Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
30 pág.
3 - Ensaios Geossintéticos

Pré-visualização | Página 2 de 3

Cisalhamento Direto
f
ô'
'sg
o
ô
x
('
rrs=d*atanþrn Como em solos, a resistência de interface podeser obtida em termos de tensöes efetiws ou
totais
Ensaios em Geossintéticos
lnteração Solo-Geossi ntéti co
Ensaios de Arrancamento
face ríg¡da, ausênle ou
bolsâ pressurizada
prâto rfg¡do ou bolsa
prcssurizada
geosintélim
basa rlg¡da
ou bolsa
pr€ ss u ri¿ada
P
geoss¡ntét¡co
Ensa¡os em laboratório Ensâios em atenos
<_ ffi ---> '-6Hffi*
\- \- \-+ø1,Ø+a
,/- ,/- ,/-
geogrelha
não tecido
ott¡rr
--ryËÈa*
Pdme¡E(1987)
tec¡do
14
[Jen- J.^,
^(
tanftn
H@rÍfib
Cisalhamento Direto
k *^ef\
geGintélico
<P
solo
o
Arrancamento
L* f,^q+J.
tanþFatores de Aderência: f (
r"*Ïd" "b.;
=u\ o
c.--__._
Ensaios em Geossintéticos
I nteração Solo-Geossi ntéti co
Ensaios de Arrancamento
-¡-q¡ù*
'\^a\U/\mO
..uo\e
* 
^lts,-lsP
r'3[".
r¡:o\s;u .nr\v.gO
"c.¡roî dorr: o\e
\Jì2
<l
q
Þ 
€xTFNSç rn€[R'¿S
elelF.\ ce ç
au-
fe¿-u-Tnles
(çt r.,"rà^!*, , d"
I 
^ --.â,dr\orscaSxd o"O
-Qo^æ J" uen ^.-r"
*".,rSÅ" T*J-[)P+
lrecho ensaiado
plástico e óleo
camadas de f¡lme
(c)(b)
P
(a)
Ensaios em Geossintéticos
lnteração Solo-Geossi ntéti co È Løt rn(
Ensaios de Arrancamento-Gondições de Fronteira
15
Ensaios em Geossintéticos
I nteraçäo Sol o-Geossintéti co
lnteração Solo-Geogrelha
membros de ancoragem
membros de longitudinais
b
área disponivel
para ancoragem
St
esforço de tração na
geogrelha
área disponível
para atr¡to
Ensaios em Geossintéticos
lnteração Sol o-Geossi ntéti co
Ensaio em Plano lnclinado (Rampa)
Normâ de rcfeÉnciâ: Normas ISO
l¡xo
solo Empa
de æbstura û
gæ€xl¡l
gmembfana
bê*
Lima Jr.(2000ÞUnB
1 6
bolsa pressurizada E
2
E
o
garra o geotêxtil
T T
extremidadê
enrigecida
51015
D€fomação (%)
Påkn€rã el al.(tgs)
E
150
100
50
024 81012
Equipamento UnB Oeformação (%)
sloA-gootôxtilB
pressåo vert¡el (kPa) * | 50
ôm
50
100
ffit ' solo A " solo Do solo B ' solo E. solo C- membrana deboracha
isolamento r 
=
ã
m
o
ao
Ensaios em Geossintéticos
lnteração Solo-Geossintético
Ensaio de Tração Confinada
Determinação de Propriedades
Hidráulicas e de Filtração
Ensaios em Geossintéticos
17
Ensaios em Geossintéticos
Propriedades
Permissividade
Hidráulicas
¡")
ffi
100
D¡mensõss em mm.
Norma de referência: ASTM 4491 Pilha de espécimes
P
piezôm€lrs
280
o
t€las
ru,u
T
Permissividads= r¡r = Ç/t
D¡reßðes êm mm-
pilha de gætêxteis
reærya6rios
onde Ç = permeabilidade normal
ao plano
pi€zóm€ùc P
Especime individual
*ñ
Ensaios em Geossintéticos
Propriedades Hidráulicas
Permeabilidade Normal versus Tensão Normal
E
Ic
.sa
o
o
o
E
0c
ooo
_eo6ôFÈ
oÈ
0, 4
3
v ("{) 2
1
0,1
0 50 100 150 200 0 50 100 150
Tonsão normd (kPa)
200
Tensão normal (kPa)
Pôlmeira (1997)
+GA-cC-GF*GH
*GE 
-GE -GG
\
\\
fr\\\\N--
*GA*GC+cF*cH
+GB+GE+GG
\
18
reseruatófios
h
geossintélico
Transm¡ssividade = 0 = kt t
onde l( = permeabilidade ao
longo do plano
Norma de referência: ASTM 4716
-1
t0 l¡r.:"rb
P.¡*A6¡d6l{2ø0
-2
t0
10
I 10 1æ 1ü0
l{mr!tt6{ÍÈ)
OGAOGEOGGXGH
.GC
-
ffiE
Ensaios em Geossintéticos
Propriedades H idráulicas
Ensaio de Transmissividade
geomembrana
ambientes corn
umidades diferentes
variação de peso e transmissão de vapor e permeabilidade
Ensaios em Geossintéticos
Ensaio de Transmissão de Vapor
Permeabilidade de Geomembranas
19
Ensaios em Geossintéticos
Propriedades de Filtração
Determinação da Abertura de Filtração de Geotêxteis
Co¡nq,'.r': d- I ol.
geotêxtil não tecido
O O canal
canal
constrição (Dc) constrição (Dc)
I
¡ç mfs ^ñ"Co\hañkl El nçnc^1.<açæ TS cgn.cs, ç^,Ltnv= l.
Ensaios em Geossintéticos
Propriedades de Filtração FI35
Determinação da Abertura de Filtração de Geotêxteis
geotêxtil geolôxtil
material passante
Peneiramento Seco Peneiramento []mido
fibra
Õ
-/ ìuido
EfuE- 
=='tn*lt1t111
lnhusão de Poros
Normas de refer€ncia: Normas ISSO, ASTM 4751
tânque
geotêxtil r"¡"6"lpassanle
Peneiramento Hidrodinâmico
Análise de lmagens
solo ou m¡cro-esfeEs chuveiramento
È
li
água
20
*tJ¡Pt-
¡- Ote\eft
*
*
rt
*
q^r.4>
c,o^ùÁgo"^ aôt er?-os
tGR) I -+ otXr'rtO
mr^,rt ç.\¡.gË.tú¡oa¡otlflÑ#
çã,^o o,^ ;.¡ccs"crçat¡
I"i\j.dsJg. l¡.f"e- r.,.-
È^ ¡ o ¡"olsl'
* ñoRN\A'6R ttnm =
3 Lr.t.
+P
o-
ânoJ, [d^iÀúP'"'
-u-ò" J^$l¡ efì>
'c53;1iìJ"*'r
Gt *J- }ìiJ- ¡.,o o .r.rd"nnr Ç-A,,"txo¡
.¡¡À o. 
.to^2,o ¡^rt"t \
-{\Ñ Ç{,*to.T
ot^O+n¡o: O Þ\Ê2
J"ôra. ?le¿.-6o mosnZsì \
¡¡cJo )
t
tß¡¡¡"c.o.-
Po"^g*J"o
¡¡*Åi.^"ào
I
o. cataådaJr d-r
-.L¡ff\
G-
*,f, qìalgP P\F|!*T
Flt,,*',', 
.
oc,ñ,w;
J¡
lb.so- I rrahn\o
Equlpamto un8
I
Norma de reftrência: ASTM 5101
ASTM: L = 25mm
Razão entre Gradientes:
GR = ¡Lc/
Ensaios em Geossintéticos p¡3f
Propriedades de Filtração
Ensaio de Razão entre Gradientes (GR)
Y
Y Y
Y f
Y
Y
Y
Y
Y
Y
$otàxlìl
s€dimfitG
Erosões no DF
Ensaios em Geossintéticos
Propriedades de Filtração
Ensaio de Filtração da Fração Fina 
- 
f 3
q3+
JAf\ gh^"¡¡ il*{ "r,r-\oroc4¡
J"-
21
Ensaios em Geossintéticos
Propriedades de Filtração
Ensaio de Filtração da Fraçäo Fina 
- 
f 3 (UnB)
c
E
e
I
+
3
z
r4 Fhb û*sdùü*d.6b6
Färias e Palme¡ra (1999)
-rc
I
Ensaios em Geossintéticos
Propriedades de Filtração
Ensaio de Filtração da Fração Fina 
- 
f 3
E
qç
E
9
't.08+01
'l,0E+00
1,0E-01
'1,0E-02
1.0E-03
't.0E-04
o 20 40 60 80 100 120 140 t60 f80 200 220
solo ad¡c¡omdo (g)
Farias e Èlmeira (1999)
+sG-12
+ErTe
+ErCe
+AFB
+slFb
22
Determinação de Propriedades de
Resistência contra Danos e
Degradação
Ensaios em Geossintéticos
Contatos Grãos-Geomembrana
gooss¡ntétlco
Esferâs de Vidro
Sih/a (20O1)-UnB
Norma de referênc¡a; ASTM 4833
Areia
I
õ
E
c
NEtn ñ
ñÊE
r s
EStItrI
Ensaios em Geossintéticos
Solicitação de Perfuragäo
23
Ensaios ern Geossintéticos
Resistência à Penetraçäo
Ensaio em Cilindro de GBR
P
{
igeomembrana
e aço
Equipamento 
- 
Cesi, Ihília (Colmanefti, 2005)
l,lorma de refer€ncia: ABI{T
Ensaios em Geossintéticos
Resistência ao lmpacto
Ensaio em Pêndulo
georEmbmm
\
geomembrana
Norma de rcferênda: Nonnas ASTM
24
50
75
Massa = 600 g
t-J
50
500
200
e aço Gabarito para mediçãodo diâmetro do furo
Dimensões em mm
Ensaios em Geossintéticos
Solicitação de Perfuração
Ensaio de Queda de Cone
t 6øo¡^., o\c..bna¡nof> 
-
L" t¡nr*iort Pl q^,olio¡- g.
c.o'. ba¡nrÀ*,s Ìl p^iù. ot\ ff.-/üe/)o-g
dr t
kitt
o- \.r.r.nn olr b*To\
doJo t
.ß 3, Z rtrth.t ,(*î"")
* F¿r(oào çl u- tin,o- Å gg"ti+
ldql^*Sr, - l-oaohe.or' d^
Ensaio em Tira Fletida
Bsço metál¡@
( lz$$ ron & o$*"n"
T¡ra de g@mmbrða Substánc¡a umilæedda â 50 oc
øga derupîura a tr4ão)
Fissura prwiarente aldu¿¡Ja
(1/4 da espessrâ da gæmmbBna)
O cfrjunto á insso em agflte
umidæedq (lgepal) a elwada
tompêÉtuÉ (m gtrd 50 oC)
Ensaio sob Carga
Constante
t,r
lr,* o"
Ensaios em Geossintéticos
Sfress Cracking -lTl z
( ¡v 1z dr'q,. L )
25
Ensaios em Geossintéticos
Ensaios de Ðegradação +5
sislema de
lanquê de âço lnox¡dável
molor
hélice
æpécimens de geomembrana
tampa
dreno e
venlilação
Resistência ao inchamento
Resistência química
l,lorma de refer¡encia:AsTM 4594, llormas ISO
suporte pora
espéc¡mns
Perda de resistência mecånica
Perda de massa
Alterações químicas
Página123