Adm Licitacoes Aula 1
4 pág.

Adm Licitacoes Aula 1

Pré-visualização2 páginas
\uf04c\uf049\uf043\uf049\uf054\uf041\uf0c7\uf0c3\uf04f\uf020\uf020
\uf056\uf06f\uf063\uf0ea\uf02c\uf020\uf06e\uf061\uf020\uf073\uf075\uf061\uf020\uf076\uf069\uf064\uf061\uf02c\uf020\uf06c\uf069\uf063\uf069\uf074\uf061\uf020\uf074\uf06f\uf064\uf061\uf020\uf068\uf06f\uf072\uf061\uf021\uf020
\uf020
\uf041\uf075\uf06c\uf061\uf020\uf031\uf020\uf02d\uf020\uf043\uf04f\uf04e\uf043\uf045\uf049\uf054\uf04f\uf020
 
Licitação é o procedimento administrativo vinculado pelo qual entidades governamentais (MEDU, FASE e outros) 
convocam interessados em fornecer bens ou serviços, assim como locar ou adquirir bens públicos, estabelecendo uma 
competição a fim de celebrar contrato com quem oferecer a melhor proposta. 
 
Procedimento = sequência ordenada de atos administrativos (NATUREZA JURÍDICA) 
 
Administrativo = sujeito aos princípios administrativos (em outras constituições já foi considerada direito financeiro) 
 
Vinculado = que deve obedecer os ditames da lei 
 
Entidades governamentais = a realização de licitação é um dever do Estado, uma obrigação não extensiva às empresas 
e pessoas privadas. Toda entidade governamental, de qualquer Poder, assim como instituições privadas mantidas 
com auxílio de verbas públicas, deve licitar. 
 
Interessados = a licitação é aberta a todos aqueles que queiram concorrer à celebração de um contrato com o Estado, 
desde que preencham as condições de participação definidas no instrumento convocatório. 
 
Competição = são princípios básicos da licitação a isonomia e a competitividade, visando obter proposta vantajosa. A 
finalidade da competição é promover uma disputa justa entre os interessados para celebrar um contrato econômico, 
satisfatório e seguro para a Administração. 
 
Melhor proposta = Nem sempre o menor preço é determinante para a decretação do vencedor no certame licitatório. 
Cabe ao instrumento convocatório da licitação preestabelecer o critério para definição da melhor proposta, 
denominado tipo de licitação, podendo ser menor preço, melhor técnica, técnica e preço, maior lance ou menor oferta. 
 
 \uf043\uf04f\uf04d\uf050\uf045\uf054\uf0ca\uf04e\uf043\uf049\uf041\uf020\uf04c\uf045\uf047\uf049\uf053\uf04c\uf041\uf054\uf049\uf056\uf041\uf020\uf020\uf020
 
(ler art. 22, XXVII e art.24, §§ 1°, 2°, 3° e 4°): A doutrina observa que o Texto Constitucional estabeleceu curiosa 
situação ao atribuir à União a competência privativa para editar normas gerais sobre o tema. CONTRADIÇÃO! Nos 
demais incisos do mesmo art. 22, o constituinte definiu como federal a competência para legislar integralmente sobre 
diversos assuntos, sem reduzir a atribuição à expedição de normas gerais. Ora, se a União cria somente as normas 
gerais é porque as regras específicas competem às demais entidades federativas. Assim, impõe-se a conclusão de que 
todas as entidades federativas legislam sobre licitação. Trata-se, então, de COMPETÊNCIA CONCORRENTE, razão pela 
qual o inciso XXVII foi equivocadamente incluído no art. 22 da Constituição Federal de 1988 entre as competências 
privativas da União, pois deveria ter sido alocado no rol das competências legislativas concorrentes (art. 24). 
INCONTROVERSO ERRO DE POSSICIONAMENTO TOPOLÓGICO! Assim, se os outros entes federados podem legislar 
sobre licitações com normas específicas, estas só serão aplicadas em âmbito estadual ou distrital, conforme o caso. 
 
 
LEI FEDERAL \u2260 LEI NACIONAL 
Lei federal é aquela que vale apenas para o âmbito da União, não se aplicando às demais esferas federativas. Ao 
contrário, a lei nacional é obrigatória para a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, alcançando 
simultaneamente todas as esferas federativas. Assim, a Lei n. 8.666/93 tem, indiscutivelmente, natureza jurídica 
de lei nacional, estabelecendo normas gerais obrigatórias para todas as entidades federativas, embora possua 
alguns trechos que se aplicam apenas em âmbito federal. 
 
 
JURISPRUDÊNCIA STF - O STF reconheceu que alguns dispositivos da Lei nº 8.666/93 revelam normas específicas, 
aplicando-se somente no âmbito federal e não nacional (ADI 927) (ler art. 17, I, b; art. 17, II, b, pois foram consideradas 
normas específicas). 
 
 
\uf04f\uf042\uf04a\uf045\uf054\uf04f\uf020\uf044\uf041\uf020\uf04c\uf049\uf043\uf049\uf054\uf041\uf0c7\uf0c3\uf04f 
 
 
(ler art. 37, XXI, da CF; art. 1° e art. 2°) É aquilo que a Administração pretende contratar, podendo ser o fornecimento 
de bens, a prestação de serviços (expedição de PERMISSÃO, outorga de CONCESSÃO), INCLUSIVE PUBLICIDADE, a 
locação de móveis ou imóveis privados, a locação ou venda de imóveis públicos (inclusive daqueles adquiridos 
judicialmente ou mediante dação em pagamento, doação, permuta e investidura), a premiação de trabalho artístico 
ou a alienação de determinado bem. (ROL EXEMPLIFICATIVO) 
 
 
 
 
 
\uf053\uf055\uf04a\uf045\uf049\uf054\uf04f\uf053\uf020\uf044\uf041\uf020\uf04c\uf049\uf043\uf049\uf054\uf041\uf0c7\uf0c3\uf04f\uf020\uf02d\uf020\uf04f\uf042\uf052\uf049\uf047\uf041\uf054\uf04f\uf052\uf049\uf045\uf044\uf041\uf044\uf045\uf020
 
 
(ler art. 1°, parágrafo único) SÃO OBRIGADOS A LICITAR: 
 
1. ÓRGÃOS Públicos (Administração Direta) 2. ENTES Públicos (Administração Indireta) 
 M = Municípios F = Fundação Pública 
 E = Estados A = Autarquias 
 D = Distrito Federal S = Sociedade de Economia Mista 
 U = União E = Empresa Pública 
 
Para as empresas estatais (Sociedade de Economia Mista e Empresas Públicas), deve-se observar o tipo de atividade 
que será subsidiado pela licitação. Pois: 
 
Atividade-meio: deve haver licitação. 
 
Atividade-fim: não se aplicam as regras próprias de licitação, em especial no que toca às atividades comerciais. 
 
3. FUNDOS ESPECIAIS, que funcionam como órgãos, por exemplo: o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS; 
o Fundo Especial da Defensoria Pública do Estado do Amazonas \u2013 FUNDPAM; o Fundo Especial de Assistência 
Financeira aos Partidos Políticos, denominado Fundo Partidário, que é constituído por dotações orçamentárias da 
União, multas, penalidades, doações e outros recursos financeiros que lhes forem atribuídos por lei; e o Fundo de 
Modernização e Reaparelhamento do Poder Judiciário Estadual \u2013 FUNJEAM; etc. 
 
4. ENTIDADES MANTIDAS OU SUBVENCIONADAS PELO PODER PÚBLICO, pessoas jurídicas de direito privado e sem 
fins lucrativos controladas pelo poder público direta ou indiretamente, porque recebem dinheiro público e estão 
sujeitas tanto à fiscalização quanto à licitação. Chamadas de terceiro setor, não são obrigadas a licitar com todo o 
rigor, mas devem realizar um procedimento simplificado que garanta que o preço pago foi o de mercado (prévia 
cotação de preço), pois estão sujeitos às sanções por improbidade administrativa. São elas: 
 
4.1 Serviços Sociais Autônomos, instituições privadas sem fins lucrativos ligadas ao sistema sindical, como o 
Sesc, o Sesi e o Senai, são designados pela doutrina como entidades paraestatais, compondo o chamado 
sistema \u201cS\u201d, porque são mantidas com recursos provenientes de contribuições de natureza tributária, 
arrecadadas pelas instituições sindicais junto aos seus filiados; 
 
4.2 Organizações Sociais - OS, quando querem contratar com utilização direta de verbas provenientes de 
repasses voluntários dos Entes (exemplo: Abrigo Monte Salem, Fazenda Esperança, Fundação Amazônia 
Sustentável \u2013 FAS, Grupo de Apoio à Criança com Câncer no Amazonas \u2013 GACC/AM, Lar Batista Janell 
Doyle, etc; sendo qualificadas por ATO DISCRICIONÁRIO do Ministro de Estado, ou titular de órgão 
supervisor ou regulador da área de atividade correspondente ao objeto social, para desempenhar uma 
atividade de interesse público sem fins lucrativos, como o ensino, a pesquisa científica, o desenvolvimento 
tecnológico, a proteção e preservação do meio ambiente, cultura e saúde, recebendo recursos por meio 
de um CONTRATO DE GESTÃO e conta com a possibilidade de dispensar licitação para contratar serviços 
(ler art. 24, XXIV), desde que contemplados no aludido contrato de gestão; 
 
4.3 Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público \u2013 OSCIP, quando querem contratar com utilização 
direta de verbas provenientes de repasses voluntários dos Entes (exemplo: Instituto de Desenvolvimento 
Social Dom Adalberto Marzi, que formalizou termos de parceria com o governo