A Primeira Consulta do Recém Nascido
21 pág.

A Primeira Consulta do Recém Nascido

Pré-visualização1 página
PROFESSOR: Ribeiro
A Primeira Consulta do Recém-Nascido
A época ideal para a primeira consulta
Primeira semana de vida
Oportunidades (orientações):
AMEX
Caderneta da criança (imunização)
Triagem neonatal (teste do pezinho)
Avaliação da saúde da puérpera
O conteúdo da consulta
Cuidados individualizados para RN e família
Anamnese da criança
Identificação
 Nome completo
 Idade
 Sexo
 Etnia
 Nacionalidade
Queija Principal(QP)
História da doença atual(HDA)
Motivo da consulta
Há quanto tempo o pcte está doente
Como começou a doença?( onde estava? O que fazia? Que horas eram? Como estava o ambiente, o tempo)
Como evoluiu a doença?(usou medicamentos? Quais? Realizou exames?)
História Patológica Pregressa (HPP)
Indagar sobre doenças exantemáticas comuns na infância (exantema súbito, rubéola, sarampo, caxumba, pneumonias e outras).
História Patológica Familiar (HPF)
Os dados de todas as pessoas envolvidas no núcleo em que vive a criança também deverão ser anotados.
Pai: idade, naturalidade etnia e condições de saúde.
Mãe: historia da mãe, da gravidez e do parto.
Irmãos ( quantos? Vivos? Alergias? Prematuros? ).
Parentes próximos (Avôs, tios, primos), indagar sobre doenças hereditárias e crônicas.
Vizinhos próximos (indagar sobre doenças)
Historia da mãe, da gravidez e do parto
Mãe: idade, naturalidade, etnia, saúde atual, consanguinidade, abortos, planejamento familiar, tabagismo, queixas ginecológicas e outras.
Gravidez: (pré-natal)
Parto: tipo de parto, local de ocorrência, medicamentos etc.
Historia Neonatal:
Termo, pré-termo, pós-termo
História do desenvolvimento: comparar idade com as informações da caderneta.
Historia Imunológica: ver dados na caderneta de vacinação
Historia alimentar
Historia socioeconômica
Exame físico completo
Peso: perda 10% ao nascimento
comprimento 
Perímetro cefálico:(< -2 ou > +2 escores \u201cz\u201d).
Desenvolvimento social e psicoafetivo: mãeXbebê.
Estado geral: as extremidades fletidas, as mãos fechadas e o rosto, geralmente, dirigido a um dos lados.
Face: Pesquise alguma assimetria, malformação, deformidade ou aparência sindrômica.
Pele: edema, cianose palidez, icterícia, assaduras, pústulas, bolhas palmo-plantares
Crânio: Examine as fontanelas: a fontanela anterior mede de 1cm a 4cm, tem forma losangular, fecha-se do 9º ao 18º mês e não deve estar fechada no momento do nascimento.
A fontanela posterior é triangular, mede cerca de 0,5cm e fecha-se até o segundo mês. Não devem estar túrgidas, abauladas ou deprimidas
Olhos: teste reflexo fotomotor: realizar em ambos olhos. Teste do reflexo vermelho ou Bruckner test (penumbra); conjuntivites.
Orelhas e audição: Oriente a família para a realização da triagem auditiva neonatal universal (Tanu) ou \u201cteste da orelhinha.
Nariz: avalie a forma e a possível presença de secreção (sífilis).
Boca: Observe a úvula, o tamanho da língua (macroglossia), o palato, o freio lingual e a coloração dos lábios
Tórax: avalie a assimetria, pois ela sugere malformações cardíacas, pulmonares, de coluna ou arcabouço costal.
Observe possíveis sinais de sofrimento respiratório (tiragens, retração xifoidiana, batimentos de asas do nariz, gemidos, estridor)
Observe a possível presença de cianose, abaulamento pré-cordial, turgência jugular, ictus cordis e sopros cardíacos. Verifique também os pulsos.
Abdome: Observe a respiração, que é basicamente abdominal e deve estar entre 40mrm e 60mrm. Diagnostique a presença de hérnias inguinal e umbilical.
Observar distensão gasosa, visceromegalias, obstrução ou perfuração abdominal.
Verifique a presença de granuloma umbilical após a queda do coto.
Genitália: Apalpe a bolsa escrotal para identificar a presença dos testículos.
Se aos 6 meses os testículos não forem apalpados na bolsa escrotal, a criança deve ser encaminhada para melhor avaliação e tratamento
Observar a presença de fimose fisiológica e hidrocele.
Ânus e reto: Verifique a permeabilidade anal, bem como a posição do orifício e a presença de fissuras
Avalie a presença de situações de risco e vulnerabilidade à saúde do RN
Situações de vulnerabilidade :
Criança residente em área de risco;
 Baixo peso ao nascer (inferior a 2.500g);
Prematuridade (menos de 37 semanas gestacionais);
 Asfixia grave ou Apgar menor do que 7 no 5º minuto;
Internações/intercorrências;
 Mãe com menos de 18 anos de idade;
Mãe com baixa escolaridade (menos de oito anos de estudo);
História familiar de morte de criança com menos de 5 anos de idade
Avalie e oriente os pais sobre os sinais de perigo na criança com menos de 2 meses e sobre a necessidade de procurar atendimento de emergência(VD).
Promova e apoie o AMEX e auxilie a formação ou o fortalecimento do vínculo entre os pais e o bebê
Para uma melhor interação com o bebê, é interessante alertar a mãe (e os familiares) de que alguns recém-nascidos a termo, em situações especiais (principalmente no estado quieto-alerta), são capazes de:
 Ir ao encontro da mama da mãe por si próprio, logo após o nascimento, se colocados no tórax da mãe.
Reconhecer a face da mãe após quatro horas de vida.
Ter contato olho a olho;
Imitar expressões faciais logo após o nascimento;
Determinar a direção do som;
Reconhecer sabores, com preferência por doces;
Orientações gerais sobre os cuidados com o recém-nascido:
A lavagem de mãos por todas as pessoas que têm contato com o bebê.
Oriente-os a respeito do banho e sobre os cuidados com o coto umbilical,
Oriente-os a respeito da posição supina (de \u201cbarriga para cima\u201d).
Prevenção de acidente
Temperatura da água do banho
Leite de mamadeiras \u2013 temperaturas
Grades em berços
Não aquecer o leite 
Realização do teste do pezinho
permite a detecção da fenilcetonúria e do hipotireoidismo congênito (fase 1 do programa) e de hemoglobinopatias (fase 2), doenças que podem ser tratadas, prevenindo o retardo mental (que as duas primeiras enfermidades podem ocasionar) e as infecções e outras complicações que frequentemente podem ocasionar a morte de crianças com hemoglobinopatias. 
A pesquisa de hemoglobinopatias inclui a detecção de anemia falciforme e do traço falciforme, que, mesmo assintomático, traz implicação genética para a família. A fase 3 do PNTN acrescentará a triagem da fibrose cística(ou mucoviscidose).
O teste deverá ser feito entre o 3º e o 7º dia de vida da criança, uma ingestão adequada de proteínas é possível analisar com mais segurança o metabolismo da fenilalanina, evitando-se resultados falsos negativos para fenilcetonúria.
Orientações para o calendário de imunizações
É importante verificar se o recém-nascido recebeu a 1a dose da vacina contra hepatite B e da BCG na maternidade e se será necessário indicar a aplicação dessas vacinas na unidade de saúde
Combine o calendário de consultas