A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
75261825-Analise-de-Etica

Pré-visualização | Página 1 de 1

Análise de Ética: Filme "Quase Deuses"
Segue abaixo uma análise do ponto de vista ético e histórico do ótimo filme "Quase Deuses" que narra a trajetória dos médicos que efetuaram a primeira cirurgia cardiaca da história. Vale a pena conferir o filme e compreender o contexto em que ele se passa com o texto apresentado.
1) Qual é o período da historia humana que transcorre o filme? Cite 3 acontecimentos históricos que tiveram impacto sobre a humanidade nesse período?
Quebra da bolsa de valores de Nova York , provocando grave crise econômica e financeira com repercussão mundial.
Lutas sobre o preconceito e o racismo, lutas de classes, greves, passeatas (Martin Luther King)
Revoluções no mundo científico (vacinas, cirurgias, novas técnicas e novos remédios), avanço tecnológico (homem vai a lua, bomba atômica). 
2)Cite e descreva e analise, três violações éticas apresentadas no filme: 
Racismo: a ignorância, o preconceito racial e o conflito racial estão implícitos no filme , podendo ter castrado bons profissionais que fariam diferença, caso tivessem tido uma chance. Os negros saiam da rua para os brancos passarem, não exerciam profissões de destaque, não tinham acesso à porta da frente dos prédios, no ônibus os lugares eram divididos. A maioria aceitava essa condição pois eles mesmos consideravam-se inferiores e incapazes, acomodados em uma tradição imposta pelos brancos. Raras exceções de negros que se destacaram e tiveram coragem de engajar na lutas por igualdade de condições, seja social ou econômica. 
Violação da Lei da Natureza: Cirurgia cardíaca, contra os desígnios de Deus, dono da vida segundo analise da igreja e do padre do filme junto à família.
A Solidariedade Humana: Esquecida ou deixada de lado pelo cirurgião branco na hora de agradecer e lembrar publicamente ajuda e cooperação do auxiliar negro, por não ser graduado em medicina, não levando em consideração os anos de dedicação, trabalho e companheirismo do mesmo.
3)O que a ciência medica considerava intocável na época? Como essa regra foi rompida e qual o princípio revolucionário que surgiu?
Na época do filme o coração humano era intocável, os acadêmicos de medicina aprendiam isso na faculdade. Dr. Blalock e Viviam romperam essa regra realizando cirurgia experimental em cachorros e desenvolvendo novas técnicas, novos aparelhos durante muitos anos até a realização da primeira cirurgia em coração humana (bebê azul), desafiando as leis medicas e as leis de Deus para mais tarde salvar milhões de vidas humanas.
4)No seu entendimento, qual o princípio ético que deve ser rompido no atual estágio da humanidade? Porque e como fazer?
Nenhum princípio deve ser rompido. Escolhemos como tema a Clonagem Humana. Acreditamos que, apesar de todos os avanços tecnológicos a sociedade não esta preparada para a clonagem de seres humanos. A técnica de clonagem ainda esta em aperfeiçoamento. A alta taxa de mortalidade em experimentos com animais, alarmam para o fato de ninguém saber, determinar a normalidade dos embriões. “do ponto de vista científico a clonagem humana é inevitável, mas não sabemos se a sociedade como um todo vai permitir que isso aconteça, porque a ciência avança e não pensa nas conseqüências, o avanço é feito. Mas quem impõe os limites é a sociedade. Os aspectos jurídicos, morais religiosos vão ser determinados pela sociedade”.
ANÁLISE CRÍTICA DO FILME: QUASE DEUSES (SOMETHING THE LORD MADE).
RESUMO
Análise crítica sobre o filme Quase Deuses (Something the Lord Made), dirigido por Joseph Sargent, distribuído pela HBO em 2004.
SARGENT, Joseph. Something the Lord Made. EUA: HBO, 2004.
O filme utiliza-se de meios científicos e históricos para narrar a vida de Vivien Thomas e Alfred Blalock, pioneiros na descoberta da cirurgia cardíaca, relatando todo o desenvolvimento deste procedimento cirúrgico.
Something the Lord Made (adaptado para o português como Quase Deuses) traz à tona discussões sobre temáticas de forte cunho social como o preconceito, racismo, ética no trabalho. São perceptíveis no filme marcas de preconceito contra a mulher, visíveis em dois momentos: no não reconhecimento dos trabalhos da Dra. Helen Taussig, que só foram ser desenvolvidos a partir do momento em que o Dr. Blalock os assume de fato; e, numa segunda ocasião, quando a esposa de Vivien, Clara Thomas, tem permissão negada pelo seu marido para exercer uma atividade remunerada fora do convívio familiar, que responde questionando sobre quem cuidará da menina. Vivien não tem a sua profissão reconhecida e é inferiorizado em diversos momentos por conta da sua cor de pele. Seu ofício primário, de marceneiro, aparece de forma generalizada numa mesma categoria que outras atividades de subsistência (como faxineiro, engraxate, servente). Ainda que tenha demonstrado, na prática, ser um bom profissional, as suas ideias são sempre tidas como secundárias, exercendo influência branda e garantindo-lhe pouco ou nenhum valor, inclusive no tocante à remuneração que é inferior à de outros médicos de “Nível A” dentro da mesma instituição.
Vivien Thomas exerceu grande influência no desenvolvimento da cirurgia cardíaca estudada a ferro pelo Dr. Blalock, entretanto teve seu reconhecimento tardio neste processo. A sociedade da época não aceitava a inclusão de pessoas “de cor” no exercício de determinadas funções, dificultando assim a valorização de Thomas. A instituição não o considerava fundamental na junta médica, mesmo tendo ele desempenhado este papel.
Embora tenha o seu nome sido citado nas pesquisas, ele não conseguiu atuar como médico sem o suporte do Dr. Alfred, atuando apenas de forma secundária, como representante de analgésicos. Há um questionamento forte acerca da falta de ética profissional por parte do Dr. Alfred Blalock que se utilizou dos relatórios feitos por Vivien durante as experimentações práticas das análises feitas em laboratório para a criação do procedimento cirúrgico sem dar a ele os devidos créditos pela pesquisa. Talvez o médico não tenha agido pelo que se conhece por “má fé” se portando desta maneira, já que não houve uma intencionalidade em prejudicar o seu ajudante, mas o fato de nem sequer mencionar o seu nome e relatar a sua vital importância para o projeto, seus anos de dedicação e fidelidade, além de seu vasto conhecimento e descobertas sobre o assunto, sugerem de forma implícita que o médico não agiu de maneira coerente com os princípios éticos da sociedade.
As práticas de pesquisa médica trabalhadas no filme Quase Deuses são exemplos ficcionais de algo que acontece na realidade e que interferem positivamente em melhorias nos mais diversos segmentos sociais. A pesquisa surge a partir da necessidade de se resolver situações-problema cotidianas, contribuindo para a evolução e modernização da medicina que é imprescindível na manutenção da vida. 
O estabelecimento de teorias e as análises laboratoriais são as etapas primárias para que seja possível alicerçar soluções a tais problemáticas; no filme, a representação disso são os incessantes trabalhos em cima da criação de um método cirúrgico capaz de controlar a doença do “Bebê Azul”. O primeiro passo da prática é a pesquisa, que exige dedicação incessante, conhecimento aprofundado e mente criativa para que se chegue aos efeitos desejados. É preciso criar um ambiente favorável, possibilitando colocar em prática as pesquisas previamente elaboradas e a partir daí colher os resultados de sua aplicação.
Fonte: http://www.webartigos.com/articles/63173/1/Analise-Critica-filme-Quase-Deuses/pagina1.html#ixzz1O546vuGH