A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
141 pág.
apostila+CNC_versão4 2

Pré-visualização | Página 1 de 29

1 
 
Comandos Numéricos Computadorizados Prof. André Pimentel 
Versão 04 apmoreira@ifce.edu.br 
 
 
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ 
COMANDOS NUMÉRICOS COMPUTADORIZADOS 
TORNO E CENTRO DE USINAGEM 
 
Fortaleza, Março de 2010 
 
 
2 
 
Comandos Numéricos Computadorizados Prof. André Pimentel 
Versão 04 apmoreira@ifce.edu.br 
 
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ 
COMANDOS NUMÉRICOS COMPUTADORIZADOS 
TORNO E CENTRO DE USINAGEM 
Versão 04 
O objetivo dessa apostila é reunir conceitos, fundamentos de 
programação e operação de máquinas CNC´s 2D e 3D. Assim, 
alguns materiais aqui apresentados foram coletados em livros, 
catálogos, revistas, apostilas e fontes diversas da internet. Caso 
algum material esteja protegido por direitos autorais, por gentileza 
entrar em contato com o autor, através do e-mail: 
apmoreira@ifce.edu.br, para sejam tomadas as devidas providências. 
 MOREIRA, André Pimentel. COMANDOS NUMÉRICOS 
COMPUTADORIZADOS - TORNO E CENTRO DE USINAGEM. 
Fortaleza: IFCE, 2010. 
Fortaleza, Março de 2010 
 
3 
 
Comandos Numéricos Computadorizados Prof. André Pimentel 
Versão 04 apmoreira@ifce.edu.br 
 
INDICE 
 
 
 PÁG 
1. Introdução 6 
2. Histórico do CNC 8 
 2.1 Breve Histórico 9 
3. Vantagens e Desvantagens 9 
 3.1 Vantagens 9 
 3.2 Desvantagens 10 
4. Principio de Funcionamento do CNC 10 
 4.1 Motores 12 
 4.1.1 Motores de Corrente Contínua 12 
 4.1.2 Motores de Passo 12 
 4.1.3 Servomotores 13 
 4.2 Sensores 14 
 4.2.1 Encoders 15 
 4.2.2 Encoder Absoluto 16 
 4.2.3 Encoder Incremental 18 
5. Etapas da Usinagem com Tecnologia CNC 19 
6. Coordenadas Cartesianas 21 
7. Linguagem de Programação 26 
 7.1 Linguagem de Programação Automática-APT 26 
 7.2 Linguagem EIA/ISO 26 
 7.3 Linguagem Interativa 26 
 7.4 Produção Gráfica Via CAM 27 
8. Estrutura do Programa 27 
 8.1 Caracteres Especiais 27 
 8.2 Funções de Posicionamento 28 
 8.3 Funções Especiais 28 
9. Sistema de Interpolação 29 
 9.1 Interpolação Linear 29 
 9.2 Interpolação Circular 30 
 9.3 Coordenadas Polares 30 
10. Pontos de Referências 31 
 10.1 Ponto Zero Máquina 31 
 10.2 Ponto de Referência 31 
 10.3 Ponto Zero da Peça 31 
11. Codificação ISO para Suporte e Pastilhas 
Intercambiáveis 
32 
12. Meios de Fixação de Peças e Ferramentas 34 
13. Funções Preparatórias de Deslocamento 37 
 13.1 Funções Preparatórias (G) 37 
 13.2 Lista das Funções Preparatórias para o Comando GE 
Fanuc 21i – Centro de Usinagem 
37 
 13.3 Lista de Funções Miscelâneas ou Auxiliares 38 
 13.4 Lista das Funções Preparatórias para o Comando GE 
Fanuc – Torno Vulcanic Gold 160 
40 
 Exercícios – Parte 01 42 
4 
 
Comandos Numéricos Computadorizados Prof. André Pimentel 
Versão 04 apmoreira@ifce.edu.br 
 
14. Sintaxe das Funções 51 
 Função G00 – Avanço Rápido 51 
 Função G01 – Interpolação Linear 51 
 Funções G02/G03 – Interpolação Circular 51 
 Funções C e R 53 
 Interpolação Helicoidal 54 
 Função G04 – Tempo de Permanência 55 
 Funções G15 e G16 – Coordenadas Polares 55 
 Funções G17, G18 e G19 57 
 Funções G40, G41 e G42 – Compensação do Raio da 
Ferramenta 
58 
 Funções G43, G44 e G49 – Compensação do 
Comprimento da Ferramenta 
59 
 Funções G50.1 e G51.1 – Imagem Espelho 60 
 Função G52 – Sistema de Coordenada Local 61 
 Função G53 – Sistema de Coordenada de Máquina 61 
 Funções G54 a G59 e G54.P1 a G54.P48 62 
 Funções G68 e G69 – Rotação do Sistema de 
Coordenadas 
63 
 14.1 Ciclos Fixos de Usinagem 63 
 Função G33 – Roscamento Manual 66 
 Função G37 – Ciclo de Roscamento Automático 68 
 Função G66 – Ciclo Automático de Desbaste 
Longitudinal 
69 
 Função G70 – Ciclo Fixo de Acabamento 72 
 Função G71 – Remoção de Material por Torneamento 72 
 Função G72 - Remoção de Material por Faceamento 74 
 Função G73 – Furação com Quebra Cavaco (Pica-
Pau) – Centro de Usinagem 
76 
 Função G74R – Furação Pica-Pau – Torno 77 
 Função G74 – Torneamento de Perfil Simples 78 
 Função G75 – Ciclo Fixo de Faceamento 80 
 Função G75R – Ciclo Fixo de Canais 81 
 G74 – Roscamento Com Macho à Esquerda – Mandril 
Flutuante 
83 
 G74M29 – Roscamento Com Macho à Esquerda – 
Macho Rígido 
83 
 Função G76 – Mandrilamento – Fino Acabamento 85 
 Função G76 – Ciclo de Abertura de Rosca Múltipla 86 
 Função G80 – Cancelamento de Ciclo Fixo 87 
 Função G81 – Furação / Mandrilamento - Sem 
Descarga 
87 
 Função G82 – Furação / Mandrilamento – Sem 
Descarga e com Dwell 
88 
 Função G83 – Furação com Descarga 89 
 Função G84 – Roscamento com Macho à Direita – 
Mandril Flutuante 
90 
 Função G85 – Mandrilamento – Alargador 91 
 Função G86 – Mandrilamento – Melhor Acabamento 91 
5 
 
Comandos Numéricos Computadorizados Prof. André Pimentel 
Versão 04 apmoreira@ifce.edu.br 
 
 Função G87 - Mandrilamento Tracionado 92 
 Função G88 – Mandrilamento com Retorno Manual 93 
15. Sub-Programas 95 
 Função M98 95 
 Função M99 95 
16. Tabelas e Fórmulas Usadas na Programação CNC 95 
17. Softwares de Simulação de Programação de CNC 98 
 17.1 Filius III 98 
 17.2 CNCSimulator 98 
 17.3 EditCNC 99 
 17.4 Simulator 99 
 17.5 Swansoft CNC 100 
 17.6 Exemplo de Programação - Software de Simulação 
CNC Simulator 
109 
 17.7 Exemplo de Programação - Software de Simulação 
Swansoft CNC 
112 
18. Como Evitar Colisões em Máquinas CNC 117 
19. Exemplo de Programação em Centro de Usinagem 121 
 Exercícios – Parte 02 123 
 Referências Bibliográficas 138 
6 
 
Comandos Numéricos Computadorizados Prof. André Pimentel 
Versão 04 apmoreira@ifce.edu.br 
 
 
1. INTRODUÇÃO 
Desde os tempos mais remotos nas mais antigas civilizações, o homem 
busca racionalizar e automatizar o seu trabalho, por meio de novas técnicas. A 
automação simplifica todo tipo de trabalho, seja ele físico ou mental. O exemplo 
mais comum da automação do trabalho mental é o uso da calculadora 
eletrônica. No cotidiano observa-se cada vez mais a automação e a 
racionalização dos trabalhos físicos em geral, por exemplo: Na agricultura 
vêem-se novos e sofisticados tratores que substituem a enxada, e outros meios 
de produção. A cada nova geração de novos produtos, observa-se em cada 
modelo uma evolução que faz com que os esforços físicos e mentais sejam 
reduzidos. 
A revolução industrial pode ser dita que se iniciou com o escocês James 
Watt (projetando a máquina a vapor), deste modo ele também criou a 
necessidade pela indústria de máquinas ferramentas. 
Hoje, controle numérico computadorizado (CNC) são máquinas 
encontradas em quase todos os lugares, das pequenas oficinas de usinagem 
as grandiosas companhias de manufatura. Na realidade quase não existem 
produtos fabris que não estejam

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.