A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
273 pág.
Planejamento Urbano e Meio Ambiente

Pré-visualização | Página 45 de 50

2002.
GOLD, S. M. Social and Economics benefits of trees in cities. J. For, n. 75 v.2, p. 
84-17, 1977
GONÇALVES, A. O conceito de governança. Congresso do Conpedi de Manaus. 
Anais… Conpedi, Manaus, 2005. 
GREY, G. W. & DENEKE, F. J. Urban forestry. New York, John Wiley, 1978.
GROTE, J; GBIKPI, B. Participatory governance. Political and societal implications. 
Opladen: Leske + Budrich., 2002.
HIRST, P. Democracy and governance. In: J. P. (org.): Debating governance: authori-
ty, steering and democracy. Oxford University Press: New York, p. 13-35, 2000.
LAPOIX, F. Cidades verdes e abertas. In: Enciclopedia de ecologia. São Paulo. EDUSP, 
1979. P. 324- 336.
MAGNOLI, M. M. O parque no desenho urbano. Paisagem Ambiente: ensaios, n. 21, 
São Paulo, p. 199-214, 2006. 
MARTINS, R. A. F. Avaliação Quali-Quantitativa da Arborização Urbana da Área 
Central de Cruzeiro do Oeste – Pr. Cruzeiro do Oeste, 1995. Monografia (Especialis-
ta em Planejamento Geo-Ambiental)- Universidade Estadual de Maringá. 1995
MAYER, R. & ULRICH, B. Conclusions on the filtering action of Forest from ecosys-
tem analysis. Decol. Plant., 9 (2): 157-168, 1974 
REFERÊNCIAS
181
METZGER, J. P. Estrutura da paisagem e fragmentação: análise bibliográfica. Anais 
da Academia Brasileira de Ciências, v. 71, n. 3-I, p. 445-463, 1999.
MILANO, M. S. Avaliação Quali-Quantitativa e manejo da Arborização Urbana: 
Exemplo de Maringá –PR. 120 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Pós-Gra-
duação em Engenharia Florestal do Setor de Ciências Agrárias da Universidade Fe-
deral do Paraná. Curitiba, UFPR, 1988.
MMA – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Espécies Exóticas Invasoras: Situação 
Brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Flo-
restas, 2006.
MUNEROLI, C. C.; MASCARÓ, J. J. Arborização urbana: uso de espécies arbóreas 
nativas na captura do carbono atmosférico. REVSBAU, Piracicaba, SP, v. 5, n. 1, p. 
160-182, 2010.
NOWAK, D.J., CRANE D.E. Carbon storage and sequestration by urban trees in the 
United States. Environ. Poll. n. 116, v. 3. p. 381-389, 2002.
SABOYA, R. Concepção de um sistema de suporte à elaboração de planos diretores 
participativos. 2007. Tese (Doutoradoem Engenharia Civil). Curso de Pós-Graduação 
em Engenharia Civil. Florianopólis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.
SAMPAIO, A. C. F.; DE ANGELIS, B. L. Inventário e análise da arborização de vias pú-
blicas de Maringá-PR. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização urbana, v. 
3, n. 1, p. 37-57, 2008.
SANTOS, M. H. de C. Governabilidade, Governança e Democracia: Criação da Capa-
cidade Governativa e Relações Executivo-Legislativo no Brasil Pós-Constituinte. DA-
DOS – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, 1997. p. 335-376.
SAUNDERS, D. A.; R. J. HOBBS; C. R. MARGULES. Biological consequences of ecosys-
tem fragmentation: a review. Conservation Biology. v. 5, p. 18-32, 1991.
SOULÉ, M. E.; GILPIN, M. E. The theory of wilslife corridor capability. In: SAUN-
DERS, D. A.; HOBBS, R. J. Nature Conservation 2: the role of corridors. Chipping Nor-
ton: Surrey Beatty e Sons, 1991. 
SOUZA, M. J. L. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão 
urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
ULTRAMARI, C.; DUARTE, F. Inflexões Urbanas. Curitiba: Editora Champagnat, 2009.
VILLAÇA, F. Espaço intraurbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 1998.
REFERÊNCIAS
REFERÊNCIAS ON-LINE
1Em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm >. Acesso 
em: 28 out. 2016.
2Em: <https://www.ecodebate.com.br/2012/12/12/construcao-de-um-indice-de-es-
pacos-verdes-urbanos-artigo-de-ivan-andre-alvarez>. Acesso em: 28 out. 2016.
3Em: <http://www.oeco.org.br/dicionario-ambiental/27099-o-que-sao-unidades-
-de-conservacao/ >. Acesso em: 28 out. 2016.
4Em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=322>. Acesso 
em: 28 out. 2016.
5Em: <http://www.icmsecologico.org.br/site/>. Acesso em: 28 out. 2016.
6Em: <http://media.wix.com/ugd/eacbf4_f9bab6b255ba4e1892ab6e88ca889876.
pdf>. Acesso em: 28 out. 2016.
GABARITO
183
1. A.
2. D.
3. C.
4. D.
5. D.
U
N
ID
A
D
E IV
Professor Dr. André Cesar Furlaneto Sampaio
PLANEJAMENTO URBANO: 
INSTRUMENTOS LEGISLATIVOS 
DE PLANEJAMENTO URBANO
Objetivos de Aprendizagem
 ■ Compreender os principais instrumentos para planejamento urbano 
da lei Estatuto da Cidade.
 ■ Compreender as designações básicas do Zoneamento Urbano e do 
Parcelamento do solo.
 ■ Conhecer detalhes básicos sobre Incorporações Imobiliárias..
Plano de Estudo
A seguir, apresentam-se os tópicos que você estudará nesta unidade:
 ■ Análise das principais ferramentas do estatuto da cidade
 ■ Zoneamento urbano e parcelamento do solo
 ■ Incorporações imobiliárias
INTRODUÇÃO
Caro(a) aluno(a), nesta unidade entraremos em características legislativas e 
administrativas do planejamento urbano de cunho mais prático. Trataremos de 
leis importantes que direcionam as ações de planejamento urbano no Brasil, em 
especial o Estatuto da Cidade.
O Estatuto da Cidade (Lei no 10.257, de 2001) é a lei maior em termos de 
planejamento urbano e nela ficam determinadas minúcias para a elaboração de 
um Plano Diretor Urbano, ficando estabelecidos diversos instrumentos para um 
planejamento urbano eficiente. No próprio Estatuto da Cidade ainda se estabe-
lecem os preceitos para o Zoneamento urbano, que é a base para se organizar 
o uso do solo de uma cidade. Porém, vale salientar que as leis dão o suporte e 
direcionamento, mas isso não impede de existirem equívocos técnicos e admi-
nistrativos e atuações políticas que acarretem um planejamento urbano ineficaz.
Trataremos também da lei de parcelamento do solo e incorporações imo-
biliárias, ambas intimamente ligadas com negócios imobiliários, leis que lidam 
com a base do mercado atualmente, ou seja, importantes para você, futuro pro-
fissional deste ramo.
Nessas leis existem pormenores que devem ser vistos com cuidado, pois 
demonstram conceitos e instrumentos legislativos que quando bem entendidos 
abrem possibilidades em termos de gestão política, administrativa e técnica, ou 
seja, são a base para um bom gerenciamento de diferentes tipos de atividades, 
mas principalmente aquelas ligadas a gestão urbana.
Você deve estar preparado, pois é uma unidade que trata de leis, por, isso de 
certo modo, cansativa e exigente, mas para que não fique desanimado é importante 
frisar que tendo o entendimento dessa base legal bem consolidado virão muitos 
benefícios, pois poucos são aqueles que realmente possuem um bom conheci-
mento das leis, mesmo essas sendo a base administrativa do Brasil. Boa leitura!
Introdução
Re
pr
od
uç
ão
 p
ro
ib
id
a.
 A
rt
. 1
84
 d
o 
Có
di
go
 P
en
al
 e
 L
ei
 9
.6
10
 d
e 
19
 d
e 
fe
ve
re
iro
 d
e 
19
98
.
187
PLANEJAMENTO URBANO: INSTRUMENTOS LEGISLATIVOS DE PLANEJAMENTO URBANO
Reprodução proibida. A
rt. 184 do Código Penal e Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998.
IVU N I D A D E188
ANÁLISE DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DO 
ESTATUTO DA CIDADE
O Brasil por muitos anos vem tendo o acesso à terra, à busca pela igualdade 
social e o respeito ao meio ambiente como agendas políticas polêmicas e neces-
sárias. Porém, continuamos a ter uma desigualdade social elevada, um acesso 
à terra urbana e rural ainda dificultoso e alta degradação ambiental ocorrendo 
em nossa sociedade. No decorrer dessas buscas uma incontestável vitória para 
um Brasil melhor foi à formulação e promulgação da Constituição Federal de 
1988, que mesmo com algumas emendas ainda hoje pode ser considerada uma 
legislação que advoga em prol do planejamento de longo prazo e delineia bons 
caminhos para um Brasil mais justo.