Simuladão de Enfermagem
35 pág.

Simuladão de Enfermagem

Disciplina:Questionarioenfermagem2 materiais9 seguidores
Pré-visualização6 páginas
QUESTÕES DISCURSIVAS PARA ESTUDO
1. Durante o plantão diurno a paciente M.A.A. da Clínica Médica apresentou os seguintes sinais vitais nos respectivos horários:
08:00 hs Tax: 36,9º C; FC: 85 bpm; FR: 18 mpm; PA: 130x90 mmHg
12:00 hs Tax: 38,7º C; FC: 90 bpm; FR: 17 mpm; PA: 120x80 mmHg
16:00 hs Tax: 37,4 C; FC: 89 bpm; FR: 19 mpm: PA: 200x100 mmHg
Mediante aos resultados dos sinais vitais, me responda:
a) Quais foram as anormalidades apresentado pela paciente?
Resposta: A paciente apresentou hipertemia no horário das 12:00 hs, Tax. 38,7 ºC e hipertensão arterial no horário das 16 hs, PA: 200x100 mmHg.
b) Qual a conduta do Técnico de Enfermagem?
Resposta: A conduta do Técnico de Enfermagem é comunicar ao Enfermeiro e Médico de plantão; realizar medicações antitérmica e anti-hipertensiva conforme a prescrição médica; e registrar as intercorrências no prontuário do paciente.
2. O que é pressão convergente e divergente?
Resposta: PA convergente: quando a sistólica e a diastólica se aproximam. (Ex: 120/100) e PA divergente: quando a sistólica e a diastólica se afastam. ( Ex: 120/40).
3. A Fístula Arteriovenosa (FAV) é um tipo mais frente de acesso vascular para realização de hemodiálise e requer certos cuidados para a manutenção da mesma. Um dos cuidados é não aferir a Pressão Arterial no braço onde esta localizado a Fístula FAV. Por que?
Resposta: Porque pode ocorrer o interrompimento do fluxo sanguíneo.
4. Qual o objetivo da sonda vesical de demora foley de três vias?
Resposta: Objetivo é irrigar (lavar) a mucosa que reveste bexiga para remover sedimentos, coágulos, urina em decomposição ou fins terapêuticos. 
5. Deu entrada no Pronto Socorro o paciente J.B.S, idade 67 anos, sexo masculino, com quadro de retenção urinária. O Técnico de Enfermagem irá auxiliar o Enfermeiro na sondagem vesical de alívio. Quais os materiais deverão ser utilizados para sondagem vesical de alívio?
Resposta:
- 1 par de luvas estéreis;
- 1 kit de cateterismo vesical (bandeja, cuba-rim, cuba redonda, pinça Sharon, campo fenestrado estéril);
- 1 frasco com solução anti-séptica (PVPI tópico);
- Gaze estéril;
- 1 seringa 20 ml
- 1 agulha 40x12 (aspiração);
- 1 sonda vesical de alívio ;
- 1 coletor de urina sistema aberto;
- 3 Ampolas com água destilada (estéril);
- 1 tubo de xilocaína gel;
- 1 Biombo
- 1 par de luvas de procedimento para higiene intima.
- 1 Comadre
- Micropore ou esparadrapo para fixar a sonda vesical de demora (SVD)
- Campo Fenestrado
6. O que é lesão por pressão? Como é classificado? Quais os cuidados de Enfermagem na prevenção de lesão por pressão?
As lesões por pressão, também conhecidas escaras, são feridas que aparecem na pele de pessoas que permanecem muito tempo na mesma posição, geralmente acamadas ou com mobilidade reduzida. Essas lesões ocorrem devido à pressão constante em pontos com proeminências ósseas que ficam em contato com a superfície, como, por exemplo, a cama ou a cadeira de rodas. A ferida pode ser superficial (atingindo apenas a epiderme) ou profunda, chegando a comprometer músculos, tendões, ossos e até órgãos.
As lesões por pressão são classificadas de acordo com a gravidade, podendo ser:
Estágio I: acomete as camadas superficiais, mantendo a pele íntegra. Na região afetada surge uma mancha avermelhada. Se a pressão for aliviada, a macha costuma desaparecer. Pode haver alteração na sensibilidade, temperatura ou consistência (enrijecimento).
Estágio II: perda parcial da espessura dérmica. Apresenta-se como lesão de pele superficial com o leito de coloração vermelho ou rosa, úmido e sem esfacelo. Pode se apresentar, também, como uma bolha intacta (preenchida com exsudato seroso, de coloração clara) ou rompida.
Estágio III: perda de tecido em sua espessura total. A gordura subcutânea é visível, sem exposição de osso, tendão ou músculo. Esfacelo pode estar presente. A profundidade do dano do tecido varia conforme a localização anatômica, ou seja, áreas com adiposidade significativa podem desenvolver lesões mais profundas. Pode incluir descolamentos e túneis.
Estágio IV: perda total de tecido com exposição óssea, de músculo, tendão, ligamento ou cartilagem. Esfacelo, epíbole (lesão com bordas enroladas), descolamento ou túneis são comuns nesses casos.
Cuidados de Enfermagem:
- Manter colchão piramidal (colchão caixa de ovo) sobre colchão da cama do paciente;
- Realizar mudança de decúbito conforme protocolos institucionais;
- Colocar travesseiros macios embaixo dos tornozelos para elevar os calcanhares
- Manter alimentação rica em vitaminas e proteínas;
- Manter hidratação;
- Manter o paciente limpo e seco;
- Hidratar a pele com óleos e/ou cremes a base de vegetais, massageando suavemente na pele sadia;
- Aplicação de filme transparente e/ou cremes ou loções a base de AGE nas áreas de risco aumentado para lesões;
- Manter a limpeza das roupas de cama, bem como mantê-la seca e bem esticada.
7. Paciente internado na Clínica Médica apresenta lesão por pressão em região sacrococcígea em aspecto necrosado. Foi utilizado a pomada Kollagenase (Colagenase). Por que?
Resposta: Foi utilizado a pomada Kollagenase porque serve para tratamento de lesões da pele em que é indicado o desbridamento (retirada do tecido desvitalizado) em geral.
8. Qual a técnica da limpeza de uma ferida limpa e de uma ferida contaminada?
Resposta: A técnica da limpeza de uma ferida limpa deve ser realizada com movimentos de dentro para fora e, quando contaminada, com movimentos de fora para dentro.
9. Como classificam os artigos hospitalares? Conceitue- os.
Artigos críticos – entram em contato com tecidos estéreis ou com o sistema vascular e devem ser esterilizados para uso, pois possuem alto risco de causar infecção.
Artigos semicríticos – são aqueles destinados ao contato com a pele não intacta ou com mucosas íntegras. Ex.: equipamentos respiratórios e de anestesia, endoscopia, etc. Requerem desinfecção de alto nível ou esterilização.
Artigos não críticos – são artigos destinados ao contato com a pele íntegra do paciente. Ex.: comadres (aparadores), cubas, aparelhos de pressão, entre outros. Requerem limpeza ou desinfecção de baixo ou médio nível. Deve-se atentar para o risco de transmissão secundária por parte dos profissionais que lidam com o artigo e entrem em contato com o paciente.
10. Qual a diferença entre limpeza, desinfecção e esterilização?
A limpeza retira a sujeira visível, superficial, o que reduz bastante a presença de microorganismos.
A desinfecção elimina a maioria dos microoganismos. Há o nível baixo, médio e alto de desinfecção, depende do método utilizado. Veja neste texto mais informações: Quais os tipos de desinfecção.
A esterilização elimina todos os microorganismos, significa que naquele local não tem nenhum esporo, bactéria ou fungo na superfície que foi esterilizada.
11. Qual a diferença entre Assepsia e Antissepsia?
Resposta: Assepsia é a limpeza e remoção de sujeira e detritos em superfícies, para diminuição ou/e eliminação de bactérias.
Antissepsia é prevenção do desenvolvimento de agentes infecciosos por meio de procedimentos físicos ou químicos destinados a destruir todo microorganismo. Ex: limpeza da pele antes da cirurgia.
12. Qual a diferença de sondagem de alívio e sondagem de demora? Quais os materiais utilizados na sondagem vesical de demora?
Resposta: A sondagem de alívio é utilizada quando a intenção é apenas esvaziar a bexiga uma única vez; o efeito é único e imediato e a sondagem de demora é utilizada quando a intenção é manter o esvaziamento por um período maior.
13. O paciente J.C.M internado em CTI, recebeu 1.900 entre dieta e medicações e eliminou 2.150 entre diurese e drenagens. Calcule o balanço hídrico. O balanço hídrico é positivo ou negativo? Por que?
Resposta: 1.900-2.150 = - 250 O balanço hídrico das 24 horas é negativo porque o paciente teve mais perda do que ganho
14. Foi administrado durante as 12 horas para o paciente J.B.M. internado na UTI, SF 0,9 % em 500 ml, medicação