A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Anatomia e Fisiologia do sistema digestório das aves

Pré-visualização | Página 1 de 2

Anatomia e Fisiologia do sistema digestório das aves
INTRODUÇAO:
Nas aves o sistema digestivo exibe uma variação entre as espécies menor do que é encontrada nos mamíferos. Os órgãos deste sistema são relativamente leves, o que contribui para a leveza essencial para o vôo das aves, e são altamente eficientes em liberar rapidamente a energia proveniente dos alimentos, provendo assim uma alta taxa metabólica nas aves (O’MALLEY, 2005; DYCE et al., 2010).
As aves consomem os mais variados tipos de alimentos: frutos, néctar, sementes, insetos, vermes, crustáceos, moluscos, peixes e outros pequenos vertebrados. Elas possuem um sistema digestivo completo, composto de boca, faringe, esôfago, papo, pro ventrículo, moela, intestino, cloaca e órgãos anexos (fígado e pâncreas).
São animais vertebrados com uma dieta alimentar que varia de acordo com a espécie. Aves herbívoras se alimentam de sementes, frutas, néctar, etc., enquanto que as aves carnívoras consomem outras aves, pequenos vertebrados e restos de animais (carniça). Há ainda as aves onívoras, que possuem uma alimentação variada, assim como os seres humanos.
Por não possuírem dentes (fato decorrente de uma adaptação ao voo), as aves possuem um sistema digestório bem peculiar, que muda de acordo com a dieta alimentar do animal. 
BICO:
O bico das aves como já havia sido descrito possui variações conforme a dieta e as estratégias de forrageamento das aves. Substitui os lábios e os dentes presentes nos mamíferos. Permitindo às aves encontrar e agarrar os alimentos, algumas vezes matando a presa e a dilacerando para iniciar o processo digestivo. Consistem em uma parte óssea, derme vascular e uma queratina modificada (O’MALLEY, 2005).
 
Todas as espécies de aves ingerem o seu alimento pelo bico córneo, cuja forma e tamanho também irão variar de acordo com o tipo de alimentação da ave.
LINGUA:
A língua possui forma triangular e é sustentada por um aparelho hióide delicado e não protraível. Este aparelho hióide consiste no osso entoglossal e o osso basibraquial rostral. Quando ocorre o movimento de deglutição no interior da orofaringe a fenda da coana é fechada e o alimento segue para o esôfago. Gansos e patos possuem na língua diversas papilas que se encaixam frouxamente nos sulcos das margens do bico, permitindo a tais aves peneirar partículas de alimentos presentes na água. Os psitacídeos são os únicos a apresentarem um par de ossos entoglossos e uma língua grande e muscular.
Língua do ganso
GLÂNDULAS SALIVARES:
 As aves possuem praticamente uma camada de glândulas salivares dispersas pela orofaringe. Estas não estão bem definidas, mas existem pequenos agregados de glândulas maxilares e palatinas no teto da boca, e glândulas madibulares e linguais no assoalho. A saliva das aves é mais mucóide justamente para lubrificar o alimento. A produção da saliva está sob controle de estimulação parassimpática e é bem desenvolvida em aves que consomem alimentos secos, como sementes ou insetos, tais como os pica-paus (O’MALLEY, 2005; CUBAS, 2006).
OROFARINGE:
A orofaringe é uma cavidade em comum para o sistema digestivo e respiratório, que vai do bico até a entrada do esôfago. As aves não possuem palato mole. O teto da orofaringe, a qual é achatada dorsoventralmente, é formado pelo palato duro e o seu assoalho é formado pela mandíbula, língua e monte laríngeo. O palato duro é incompleto, pois apresenta uma longa fissura mediana (coana) a qual se conecta com a cavidade nasal.
A parede da orofaringe é preenchida por diversas papilas mecânicas, tanto dispersas na forma individual como organizadas em linhas transversais. Todas essas papilas estão dirigidas caudalmente e desta forma auxiliam no movimento do bolo alimentar em direção ao esôfago quando da deglutição
ESÔFAGO/PAPO:
O esófago situa-se entre a orofaringe e o estômago. O esófago cervical localiza-se entre os músculos cervicais e a traqueia, indo depois colocar-se mais à direita, retornando à linha média na entrada do tórax. Nesta zona a sua parede ventral dilata-se para formar o papo, que se apoia nos músculos peitorais e na pele cuja função é armazenar o alimento e também para umedecê-lo, tornando-o mais macio, graças à secreção das glândulas salivares, das glândulas esofágicas e mucosas do papo e também porque o suco gástrico pode chegar ao papo. Ao armazenar os alimentos no papo, a ave tem a oportunidade de digeri-lo em um local mais seguro. Por outro lado, nos pombos em final de incubação e 1 ou 2 semanas depois o papo serve também para formar um líquido que é o “leite do papo”, constituído por células descamadas carregadas de lípidos, para alimentação das crias.
Este órgão na galinha é unilateral ou ímpar (direito); no pombo tem dois grandes sacos simétricos e no pato e ganso apresenta uma dilatação fusiforme com abundantes glândulas. O esófago torácico é mais curto que o cervical e localiza-se dorsalmente à traqueia e à base do coração e estreita-se na porção mais caudal. As superfícies internas do esófago e do papo possuem pregas longitudinais, onde se abrem diversas glândulas mucosas. Na junção com o pró-ventrículo existe uma tonsila esofágica (acumulação de tecido linfóide)
Logo depois do papo, encontra-se um estômago dividido em duas partes, chamadas de proventrículo e moela. 
ESTÔMAGO: 
O estômago de aves que se alimentam de peixes (piscívoras) e de carne (corujas, gaviões, águias, abutres) é um órgão de estocagem para a digestão química de uma dieta macia. Já as aves herbívoras (galinhas, gansos) possuem um estômago adaptado à redução mecânica, com uma musculatura poderosa, devido ao consumo de uma dieta que é mais resistente (DYCE et al., 2010).
O estômago das aves é dividido em duas porções Estômago glandular — pró-ventrículo Estômago muscular — moela O pró-ventrículo é um órgão alongado, fusiforme, direccionado cranio-caudalmente e ventralmente e um pouco para a esquerda.
No proventrículo, também conhecido como estômago químico, o alimento é misturado a enzimas digestórias, sendo encaminhado para a moela, também conhecida como estômago mecânico, uma estrutura de paredes grossas e musculosas, onde o alimento que já está amolecido e misturado a enzimas digestórias será triturado. Muitas espécies de aves herbívoras engolem pequenas pedrinhas para que elas auxiliem na trituração do alimento na moela. Essas pedrinhas ingeridas pelas aves são equivalentes aos dentes que elas perderam ao longo da evolução. E em aves granívoras e em algumas espécies de papagaios observa-se a moela com uma musculatura mais fina, pois tais aves descascam e trituram as sementes com o bico, antes de engolirem, e desta forma nem sempre necessitam de areia na alimentação. É importante lembrar que as aves carnívoras possuem um papo pouco desenvolvido ou até mesmo ausente, enquanto sua moela é pouco musculosa.
 
FÍGADO:
O fígado das aves possui uma coloração castanho-escuro, porém as aves até duas semanas após a eclosão apresentam um fígado amarelo devido aos pigmentos da gema, que continua sendo absorvida pelo intestino antes da total regressão do saco vitelino. Apresentam um lobo direito e um lobo esquerdo os quais se encontram conectados cranialmente por uma parte dorsal ao coração, e envolvem a parte caudal deste mesmo órgão, devido à ausência de diafragma. O lobo direito é o maior e encontra-se penetrado pela veia cava caudal. Algumas espécies, como os tucanos, possuem a vesícula biliar em sua superfície visceral, porém nos pombos, a maioria dos papagaios, nos periquitos-australianos e nos estrutioniformes (avestruz, ema) a vesícula biliar está. A superfície parietal do fígado é convexa e está em contato com o esterno e as costelas. Já a superfície visceral é côncava e está em contato com o baço, proventrículo, moela, duodeno, jejuno, ovário ou testículo. A partir dos lobos hepáticos saem dois ductos biliares, um de cada lobo, para adentrar na extremidade distal do duodeno, em proximidade com os ductos pancreáticos, porém apenas o ducto hepático do