resumo NP2 Direito Empresarial
7 pág.

resumo NP2 Direito Empresarial

Pré-visualização2 páginas
1. DOS BENS PROTEGIDOS PELA LEI DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL 
 
1- Invenção é tudo aquilo que se inventa, que se cria, que pode ser 
explorado economicamente. 
Para que seja reconhecido como invenção, o bem deve atender a 
quatro requisitos previstos na lei: a novidade, a atividade inventiva, a 
aplicação industrial e o não impedimento. 
 
2- Modelo de utilidade é o objeto de uso prático, ou parte deste, suscetível 
de aplicação industrial, que apresente nova forma ou disposição, 
envolvendo ato inventivo, que resulte em melhoria funcional no seu uso 
ou em sua fabricação. 
 Pode ser considerado como uma pequena invenção, algo que foi 
criado para trazer uma utilidade maior para um invento já existente. Ele traz 
uma melhoria funcional para um ato inventivo, para algo que já é 
considerado invenção. A palavra-chave para o caso é melhoria funcional. 
 
3- Desenho industrial é a forma plástica ornamental de um objeto ou o 
conjunto ornamental de linhas e cores que possa ser aplicado a um 
produto, proporcionando resultado visual novo e original na sua 
configuração externa e que possa servir de tipo de fabricação industrial. 
A doutrina diz que o desenho industrial é o elemento fútil porque 
não traz nenhum tipo de melhoria, de utilidade, só se preocupando com a 
estética, com a configuração externa. Se trouxer algum tipo de utilidade, já 
não é mais desenho, é modelo de utilidade. 
São exemplos de desenho industrial a garrafa térmica com um 
resultado visual novo, a garrafa de cerveja que tem um design 
proporcionando melhor adaptação das mãos e a nova estética de um 
aspirador de pó. 
O modelo de utilidade traz melhoria e o desenho industrial muda o 
design. 
 
4- Marca é o sinal distintivo, visualmente perceptível, não compreendido 
nas proibições legais. 
Por meio da marca você procura identificar um produto ou serviço, 
ou seja, ela é o elemento de identificação, de distinção. 
No Brasil, não é possível registrar sinal sonoro, sendo permitido 
registrar como marca apenas aquilo que é visualmente perceptível. O sinal 
auditivo \u2018plim-plim\u2019 da Globo, por exemplo, não pode ser registrado como 
marca. Por outro lado, na Europa é possível registrar o som do motor de 
uma moto Harley Davidson. No nosso país, no entanto, só pode ser 
registrado como marca aquilo que se vê. 
 
*FORMAS DE PROTEÇAO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL 
A Lei de Propriedade Industrial Protege a invenção, o modelo de 
utilidade, o desenho industrial e a marca, além de reprimir a falsa indicação 
geográfica e a concorrência desleal. 
A proteção dos bens móveis se dá através da patente e do registro. 
Patente é o título que formaliza a proteção da invenção e do modelo de 
utilidade. Já o Registro é o título que formaliza a proteção do desenho 
industrial e da marca. 
 
*Patente 
Só é garantida a exclusividade da exploração de uma invenção ou de 
um modelo de utilidade àquele que obtiver a concessão de uma patente 
junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial. 
A patente tem finalidade de proteção ao desenvolvimento 
tecnológico e funciona como incentivo à pesquisa, já que garante ao 
inventor e ao criador a exploração exclusiva e o usufruto dos lucros 
decorrentes da novidade. 
Contudo, a exclusividade decorrente da patente é limitada a 20 
(vinte) anos no caso de Invenção e a 15 (quinze) anos no caso de modelo de 
utilidade. O prazo é contado da data do depósito do pedido de patente 
junto ao INPI. A patente, no entanto, é improrrogável. Após o prazo de 20 
(vinte) ou 15 (quinze) anos, conforme o caso, a patente cai em domínio 
público e a invenção pode ser explorada por terceiros. 
Patente não tem prorrogação, encerrada a proteção cai em domínio 
público. 
 
*Registro 
 Para garantir exclusividade no uso da marca e do desenho 
industrial, é preciso registrá-los também no INPI. O Desenho industrial e a 
marca não são patenteáveis, mas sim registráveis. 
O registro também tem prazo estabelecido na LIP que estabeleceu 
10 (dez) anos para o desenho Industrial e para a marca, sendo que o marco 
inicial é a concessão pelo INPI. 
Diferentemente da patente, o registro é passível de prorrogação. 
A lei permite a prorrogação do desenho industrial por até 03 (três) 
vezes, garantidos 05 (cinco) anos de prorrogação a cada vez. Acabada a 
terceira prorrogação, o bem cai em domínio público. 
Já o pedido de prorrogação de uso da marca é ilimitado, sendo 
concedida sempre por igual período. Ou seja, a cada 10 (dez) anos. 
 
2. SOCIEDADE EMPRESÁRIA 
União de pessoas que exerce profissionalmente uma atividade 
econômica organizada para produção ou circulação de produtos e 
serviços, visando lucros. 
Personalidade jurídica com o arquivamento de seus atos 
constitutivos nas juntas comerciais. 
- Confere autonomia patrimonial. 
- Separa o patrimônio social e dos sócios. 
- Incidentes de desconsideração da personalidade jurídica 
art.133/137 do CPC. 
 
*Sociedade limitada LTDA 
Entende-se por sociedade limitada, aquela formada por duas ou mais 
pessoas que se responsabilizam solidariamente de forma limitada ao valor 
de suas quotas pela integralização do capital social. 
Apresentando regras e várias características, a sociedade limitada 
auxilia na constituição de uma empresa e possui como elemento 
fundamental o contrato social. 
Os sócios adquirem certas liberdades dentro dessa sociedade e no 
caso de insucesso de seu negócio próprio de acordo no contrato, ele só 
pagará pelo valor máximo de sua quota no capital social e seus bens 
pessoais não serão comprometidos. Apesar de todos esses benefícios, 
existem exceções na regra e alguns sócios podem responder 
ilimitadamente pelas obrigações sociais. 
Na forma de administração de uma empresa LTDA. e somente com o 
consentimento dos sócios, uma pessoa que não faz parte da sociedade 
poderá ser um dos administradores. Ele é responsável por gerenciar a 
sociedade, fazer os inventários, responder civilmente pelos atos culposos 
que praticar, fará os balanços no final de cada exercício. Geralmente ele é 
remunerado. 
Características da Sociedade Limitada 
Responsabilidade dos sócios - Surge da ideia de limitação da 
responsabilidade, ou seja, ela é restrita. Se o capital social prometido pelos 
sócios (subscrito) não estiver totalmente pago (integralizado), ele 
responderá solidariamente com os outros sócios pela parte que falta para 
a integralização. 
Capital social - é dividido em quotas (iguais ou desiguais), cabendo 
uma ou diversas a cada sócio. Pode ser dada a contribuição por meio de 
dinheiro, bens ou direitos, mas não é autorizada através de prestação de 
serviços. 
Exclusão de sócio - quando o sócio não integralizou de acordo com 
os prazos e condições prevista no contrato. Quando põe em risco a 
existência do negócio por meio de uma justa causa, prevista no contrato e 
um tempo para que o sócio possa se justificar ou se defender em reunião 
ou assembleia. 
Obrigações dos sócios - os sócios devem repor os lucros e quantias 
que foram retirados da sociedade, somente se autorizadas pelo capital 
social, na hipótese de que essas retiradas sejam distribuídas em prejuízo do 
capital social. O sócio deve integralizar suas quotas subscritas; caso 
contrário, poderá ser expulso da sociedade. Da data do registro da 
sociedade até cinco anos, todos os sócios respondem pela exata estimação 
dos bens concedidos ao capital social. Na administração, o administrador, 
sócio ou não, será designado pelo próprio contrato social ou instrumento 
separado (ou ato separado que é um termo, onde se especifica quem será 
o administrador) e terá que exercer a sua função por uma série de deveres 
previstos pela lei. 
Prejuízos no capital - Não é autorizada a retirada ou distribuição dos 
lucros para o sócio, caso haja prejuízos do capital. 
Legislação das limitadas - É regida pelo novo Código