A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
TEORIA GERAL DO ESTADO

Pré-visualização | Página 1 de 16

Teoria Geral do Estado – Profa. Msc. Larissa Castro 
 
 1 
TEORIA	
  GERAL	
  DO	
  ESTADO	
  	
  	
  
UNIDADE	
  I	
  	
  1.1.	
  EVOLUÇÃO	
  HISTÓRICA	
  DA	
  DISCIPLINA	
  	
  	
   A	
   TGE	
   é	
   uma	
   disciplina	
   que	
   reúne	
   conhecimentos	
   jurídicos,	
   filosóficos,	
   etc,	
   e	
   visa	
   ao	
  aperfeiçoamento	
  do	
  Estado.	
  	
   	
   Aristóteles	
  é	
  considerado	
  fundador	
  da	
  ciência	
  do	
  Estado,	
  já	
  que	
  escreveu	
  um	
  tratado	
  sobre	
  o	
  Estado,	
   denominado	
   de	
   “Política”.	
   Também	
   Platão	
   escreveu	
   sobre	
   o	
   Estado	
   em	
   sua	
   obra	
  “República”.	
  	
  	
   Na	
   Idade	
  Média,	
   diversos	
   autores,	
   assim	
   como	
  Santo	
  Agostinho	
   e	
   Santo	
  Tomás	
  de	
  Aquino	
  produziram	
   estudos	
   sobre	
   o	
   Estado,	
   mas	
   foi	
   no	
   século	
   XVI	
   que	
   Maquiavel,	
   em	
   sua	
   obra	
   “O	
  Príncipe”	
   lançou	
  os	
   fundamentos	
  da	
  política	
   como	
  arte	
  de	
  governar	
  os	
  Estados,	
  depois	
  vieram	
  autores	
   como	
   Hobbes,	
   Locke,	
   Montesquieu	
   e	
   Rousseau,	
   sustentando	
   a	
   existência	
   do	
   poder	
  político	
   na	
   própria	
   natureza	
   humana.	
   Finalmente,	
   no	
   século	
   XIX	
   e	
   que	
   se	
   desenvolveu,	
  especialmente	
   na	
   Alemanha,	
   um	
   trabalho	
   de	
   sistematização	
   da	
   ciência	
   política	
   defendido	
   por	
  Georg	
   Jellinek,	
   a	
   quem	
   se	
   deve	
   a	
   criação	
   de	
   uma	
   TGE,	
   como	
   disciplina	
   autônoma,	
   tendo	
   por	
  objeto	
  o	
  conhecimento	
  do	
  Estado.	
  	
  1.2.	
  CONCEITOS	
  	
  	
   "É	
   a	
   ciência	
   geral	
   que	
   integra	
   em	
   sua	
   síntese	
   os	
   princípios	
   fundamentais	
   das	
   diversas	
  ciências	
   sociais,	
   jurídicas	
   e	
   políticas	
   que	
   têm	
   por	
   objetos	
   o	
   Estado	
   considerado	
   em	
   relação	
   a	
  determinados	
  momentos	
   históricos,	
   e	
   estuda	
   o	
   Estado	
   de	
   um	
   ponto	
   de	
   vista	
   unitário,	
   em	
   sua	
  evolução,	
  organização,	
  funções	
  e	
  mais	
  típicas	
  formas,	
  com	
  o	
  intuito	
  de	
  determinar-­‐lhe	
  as	
  leis	
  de	
  formação,	
  o	
  fundamento	
  e	
  a	
  finalidade".	
  Alessandro	
  Groppali.	
  	
  	
   "A	
   TGE	
   é	
   a	
   ciência	
   geral	
   que,	
   na	
   análise	
   dos	
   fatos	
   sociais,	
   jurídicos	
   e	
   políticos	
   do	
   Estado,	
  unifica	
  esse	
  tríplice	
  aspecto	
  e	
  elabora	
  uma	
  síntese	
  que	
  lhe	
  é	
  peculiar,	
  para	
  estudá-­‐lo	
  e	
  explicá-­‐lo	
  na	
  origem,	
  na	
  evolução	
  e	
  nos	
  fundamentos	
  de	
  sua	
  existência".	
  Aderson	
  de	
  Menezes.	
  	
  1.2.	
  OBJETO	
  –	
  MÉTODOS	
  E	
  FONTES	
  	
  	
   Quanto	
   ao	
   seu	
   objeto,	
   de	
   maneira	
   ampla,	
   é	
   o	
   estudo	
   do	
   Estado	
   sob	
   todos	
   os	
   aspectos,	
  incluindo	
  a	
  origem,	
  a	
  organização,	
  o	
  funcionamento	
  e	
  as	
  finalidades.	
  	
  	
   É	
  o	
  estudo	
  do	
  Estado	
  em	
  geral,	
  do	
  Estado	
  como	
  fato	
  social,	
  ou	
  seja,	
  é	
  a	
  ciência	
  que	
  investiga	
  e	
  expõe	
   os	
   princípios	
   fundamentais	
   da	
   sociedade	
   política,	
   denominada	
   Estado,	
   sua	
   origem,	
  estrutura,	
  forma	
  e	
  finalidades.	
  	
  	
   Com	
  relação	
  ao	
  método	
  de	
  estudos,	
  podemos	
  citar	
  o	
  indutivo,	
  o	
  dedutivo	
  e	
  o	
  analógico.	
  No	
  entanto,	
  a	
  predominância	
  do	
  aspecto	
  jurídico	
  e	
  a	
  orientação	
  sociológica	
  e	
  política.	
  	
  1.3.	
  SOCIEDADE	
  E	
  ESTADO	
  	
  1.3.1.	
  Os	
  agrupamentos	
  primários	
  	
  
Teoria Geral do Estado – Profa. Msc. Larissa Castro 
 
 2 
	
   O	
   homem	
   é	
   um	
   ser	
   social	
   e,	
   portanto	
   não	
   sobrevive	
   sozinho,	
   para	
   sobreviver	
   precisa	
   se	
  associar,	
   unir-­‐se	
   aos	
   seus	
   iguais.	
   Assim	
   sendo,	
   vemos	
   que	
   os	
   agrupamentos	
   primários	
   são	
  aqueles	
   onde	
   existe	
   uma	
   associação,	
   mas	
   que	
   ainda	
   não	
   apresentam	
   um	
   fim,	
   não	
   estão	
  submetidos	
  a	
  um	
  poder,	
  não	
  visam	
  o	
  bem	
  comum.	
  	
  1.3.2.	
  Origem	
  da	
  sociedade	
  	
  	
   	
   O	
   antecedente	
  mais	
   remoto	
   da	
   afirmação	
   de	
   que	
   o	
   homem	
   é	
   um	
   ser	
   social	
   por	
   natureza	
  encontra-­‐se	
  no	
  séc.	
  IV	
  aC,	
  em	
  Aristóteles.	
  Para	
  este	
  só	
  o	
  indivíduo	
  de	
  natureza	
  vil	
  ou	
  superior	
  ao	
  homem,	
  viveria	
  isolado.	
  Nesta	
  mesma	
  ordem	
  de	
  idéias,	
  temos	
  inúmeros	
  autores	
  medievais	
  como	
  São	
  Tomás	
  de	
  Aquino,	
  os	
  quais	
  entendem	
  que	
  o	
  homem	
  é,	
  por	
  natureza,	
  animal	
  social	
  e	
  político	
  e	
  precisa	
  viver	
  em	
  multidão.	
  	
  	
   	
  
Origem das sociedades (Celso Ribeiros Bastos, Dalmo de Abreu Dallari) 
 
 
 
 
Teoria Naturalista 
 ou do Impulso 
Tese central: a sociedade é uma 
condição essencial da vida humana, 
inerente a ela. 
 Associativo Natural 
Autores: Aristóteles, Cícero, São 
Tomás de Aquino e Ranelletti 
1. Origem das Sociedades e 
dos Agrupamentos Sociais 
 
 
 
Teoria Contratualista 
Tese central: a sociedade é um 
produto de um acordo de vontades 
devido a interesses. 
 (negativa do impulso 
associativo natural) 
 
Autores: Platão, Thomas Hobbes e 
Jean-Jacques Rousseau 	
  	
   Autores	
  modernos	
   se	
   filiam	
   a	
   essa	
  mesma	
   corrente	
   e	
   entendem	
  que	
   o	
   homem	
  é	
   induzido	
  fundamentalmente	
   por	
   uma	
   necessidade	
   natural,	
   porque	
   o	
   associar-­‐se	
   com	
   outros	
   é	
   condição	
  essencial	
  de	
  vida,	
  pois	
  só	
  desta	
  maneira	
  poderá	
  conseguir	
  satisfazer	
  as	
  suas	
  necessidades.	
  Assim,	
  para	
  os	
  autores	
  que	
  defendem	
  essa	
  teoria	
  a	
  sociedade	
  é	
  produto	
  da	
  conjugação	
  de	
  um	
  simples	
  impulso	
  associativo	
  natural	
  e	
  da	
  cooperação	
  da	
  vontade	
  humana.	
  	
  	
   Opõe-­‐se	
  a	
  esse	
  pensamento	
  o	
  Contratualismo.	
  Os	
  contratualistas	
  entendem	
  que	
  a	
  sociedade	
  é	
  somente	
  o	
  produto	
  de	
  um	
  acordo	
  de	
  vontades,	
  um	
  contrato	
  hipotético	
  celebrado	
  pelos	
  homens.	
  A	
  esse	
  respeito,	
  predomina	
  aceitação	
  no	
  sentido	
  de	
  compreender	
  ser	
  a	
  sociedade	
  resultante	
  de	
  uma	
  necessidade	
  natural	
  do	
  homem,	
  sem	
  excluir	
  a	
  participação	
  da	
  vontade	
  humana.	
  	
  1.4.3.	
  Elementos	
  característicos	
  da	
  sociedade	
  	
  	
   Como	
   observado,	
   para	
   os	
   contratualistas	
   a	
   sociedade	
   é	
   fruto	
   da	
   vontade	
   humana.	
   Os	
  naturalistas,	
  por	
  outro	
  lado,	
  defendem	
  que	
  a	
  sociedade	
  decorre	
  da	
  natureza	
  humana.	
  É	
  comum,	
  grupo	
   de	
   pessoas	
   se	
   reunirem	
   em	
   determinados	
   lugares	
   em