A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
Testes Especiais Fisioterapia 04

Pré-visualização | Página 3 de 4

a 
quantidade de flexão lombossacra e principalmente verificar se o paciente apresenta 
uma limitação de amplitude que poderá ser sinal de Espondilite Anquilosante. Para a 
realização do teste denominado Teste de Schober Modificado, o terapeuta marcará 
dois pontos, sendo 10 cm acima e 5 cm abaixo da junção lombossacra da coluna do 
paciente na posição em extensão. Logo após, o terapeuta solicita ao paciente para 
realizar uma flexão do tronco e, a seguir, mensura-se novamente a distância entre 
os mesmos dois pontos. Em condições normais, o comprimento aumentará em cerca 
de 6 cm, mas caso o paciente apresente uma espondilite anquilosante essa 
distância será inferior à 6 cm. 
 
116 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
 
 
 
 
 
 
Teste de Schober Modificado 
Fonte: (Reider, 2001) 
 
 
Continuando a avaliação postural, localizam-se as Espinhas Ilíacas Póstero-
Superiores para verificar o seu nivelamento horizontal. Logo abaixo, verifica-se o 
alinhamento das pregas glúteas e a linha da fossa poplítea que poderão apresentar 
alguma alteração por uma discrepância de membros inferiores. Nos côndilos 
femorais internos verifica-se se há alguma rotação interna dos mesmos. 
Por fim, avalia-se o tendão do calcâneo do paciente para verificar se há um 
varismo ou valgismo e a análise da altura dos maléolos mediais que também podem 
indicar alguma discrepância de membros inferiores. 
Caso o terapeuta desconfie de uma discrepância dos membros inferiores, 
este poderá proceder da seguinte maneira: posicione o paciente em decúbito dorsal 
e realize a medida do comprimento real que vai da Espinha Ilíaca Ântero-Superior 
até o maléolo interno, conforme a figura abaixo: 
 
117 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
 
 
 
 
 
 
Medida de comprimento real dos membros inferiores. 
Fonte: (Reider, 2001) 
 
 
Além dessa medida, o terapeuta poderá realizar a medida do comprimento 
aparente dos membros inferiores que vai da cicatriz umbilical até o maléolo medial 
caso o paciente apresente alterações ao nível da pelve. Outra medida a ser tomada 
pelo terapeuta consiste em instruir ao paciente para que aproxime os membros 
inferiores e flexione os joelhos a 90º. Nessa posição o terapeuta deverá avaliar a 
altura da tíbia no plano frontal e, no plano sagital, olhar ao lado do paciente, o 
comprimento do fêmur, conforme a figura abaixo: 
 
 
 
Avaliação subjetiva de discrepância entre os membros inferiores. 
Fonte: (Gross, Fetto e Rosen, 2000) 
 
118 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
 
 
 
 
 
119 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
O terapeuta constatando a discrepância dos membros inferiores, conforme 
demonstrado nessas figuras deverá proceder com as medidas segmentares e 
requisitar um exame mais detalhado chamado escanometria, onde poderá definir 
com maior precisão o comprimento dos membros para melhor definir a variação em 
centímetros dos comprimentos ósseos e estabelecer um possível prognóstico. 
A seguir estamos apresentando uma ficha de avaliação postural e uma ficha 
de avaliação em fisioterapia ortopédica a fim de orientar o aluno para uma correta e 
precisa anamnese. 
 
FICHA DE AVALIAÇÃO POSTURAL 
 
Nome: 
Sexo: ( ) masculino ( ) feminino 
Idade: 
Endereço: 
Profissão: 
Lateralidade: ( ) destro ( ) canhoto 
Peso: 
Altura: 
IMC: 
Escolaridade: 
 
VISTA ANTERIOR 
 
CABEÇA: ( ) Alinhada ( ) Rodada à D ( ) Rodada à E ( ) Inclinada à E 
( ) Inclinada à D. 
 
ALTURA DOS OMBROS: ( ) Nivelados ( ) Esquerdo mais elevado ( ) 
Direito mais elevado 
 
CLAVÍCULA: ( ) Simétricas ( ) Oblíquas para baixo 
 
 
 
 
 
120 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
LINHA ALBA ( ) Retilínea ( ) Desvio à E ( ) Desvio à D 
 
TRIÂNGULO DE TALLES ( ) Simétricos ( ) Maior à D ( ) Maior à E 
 
TESTE DE ADAMS ( ) Sem giba ( ) Gibosidade à E ( ) Gibosidade à D 
 
ALTURA DAS MÃOS ( ) Simétricos ( ) D mais alta ( ) E mais alta 
 
CRISTA ILÍACAS ( ) Simétricas ( ) D mais alta ( ) E mais alta 
 
ESPINHA ILÍACA ANTERO-SUPERIOR (EIAS) ( ) Simétricas ( ) D mais 
alta ( ) E mais alta 
 
JOELHOS ( ) Valgo ( ) Varo ( ) Normal 
 
PATELAS ( ) Convergentes ( ) Divergentes ( ) Normais 
 
PÉS ( ) Planos ( ) Cavos ( ) Normais 
 
HÁLUX ( ) Hálux Valgus ( ) Alinhado 
 
 
VISTA LATERAL 
 
CABEÇA: ( ) Anteriorizada ( ) Posteriorizada ( ) Normal 
 
CERVICAL: ( ) Hiperlordose ( ) Retificada ( ) Normal 
 
OMBRO: ( ) Protusos ( ) Anteriorizado ( ) Posteriorizados ( ) Normais 
 
MÃOS: ( ) Anterior à Coxa ( ) Posterior à Coxa ( ) Alinhadas 
 
 
 
 
 
121 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
DORSO: ( ) Curvo ( ) Plano ( ) Normal 
 
ABDOMEN: ( ) Protuso ( ) Ptose ( ) Normal 
 
LOMBAR: ( ) Hiperlordose ( ) Retificada ( ) Normal 
 
PELVE: ( ) Anteversão ( ) Retroversão ( ) Normal 
 
TRONCO: ( ) Antepulsão ( ) Retropulsão ( ) Normal 
 
JOELHOS: ( ) Recurvatum ( ) Fletidos ( ) Normal 
 
VISTA POSTERIOR 
 
CABEÇA: ( ) Alinhada ( ) Rodada à D ( ) Rodada à E ( ) Inclinada à E 
( ) Inclinada à D. 
 
ALTURA DOS OMBROS: ( ) Nivelados ( ) Esquerdo mais elevado ( ) 
Direito mais elevado 
 
ESCÁPULAS: ( ) D mais alta ( ) E mais alta ( ) Rotação Superior à D 
( ) Rotação Superior à E ( ) Rotação Inferior à D ( ) Rotação Inferior à E 
( ) Escápulas Abduzidas ( ) Escápulas Aduzidas ( ) Escápula Alada à D ( ) 
Escápula Alada à E ( ) Simétricas. 
 
TESTE DE ADAMS: ( ) Convexidade à D ( ) Convexidade à E 
Local: ( ) LOMBAR ( ) TORÁCICA ( ) CERVICAL ( ) EM “s” 
 
EIPIs: Simétricas ( ) D mais alta ( ) E mais alta 
 
PREGA GLÚTEA: ( ) Simétricas ( ) D mais alta ( ) E mais alta 
 
 
 
 
 
122 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
LINHA POPLÍTEA: ( ) Simétricas ( ) D mais alta ( ) E mais alta 
 
CALCÂNEO: ( ) Simétricos ( ) Valgo ( ) Varo 
 
 
FICHA DE AVALIAÇÃO FISIOTERÁPICA EM ORTOTRAUMATOLOGIA 
 
1) DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 
 
Nome: 
Sexo: 
Endereço: 
Idade: 
IMC (Peso/Altura2): 
Profissão 
Fone: 
Data da Avaliação: 
Encaminhamento: 
Diagnóstico Médico: 
Diagnóstico Cinético-Funcional: 
 
2) AVALIAÇÃO 
 
Queixa Principal: 
 
História da Doença Atual (HDA): 
 
História da Doença Pregressa: 
 
Outras Patologias: 
 
 
 
 
 
 
123 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
História de Doenças Familiares: 
 
3) AVALIAÇÃO OBJETIVA 
 
Qualidade da Marcha: 
 
Inspeção Geral: 
 
Palpação Superficial e Profunda: 
 
PERIMETRIA: 
 
GONIOMETRIA ATIVA: 
 
GONIOMETRIA PASSIVA: 
 
TESTES ESPECIAIS: 
 
 
4) EXAMES COMPLEMENTARES 
 
5) OBSERVAÇÕES 
 
6) OBJETIVOS E PROPOSTA DE TRATAMENTO FISIOTERÁPICO 
 
NOME DO AVALIADOR: 
 
 
----------FIM DO MÓDULO IV----------- 
 
 
 
 
 
 
124 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores 
 
BIBLIOGRAFIA