PPBI - A02 - Sensacao Percepcao e Consciencia

Disciplina:Psicologia e Processos Básicos I8 materiais59 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Sensação, percepção e consciência
Linda Davidoff

Ficção ou fato?
Os sentidos fazem registros acurados do mundo que nos cerca.
As pessoas tem cinco capacidades sensoriais.
É necessário dois olhos para perceber profundidade.
Os bebês, em essência, são cegos ao nascer.
A essência da experiência hipnótica é o profundo relaxamento.
VERDADEIRO OU FALSO?
Introdução
“Por que as coisas tem a aparência que têm? Por que elas são aquilo que são? Não, porque nós somos aquilo que somos” (Hurvich & Jameson, 1974, p.88)
Há uma grande diferença entre o que está no mundo e aquilo que experimentamos como estando no mundo.

Percebendo o mundo após cegueira: o caso de S. B.
Percebendo o mundo após cegueira: o caso de S. B.
S.B. (52) quando cego era uma pessoa ativa e inteligente. Andava de bicicleta (com ajuda de um amigo), freqüentemente dispensava a bengala e ocasionalmente se feria. Gostava de fazer coisas com ferramentas simples no quintal de casa e durante a vida inteira tentou imaginar o mundo da visão.
Percebendo o mundo após cegueira: o caso de S. B.
Após 51 anos de cegueira, a visão de S.B. Foi restaurada por meio de cirurgia. Quando as bandagens foram removidas, S.B. ouviu a voz do cirurgião, mas ao se voltar para ele, viu apenas um borrão. Imaginou que fosse um rosto, mas não viu logo de cara o mundo como nós vemos quando abrimos os olhos.
Percebendo o mundo após cegueira: o caso de S. B.
Mas, em poucos dias S.B. podia usar os olhos com alguma eficácia: caminhar pelos corredores do hospital sem tatear, levantar-se ao amanhecer e observar os carros da janela.
Tentamos descobrir o que era o mundo visual de S.B. fazendo-lhe perguntas e aplicando testes perceptivos simples.
Percebendo o mundo após cegueira: o caso de S. B.
Mas, em poucos dias S.B. podia usar os olhos com alguma eficácia: caminhar pelos corredores do hospital sem tatear, levantar-se ao amanhecer e observar os carros da janela.
Tentamos descobrir o que era o mundo visual de S.B. fazendo-lhe perguntas e aplicando testes perceptivos simples.
Percebendo o mundo após cegueira: o caso de S. B.
A depressão em casos como esse é comum e parece ser causada, em parte, pelo ato de dar-se conta daquilo que foi perdido durante os anos de cegueira (em termos de experiências não só visuais).
Observações de casos como esse sugerem que habilidades perceptivas precisam ser aprendidas.
Os dados enviados aos inputs precisam de reordenação para que a informação se torne inteligível.
Percebendo o mundo após cegueira: o caso de S. B.
Sensação – processo de coleta de informações sobre o meio ambiente.
Percepção – processo cognitivo de organização e interpretação dos dados sensoriais, para desenvolver a consciência do meio e de nós mesmos.

Kaspar Hauser????
Natureza da Percepção
A percepção é o ponto onde cognição e realidade encontram-se.
É a atividade cognitiva mais básica, da qual surgem todas as outras.
Depende tanto do meio ambiente como do sujeito da percepção (habilidades construtivas, fisiologia e experiências).
Natureza da Percepção
Habilidades construtivas:
operações cognitivas que ocupam lugar de destaque na percepção (ex: cachorro cochilando / barulho repentino);

Nestas habilidades, o sujeito reúne informações acerca de dados ambientais que levam a novas observações. Deste modo, passa a “construir” uma percepção clara sobre o que está ocorrendo. (Precisamos de indícios para ter clareza sobre o que ocorre no meio, isso dá início ao ciclo)

A percepção enquanto um processo de testar hipóteses torna-se particularmente clara quando nos vemos diante de ambigüidades ou situações que podem ser interpretadas de variadas formas.

Fonte: http://www.mcescher.com/
Fonte: http://www.mcescher.com/

Fonte: http://www.mcescher.com/

Fonte: http://www.mcescher.com/

Fonte: http://www.mcescher.com/
Natureza da Percepção
Fisiologia (aparelho sensorial):
Animais diferentes vivem em mundos extremamente diferentes porque seus aparelhos perceptivos variam muito – ou vice-versa. (ex: morcego & som; cão & olfato)

Até os membros de uma mesma espécie têm percepções diferentes.

A base fisiológica contará mais na análise quando de alguma forma faltar ao sujeito da percepção.
Natureza da Percepção
Experiência:
A percepção depende também do ponto de fixação da pessoa. As experiências criam expectativas e motivos.

Tendemos a perceber aquilo que de algum modo será relevante para o sujeito da percepção.

Existe a noção de que a percepção é o agente responsável pelo processo de atenção.

Atenção
Abertura seletiva a uma pequena porção de fenômenos sensoriais incidentes.
Seria um aspecto da percepção, pois percepção requer seletividade; ou um filtro de informações, uma capacidade distinta.
Não somos passivos frente a estimulação externa.
Estudos com movimentos dos olhos;
Ler;
Estudos de atenção dividida (dirigir e etc; digitar e etc)

Fonte: http://www.novomilenio.inf.br/ano97/9712afu1.htm - A Tribuna de Santos
Medindo a atenção pelo movimento ocular
                                                                       
Repare, nas páginas do jornal, a disposição de textos e imagens: ela segue basicamente um padrão referido pela forma como o leitor vê a página. A pessoa normalmente vê primeiro o que está no canto superior esquerdo, atravessando a página em diagonal para o canto inferior direito, passando ao canto inferior esquerdo e subindo então em diagonal para o canto superior esquerdo. É um condicionamento cultural (e que vale para a leitura de livros ou visualização de uma tela de computador ou cinema): no Oriente, a disposição dos elementos da página segue outros padrões. 
Fonte: http://www.novomilenio.inf.br/ano97/9712afu1.htm - A Tribuna de Santos

Fatores que atraem a Atenção
Normalmente atentamos mais ao ambiente externo que ao interno;
Focalizamos as informações mais significativas (contornos);
Os dados informativos costumas ser novos, inesperados, intensos ou mutantes;
Necessidades, interesses e valores também influenciam a atenção.
VALOR DE SOBREVIVÊNCIA

Fatores que atraem a Atenção
Paramos de atentar para experiências repetitivas ou conhecidas (ex: ventilador, quadro, dirigir).

Atenção, percepção e tomada de consciência
As pessoas podem perceber sem atentar ou tomar consciência. (Ex: técnica de audição seletiva – palavras associadas aos choques – aumento da frequência do uso de pronomes reforçados, PAG - 145).

“Ter atenção é comportar-se sob determinado controle de estímulos” (Moreira & Medeiros, 2007).

Desatenção e Ações Automáticas
Desatenção e automatismo são estratégias do nosso cérebro para reduzir o investimento cognitivo em situação corriqueiras.

Referem-se aos erros comuns, aos lapsos de ação.
	Errar ou esquecer um caminho, uma compra, uma tarefa.

Para desempenhar ações complexas ou complicadas formulamos um plano com sub tarefas. Quando se faz algo muitas vezes, os sub-componentes da realização da tarefa parecem ser executados automaticamente.
Desatenção e Ações Automáticas

Os lapsos surgem quando vários planos estão ativos, competindo pelo controle.

Em alguns momentos monitoramos nosso comportamento para checar a produção dos lapsos, fazendo verificações.
Ficamos sob controle de partes e dimensões dos estímulos mais do que outras.
Skinner (1976) diz que “uma pessoa não é um espectador indiferente a absorver o mundo como
	esponja”

Análise do comportamento
Contrapondo a concepção tradicional:
	“... uma vez que se assuma que a percepção é um comptº operante, assume-se que a mesma envolve ação em relação ao ambiente. Assim [..] o estudo da percepção não deve ser reduzido ao estudo das estruturas dos órgãos dos sentidos ou ao estudo da forma ou estrutura dos estímulos” (SÉRIO et al, 2004).

Erros perceptivos
Uma pessoa vê uma coisa como alguma outra coisa quando a probabilidade de ver esta é grande e o controle exercido pela outra é pequeno (Skinner, 2003).

Operações Sensoriais
São 11 sentidos humanos
Caio Henrique fez um comentário
  • Seria ótimo se eu conseguisse abrir o arquivo.. Mas vocês o bloquearam!
    0 aprovações
    Carregar mais