A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Resumo Revisão av2 Gestalt Terapia

Pré-visualização | Página 1 de 1

G E S T A L T T E R A P I A
Revisão AV2
Teoria do Campo/Organísmica
O homem é um organismo unificado, não podendo ser admitida a divisão entre mente e corpo.
Contra divisão corpo/mente e interno/externo.
Ritmo de contato e afastamento é definido pelo grau de necessidades, as dominantes surgem como primeiro plano.
A hierarquia de necessidades é guiada por GESTALTS DOMINANTES (topo da hierarquia da sua necessidade).
Quando esta é satisfeita, a Gestalt se fecha, se não é Gestalt inacabada.
Teoria do Campo de Lewin
Influências sociais sobre o comportamento humano.
O campo forma um mosaico de possibilidades, codificável através da percepção.
Compreensão global do funcionamento do indivíduo: meio externo e interno de cada um.
Concepção de Homem na Gestalt-Terapia
O homem é um ser que deve ser visto por completo.
Um ser responsável e digno de confiança.
Ser em relação ao mundo, apreendido por um olhar holístico (que procura compreender os fenômenos na sua totalidade e globalidade).
Alcançar suas necessidades através de trocas com o meio.
Voltado para a consciência, atento ao mundo e a si mesmo.
Figura e Fundo – Parte/Todo
A figura é parte de um todo e só pode ser compreendida em relação ao fundo, não existe sem este.
A figura se torna fundo para que surja uma nova figura.
Figura centro da atenção, fundo o redor.
Aqui e Agora
O Gestalt-terapeuta trabalha o tempo todo no aqui-agora do comportamento do cliente.
Focalizar suas dificuldades (figura) e atualizar seu passado (fundo). Para dar conta que o passado aparece em seus comportamentos atuais.
A terapia se dá através do contato pelo paciente com suas áreas alienadas, suas dificuldades, seus conflitos, sua criatividade..., experienciadas no presente da relação terapêutica.
Junção do espaço e tempo.
Homeostase
Estabilidade.
Quando a pessoa consegue identificar suas necessidades, quando consegue formar uma figura clara, nítida e discriminar como pode satisfazer aquela necessidade, fechar a Gestalt. Isto é considerado saudável.
Na Gestalt, saúde não significa a ausência de doença.
Contato 
Relacionamento e influência do meio, chamada de interação organismo/ambiente.
Se esse contato não é considerado saudável é considerado disfuncional.
Ajustamento Criativo e Neurótico
Bipolar, depressão... Na Gestalt é chamada de neurose e ajustamento neurótico.
Pode-se dizer que ele tem um funcionamento sadio, já que está fazendo o melhor que pode de acordo com o que o meio lhe oferece, e a isso chamamos de AJUSTAMENTO CRIATIVO.
Sua espontaneidade está comprometida e isso torna sua vida confusa, dolorosa e nesse caso, diz-se que há um AJUSTAMENTO NEURÓTICO.
No ajust. neurótico a necessidade genuína não pode ser satisfeita, pois não é identificada.
A neurose, para a Gestalt-terapia, nada mais é do que a incapacidade de alterar as técnicas de manipulação e interação com/no meio.
No entanto, o comportamento neurótico é aprendido quando essa deliberação por “não agir”, ou segurar um impulso, torna-se um hábito pela repetição e dali a algum tempo, não se entrará mais em contato com aquele hábito (a pessoa não se dá mais conta daquilo).
Exemplo: se alguém tem o hábito de andar concorda, deixar de faze-lo torna-se doloroso, pois corcunda é o natural.
Nascemos com um sentido de equilíbrio social e psicológico.
Neurose se manifesta quando o individuo e o grupo vivenciam necessidades diferentes e ele não consegue identificar qual é a dominante. Neurose vem da incapacidade do indivíduo manter esse equilíbrio.
Para Spangenberg: “a neurose é uma resposta estereotipada, como uma árvore que nasceu um lugar com muito vento e se tornou inclinada, mesmo em dias de calma”.
Mecanismo de Evitação do Contato ou Mecanismo de Defesa
Mecanismos de defesa neuróticos, GT compreende como formas de evitação do contato.
A ação do GT não objetiva superar as resistências quando há evitação do contato, e sim torna-los conscientes, favorecendo seu uso adaptado à situação do momento.
A evitação de contato pode ser saudável ou patológica, conforme sua intensidade, maleabilidade... Um mecanismo de defesa por si só não é bom ou ruim. O uso que o cliente faz dele que caracteriza sua “patologia”.
Confluência – é um estado de não-contato, por fusão ou ausência de fronteira de contato. O self (si mesmo) não pode ser identificado, ausência de discriminação eu/meio.
Introjeção – Perls considera que esse é o mecanismo por meio do qual incorporamos em nós mesmos normas, atitudes, modos de agir e pensar que são dos outros e não verdadeiramente nossos;
O individuo que introjeta não tem oportunidade de desenvolver sua própria personalidade e cria em seu interior campos de batalha com lutas onde nenhum dos lados ganha e que imobiliza o desenvolvimento da personalidade.
Para Perls, a neurose surge na infância, o imperativo for contra a natureza e apesar disso aceito de bom grado.
Projeção (perls) – Significa atribuir ao meio elementos da própria subjetividade do sujeito.
A projeção não patológica é o que permite a empatia. 
Retroflexão (perls) – consiste em voltar para si mesmo a energia mobilizada, fazer a si aquilo que gostaria de fazer aos outros ou que os outros lhe fazem.
Por exemplo, ranger os dentes para não cometer uma agressão.
Deflexão (perls) – permite evitar o contato direto, desviando a energia de seu objeto primitivo. Por exemplo, desviar o olhar, usar termos técnicos e etc.
Proflexão (croker) – Uma combinação de projeção e retroflexão, consiste em fazer ao outro aquilo que gostaríamos que o outro nos fizesse. 
Egotismo (Goodman) – consiste em um reforço deliberado nas fronteiras de contato, devido a um reinvestimento de energia no ego, uma hipertrofia narcísica. Geralmente é uma etapa do processo terapêutico, mas enquanto o estado crônico se torna uma ptologia.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.