Aula_02 2015

Aula_02 2015


DisciplinaHistoriografia Brasileira952 materiais47.822 seguidores
Pré-visualização2 páginas
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
A criação do IHGB e o discurso histórico brasileiro no século XIX: a obra de Varnhagen
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
OBJETIVOS DESTA AULA:
1º objetivo:
Discutir a criação e a importância do IHGB na formação do discurso historiográfico do Brasil;
2º objetivo:
Identificar as principais questões abordadas na obra de Varnhagen.
	x
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
UM POUCO DA HISTÓRIA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO
Você já deve ter ouvido falar que o século XIX é o século da história, afinal foi nesta época que a história se tornou uma disciplina, ocupando efetivamente o espaço das universidades. Além disso, em meio ao processo de formação dos Estados-Nações, a história, tornava-se uma peça fundamental para legitimar as nações no tempo.
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
No Brasil, a história também será um conhecimento importante para legitimar a jovem nação recém emancipada. No entanto, deste lado do Atlântico, o espaço de produção historiográfica não serão as universidades, mas uma academia de história: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.
UM POUCO DA HISTÓRIA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
A FUNDAÇÃO DO INSTITUTO
A Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional (SAIN, 1827).
Raimundo José da Cunha Matos e o cônego Januário da Cunha Barbosa \u2013 proposta de criação de um instituto histórico aceita em 1838.
A proteção do Imperador D. Pedro II.
\u201cA leitura da história empreendida pelo IHGB está, assim, marcada por um duplo projeto: dar conta de uma gênese da nação brasileira, inserindo-a contudo numa tradição de civilização e progresso, ideias tão caras ao iluminismo\u201d (GUIMARÃES, Manoel Salgado). 
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
DIRETRIZES DO IHGB \u2013 PRIMEIROS DOCUMENTOS
Havia algumas diretrizes centrais que deveriam nortear os trabalhos no interior do IHGB:
Coletar e publicar documentos relevantes para a história do Brasil;
Incentivar os estudos de natureza histórica;
Manter relações com instituições congêneres (é o caso do Institut Historique de Paris);
Incentivar a criação de institutos históricos nas províncias.
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
OS PRIMEIROS PASSOS PARA SE ESCREVER UMA 
\u201cHISTÓRIA DO BRASIL\u201d
Nos anos 1840, o IHGB define um prêmio para o trabalho que melhor elaborasse um plano para se escrever a história do Brasil. O vitorioso foi o alemão Karl Friedrich von Martius.
K. F von Martius
\u201cPortanto deveria ser um ponto capital para o historiador reflexivo mostrar como no desenvolvimento sucessivo do Brasil se acham estabelecidas as condições para o aperfeiçoamento de três raças humanas, que nesse país são colocadas uma ao lado da outra, de uma maneira desconhecida na história antiga.\u201d (MARTIUS, Karl F .von. Como se deve escrever a história do Brasil). 
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
DE VON MARTIUS A VARNHAGEN:
\u201cO exame da correspondência trocada entre von Martius e o IHGB nos permite supor que era intenção do instituto encarregá-lo de executar o projeto historiográfico contido em seu trabalho. Von Martius, no entanto, recusa a tarefa. É importante observar, todavia, que seu \u201cprograma\u201d para a história do Brasil será, em linhas gerais, aquele que se corporificará com a publicação de de Varnhagen\u201d (GUIMARÃES, Manoel Salgado). X
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
QUEM FOI VARNHAGEN?
Francisco Adolfo de Varnhagen
Nasceu em 1816, na cidade de Sorocaba, província de São Paulo.
 Ainda muito jovem, foi com sua família para Portugal, onde começou a se dedicar à pesquisa histórica.
Por intermédio do ministro Vasconcelos de Drumond, elege-se sócio-correspondente do IHGB em 1840.
1851: regressa ao Brasil e torna-se 1º Secretário do IHGB.
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
1852-58: Encarregado de negócios do Brasil na Espanha \u2013 momento em que expande suas investigações na Europa.
1859-68: Ocupou cargos na América Latina (Paraguai, Venezuela, Colombia, Equador e Chile) \u2013 \u201cHistoriador-diplomata\u201d.
1868: Retorna ao Velho Mundo.
1871: Recebe o título de barão do Porto Seguro. Três anos mais tarde, é elevado a visconde.
1878: Falece aos 62 anos de idade.
QUEM FOI VARNHAGEN?
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTÓRIA GERAL DO BRASIL
Primeiro volume editado em 1854. Obra dedicada ao Imperador.
Principal ponto de sua interpretação: A História Geral do Brasil apresenta-se como continuação da história da metrópole \u2013 o Brasil é \u201ccriação\u201d do Império Português.
Uso de transcrições e inúmeros testemunhos, como a Carta de Caminha.
 Temas: O meio, seus habitantes, relato das primeiras expedições exploradoras, as capitanias hereditárias, vida cotidiana, as relações entre os colonos e indígenas, as invasões holandesas, a vinda da Corte portuguesa.
Edições de obras de Varnhagen
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
Voltando à questão do índio, do branco e do negro...
A viagem pelo interior do Brasil nos anos 1840 e o contato com os \u201cselvagens\u201d:
O negro no Brasil e a questão da miscigenação.
Invasões holandesas: elemento catalisador \u2013 episódio que conseguiu aglutinar as três raças. Combateram pela mesma causa índios, brancos e negros, numa união representada nas figuras de Vidal de Negreiros, Felipe Camarão e Henrique Dias.
Má recepção do livro de Varnhagen no Instituto, especialmente por conta do trato dispensado aos indígenas.
\u201ca minha conversão, o meu horror pela selvageria nasceu em mim em meio dos nossos sertões, e em presença, digamos assim, dessa mesma selvageria\u201d. (Varnhagen) 
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
 Lembre-se: 1) O IHGB não era uma instituição homogênea; 2) A tarefa de escrever sobre o passado ficava nas mãos de um grupo de letrados que, em suas narrativas, circulavam por um amplo espaço de produção de conhecimento, que envolvia saberes etnológicos, geográficos, literários, linguísticos e históricos.
 Fazia parte dos objetivos do IHGB dotar a nação recém independente de um passado adequado às pretensões da monarquia.
Erudição, busca por documentos e rigor no tratamento das fontes eram indispensáveis para o trabalho do historiador. Também cabia a ele ater-se aos fatos que realmente aconteceram, estabelecendo a verdade sobre os mesmos. 					 X		
O QUE VALIDAVA O TRABALHO DO HISTORIADOR?
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
O QUE VIMOS NA AULA DE HOJE:
Discutimos a importância e o papel do IHGB como local de produção historiográfica no Brasil oitocentista;
Demarcamos a importância da obra de Varnhagen, discutindo seus principais temas e questões, sua relação com o Imperador e com seus pares do IHGB e o reconhecimento que recebeu após a sua morte.
Aula 2 \u2013 O discurso histórico no Brasil Império
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA
Para saber mais sobre a produção historiográfica no IHGB e sobre a obra de Varnhagen:
Artigo do professor Manoel Salgado Guimarães \u2013 Nação e civilização