aula-22-especiacao
25 pág.

aula-22-especiacao


DisciplinaEnem36.330 materiais1.165.410 seguidores
Pré-visualização2 páginas
AULA 22 
ESPECIAÇÃO 
\u2022 Especiação é o nome dado ao processo que leva à 
formação de novas espécies. 
\u2022 Fica evidente que ele nunca foi verificado de forma 
direta. 
\u2022 Porém, a partir de dados indiretos, como a comparação 
de espécies atuais e de fósseis, a sequência de 
eventos que conduz à especiação pode ser deduzido. 
 
 
 
 
\u2022Segundo Ernst Mayr, em 1942, \u201cespécie é um grupo de 
populações cujos indivíduos são capazes de se cruzar e 
produzir descendentes férteis, em condições naturais, 
estando reprodutivamente isolados de indivíduos de outras 
espécies\u201d. 
 
 
 
 
 
 
 
\u2022 Atualmente, adotam-se critérios morfológicos, 
fisiológicos, bioquímicos e genéticos, para o 
estabelecimento das diferenças e relações de 
parentesco entre os diferentes grupos de seres vivos. 
\u2022 Sinteticamente, para muitos autores, espécie é um 
conjunto de indivíduos muito assemelhados com 
interesterilidade e intrafertilidade. 
 
 
Possibilidades para o surgimento de novas espécies 
Anagênese ou filética - Processo em que uma 
população, devido a contínuas alterações das condições 
ambientais, vai gradativamente se modificando, tendo 
como resultado uma população tão diferente que já se 
constituiria numa nova espécie. Resulta da interação dos 
fatores evolutivos, fundamentalmente, a mutação, a 
recombinação gênica e a seleção natural. 
 
Cladogênese ou por diversificação 
\u2022 Processo em que as novas espécies são formadas a 
partir de um ancestral comum por irradiação adaptativa. 
Duas ou mais populações isoladas se diferenciam com 
o tempo, originado novas espécies. 
\u2022 A origem da maioria das novas espécies ocorre por 
cladogênese, segundo a maioria dos evolucionistas, 
sendo a base da diversidade biológica do Planeta. 
 
\u2022 As populações, ou linhagens filogenéticas, que 
pertenciam a uma mesma espécie, são chamadas 
clados. 
\u2022 O processo cladogenético de formação de novas 
espécies supõe a existência de três etapas: isolamento 
geográfico, diversificação gênica e isolamento 
reprodutivo. 
 
 
. 
 
Equilíbrio Pontuado 
\u2022 Em 1972, Niles Eldredge e Stephn Jay Gould, dois 
paleontologistas norte-americanos, propuserem a ideia 
do equilíbrio pontuado para opor ao gradualismo. 
\u2022 O gradualismo prega que as espécies descendentes de 
um ancestral comum acumulam características 
adaptativas de forma gradual durante o seu processo de 
divergência evolutiva. 
\u2022 Segundo o equilíbrio pontuado, as espécies 
experimentam longos períodos de estabilidade, 
intercalando breves períodos de mudanças abruptas. 
\u2022 Para eles, está aí a razão pela qual os fósseis 
intermediários di\ufb01cilmente são encontrados. 
\u2022 Um argumento bastante plausível foi a \u201cexplosão 
cambriana\u201d. 
\u2022 Há 570 milhões de anos, na Era Paleozoica, num 
intervalo entre 5 ou 10 milhões de anos, surgiram 
abruptamente na Terra numerosos tipos de 
invertebrados, plantas terrestres, além de todos os 
vertebrados. 
 
 
 
Etapas da Especiação Por Cladogênese 
(1) Isolamento geográfico 
\u2022 O isolamento geográfico é um fator essencial para a formação de novas 
espécies. Consiste no isolamento de populações de uma espécie ancestral 
de tal forma que não consigam mais se cruzar. Alguma barreira física (um 
rio, um vale separando planaltos, ilhas que são isoladas do continente) isola 
uma espécie, formando diferentes populações e impedindo o encontro entre 
seus membros. 
 
Diversificação gênica 
\u2022 Uma vez isoladas, a história genética dessas populações toma caminhos 
próprios. 
\u2022 As mutações necessariamente, e provavelmente, não serão as mesmas, 
gerando alelos diferentes. 
\u2022 A realidade ambiental também se diversifica fazendo com que as pressões 
exercidas pela seleção natural sejam distintas para as diferentes populações 
\u2022 Dessa forma, a seleção natural pode preservar alguns conjuntos gênicos 
(genótipos, e consequentemente fenótipos) numa população e eliminar 
semelhantes em outra. 
\u2022 ocorre a diversificação genética das populações que, com o tempo, sofrem 
um distanciamento genético. 
\u2022 Esse distanciamento genético faz com que ocorra o fenômeno chamado 
raciação, provocando o surgimento de raças diferentes da mesma espécie, 
porém preservando o sucesso reprodutivo se forem colocadas em contato. 
\u2022 Um exemplo interessante é a realidade dos cães, já que todos pertencem à 
mesma espécie, Canis familiaris, porém são de raças distintas. 
 
Isolamento reprodutivo 
\u2022 O isolamento reprodutivo representa o passo derradeiro para a formação de 
novas e distintas espécies. 
\u2022 As diferenças genéticas se tornam de tal forma distanciadas que os membros 
dessas populações perdem a capacidade de cruzar. 
\u2022 A partir desse ponto teremos espécies distintas. 
 
\u2022 O isolamento reprodutivo pode ocorrer em dois momentos: 
(a) pré-zigótico - antes da fecundação (inviabiliza a formação do zigoto) 
(b) Pós-zigótico \u2013 após a fecundação (o desenvolvimento do zigoto se torna 
impossibilitado). 
Mecanismos de isolamento reprodutivo pré-zigóticos 
(a) Geográficos, ecológicos ou de habitat 
\u2022 São aqueles em que as espécies vivem em habitats diferentes, o que impede o 
seu contato físico, logo a reprodução. 
\u2022 Pode-se citar como exemplo o caso dos leões e dos tigres. 
\u2022 Os leões vivem nas savanas africanas, e os tigres, em algumas florestas 
asiáticas. 
\u2022 Reunidos, por exemplo, em zoológicos, eles podem se reproduzir e ter uma 
descendência fértil. 
 
(b) Estacionais ou sazonais 
\u2022 Mesmo que as populações vivam no mesmo habitat, as espécies já não se 
cruzam porque o período reprodutivo ocorre em épocas diferentes do ano. 
 
(c) Etológicos ou comportamentais 
\u2022 Os mecanismos etológicos são aqueles em que as espécies ocupam o 
mesmo habitat mas apresentam comportamento de pré-acasalamento, de 
corte, diferentes. 
\u2022 Por exemplo, os sinais luminosos emitidos por vaga-lumes machos variam, 
em função de cada espécie, na frequência, no tempo de emissão e na cor. 
\u2022 Cada fêmea responde apenas e tão somente ao sinal emitido pelo macho de 
sua própria espécie. 
 
(d) Mecânicos 
\u2022 Fenômeno em que a fecundação é impossibilitada pela incompatibilidade 
física dos genitais. 
(e) Mortalidade gamética 
\u2022 Nesse mecanismo pré-zigótico a sobrevivência dos gametas masculinos de 
uma espécie é fisiologicamente inviável no sistema reprodutor feminino de 
outra espécie. 
 
 
Mecanismos de isolamento reprodutivo pós-zigóticos 
\u2022 São aqueles que afetam diretamente o híbrido, isto é, o fruto do cruzamento de 
indivíduos de espécies diferentes. 
(a) Inviabilidade do híbrido 
\u2022 Mesmo que haja fecundação ocorre a morte prematura do embrião por 
incompatibilidade entre os genes dos pais. 
(b) Esterilidade do híbrido 
\u2022 Nesse caso o embrião desenvolve e produz um híbrido sadio, porém não ocorre 
pareamento dos cromossomos durante a meiose (número de cromossomos 
diferentes), o que impossibilita a produção de gametas. 
\u2022 Um exemplo clássico é a mula, híbrido estéril resultante do cruzamento entre o 
jumento (Equus asinus) e a égua (Equus caballus). 
 
 
 
(c) Deterioração do híbrido 
\u2022 Fenômeno muito comum entre os vegetais. 
\u2022 A primeira geração híbrida (F1) é normal, mas a F2 apresenta indivíduos fracos 
ou estéreis, em função de combinações gênicas incompatíveis durante a meiose 
 
Muitos biólogos consideram no processo cladogenético diferentes tipos de 
especiação 
(A) Especiação alopátrica \u2013 considera o isolamento geográ\ufb01co como o primeiro 
passo para a formação de novas espécies. Se ocorrer a separação da população 
original em duas populações, a especiação alopátrica