Artigo sobre Revestimento
7 pág.

Artigo sobre Revestimento


DisciplinaProdução Industrial de Medicamentos4 materiais57 seguidores
Pré-visualização6 páginas
224 Rev. Bras. Farm., 90(3), 2009Rev. Bras. Farm., 90(3): 224-230, 2009
Aplicaç\u131es de revestimento em formas
farmac\u152uticas sólidas na ind\u153stria farmac\u152utica
Coating applications of solid pharmaceutical forms in pharmaceutical industry
Larissa Ara\u153jo Rolim1, Marina Melo Lessa1, Lariza Darlene Santos Alves2, JosØ Lourenço de Freitas-Neto1,
Stella Maria Ara\u153jo Alves3 & Pedro JosØ Rolim-Neto4*
Data do aceite: 15/7/2009
1Farmac\u152uticos, Pesquisadores do Laboratório de Tecnologia dos Medicamentos (UFPE)
2Farmac\u152utica, Mestranda em Inovaçªo Terap\u152utica (UFPE)
3Engenheira Química pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
4Doutor pela Universidade de Montpellier, Professor adjunto do Departamento de Ci\u152ncias Farmac\u152uticas e dos Programas de Pós-Graduaçªo
em Ci\u152ncias Farmac\u152uticas e Inovaçªo Terap\u152utica (UFPE), Laboratório de Tecnologia dos Medicamentos,
Av. Prof. Arthur de SÆ, s/n, Cidade UniversitÆria – 50740-521, Recife /PE, Brasil - Fone/Fax +55 (81) 3272-1383.
SUMMARY – Since coated pharmaceutical forms were introduced in the pharmaceutical industry, it has been a
constant challenge to produce coatings that take care of therapeutic and stability distinct purposes. These aspects
demonstrate the importance in rational formulations development for this purpose and parameters control during
the process through various techniques. The coating process can be applied to the tablets and granules surface
and may or not modify the drug release from pharmaceutical form. There is also possible to apply coatings in
capsules, but there are few studies reported, showing that to develop other methods to applying coating, emerge as
a promising research field and constant evolutions during its use in the pharmaceutical area.
KEYWORDS – Coating, polymers, release systems, tablets.
RESUMO – Desde que as formas farmac\u152uticas revestidas foram introduzidas na ind\u153stria farmac\u152utica, tem
sido um desafio constante a produçªo de revestimentos que atendam a distintos propósitos terap\u152uticos e de
estabilidade. Esses aspectos demonstram a importância do desenvolvimento racional de formulaç\u131es com essa
finalidade e do controle dos parâmetros durante o processo de obtençªo, atravØs de diferentes tØcnicas. O proces-
so de revestimento pode ser aplicado à superfície de comprimidos e grânulos, podendo ou nªo modificar a
liberaçªo do fÆrmaco a partir da forma farmac\u152utica. TambØm existe a possibilidade de aplicaçªo de revestimento
em cÆpsulas, porØm, existem poucos estudos relatados, demonstrando que o desenvolvimento de mØtodos para a
aplicaçªo de revestimento desponta como um promissor campo de pesquisa e de suas aplicaç\u131es, sofrendo
evoluç\u131es constantes durante a sua utilizaçªo na Ærea farmac\u152utica.
PALAVRAS-CHAVE – Revestimento, polímeros, sistemas de liberaçªo, comprimidos.
INTRODU\u2d9\u2c6O
O revestimento de formas farmac\u152uticas Ø um dos mais
 antigos processos farmac\u152uticos ainda existentes, sen-
do um importante passo no desenvolvimento de novas for-
mas farmac\u152uticas ou na otimizaçªo das existentes (RE-
MINGTON, 2004).
O revestimento de fÆrmacos constitui uma adaptaçªo
aos mØtodos de conservaçªo de alimentos e as publica-
ç\u131es francesas do sØculo XVII, onde foi descrito o re-
vestimento como uma forma de mascarar o sabor desa-
gradÆvel dos fÆrmacos (LACHMAN, LIEBERMAN &
KANIG, 2001).
 De forma geral, esse processo consiste na aplicaçªo de
um material sobre a superfície externa de uma partícula
sólida, conferindo benefícios e propriedades em relaçªo à
forma nªo revestida (HOGAN, 2005).
AlØm do controle da liberaçªo de fÆrmacos, hÆ outras
vantagens relacionadas a esse procedimento, como me-
lhora da estabilidade de fÆrmacos ao proteger da exposi-
243/551 Ind\u153stria Farmac\u152utica - Revisªo
çªo destrutiva da luz e dos agentes atmosfØricos; tornar
mais agradÆvel o medicamento quando este for de sabor
ou odor desagradÆvel; obter perfis de liberaçªo modifica-
dos, como o revestimento entØrico, e proporcionar quali-
dades estØticas e diferenciadas ao produto (MOURA,
2005).
Atualmente, o processo de revestimento na ind\u153stria
farmac\u152utica tem sido um constante desafio para os for-
muladores e uma promissora fonte de soluçªo dos propó-
sitos terap\u152uticos relacionados aos fÆrmacos (BUNHAK et
al., 2007).
Diante da sua importância, o objetivo deste trabalho foi
discutir, por meio de uma ampla revisªo, as principais tØc-
nicas de aplicaçªo utilizadas na atualidade com revestimen-
tos, enfatizando o revestimento por filme para a forma far-
mac\u152utica comprimido, uma vez que mais de um terço dessa
forma farmac\u152utica, atualmente no mercado, apresenta-se
na forma revestida, alØm de proporcionar uma atualizaçªo
aos profissionais das Æreas relacionadas ao desenvolvimento
e produçªo de medicamentos.
225Rev. Bras. Farm., 90(3), 2009
METODOLOGIA
Realizou-se um levantamento bibliogrÆfico nos princi-
pais periódicos, por meio da utilizaçªo das seguintes pala-
vras-chave: coating, coating tablets, coating film, pellet
coating, drug delivery sistems e polymeric dispersions. A
seleçªo utilizou artigos na língua inglesa e portuguesa, quan-
do de livre acesso. AlØm disso, foram utilizados livros es-
pecializados na Ærea de Tecnologia de Medicamentos para
a elaboraçªo desta revisªo.
Principais tØcnicas de revestimento
Entre as principais tØcnicas para aplicaçªo dos revesti-
mentos citados na literatura temos: o revestimento por aç\u153-
car, revestimento por pós, revestimento por compressªo e
revestimento por filme, sendo esta \u153ltima a tØcnica mais
moderna e frequentemente utilizada nas ind\u153strias farma-
c\u152uticas devido às vantagens relacionadas; contudo, ou-
tras tØcnicas tambØm sªo utilizadas de acordo com a fina-
lidade pretendida.
Revestimento por aç\u153car
O revestimento por aç\u153car, tambØm denominado dra-
geamento, Ø considerado o mØtodo mais antigo de revesti-
mento de comprimidos e envolve a deposiçªo, a partir de
soluç\u131es aquosas, de revestimentos baseados predominan-
temente de sacarose (REMINGTON, 2004). Esse revesti-
mento Ø hidrossol\u153vel e se dissolve rapidamente após a
ingestªo. O drageamento protege o fÆrmaco do meio e for-
nece, principalmente, uma barreira contra o gosto e odor
desagradÆveis (ANSEL, LLOYD & POPOVICH, 2005). O
drageamento Ø uma tecnologia mais tradicional e nªo tem
experimentado nenhum processo de inovaçªo nas \u153ltimas
dØcadas.
Revestimento com pós
Esse revestimento Ø constituído de pós insol\u153veis como
carbonato de cÆlcio, talco, amido, diluídos em soluçªo de
goma arÆbica. Nesse processo, nªo hÆ presença de solven-
tes orgânicos nem de Ægua e de forma geral, foi projetada
com vÆrias aplicaç\u131es, incluindo: rÆpida liberaçªo, controle
da umidade, formaçªo de películas protetoras e sistema de
liberaçªo controlada. A tØcnica de revestimento com pó seco
foi aprovada por produzir comprimidos de resist\u152ncia gÆs-
trica, com uma reduçªo substancial do tempo de processa-
mento. Os benefícios da deposiçªo eletrostÆtica de pós de
revestimento em comprimidos farmac\u152uticos incluem sig-
nificativas economias, de energia, equipamentos simples,
reduçªo da movimentaçªo do ar e de limpeza; requisitos
principais para reduzir os custos de capital e operaçªo. Os
benefícios do pó de revestimento o fazem comumente uti-
lizado na ind\u153stria farmac\u152utica (GUO & SHI, 2009).
Revestimento por imersªo
O revestimento Ø aplicado aos n\u153cleos de um compri-
mido ao mergulhÆ-los no líquido de revestimento. Os com-
primidos molhados sªo secos de forma convencional numa
bacia de revestimento. Alternando a imersªo com a seca-
gem vÆrias vezes, consegue-se obter um revestimento uni-
forme. Este processo Ø demorado, pouco versÆtil e menos
viÆvel do que as tØcnicas de revestimento por aspersªo.
Equipamento especializado tem sido desenvolvido para re-
vestir comprimidos por imersªo, mas atØ o momento nªo Ø
conhecida nenhuma aplicaçªo industrial (LACHMAN, LI-
EBERMAN & KANIG, 2001).
Revestimento