A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
136 pág.
Etica,Priocessos decisorios e negociacao aplicada a gestao publica

Pré-visualização | Página 9 de 30

INTRODUTÓRIOS
Objetivos de Aprendizagem
 ■ Contextualizar historicamente os regimes liberal; absolutista e 
socialista.
 ■ Apresentar o Estado Democrático de Direito e o sistema de controle 
“freios e contrapesos”. 
 ■ Discutir os três conceitos internacionais de política: policy; polity e 
politic.
 ■ Discutir as principais regras e mecanismos institucionais que 
caracterizam o federalismo no Estado Democrático de Direito. 
 ■ Apresentar os conceitos de negociação e disputa de poder no 
processo da Administração Pública. 
Plano de Estudo
A seguir, apresentam-se os tópicos que você estudará nesta unidade:
 ■ Estrutura de Estado
 ■ Estado Democrático de Direito e o sistema de controle
 ■ Os diferentes conceitos de política 
 ■ A estrutura federalista no Estado Democrático de Direito
 ■ Administração Pública, negociação e disputa de poder
Introdução
Re
pr
od
uç
ão
 p
ro
ib
id
a.
 A
rt
. 1
84
 d
o 
Có
di
go
 P
en
al
 e
 L
ei
 9
.6
10
 d
e 
19
 d
e 
fe
ve
re
iro
 d
e 
19
98
.
41
INTRODUÇÃO
Nesta unidade apresentaremos à você os principais conceitos introdutórios 
acerca da Administração Pública. É uma unidade importante, pois você apren-
derá sobre os contextos políticos, principalmente o democrático e os diferentes 
conceitos de política, que o ajudarão nos espaços de negociação.
Para que isso seja possível, iniciaremos a unidade com uma contextualização 
histórica dos regimes na estrutura do Estado até chegarmos ao regime democrá-
tico, momento em que você será apresentado ao sistema de “freios e contrapesos”, 
que ajudará você a entender a divisão dos três poderes que existem no Estado 
Democrático de Direito.
Pensando na sua atuação, nesta unidade você aprenderá os diferentes con-
ceitos de política e pode estar se perguntando: “mas existe tudo isso?” Sim! E 
conhecer os conceitos internacionais ajudará na sua capacitação como gestor(a) 
e te ajudará a abrir os horizontes e perceber que a política não é uma só.
Saber os contextos históricos dos diferentes regimes políticos, inclusive do 
regime democrático não é o suficiente, é preciso que você conheça o Estado 
Democrático de Direito em suas particularidades, afinal, este será o seu espaço 
de atuação. Portanto, será importante conhecer os mecanismos que caracteri-
zam esse Estado, bem como suas principais regras, para que o seu agir seja com 
responsabilidade, afinal, você lidará com a coisa pública.
E então, de posse de todos estes conceito, chegou a hora de colocá-los em 
prática, ao final da unidade você aprenderá sobre a Administração Pública, da 
qual, já dissemos no começo, você gestor(a) fará parte, junto com os serviços 
públicos, outros agentes públicos, regras e normas de administração pública, 
entre outros elementos e neste vasto universo, os conceitos aqui apresentados 
ajudarão na negociação e disputa de poder. Assim sendo, vamos aprendê-los?
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E CONCEITOS INTRODUTÓRIOS
Reprodução proibida. A
rt. 184 do Código Penal e Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998.
IIU N I D A D E42
ESTRUTURA DE ESTADO
O conceito de Estado apareceu primeiro na obra de Maquiavel, “O Príncipe” e 
expressava uma situação permanente de convivência.Existem duas teorias que 
ajudam a explicar o surgimento do Estado. A primeira nos remete a uma for-
mação natural, segundo a qual o Estado se formou naturalmente; a segunda diz 
respeito a formação contratual do Estado, indicando que ele teria surgido da 
vontade de alguns homens (DALLARI, 2011).
O ciclo da história permitiu que diferentes formas de estado surgissem:
Estados em que o domínio está concentrado num único indivíduo ou num 
estrato social restrito e, Estado com uma participação relativamente forte 
de todo o povo na formação da vontade do Estado; Estados em que o po-
der se encontra reunido numa determinada classe, e Estados com míni-
mas diferenças entre as classes ou com uma divisão pluralista dos poderes 
sociais; Estados totalitários com tendência para uma intervenção regula-
dora, e Estados liberais que respeitam, numa medida relativamente ampla, 
uma esfera da liberdade de cada indivíduo (ZIPPELIUS, 1994. p. 201).
A cada momento da história, podemos perceber uma forma diferente de ges-
tão do Estado, que queremos crer, se aperfeiçoava a vontade e necessidade dos 
cidadão. Neste estudo, iremos contextualizar em uma introdução, três regimes: 
o liberal, o absolutista e o socialista.
 ■ Absolutista: quando pensamos em absolutismo estamos nos referindo 
a uma forma de estado monárquica, ou seja, uma monarquia que pos-
sui como característica: “a supremacia das competência se encontra nas 
mãos de um só indivíduo” (ZIPPELIUS, 1994). O perigo de monar-
quias absolutistas é que o sujeito que detém o poder, pode não respeitar 
a decisão de um órgão do estado (Op cit, 1994) e não haverá ninguém, 
Estrutura de Estado
Re
pr
od
uç
ão
 p
ro
ib
id
a.
 A
rt
. 1
84
 d
o 
Có
di
go
 P
en
al
 e
 L
ei
 9
.6
10
 d
e 
19
 d
e 
fe
ve
re
iro
 d
e 
19
98
.
43
tampouco outro poder, que poderá exigir uma conduta diversa. Como 
exemplo temos a monarquia de Luís XIV (Op cit, 1994), que inclusive 
cunhou uma famosa expressão L’État c’est moi - o estado sou eu, em uma 
livre tradução nossa.
 ■ Liberal: essa forma de organização do Estado é a que se opõe ao totalita-
rismo, no qual o estado que se apoderar da maior número de setores da 
vida. No liberalismo, a ação do estado é limitada, ele não cuida da mora-
lidade, não decide sobre a crença do povo, ele apenas garante a segurança 
e a propriedade, mas a economia se regula sozinha (ZIPPELIUS, 1994). 
O risco de um sistema liberal reside na exploração desumana: “a benção 
de uma economia que se desenvolvesse sem intervenções nem restrições 
por parte do Estado revelou-se, para milhares de operários, como um sis-
tema de exploração desumana” (Op cit, 1994). Outra famosa expressão 
francesa remete a essa forma de organização: Laissez faire, laissez passer, 
le monde va de lui-même, ou seja, deixe fazer, deixe passar que o mundo 
vai por ele mesmo (tradução nossa).
 ■ Socialismo: o movimento socialista surgiu no século XIX e não se pre-
tendia desenvolver um estado socialista, pois a visão que se tinha do 
estado era que ele própria mantinha os privilégios de algumas classes. 
“A liberdade não tinha chegado até àqueles que só possuíam sua força 
de trabalho. A liberdade contratual, tinha como consequência o ofere-
cimento de salários miseráveis” (DALLARI, 1995. p. 240). A ideia que 
permeou o socialismo era então, a destruição do Estado e a redistribui-
ção de riquezas. Grande precursor do socialismo e de sua teoria é Karl 
Marx, que em 1848 redigiu o Manifesto Comunista junto com Engels, 
documento que mais tarde exerceria grande influência sobre a classe 
operária (Op cit, 1995). É do manifesto a emblemática frase: Proletários 
do mundo todo, uni-vos!
Contextualizar as diferentes formas de estado e regimes políticos ao longo da 
história, nos permite compreender a importância de impulsionarmos boas 
mudanças na sociedade. Adiante, neste nosso livro, você aprenderá sobre as 
características da democracia, e sabendo as principais características de alguns 
regimes, você poderá refletir sobre a conquista que foi e é a manutenção de um 
regime democrático.
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E CONCEITOS INTRODUTÓRIOS
Reprodução proibida. A
rt. 184 do Código Penal e Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998.
IIU N I D A D E44
ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E O SISTEMA 
DE CONTROLE
A ideia de um Estado Democrático nos remete ao século XVIII e implica a um 
conjunto de valores fundamentais em torno dos quais o Estado deve se organizar, 
de modo que a base de um estado democrático é o governo do povo (DALLARI,