A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
33 pág.
APONTAMENTOS DE REGIMES E SISTEMAS POLÍTICOS

Pré-visualização | Página 7 de 14

resultados no Reino Unido, pode não funcionar tão bem aplicada à 
política dos países do Sul da Europa, por exemplo. Além disso, os sistemas 
proporcionais são usados em toda a Europa e há claras diferenças na qualidade de 
cada democracia de países que usam o mesmo sistema eleitoral. 
 
A) SISTEMAS MAIORITÁRIOS  
 
TEXTO → ​“Os Processos de Escrutínio” de Jean Marie Cotteret e Claude                       
Emeri  
 
Sistema maioritário: trata-se de um processo de eleição/votação em que o                     
candidato que obtiver maior número de votos é proclamado eleito. O                     
escrutínio maioritário pode ser uninominal e plurinominal. 
Esse processo pode ser de​ uma ou de duas voltas.   
 
O sistema maioritário uninominal a uma só volta ​corresponde aquele em que o                         
candidato fica à frente quando ganha por maioria simples. O sistema maioritário                       
mais antigo é o inglês.  
O sistema maioritário uninominal a duas voltas ​exige a obtenção de maioria absoluta                         
para se ser eleito. Se essa maioria for conseguida na primeira volta, o candidato é                             
eleito. Caso contrário, processa-se uma segunda volta, à qual concorrem apenas do                       
dois candidatos mais votados. É o sistema vigorado em França.  
O sistema maioritário é, regra geral, um sistema de single-member constituency ou                       
circunscrição uninominal, muito embora com o tempo tivesse adotado também a                     
modalidade de circunscrição plurinominal, em duas versões:  
- ou de lista completa ou lista bloqueada plurinominal, ou maioritário de lista →                         
em que cada circunscrição distrital era eleita toda a lista vencedora (Portugal                       
em 1885 e no Estado Novo) 
- ou ainda de lista incompleta plurinominal → destinado a proteger as minorias,                       
permitia às minorias, que não conseguissem representação em nenhum                 
círculo, juntar os votos dispersos, para obter representação própria (Inglaterra                   
em 1867, Espanha em 1878, Itália em 1882, e Portugal em 1884). 
- voto alternativo → o eleitor manifesta preferências gradativas, de primeira,                   
segunda ou terceira escolha 
- voto único não transferível → cada eleitor tem um único voto mas em                         
circunscrições plurinominais, ou seja escolhe, entre um certo número de                   
nomes, apenas um desses nomes. (Japão) 
- voto limitado → as circunscrições se elegiam por vários deputados 
 
O que caracteriza os sistemas maioritários é precisamente, como o nome indica, o                         
favorecimento de maiorias parlamentares e governamentais, contribuindo para a                 
governabilidade e para a estabilidade governamental. Por isso se diz que são bons                         
para escolher governantes.  
Os sistemas maioritários concentram o voto em menos partidos, favorecendo                   
claramente os mais votados. Promovem o bipartidarismo, em detrimento dos menores                     
partidos.  
Em segundo lugar, os sistemas maioritários, porque baseados, na sua maioria, em                       
circunscrições uninominais, são sistemas de voto em pessoas e não em listas ou                         
partidos, apesar de esses nomes serem apresentados em ligação a partidos.                     
Pessoalizam a candidatura e o voto, o que permite uma maior identificação e                         
proximidade dos eleitores com os seus eleitos, dos cidadãos com as instituições, e um                           
controlo muito maior dos eleitores sobre os seus deputados.  
Desse modo, o controlo do partido sobre os deputados é muito menor. O deputado                           
tem uma autonomia muito maior sobre o partido. O partido não consegue tão grande                           
influência sobre os deputados, e faz crescer a dos deputados no partidos, fazendo                         
ressaltar as suas qualidades, e elegendo os melhores. O sistema maioritário diminui a                         
partidocracia.  
Por outro lado, o sistema maioritário valoriza o centro político, pragmatiza os                       
partidos, exerce pressão centrípeta sobre eles, porque ganha as eleições quem mais                       
se posicionar ao centro. O maioritário desencoraja a extremação ou polarização                     
ideológica dos partidos, convida-os à moderação das suas propostas, e a                     
pragmatização dos seus programas.  
Nesse sentido, o sistema maioritário valoriza os votos dos indecisos que estão ao                         
centro, e oscilam em dar o seu voto a um dos dois partidos que alternadamente                             
disputam a vitória eleitoral.  
Por último, o sistema maioritário proporciona maior turnover, ou substituição dos                     
deputados, e por conseguinte favorece maior rejuvenescimento dos parlamentos.  
 
 
 
SÍNTESE:  
No sistema eleitoral maioritário deputado é eleito num círculo uninominal. Isto                     
significa que um número relativamente pequeno de eleitores, normalmente alguns                   
milhares, escolhem só a um deputado para representá-los no Parlamento. Os                     
candidatos de diferentes partidos (ou incluso independentes) participam das eleições.                   
Ganha a cadeira que recebe mais votos, de modo que torna-se o único representan-                           
te desse eleitorado. 
Isso tem implicações importantes para os partidos. Primeiro, os grandes partidos                     
tendem a obter uma quantidade percentual muito maior de deputados que a                       
percentagem de votos obtidos. Isso ajuda a facilitar a maioria parlamentar para                       
formar o Governo. Na verdade, daqui vem o nome: num sistema maioritário é provável                           
que um partido obtenha a maioria para governar. Mas isso muitas vezes impede que                           
partidos menores alcancem representação parlamentar. A consequência de tudo isso                   
é que, nos sistemas majoritários tendem a ser dois grandes partidos que se alternam                           
no governo. Além disso, o facto de que o mérito de ter sido eleito seja do deputado,                                 
pois trabalhou individualmente para sua eleição, faz com que os deputados tenham                       
uma grande força no partido. Isto significa que os partidos são mais abertos e, neles,                             
a direção do partido tem menos poder. 
Os sistemas maioritários mais conhecidos estão no Reino Unido (Câmara dos Com) e                         
nos Estados Unidos (Congresso). Há muitos outros países que usam variantes do                       
sistema majoritário: França, Canadá, Argentina, etc. 
 
 
 
 
 
B) SISTEMAS DE REPRESENTAÇÃO PROPORCIONAL  
 
TEXTO → ​“Os Processos de Escrutínio”​, de Jean Marie Cotteret e Claude                       
Emeri;  
“​II. Da Democracia Verdadeira e Falsa: Representação de Todos ou Somente                     
da Maioria”​, de John Stuart Mill  
 
Sistema de Representação Proporcional: ​No sistema de representação proporcional                 
não ganha apenas o que fica à frente, mas todos ganham, na proporção dos votos                             
obtidos. Há uma maior, e mais equitativa distribuição dos lugares. 
Este sistema é, necessariamente, plurinominal, ou seja, vota-se numa lista partidária. 
O eleitor, em vez de votar num só candidato, distribui os candidatos da sua                           
preferência numa lista, por ordem de preferência. Um candidato é eleito quando                       
atinge o número correspondente ao quociente eleitoral de Andrae, traduzido