não tem os direitos previstos na CLT aplicáveis às relações de emprego. 
Empregado doméstico: é qualquer pessoa física que presta serviços contínuos a um ou mais empregadores, 
em suas residências, de forma não-eventual, contínua, subordinada, individual e mediante renumeração, sem 
fins lucrativos; a Lei 5.589/72, fixou, como seus direitos, a anotação da CTPS, férias anuais de 20 dias e 
previdência social; a Lei 7.195/84, prevê a responsabilidade civil da agência de colocação de empregado 
doméstico, pelos danos que este acarretar aos patrões; a CF/88 ampliou os direitos atribuídos por lei 
ordinária, sendo os seguintes: salário mínimo; irredutibilidade da remuneração; 13º salário; repouso semanal 
remunerado; aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, no mínimo de 30 dias; licença maternidade 
(120 dias); licença paternidade; férias com remuneração acrescida em 1/3; aposentadoria. 
Empregado rural: é o trabalhador que presta serviços em propriedade rural, continuadamente e mediante 
subordinação ao empregador, assim entendida, toda pessoa que exerce atividade agroeconômica; o contrato 
de trabalho rural pode ter duração determinada e indeterminada; são admitidos contratos de safra; seus 
direitos que já eram praticamente igualados aos do urbano, pela Lei 5.889/73, foram pela CF/88 totalmente 
equiparados; o trabalhador de indústria situada em propriedade rural é considerado industriário e regido pela 
CLT e não pela lei do trabalho rural (TST, Enunciado nº 57). 
Empregado em domicílio: as relações de emprego são desenvolvidas no estabelecimento do empregador e 
fora dele; estas são cumpridas em locais variados, denominando-se “serviços externos”, ou na residência do 
empregado, quando têm o nome de “trabalho em domicílio” (CLT, art. 6º); a prestação de serviços externos 
não descaracteriza o vínculo empregatício. 
Empregado aprendiz: surge da relação jurídica desenvolvida na empresa, visando à formação de mão-de-
obra, em que a lei admite a admissão de menores, observadas certas formalidades, para que prestem serviços 
remunerados recebendo os ensinamentos metódicos de uma profissão; a CLT (art. 80, § único) define 
aprendiz como o menor de 12 a 18 anos sujeito à formação profissional metódica do ofício em que exerça oseu trabalho. 
Diretor de sociedade: para a teoria tradicional, não é empregado; é mandatário; a relação jurídica que o 
víncula à sociedade é de mandato e não de emprego; para a teoria contemporâneo, não há incompatibilidade 
entre a condição de diretor da sociedade e a de empregado; o elemento fundamental que definirá a situação 
do diretor de sociedade é a subordinação. 
Empregado acionista: não são incompatíveis as condições de empregado e acionista de sociedade anônima, 
desde que o número de ações (que lhe dê condições de infuir nos destinos da sociedade em dimensão 
expressiva) não se eleve a ponto de transformar o empregado em subordinante e não em subordinado. 
Cargo de confiança: é aquele no qual o empregado ocupa uma posição hierárquica elevada na qual tenha 
poderes de agir pelo empregador nos seus atos de representação externa; é aquele existente na alta hierarquia 
administrativa da empresa, conferindo ao ocupante amplo poder de decisão; difere do empregado comum 
apenas pelas restrições de direitos trabalhistas que sofre. 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
1 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
1 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
2 
 
FONTES DO DIREITO DO TRABALHO 
Pode-se entender fonte como fundamento de validade do direito objetivo, ou melhor, é a própria 
exteriorização desse direito. 
O direito do trabalho, por cuidar da proteção das relações laborativas, deve abarcar fontes que 
possam atender as necessidades físicas, sociais e culturais do trabalhador da forma mais ampla 
possível. Assim, encontram-se elencadas várias fontes que são divididas em fontes formais e 
materiais. 
Fontes materiais - são fatores reais que influenciam na criação das normas trabalhistas. 
a) necessidade de proteção tutelar; 
b) fato social de organização das profissões; 
c) fato social da colaboração. 
Fontes formais – são as fontes derivadas da vontade do estado (heterônomas) e as fontes 
provenientes da vontade dos próprios agentes sociais (autônomas). 
Antes de delineá-las, cabe ressaltar, que segundo a melhor doutrina trabalhista, analogia, 
equidade e os princípios gerais de direito não são fontes de direito, são apenas métodos de 
integração e interpretação da norma jurídica. 
Há discussões se a jurisprudência seria fonte formal heterônoma de direito, pois para alguns ela 
não é de aplicação obrigatória pelo juiz, além disso, para eles, o juiz não cria direito, apenas 
aplica. No entanto, com a Emenda Constitucional 45/2004, surgiu a súmula vinculante que obriga 
a aplicação de determinada súmula aos casos concretos similares. Além disso, creio que algumas 
súmulas (enunciados) do Tribunal Superior do Trabalho (TST) possui grande força regulamentar 
nas questões trabalhistas. 
Principais fontes formais heterônomas: 
a) Constituição Federal – dita os princípios básicos e os direitos fundamentais do trabalhar; 
b) as leis – que são normas emanadas do Poder Legislativo para regular condutas e impor 
sanções. Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) – principal diploma legal na esfera laboral dita 
as regras das relações e do processo trabalhista; 
c) decretos executivos – normas regulamentadoras de lei expedidos pelo Presidente da 
República; 
d) Portarias – editadas pelo Ministério do Trabalho, expedindo instruções práticas sobre aplicação 
de determinado direito (resoluções, instruções normativas e normas de serviço); 
e) sentenças normativas – é editada pelo judiciário trabalhista ao julgar dissídio coletivo de 
determinada categoria econômica; 
f) tratados internacionais – são as convenções e recomendações da OIT; 
g) doutrina – (alguns doutrinadores entendem que ela não é fonte de direito) - é o 
posicionamento dos juristas especializados em determinado ramo do direito; 
h) regulamento da empresa – fixa condições de trabalho; 
i) costume – aplicação reiterada de determinada regra social o uso deve ser uniforme, contínuo e 
geral); 
j) contrato de trabalho- estipulam direitos e deveres do empregado e do empregador. 
Um ponto interessante é o fato de não haver hierarquia entre as fontes do direito do trabalho 
tendo em vista que neste vigora o princípio da norma mais favorável que visa buscar sempre a 
norma mais favorável ao trabalhador. 
COSTUMES - algumas bancas consideram os costumes como fontes supletivas,mas a grande 
maioria da doutrina, tendo como base o art 8º da CLT, entende que os costumes são FONTES 
FORMAIS AUTÔNOMAS. 
As fontes formais autônomas emanam da vontade dos próprios interessados. 
As fontes formais heterônomas emanam de um terceiro, não destinatário da norma jurídica, como 
por exemplo, a lei. 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
3 
SENTENÇAS NORMATIVAS - Decisões judiciais provenientes dos TRTs ou do TST proferidas 
nos dissídios coletivos. Tem força de lei. Regulamenta a vigência. NÃO PODE ser superior a 4 
anos. Findo o prazo, finda a eficácia. Não adere. 
CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO – artigo 611, CLT. - Instrumento de negociação 
firmado entre duas ou mais entidades sindicais, representantes da categoria econômica 
(empregadores) e categoria profissional (empregados), com eficácia intersindical, pois abrange 
toda a categoria. Tem prazo máximo de 2 anos. 
Art. 611 - Convenção Coletiva de Trabalho é o acordo de caráter normativo, pelo qual dois ou 
mais Sindicatos representativos de categorias econômicas e profissionais estipulam condições de 
trabalho aplicáveis, no âmbito das respectivas representações, às relações individuais de trabalho. 
ACORDO COLETIVO DE TRABALHO – artigo 611, § 1º CLT. - Instrumento de negociação 
coletivo de âmbito mais restrito que a convenção, realizado entre o Sindicato representante da 
categoria dos empregados e uma ou mais empresas. O acordo pode ter decisões iguais ou 
diferentes para cada empresa. Tem prazo máximo de 2 anos. 
As cláusulas poderão continuar existindo após os dois anos de validade, até que se realize nova 
convenção OU podem perder a vigência ao fim dos 2 anos de validade. Depende do entendimento 
doutrinário. 
§ 1º É facultado aos Sindicatos representativos de categorias profissionais celebrar Acordos 
Coletivos com uma ou mais empresas da correspondente categoria econômica, que estipulem 
condições de trabalho, aplicáveis no âmbito da empresa ou das acordantes respectivas relações 
de trabalho. 
http://pt.shvoong.com/law-and-politics/labor-law/504615-fontes-direito-trabalho/ 
 
 
 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
1 
 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
2 
 
ESTÁ PENSANDO EM PEDIR DEMISSÃO? 
Se você está pensando em pedir demissão, primeiramente deverá saber que quem deve o Aviso 
Prévio é você, ou seja, no pedido de demissão é necessário comunicar ao Empregador o interesse 
em se desligar do emprego com uma antecedência mínima de 30 dias. 
Note que o empregador pode lhe dispensar do cumprimento desse aviso prévio, porém é uma 
decisão exclusiva do Empregador. 
É necessário que o Empregado formalize seu pedido de demissão, por meio de uma carta que pode, 
inclusive, ser escrita de próprio punho. 
Em caso de pedido de demissão, os direitos do empregado são os listados abaixo: 
- SALDO DE SALÁRIO: Se você foi demitido no dia 14 de um mês, você tem direito adquirido ao 
salário referente aos 14 dias que você trabalhou naquele mês. Se você trabalhou, você tem direito! 
- 13º SALÁRIO PROPORCIONAL: Para você ter direito ao 13º salário integral você deve trabalhar 
um ano inteiro. Se você começou o ano trabalhando para a empresa e foi demitido em MARÇO, 
por exemplo, você terá direito ao 13º salário proporcional na razão de 3/12. Da mesma forma, se 
você foi demitido em AGOSTO, você terá direito a 8/12 de 13º salário proporcional, entendido? 
- FÉRIAS PROPORCIONAIS + 1/3: Todo trabalhador tem direito a férias. Caso exista um período 
aquisitivo de férias que sequer se encerrou, vocêpossui férias proporcionais acrescidas de 1/3 para 
receber, porém apenas por meio de uma analise do caso concreto, pode-se dizer a fração correta. 
- FÉRIAS SIMPLES + 1/3, se houver: Se você completou seu período aquisitivo de férias, mas não 
chegou sequer a tirar seus dias de folga, você terá direito ao recebimento de férias simples 
acrescidas de 1/3. 
-FÉRIAS DOBRADAS + 1/3, se houver: Se você jamais gozou férias durante todo o período de 
emprego (Que seja mais de 1 ano), você tem direito a receber essas férias em DOBRO. É isso 
mesmo, se seu patrão nunca lhe pagou férias, ele terá que pagar dobrado, tudo acrescido de 1/3. 
Portanto, percebe-se que o empregado não poderá fazer o levantamento do FGTS, tampouco 
existirá a multa de 40% que é paga pelo patrão nos casos de demissão SEM JUSTA CAUSA. 
Além disso, não haverá direito ao seguro-desemprego em caso de pedido de demissão. 
Recomenda-se, portanto, que o empregado não peça demissão, a menos que já tenha certeza 
absoluta dessa decisão, pois, como vimos, as verbas a receber diminuem bastante. 
 
 
 
fonte: www.direitodoempregado.com 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Princípios do Direito do Trabalho 
Na doutrina podem ser encontrados diversos conceitos que explicam o que são os princípios no Direito, 
dentre eles destacamos os ensinamentos de Sérgio Pinto Martins, segundo o qual “princípios são 
proposições básicas que fundamentam as ciências. Para o Direito, o princípio é seu fundamento, a base que 
irá informar e inspirar normas jurídicas”. No campo do Direito do Trabalho, a Consolidação das Leis do 
Trabalho traz em seu art. 8º a previsão da possibilidade da utilização dos princípios por parte das autoridades 
administrativas e da Justiça do Trabalho. 
Art. 8º - As autoridades administrativas e a Justiça do Trabalho, na falta de disposições legais ou 
contratuais, decidirão, conforme o caso, pela jurisprudência, por analogia, por equidade e outros 
princípios e normas gerais de direito, principalmente do direito do trabalho, e, ainda, de acordo com os 
usos e costumes, o direito comparado, mas sempre de maneira que nenhum interesse de classe ou particular 
prevaleça sobre o interesse público. (CLT) 
a) Princípio da Proteção 
Este princípio tem como objetivo a proteção do empregado, parte mais frágil da relação de emprego. Assim, 
cabe ao legislador no momento da criação das normas objetivar sempre a melhoria da condição social do 
trabalhador. A partir desse princípio, surgem outros três princípios, o da aplicação da norma mais favorável 
ao trabalhador, o da condição mais benéfica ao trabalhador e o in dubio pro operario. 
b) Princípio da Norma Mais Favorável 
De acordo com esse princípio, em caso de conflito de normas, deverá ser aplicada a norma que for mais 
benéfica ao trabalhador. Como consequência desse princípio temos também a superioridade hierárquica das 
normas mais benéficas ao trabalhador em relação àquelas que lhes são mais prejudiciais. 
Art. 620 – As condições estabelecidas em Convenção quando mais favoráveis, prevalecerão sobre as 
estipuladas em Acordo. (CLT) 
c) Princípio da Condição Mais Benéfica 
Esse princípio é semelhante ao visto acima, com a diferença que o presente princípio é aplicado às cláusulas 
contratuais, enquanto o anterior dirige-se às leis. 
As normas (contratuais) que têm como objetivo a proteção do trabalhador, devem ser entendidas como 
direito adquirido, ou seja, caso tais normas venham a sofrer alterações em prejuízo ao trabalhador, uma vez 
revogadas ou alteradas, só alcançarão os trabalhadores admitidos após a revogação ou alteração. 
Súmula nº 51 do TST 
As cláusulas regulamentares, que revoguem ou alterem vantagens deferidas anteriormente, só atingirão os 
trabalhadores admitidos após a revogação ou alteração do regulamento. 
d) Princípio “in dubio pro operario” 
O princípio do “in dubio pro operario” foi abarcado pelo princípio da norma mais favorável. O “in dubio pro 
operario” é semelhante ao “in dubio pro reo” do Direito Penal e significa que, havendo dúvida, o aplicador 
da lei deverá aplicá-la da maneira mais benéfica ao trabalhador. 
e) Princípio da Imperatividade das Normas Trabalhistas 
As normas trabalhistas devem prevalecer nas relações de emprego, sendo vedada, em regra, a declaração 
bilateral de vontade, por parte do empregado e empregador, que tenha objetivo de afastar as partes das 
normas trabalhistas. 
f) Princípio da Indisponibilidade dos Direitos Trabalhistas 
Tal princípio prega a impossibilidade do empregado renunciar, voluntariamente, vantagens que lhe são 
garantidas pela lei trabalhista. Essa impossibilidade protege o trabalhador contra possíveis pressões que os 
empregadores possam vir a exercer, através da ameaças, como a rescisão do contrato, por exemplo. 
Art. 468 - Nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo 
consentimento, e ainda assim desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob 
pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia. (CLT) 
g) Princípio da Inalterabilidade Contratual Lesiva 
O presente princípio tem o objetivo de proteger os trabalhadores contra alterações no contrato de trabalho, 
feitas pelo empregador, que possam suprimir ou reduzir os direitos e vantagens do empregador. 
Hoje, verificamos que as cláusulas dos contratos de trabalho são cada vez mais objeto de negociação entre 
empregadores e empregados. Tal fato é marcado principalmente pelo fortalecimento das entidades 
representativas dos empregados. Por esse motivo, a observância do princípio da inalterabilidade contratual 
lesiva é fundamental para a proteção da classe trabalhadora. 
 
Art. 444 - As relações contratuais de trabalho podem ser objeto de livre estipulação das partes interessadas 
em tudo quanto não contravenha às disposições de proteção ao trabalho, aos contratos coletivos que lhes 
sejam aplicáveis e às decisões das autoridades competentes. (CLT) 
Art. 468 - Nos contratos individuais de trabalho só é lícita a alteração das respectivas condições por mútuo 
consentimento, e ainda assim desde que não resultem, direta ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob 
pena de nulidade da cláusula infringente desta garantia. 
Parágrafo único - Não se considera alteração unilateral a determinação do empregador para que o 
respectivo empregado reverta ao cargo efetivo, anteriormente ocupado, deixando o exercício de função de 
confiança. (CLT) 
h) Princípio da Intangibilidade Salarial 
Como consequência do princípio da inalterabilidade contratual lesiva, o presente princípio visa a proteger o 
salário do trabalhador, que, por não ter a possibilidade de receber os grandes lucros advindos de seu 
trabalho, não deve depender da economia, mesmo que indiretamente, para receber seu salário. Outro fator 
que justifica a existência desse princípio é a dependência que a maioria dos trabalhadores têm do seu salário 
para sobreviver. Para muitos trabalhadores, o não recebimento do salário, ou recebimento de um valor 
menor que o usual, causaria grandes problemas, inclusive para sua sobrevivência em alguns casos. 
Constituição Federal de 1988 
Art. 7º - São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua 
condição social: 
VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo; 
X - proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção dolosa; 
Importante notar que a irredutibilidade do salário não é absoluta, podendo ocorrer a redução através de 
convenção ou acordo coletivo. 
i) Princípio da Primazia da Realidade 
De acordo com esse princípio os fatos prevalecem sobre a forma, ou seja, havendo desacordo entre a 
realidade e aquilo que está documentado, deverá prevalecer a realidade. Esse princípio tem grande 
importância para o Direito do Trabalho, uma vez que é possível a existência de contrato de trabalhotácito, 
ou seja, que só pode ser verificado com a prática do trabalho, sem uma documentação formal. 
j) Princípio da Continuidade da Relação de Emprego 
Esse princípio determina que, em regra, os contratos de trabalho são válidos por tempo indeterminado. Tal 
disposição é mais uma garantia que o trabalhador tem em relação a seu emprego, e encontra amparo tanto 
constitucional quanto do TST. 
Constituição Federal de 1988 
Art. 7º - São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua 
condição social: 
I - relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei 
complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos; 
Súmula nº 212 do TST - Ônus da Prova - Término do Contrato de Trabalho - Princípio da Continuidade 
O ônus de provar o término do contrato de trabalho, quando negados a prestação de serviço e o 
despedimento, é do empregador, pois o princípio da continuidade da relação de emprego constitui presunção 
favorável ao empregado. 
 
 
http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=4909 
 
ENTENDEU DIREITO OU QUER QUE DESENHE? 
1 
 
 
Salário 
é a contraprestação devida e paga diretamente pelo empregador ao empregado 
em função da relação empregatícia. 
Remuneração 
salário + gorjetas. 
Para Sérgio Pinto Martins, "remuneração é o conjunto de retribuições recebidas habitualmente pelo 
empregado pela prestação de serviços, seja em dinheiro ou em utilidade, provenientes do empregador ou de 
terceiros, mas decorrentes do contrato de trabalho, de modo a satisfazer suas necessidades básicas e de sua 
família.”. 
Observe que a remuneração inclui retribuições de terceiros (gorjetas, conforme textualmente explicitado no 
art. 457 da CLT). 
 
Veja a definição de salário mínimo contida na CLT: 
"Art. 76 - Salário mínimo é a contraprestação mínima devida e paga diretamente pelo empregador a todo 
trabalhador, inclusive ao trabalhador rural, sem distinção de sexo, por dia normal de serviço, e capaz de 
satisfazer, em determinada época e região do País, as suas necessidades normais de alimentação, 
habitação, vestuário, higiene e transporte." 
 
(OAB/SP – 2006) Salário e remuneração são expressões: 
a) sinônimas, que designam o mesmo objeto, correspondente ao que o empregado recebe do 
empregador pelos serviços prestados. 
 
b) sinônimas, que designam o mesmo objeto, correspondente ao que o empregado recebe do empregador ou 
de terceiros pelos serviços prestados. 
 
c) que designam objetos diferentes, sendo que salário designa as vantagens recebidas pelo empregado 
diretamente do empregador, enquanto remuneração compreende também as vantagens provenientes de 
terceiros. 
 
d) que designam objetos diferentes, sendo a expressão salário mais abrangente do que a expressão 
remuneração. 
Súmula Vinculante 15 - “O cálculo de gratificações e outras vantagens não incide sobre o abono utilizado 
para se atingir o salário mínimo do servidor público”. 
Súmula Vinculante 16 - “Os arts. 7º, IV, e 39, § 3º (redação da EC 19/98), da Constituição, referem-se ao 
total da remuneração percebida pelo servidor público”. 
Com as duas súmulas, o Supremo reafirma sua jurisprudência e indica às demais instâncias do Judiciário e à 
Administração Pública brasileira que a remuneração do servidor público não pode ser inferior ao salário 
mínimo. Segundo o entendimento sumulado, mesmo que o vencimento seja inferior ao salário mínimo e a 
ele seja acrescido abono para que o mínimo seja atingido, então não há ofensa ao artigo 7º, inciso IV e 39, 
parágrafo 2º da Constituição. 
STF Súmula Vinculante nº 6 -Estabelecimento de Remuneração Inferior ao Salário Mínimo - Praças 
Prestadoras de Serviço Militar Inicial “Não viola a constituição o estabelecimento de remuneração inferior 
ao salário mínimo para as praças prestadoras de serviço militar inicial.”

Outros materiais