A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
UNIDADE 4

Pré-visualização | Página 1 de 1

PSICOLOGIA, CIÊNCIA E PROFISSÃO
UNIDADE 4
PSICOLOGIA E INOVAÇÃO
Sueli Aparecida De Nadai Bruno
Novos olhares da Psicologia como ciência e profissão 
Temas atuais de estudos e pesquisas dos Psicólogos
Entendemos que Psicologia é diversidade, é pluralidade e, portanto, um imenso leque de possibilidades de atuação se abre para os profissionais psi. 
O olhar da Psicologia modifica-se com base nas modificações sociais, e já não se pode mais ter como opção um único modelo de atuação, uma única verdade. Vemos aqui a necessidade de desconstrução da identidade fixa, para a reconstrução de uma identidade dinâmica, culturalmente construída, baseada na busca de uma verdade até então ignorada, mas que traz consigo possibilidades de propor novos horizontes para se contemplar.
Devemos voltar nossos olhares para os diversos mecanismos que atuam sobre as escolas, famílias, prisões, mídia, hospitais, políticas e, sobre a própria ciência. Devemos compreender de modo diferente e único cada instituição.
Novos quadros para o exercício da profissão na última década, rompendo os limites impostos até mesmo pela regulamentação da profissão, estão sendo vistos.
Qualificação e amadurecimento, como as atividades de assessoria e consultoria, a qual vem emergindo como possibilidade concreta nas áreas escolar, organizacional e social, entre outras.
As transformações das práticas decorrem das mudanças socioculturais e econômicas.
Os movimentos de inovação perceptíveis tanto na prática quanto nos processos de formação, gradativamente ampliam o leque e poder de intervenção do psicólogo, integrando-o a tendências dominantes em outras ciências sociocomportamentais aplicadas.
A consolidação e o aparecimento de áreas emergentes, quer do conhecimento quer da atuação profissional, dependem do evoluir do conhecimento científico, das necessidades sociais e da apropriação pelo profissional, habilitando-o a atuar produtiva e competentemente.
Ao longo da história da Psicologia, enquanto profissão, algumas áreas foram se consolidando, por um lado, como geradoras de conhecimentos e, por outro lado, como áreas de exercício profissional.
É importante observar que , embora seja preferida pela maioria dos psicólogos (as), o mercado na área clínica se encontra saturado. 
Frente a isto, outras áreas de atuação vêm se expandindo, como a Psicologia da Saúde, Jurídica, do Trânsito e do Esporte, Hospitalar, Ambiental, Desastres e Emergências, Comunitária, Políticas Públicas entre outras.
A Psicologia por uma sociedade mais democrática e igualitária
Ao longo da história de nosso país, as(os) psicólogas(os), por meio de sua inserção profissional, do diálogo com os movimentos sociais e da ação de suas entidades, produziram importantes mudanças na profissão. Comprometeram a Psicologia com as lutas sociais por garantia de direitos e assumiram protagonismo na construção de uma sociedade mais democrática e igualitária.
A Psicologia, por meio de suas entidades, tem afirmado e defendido valores democráticos que garantam o debate amplo, respeitoso e plural das ideias e projetos que circulam em nossa sociedade. No exercício de nossa profissão, aprendemos a defender a liberdade de expressão, a convivência da diversidade e os espaços coletivos de reflexão que possam fomentar a paz social.
A Psicologia sabe que essa paz não é sinônimo de quietude, de medo, silêncio ou impunidade, mas, ao contrário, é baseada na possibilidade real da convivência da diferença, garantida pela ênfase no debate e no respeito ao outro. 
Estes são princípios que regem nossa profissão e que a colocam a serviço da sociedade, atenta a todas as ações que, em sentido contrário, silenciem o coletivo e imponham uma única versão dos fatos.
Temos defendido de modo veemente a igualdade de direitos, a aceitação da vontade da maioria e o debate permanente, condição da mais qualificada democracia, reflexo do espírito republicano.
A Psicologia tem muito a contribuir, como ciência e profissão, para a construção da democracia e de seu compromisso com projetos que representam a busca por uma sociedade mais justa e igualitária.
Práticas inovadoras em Psicologia 
Visibilidade de práticas psicológicas atuais em todas as áreas de atuação. 
A área de atuação do psicólogo estende-se a hospitais, ambulatórios, centros e postos de saúde, consultórios, creches, escolas, associações comunitárias, empresas, sindicatos, fundações, juizados de menores e da família, penitenciárias, associações profissionais e esportivas, clínicas especializadas, núcleos rurais e comunitários. 
Está relacionada às ciências humanas (Filosofia, teoria do conhecimento) e biológicas (Biologia, Neurofisiologia, Psicofarmacologia) e apresenta elementos comuns às ciências sociais (Sociologia, Antropologia) e exatas (Ergonomia, Psicofísica), na Psicofarmacologia, ou Biofísico, na Psicofisiologia, epistemológico, na epistemologia genética, ao subjetivo, na interpretação dos sonhos e motivações inconscientes, mantendo-se como fio condutor o interesse pelo comportamento e pela experiência do indivíduo.
O papel do psicólogo no mundo digital
Estamos vivendo uma revolução tecnológica em que os serviços e sistemas de informação ocupam um lugar central nesse processo. Não há dúvida acerca das mudanças que ocorreram na sociedade decorrentes do avanço dos computadores e, após a internet.
Entretanto, as mudanças que ocorreram e que ainda ocorrerão na Psicologia, e mais especificamente, no atendimento psicológico, após esses acontecimentos tecnológicos, ainda não estão claros para a maior parte da comunidade científica bem como para a sociedade brasileira.
Com a popularização dos computadores e da internet, a comunicação medida pelo mesmo tornou-se um evento rotineiro na vida de muitas pessoas, inclusive na de muitos psicólogos, que viram na internet uma possibilidade de oferecer seus conhecimentos a consumidores que os procuravam para aconselhamento gratuito, o que se tornou, mais tarde, uma atividade profissional, sem respaldo ético ou científico.
Psicoterapia online:
 possibilidades e limites 
A psicoterapia pela internet é uma prática difundida no exterior e que tem apresentado resultados benéficos. No brasil, essa modalidade terapêutica só é permitida pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) na forma de pesquisa (resolução CFP nº012/2005), o que pode ser interpretado como um incentivo ao seu estudo. O tema tem sido foco de eventos recentes, como o seminário de serviços psicológicos online, do CFP, de 2011, e o Seminário Psicologia Online São Paulo 2011, do Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Essa mobilização deve-se à necessidade de se reavaliar o campo de atuação dos psicólogos frente às transformações da era digital. 
Apesar de oferecer diversas vantagens como disponibilidade, conveniência, acessibilidade, baixo custo, anonimato, privacidade e redução de estigma, a psicoterapia pela internet requer maiores estudos para uma melhor compreensão de seus efeitos. Até o presente, a maior parte das pesquisas na área tem sido conduzida no exterior, sendo escassa a produção nacional. Investigações empíricas sobre essa modalidade terapêutica são praticamente inexistentes em nosso país, apesar do debate que se instaura acerca do tema.
São necessários mais estudos para se avaliar e compreender a relação terapêutica nas diferentes formas de psicoterapia pela internet. No entanto, a literatura vem crescendo nesse sentido, trazendo resultados convergentes
O fato é que os atendimentos via internet existem e tendem a crescer com o passar do tempo e, por isso, não podem ser mais ignorados.
Resolução ética dos serviços psicológicos realizados por meios tecnológicos de comunicação À distância. 
Em anexo...