Caso concreto444
2 pág.

Caso concreto444


DisciplinaCivil 2761 materiais1.272 seguidores
Pré-visualização1 página
Caso concreto 
 Leia ao caso concreto narrado abaixo e responda, de forma objetiva e 
fundamentada, às questões formuladas de acordo com os temas abordados no 
plano de aula: 
Antônia é uma mulher de 40 anos, 1.85 de altura e 60 quilos. Algumas pessoas 
de sua convivência e parentela comentam que desde a adolescência Antônia 
guarda forte semelhança física e fisionômica com a apresentadora Xuxa 
Meneguel. Fielmente alicerçada nessa crença Antônia procura um cirurgião 
plástico conceituado que lhe afirma em consulta, pode realizar procedimento 
cirúrgico plástico no corpo e face que lhe deixariam idêntica à apresentadora, 
possibilitando que Antônia inclusive tire proveito econômico da circunstância, 
posto poder atuar como cover ou duble da própria Xuxa. Ante a afirmação, 
Antônia anui com o contrato medico, paga o valor estabelecido e ao longo de 
dezoito meses é submetida `a várias internações e cirurgias. Ao final o resultado 
é um fracasso. Antônia passa a ser motivo de chacotas e desprezo que resulta 
em forte depressão. Em virtude de todos os fatos expostos, Antônia decide 
processar o médico alegando dano. 
a) A história de Antônia e do cirurgião medico pressupõe quais modalidades 
de obrigação? 
Obrigação de resultado. A obrigação de resultado tem como objetivo a realização 
de uma atividade que visa obter um resultado claro e definido. Nas obrigações 
de resultado a execução considera-se atingida quando o devedor cumpre 
objetivo final. 
b) Prosperará o pleito aduzindo o dano ? 
Como se vê, o médico assume obrigação de resultado na cirurgia plástica 
estética, porquanto se compromete em proporcionar ao paciente resultado 
aparente. Contudo, quando não existir viabilidade de transformação satisfatória 
do corpo humano, o médico deverá negar a realização da cirurgia, bem como 
informar ao paciente que o resultado almejado não irá ocorrer. Desta forma, a 
conduta do médico coaduna-se com a ética profissional e o princípio da boa-fé 
contratual. 
A realização de intervenções cirúrgicas estéticas malsucedidas em decorrência 
de barbaridades técnicas efetuadas pelo médico (erro médico), corresponde ao 
insucesso da cirurgia estética, sendo certo que haverá presunção de culpa do 
médico que a realizou. 
Não se nega a importância de denunciar o erro médico ao Conselho Regional de 
Medicina, que deverá fiscalizar o fato narrado pelo paciente por meio de uma 
sindicância, sujeitando-se, o médico, à responsabilidade na esfera 
administrativa, civil e/ou criminal, inclusive no tocante à cassação do registro 
profissional. 
Citando o ilustre doutrinador Sergio Cavalieri Filho [5], \u2018\u2019enfatiza-se, uma vez, 
que os médicos, como prestadores de serviços que são, não estão fora da 
disciplina do Código de Defesa do Consumidor. A única exceção que se lhes 
abriu foi quanto à responsabilidade objetiva. E se foi preciso estabelecer essa 
exceção é porque estão subordinados aos demais princípios do Código do 
Consumidor \u2014 informação, transparência, boa-fé, inversão do ônus da prova 
etc.\u2019\u2019 
Miguel sofre um acidente de carro que inutiliza seu veículo. Apesar da cobertura 
do seguro, não possui o benefício de carro reserva. Em face do exposto, procura 
uma locadora de veículos e aluga um pelo período de 10 dias, Ao final desse 
prazo Miguel terá: 
a) Obrigação de dar 
b) Obrigação de restituir 
 c) Obrigação de meio 
d) Obrigação de fazer