A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Revolução Rússa

Pré-visualização|Página 1 de 2

Re vo lução Rus sa
Re vo lução Russa de 1905, acabo u sendo um mo vime nto espo nt â neo contra o go ver no e m
vi nc ia, não t inha lidera nça de finida e muito me nos d ireção, co ntro le o u obj et ivo s c laros.
Mas fo i gr a nde impor tâ nc ia na muda nça da es t urr a r ussa e para per mit ir a gra nde re vo lução
e m 1917.
Em 1915 co meça a q ue stão da fo me.
Em 1917 le min ass ume o pode r na Rus sa e co meças o soc ia lis mo e t ir a o pode r da igre ja, e
te ndo uma impor nc ia ma is sóc ias.
O exerc ito ve r me lho de L e min fo i de gra nde imp or nc ia pa ra a soc iedade R ussa.
A tra jetó r ia po lit ica de S tá lin e s ua re lação co m o poder
Jove m co m co nvicções re vo luc io nár ios
Ent rada na po lit ica a par t ir de Lê nin
Stá ling c he ga ao poder co m a mo rte de Lê nin
Ele inic ia o pr ime iro p la no para r e ver a eco no mia.
N o campo his tor io g fica so me nte co meço u a se e xp lo rar a a pa rt ir da se gunda gue rra
mund ia l. S obre a s a nt igas abo rda ge ns, e q ue m vive u as re vo luções, Sobre o Lê nin, e os o utros
russos, base ados na te ses de ab r il, o q ue os par t ic ipara m e vira m a re vo l ução.
O estudo da H istór ia na Russa.
O s part idos sóc ia s de moc ratas até a se gunda guer ra mund ia l, e les q ue re m se e xpa nd ir para o
todo o mundo, e a c la sse ope rar ia de ve le va ntar a s ua própr ia ba nde iras. N a guerr a er ra luta
dos operár ios, e pa ra e les não pode r ia aco ntece r isso, porq ue a guer ra para b ur guesa e a luta
operár io co ntra ope r io err a errado, e isso p ara e les er ra des nece ssár io.
A R ussa até o c ulo XVI I e rra um impér io, so q ue es se império e rra um mode lo se mi fe uda l,
e um pa is se mi cap ita lis mo, ma s q ue viva a nte s da pr ime ira guerra mund ia l. Se ndo q ue a
Russa não beb ia muito do cap ita lis mo, e a b ur gue s ia erra muito nasce nt e, porq ue todas as
r iq ue zas e sta va na o da a r is tocrac ia da época.
Ao nde a b ur gue s ia a inda e rra fraca q ue o soc ia lis mo se ace nde u, e co m isso o traba lhador
conse guiu ma nter o pode r.

Para Lê min os pa rt idos de ve m se mil ita ntes ir e m po rta e m port a para co nve rsar pa ra as
pessoas ver a ide ias e ver a s muda nça s para a s pessoas ter ide ia s co mo func io na s os par t idos.
A pr ime ira guer ra co m a pe rda para a A le ma n ha, e cedera m uma pa rte da s ter ras.
N EP
O exérc ito ver me lho, o i um dos e xé rc itos é muito for me, te ndo um co nt ro le gera l ce nt ra l
fo rte, e os outros e xé rc itos erra ma is d isperso. E o sent ime nto nac io na lista r us so erra muito
fo rte pa ra o e xérc ito ve r me lho, funda me nta l para vitó r ia de les.
A N EP fo i o po lit ica eco no mia fo i e laborada pa ra es tr ut ura a eco no mia da R úss ia, pa ra ma nter
a econo mia, e mo vime nta ndo a eco no mia pôs gue rra, te ndo iníc io e brec has para o
cap ita lis mo.
Porque co munis ta?
Ele s fora m cr iados depo is da re vo lução r us sa, e e le s cr ia ra m um no vo par t ido para ser
inter na c io na l par a todo o mundo, pa ra vá r ios o ut ros pa rt idos, s e ndo par t ido s co munis tas.
Sendo uma pa rte e nt re os a narq uista s e soc ia lis ta. E o s a na rq uis tas for ma par a os part idos
soc ia list as, e m 1922 e c r ia ndo uma no va inte r nac io na l a te rce ira inte r nac io na l. Assoc iação
nac io na l dos traba lhadore s.