REDAÇÃO SOBRE DEFICIENTES (DA EXCLUSÃO PARA A INCLUSÃO)
2 pág.

REDAÇÃO SOBRE DEFICIENTES (DA EXCLUSÃO PARA A INCLUSÃO)


DisciplinaRedação5.244 materiais354.256 seguidores
Pré-visualização2 páginas
DA EXCL UO P ARA A I NC LUO
Tatiane Laruss a Alm eida Rodri gues
28262378
Odontologia
O preconcei to e a e xclusão d o defici e nte f ísi co sempre foi uma realidad e e
mesmo depo i s de séculos, ai nda é vi sto como i ncapaz e li mitado na nossa
soci eda de. Nesse cenári o, p reci samos destacar a i mportânci a da i nclusão
soci al. Mesmo com a evol ução que ti ve mos no mei o soci al, c omo os di reitos
huma nos da co nsti t ui ção brasi lei ra, gara nti ndo i guald ade a todos pera nte a lei ,
com a Le i B rasileira de Inc l usão da P essoa com D efici ê nci a , vi gorada em 2016
com o i nt ui to d e asse g ura r o s di rei tos d as pe ssoas d efi ci entes e p uni r atit udes
di scrimi natóri as , e com m ui tas escolas e u ni versida des adotando post uras em
sala s de a ula, co mo o e nsi no obri gatóri o de li bra s em c ursos de li ce nci at ura,
ai nda a ssi m te mo s um i menso pe rc urso a ser pe rcorrid o em vi rt ude d o g rande
preconcei to ai nda exi ste nte e co m a fa lta de melhoria s para q ue os defici e ntes
si ntam-se parte da soci edade . Rarame nte vemos o defi ci ente exe rcendo
ati vi d ades comuns co m cargos d e a lta i mpor nci a mesmo com a s cotas para
empre ga-los, alé m d o â mbi to esp orti vo o nde também sofre m de scri mi nação , a
área da educa ção também os e xc lui , vi sta q ue todo s os edi ta i s consta co ta s de
vaga s p ara os mesmos , di ante d i sso, mui tas ve ze s o pre co nce i to fa z a p ró pri a
pessoa acredi tar que não é capa z pa ra reali zar a a tivi d ade. A i ncl usão soci al
te m como ob je tivo i nse ri r na soci ed ade, aque le s q ue p or preco ncei to e
desprezo, é vi stos pela soci ed ade como di fere nte e que busca m oc upar um
luga r que é seu po r di rei to co mo pesso as i g uai s . P orta nto, é necessá rio que o
gove r no i nvi sta com projetos , cri ando centro s espo rti vos e cul t urais, j unto co m
a p refeitura fo r necer mei os como calçadas mai s planas e rampas, o mi ni stério
da educaçã o i ncl ui ndo mais va gas e ace ssi bi li dades, capaci tando pro fi ssi o na i s,
to r nando obri gatóri o o ensi no de li b ras e a le i t ura em brai le e a m ídi a enfi m
cumpri ndo seu pape l , pa troci na nd o propagandas most ra ndo que pesso as
defici entes são p essoa s capazes, tenta nd o mi ni mizar o preco nce i to e pro mover
na soci e dade uma consci ênci a i ncl usi va . O utras medi das p odem ser tomadas,
mas a p ri nci pal é a soci ed ade ter respei to, poi s cada um é efici en te de sua
manei ra.
R E FER ÊN C IAS :
D i sponíve l em:< https: // ww w12.se nado . le g.b r / notici a s/mate ri as/2016/01 /21/lei -
brasileira-de-i ncl usao -e ntra -em- vi gor-e-be ne fi cia -45-mi l hoes -de-b rasi leiros>
D i sponíve l em:< ht tps://ww w.i magini e.com .br/ red acao -al ter nati vas -para-
i ncl usao -social-das-pessoas -co m- ne cessi dad es-especi ai s -2/>
D i sponíve l em:< http :/ /www .pla na lto.go v.br/cci vi l_03/_ ato 2004 -
2006/2005/decreto/d5626. ht m>
D i sponíve l em :<
ht tp: // ww w.se nado . leg.br /a ti vi dade/const /co n198 8/co n19 88_atua l/ar t_5_.asp >