Resumo Atos administrativos
54 pág.

Resumo Atos administrativos


DisciplinaDireito Administrativo I54.684 materiais993.339 seguidores
Pré-visualização13 páginas
Coisas de prova
Q381839 A publicidade marca o início da produção dos efeitos do ato administrativo e, em determinados casos, obriga ao administrado seu cumprimento
FALSO. Aqui foi dado errado acredito eu pois o examinador quis ser taxativo. (Mas ao meu ver poderia ser interpretado de maneira geral, o que ficaria correto).
I) Nem todo ato precisa ser publicado para ter eficácia - Atos de efeitos internos em regra dispensam publicação para serem eficazes. 
Q825695 No sistema de administração pública adotado no Brasil, o ato administrativo é revisado por quem o praticou, não havendo proibição quanto à revisão ser realizada por superior hierárquico ou órgão integrante de estrutura hierárquica inerente à organização administrativa.
CORRETO. É exatamente o que o Poder Hierárquico possibilita \u2013 Poder dos superiores de revisar atos administrativos praticados por seus subordinados. 
Q834901 Ato administrativo não vinculado de competência exclusiva do governador de estado que venha a ser publicado pelo secretário desse estado será considerado
INSANÁVEL, independentemente do objeto.
II) Ou seja, CESPE CONSIDEROU o simples fato de outra pessoa PUBLICAR o ato administrativo de competência exclusiva isso já seria vicio de competência exclusiva. 
Q874906 É possível a convalidação do ato administrativo vinculado que contenha vício relativo à competência, desde que não se trate de competência exclusiva, hipótese em que ocorre a ratificação, e não a convalidação.
 Foi dada como CORRETO. É uma doutrina minoritária que diferencia vários tipos de convalidação. Pelo o que eu compilei dos comentários do QC:
I) Primeiro de tudo que houve um deslize na hora da redigitar a questão, gerando um entendimento errado. A hipótese da ratificação é quanto se trata de competência exclusiva, e na forma em que foi redigida a questão temos a interpretação de que: \u201cHipótese em que... = quando não se trata de competência exclusiva\u201d
I) Se quem convalidar o ato for a mesma pessoa que o praticou, nos casos de competência exclusiva, temos a RATIFICAÇÃO (via de regra não é possível convalidar ato de competência exclusiva, mas se for a própria autoridade que detém a competência quem convalidar, então é possível, e chamamos isso de ratificação). 
II) Nos outros casos, em que outra autoridade convalida este ato, temos o instituto da \u201cconfirmação\u201d
Obs.: Houve muita divergência, o professor comentou algo que não esclareceu muito e ele mesmo pediu a anulação da questão. 
CLASSIFICAÇÕES RANDOM:
Q792349 Em uma licitação , os atos administrativos de homologação do resultado e de adjudicação do objeto classificam-se (...)
I) Quanto à forma de exteriorização, como DELIBERAÇÃO, sendo impossível revogá-los após a celebração do correspondente contrato administrativo.
Carvalho Filho: Deliberações são atos oriundos, em regra, de órgãos colegiados, como conselhos, comissões, tribunais administrativos etc. Normalmente, representam a vontade majoritária de seus componentes e se caracterizam como atos simples coletivos.
Q563827 As portarias são qualificadas como atos de regulamentação de segundo grau.
CORRETO. É uma doutrina do Carvalho Filho. Primeiro grau seriam decretos e regulamentos. Segundo grau seriam instruções , portarias , etc.
I) Os decretos e regulamentos podem ser considerados como atos de regulamentação de PRIMEIRO GRAU;
II) Outros atos que a eles se subordinem e que, por sua vez, os regulamentem, evidentemente com maior detalhamento, podem ser qualificados como atos de regulamentação de SEGUNDO GRAU, e assim por diante. 
Como exemplo de atos de regulamentação de segundo grau, podemos citar as INSTRUÇÕES expedidas pelos Ministros de Estado, que têm por objetivo regulamentar as leis, decretos e regulamentos, possibilitando sua execução.
PARECER E CERTIDÃO: ESPÉCIES E CLASSIFICAÇÃO QUANTO AOS EFEITOS 
Espécies: Normativos / Ordinatórios / Negociais / Enunciativos / Punitivos
Classificação quanto aos efeitos: Constitutivo / Extintivo / Modificativo / Declaratório / Enunciativo
Problemática: Ele fala sobre um ato ser \u201cenunciativo\u201d, mas não diz se estamos falando de espécie ou de classificação. 
I) Se for espécie, os enunciativos engloba TUDO (Parecer certidão ficam juntos). 
II) Se for classificação quanto aos efeitos temos diferença: Parecer é enunciativo, Certidão é declaratório. 
Acerca da competência e das espécies de ato administrativo, julgue o item a seguir.
Q351254 Atos enunciativos, como as certidões, os atestados e os pareceres, são aqueles que atestam ou reconhecem uma situação de fato ou de direito, sem manifestação de vontade produtora de efeitos por parte da administração pública
Deu como CORRETO. Note que aqui ele pergunta sobre \u201cespécies de atos\u201d, que é o (N-O-N-E-P), onde certidão e parecer ficam classificados juntas. 
I) SE PEDISSE classificação do ato quanto aos EFEITOS, poderia marcar ERRADO, pois ai sim diferenciamos atos constitutivos / extintivos / modificativos / declaratórios / enunciativos.
DECRETOS:
Q621337 Decreto é ato exclusivamente geral emanado do chefe do Poder Executivo
FALSO. Existem decretos de efeito individual e geral.
Decreto é a forma de que se revestem os atos individuais ou gerais, emanados do Chefe do Poder Executivo. Ele pode conter, da mesma forma que a lei, regras gerais e abstratas que se dirigem a todas as pessoas que se encontram na mesma situação (decreto geral) ou pode dirigir-se a pessoa ou grupo de pessoas determinadas. 
No decreto de efeito concreto (decreto individual): é o caso de um decreto de desapropriação, de nomeação, de demissão.
Q560303 O decreto é ato administrativo que pode ser praticado tanto pelo chefe do Poder Executivo quanto pelos presidentes dos tribunais superiores
FALSO. O decreto é privativo/exclusivo do Chefe do Executivo. 
I) Se for decreto REGULAMENTAR é exclusivo pois não pode ser delegado
II) Se for decreto AUTÔNOMO é privativo pois pode ser delegado, mas nunca para um presidente de tribunal, somente para três pessoas: Ministro de Estado / PGR / AGU. 
Q866787 Governador de estado que pretenda nomear um escrivão de polícia para ocupar cargo de confiança deverá fazê-lo por DECRETO!
Disseram que desapropriação também geralmente é feito por decreto.
ATO VICIADO: ANULÁVEL OU VÁLIDO?
Q677766 O ato administrativo somente poderá ser realizado de forma válida se o agente responsável pela sua elaboração tiver poder legal para praticá-lo.Parte superior do formulário
Deu como CORRETO. Muita gente questionou, porque ele simplesmente ignora a possibilidade de convalidar um ato que tenha vicio na competência que seja sanável.
I) Prof. do Gran me respondeu que mesmo o ato praticado por agente incompetente ele nasceria válido SIM, portanto é perfeitamente possível um ato ser realizado de forma válida mesmo que por agente incompetente (pelo atributo da presunção de legitimidade). 
II) Talvez esteja errado dizer que ele seria \u201cválido\u201d, porque no plano da validade existe a classificação como \u201canulável\u201d, que é o que mais se encaixa nesta afirmativa.
III) Obs.: Essa questão aqui abaixo confirma essa visão do CESPE. Era um ato com vício convalidável de competência, e o gabarito veio no sentido de ele ser ANULÁVEL (e não válido)
Q792431 Um servidor público praticou um ato administrativo para cuja prática ele é incompetente. Tal ato não era de competência exclusiva. Nessa situação, o ato praticado será (...):
a) Inexistente
b) Irregular 
c) Válido 
d) Nulo
e) ANULÁVEL. 
I) Note o posicionamento da banca: Ato com vício convalidável será tratado como ANULÁVEL (no plano de validade)
FENÔMENOS DIVERSOS:
Q792352 Determinado ato administrativo revogou outro ato. Posteriormente, contudo, um terceiro ato administrativo foi editado, tendo revogado esse ato revogatório. O QUE ACONTECERIA? 
I) Convalidou o primeiro ato administrativo, que volta a surtir efeitos regularmente. FALSO!
II) Renovará os efeitos do primeiro ato somente se dele constar expressamente tal intuito. CORRETO!
No direito administrativo