A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
APANHADO ANÁLISE DO DISCURSO CRÍTICA E SEMIÓTICA

Pré-visualização | Página 1 de 8

ANÁLISE DO DISCURSO CRÍTICA E SEMIÓTICA
20. Giddens, ao tratar do momento de transição de uma sociedade que não se assenta na industrialização, ou seja, em uma sociedade pós-industrial, estabelece que: (unidade I pág 11)
A) A antiga ordem industrial tem como base a circulação do conhecimento e da informação.
B) A questão da sociedade industrial é afetada no âmbito econômico.
C) A concepção de uma sociedade pós-moderna tem como base a produção em massa.
D) A antiga ordem social é ultrapassada se comparada à nova ordem social baseada no conhecimento e na informação.
E) O desenvolvimento econômico interfere no modo como o conhecimento é processado na antiga ordem industrial de forma igualitária ao que acontece na nova ordem social.
 3. Sobre as ameaças ecológicas que a humanidade tem de enfrentar no período da pós-modernidade, pode-se considerar três tipos de ameaças: (unidade I pág 12)
I. A produção de desperdícios;
II. A poluição;
III. O esgotamento de reservas minerais.
O que desencadeia esses tipos de ameaças?
A) A base do desenvolvimento de uma sociedade moldada pelos modos de produção.
B) A configuração das linhas de produção com base na revolução industrial.
C) O desenvolvimento e a expansão global das instituições sociais ocidentais associadas à importância do crescimento econômico.
D) As organizações centradas em um poder local e o meio ambiente.
E) as organizações industriais constituídas por um aglomerado humano.
18. Na perspectiva na Análise de Discurso Crítica há o interesse pelas relações de poder e processo de transformação social. Os acontecimentos recentes das manifestações organizadas pelas redes sociais têm sido uma das formas de mobilização social. No primeiro semestre de 2013, esses movimentos tomaram uma dimensão grande nas cidades brasileiras a partir do episódio do aumento das tarifas de transporte público. Trata-se de uma nova forma de organização, diferente das formas de organização, luta e reivindicação marcadas pelo modelo de sociedade moderna, centrada nos modos de produção advindos da revolução industrial. Assinale abaixo a alternativa que traduz essa nova forma de mobilização social. (unidade I pág 12)
A) Os movimentos segmentares (feministas, homossexuais, ecologistas, negros, índio etc.) apontam o nascimento de outros atores políticos e dificilmente rompem com os líderes legitimados pelo Estado para desencadearem os processos de reivindicações sociais. 
B) Os movimentos têm demonstrado a criação de novos direitos defendidos por novos atores sociais e novas estratégias de ação. (marcado como certo em outra prova) 
C) Traduz o modelo de organização política no sentido de atender ao modelo de política moderna que atuava no estado e buscava a conquista ou manutenção do poder estatal.
D) Valoriza a figura dos grandes atores políticos universais. Afirma um “poder” centralizado no Estado.
E) Confronta a ideia de “poder” central localizado no Estado e poder difuso, no qual estende sua rede por toda a sociedade civil, afirmando uma pós-modernidade social influenciada pelos representantes do Estado.
Texto da página 12: Lima (1998, p. 57-58), ao citar o pensamento de Rouanet, faz algumas considerações a respeito da política no mundo pós-moderno. O autor afirma que ela está voltada para a sociedade civil e busca a conquista de objetivos de grupos ou segmentos da sociedade, colocando-se, assim, em oposição à política moderna que atuava no Estado e buscava a conquista ou manutenção do poder estatal.
A política pós-moderna apresenta um indivíduo que cede seu lugar aos grupos e suas finalidades não são mais universais, tornam-se micrológicas. A política especifica-se, passando a ser atributo de quem faz parte de campos setoriais de dominação: a dialética homem/mulher, antissemita/judeu, etnia dominante/etnias minoritárias.
Assim sendo, extinguiram-se os grandes atores políticos universais. Não existe mais um “poder”central localizado no Estado, mas um poder difuso, estendendo sua rede por toda a sociedade civil. Temse, desse modo, uma pós-modernidade social que se dá a conhecer no plano da vida cotidiana por uma onipresença do signo, do simulacro, do vídeo e da hipercomunicação. 
Ainda referindo-se ao pensamento de Rouanet, Lima (1998, p. 75) observa que não há uma superação da política moderna pelo surgimento dos movimentos segmentares (feministas, homossexuais, ecologistas, negros, índios etc.). Ocorre apenas um enriquecimento do campo político; portanto, o nascimento de outros atores políticos não representa uma ruptura com a modernidade em favor de uma política pós-moderna. Ao contrário, demonstra a concretização de uma tendência imanente do liberalismo moderno, que, por meio de sua doutrina dos direitos humanos, tornou possível a existência de um espaço fértil para a criação de novos direitos defendidos por novos atores sociais, de acordo com novas estratégias. 
É necessário também salientar que o período da pós-modernidade apresenta as ameaças ecológicas que a humanidade tem de enfrentar – ameaças globais, que são um perigo para o planeta. Os três tipos principais de ameaças ao ambiente são a produção de desperdícios, a poluição e o esgotamento de reservas minerais. Elas são desencadeadas pelo desenvolvimento e pela expansão global das instituições sociais ocidentais associadas à importância dada ao crescimento econômico. Sintetizando, não há uma ruptura em relação à modernidade.
 26. Considere a seguinte passagem de Lyotard sobre “o saber” a partir das décadas de 1960 e 1970. (unid I pág 16)
I – “[...]” ele fazia parte da formação de todo indivíduo para que se tornasse um cidadão participante. Assim sendo, o indivíduo entregava-se ao processo de interiorização do saber. A escola e os professores eram os donos do saber universal e os principais responsáveis pela transmissão do conhecimento aos alunos, os quais, por definição, tinham um saber incompleto. O desnível justificava a autoridade do professor e a obediência ao aluno”.
 II – “[...]” o saber passa a viver uma explosiva exteriorização, tornando-se abundante e acessível. Já não há mais o desnível, de um modo geral, em relação a professor e a aluno quanto à informação. O desnível ocorre no modo de utilização do conhecimento. O saber perde sua condição de uso e passa a ter um valor de venda, vinculando-se às questões do poder econômico e político, ou seja, ele é a moeda que define, na cena internacional, os jogos hegemônicos (entre as nações e entre as empresas multinacionais).
 III - “[...]” o conhecimento atualmente está intimamente vinculado às questões econômicas e de poder, e esse poder refere-se tanto a quem o detém quanto àquele que, via internet, o difunde, atribuindo-lhe, assim, o que Lyotard chama de valor de troca”.
 Qual ou quais das concepções acima estão de acordo com um modelo de sociedade pós-informatizada?
 A) I e II.
B) I e III.
C) I, II e III.
D) Apenas II.
E) II e III.
7. Para Borja e Castells, as estratégias de desenvolvimento local devem contemplar as exigências para a inserção competitiva, principalmente no que diz respeito: (unidade I pág 20)
I- À infraestrutura adequada, no sentido de acesso a serviços essenciais;
II- A um sistema de comunicações que assegure a conectividade do território aos fluxos globais de pessoas, informações e mercadorias;
III- À existência de recursos humanos capazes de produzir e gerenciar no novo sistema técnico-econômico.
IV- À centralização do processo de produção para as organizações locais.
De acordo com as ideias dos autores, estão corretas:
A) Apenas I.
B) Apenas I e II.
C) Apenas I, II e III.
D) I, II, III e IV.
E) Somente IV.
 11. Mark Poster, em Segunda Era das Mídias, considera os sistemas de comunicação eletrônica na globalização como: (unidade I pág 26)
A) Linguagens determinantes da vida dos indivíduos e dos grupos em todos os seus aspectos (social, econômico, cultural e político).
B) Simples dispositivos instrumentais, que em nada ou muito pouco alteraram as relações de poder.
C) Encadeadores de discussões

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.