A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Resumo história Atenas

Pré-visualização | Página 1 de 1

Atenas 
Na península balcânica, região montanhosa, habitavam os povos pelasgos. Por volta do século 20 a.C chegaram nessa região os povos indo-europeus (aqueus, heolios e jônios). Essa migração gerou uma assimilação de culturas entre os dois povos, dando origem ao povo creto-micênico. Como consequência houve o desenvolvimento da língua e da religião creto-micênica.
O relevo montanhoso da região fez com que os creto-micênicos não conseguissem desenvolver uma agricultura especializada, por isso, eles se dedicaram ao comercio marítimo. Como consequência o poder político estava nas mãos dos mais poderosos comerciantes marítimos, política essa denominada como talassocracia.
Por volta do século 14 a.c houve a invasão de um novo povo na península balcânica, os dórios. Os dórios eram um povo extremamente militarizado e agressivo, alguns creto-micênicos não conseguindo resistir a invasão decidem fugir da península balcânica. Essa fuga é denominada primeira diáspora grega, a primeira diáspora divide o perido pré-homérico do período homérico.
Nessa primeira dispersão, os creto-micenicos migram para o norte, região também montanhosa. Nessa migração eles se dividem em grupos menores habitando diferentes regiões. Esses pequenos grupos de creto-micenicos são chamados de genos, os genos são grupos familiares em que o chefe é o patriarca, o pater familias. Essa diáspora durou cerca de 200 anos. 
Os clãs, em determinados territorios, foram crescendo e consequentemente o espaço habitavel foi diminuindo. Os clãs se tornaram fratrias, as fratrias se tornaram tribos e as tribos se tornaram demos. Nas demos, a propriedade que era até então coletiva passou a ser privada devido a necessidade de possuir uma habitação. Em meio a esse crescimento demografico os patriarcas foram deixando as terras para seus descendentes. Assim foi criada uma nova camada social, a camada dos eupátridas, descendentes dos lideres que detinham o poder, por portarem terras.
Quem não possuia propriedade privada trabalhava para os proprietários para alugar a terra ou eram artesões ou comerciantes, essa camada era chamada de homens livres. Esses homens livres, caso não não conseguissem pagar os proprietarios, se se tornavam escravos por dividas, o que caracteriza essa sociedade como sociedade escravista. Portanto, essa sociedade não é denominada estamental, pois há mobilidade social. Alem disso, há o desenvolvimento de uma pirâmide social em que os eupatridas dominam o topo, seguidos pelos homens livres e os escravos que dominavam a base. Essa piramide social determina uma sociedade censitaria em que os poderosos, eupatridas, possuem mais direitos sobre as outras camadas de homens livres e escravos.
No entanto, alugar terras não criou novas terras, o que levou a segunda diáspora grega, em que a demo se organizou e possibilitou a colonização de novas terras a fim de evitar conflitos sociais. Essas novas terras formaram a Magna Grécia. Com isso, a demo pode se organizar melhor e se tornar uma polis. O desenvolvimento da polis possibilita o início de um novo período, o período Arcaico em que há o destaque de duas polis: Esparta(sul) e Atenas(norte), que no entanto, divergem em sua formação.
Todas as novas polis formadas na Magna Grécia estavam isoladas geograficamente devido ao revelo montanhoso, o que possibilitou que cada polis desenvolvesse sua propria economia, política e exército. No entanto, a população dessas polis tiveram uma mesma origem e portanto, carregam uma mesma base cultural que envolve uma mesma religião e uma mesma lingua.
Estrutura social de Atenas:
-Eupátridas: latifundiários, proprietários de terra.
-Demiurgos: comerciantes
-Georgois: pequenos proprietários
-Tetas: sem-terra
-Escravos
Formação de partidos:
Eupátridas: planícies - conservador
Demiurgos: litoral - moderado
Georgois, tetas: montanhas - radical
Escravos: sem partido, sem direitos
Atenas passou por monarquia, oligarquia, democracia. Houve reforma legislativa para o processo de oligarquia para democracia:
-Dracon: primeiro codigo de leis de Atenas, leis impostas e conservadoras  (ate então as leis eram faladas).
-Solon: reformista. Muda características de Atenas, Solon proíbe a escravidão hipotecaria e propõem que Atenas se expanda a fim da conquista de prisioneiros de guerra para se tornarem escravos. Essa reforma foi vantajosa para os georgois. 
-Psistrato, Hipias, Hiparco: tiranos (governantes que chegaram ao poder por golpe, sem eleição)
-Clistenes: também tirano cria a lei democratica. Propõe dividir Atenas em demos, cada demo poderia eleger os seus membros. Todos os cidadãos (excluindo mulheres, escravos, crianças e estrangeiros) seriam iguais perante a lei. No entanto, mulheres, estrangeiros, escravos e crianças não eram considerados cidadãos.
Período Clássico: Período de apogeu de Atenas.
Começa marcado por uma guerra, as guerras médicas (guerra contra os persas). Dario I parte para a conquista da península balcânica, visto que a Pérsia era um Império unificado, diferente do mundo grego que era dividido em várias polis. Xerxes invade Esparta e derrota os espartanos, com isso, há a preocupação dos atenienses, visto que Esparta era mais militarizada que Atenas.
Como consequência, Atenas propõe uma aliança entre cidades chamada Confederação de Delos, a fim de financiar um exercito para derrotar os persas. Essa aliança resulta na vitória da Liga de Delos contra os Persas.
No entanto, após a vitoria, Atenas se aproveita do seu prestigio e toma o tesouro de Delos, cobra impostos de guerra e faz do exército de Delos seu exército. Assim, começa o século de ouro de Atenas, o século do Imperialismo ateniense, o seculo de Pericles, em que Atenas dominou o mundo Grego.
Essa hegemonia de Atenas gerou mais poder econômico e consequentemente maior expansão territorial o que levou a mais escravos e mais tempo livre para os cidadãos atenienses. Assim, os atenienses passaram a se dedicar mais a politica. No entanto, fazer política não dava dinheiro aos politicos, assim, Pericles criou a mistoforia que era o salário politico. Portanto, o Imperialismo de Atenas e a democracia de Atenas caminharam juntas. 
Entretanto, esse apogeu Ateniense incomodou o mundo grego. Por isso, Esparta criou a Liga do Peloponeso juntando as polis que eram contra o domínio de Atenas. Com isso, houve a guerra do Peloponeso (Liga de Delos [ liderada por Atenas] vs Liga do Peloponeso [liderada por Esparta). Há a vitória de Esparta. Essas lutas enfraquecem o mundo Grego, permitindo a invasão de novos povos. Assim, houve a invasão do rei macedônico Felipe II e sucessivamente de Alexandre o Grande.
Portanto, a Grécia por conflitos internos causou sua propria destruição.
Período helenístico:
O período Helenístico se caracterizou pela assimilação de cultura entre gregos e macedônicos proposta por Alexandre o Grande. Portanto, houve o desenvolvimento da cultura helenística, em que a cultura do ocidente se mistura no oriente, devido ao grande império formado por Alexandre tomando tanto oriente como ocidente.
Uma das causas para essa postura de Alexandre foi seu interesse pelo mundo grego, posto que teve como professor Aristóteles. Assim, Alexandre fundava cidades.