Teologia dogmática
41 pág.

Teologia dogmática


DisciplinaTeologia17.442 materiais40.698 seguidores
Pré-visualização7 páginas
FACULDADE TEOLÓGICA IBETEL
CURSO SUPERIOR DE TEOLOGIA
TEOLOGIA DOGMÁTICA NA ATUALIDADE
VALDECARLOS BRANDÃO CARVALHO
ARACAJU-SE
2017
VALDECARLOS BRANDÃO CARVALHO
TEOLOGIA DOGMÁTICA NA ATUALIDADE
Monografia apresentada à Faculdade Teológica Ibetel, como requisito parcial para a obtenção do título de bacharel em Teologia.
Orientador: Prof. MSc. João Carlos.
ARACAJU-SE
2017
VALDECARLOS BRANDÃO CARVALHO
TEOLOGIA DOGMÁTICA NA ATUALIDADE
Monografia apresentada à Faculdade Teológica Ibetel, como requisito parcial para a obtenção do título de bacharel em Teologia.
Orientador: Prof. MSc. João Carlos.
	Aprovado em: ___/___/____.
__________________________________________________________
Prof.
__________________________________________________________
Prof.
__________________________________________________________
Prof.
FICHA CATALOGRÁFICA
DEDICATÓRIA
AGRADECIMENTOS
RESUMO
ABSTRACT
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO
O vocábulo "teologia" concerne aos estudos a respeito de Deus, de forma que seu emprego em um amplo sentido refere-se às doutrinas apresentadas na Bíblia. Considerando-se a supremacia divina, responsável pela criação e existência de tudo, a teologia visa ao entendimento sistemático das informações provenientes de Deus, transmitidas ao ser humano. Portanto, a preocupação da teologia é com a realidade palpável. 
Tendo em vista que a teologia analisa a realidade ultima, nada mais lhe importa, visto que as discussões alusivas à realidade capitaneam o pensamento e a vida. Isto posto, apresentando-se Deus como a realidade última, a atividade última do ser humano é a reflexão teológica.
A existência divina, suas demandas e seus atributos foram revelados à integralidade dos seres humanos, de forma que a organização e as características da mente do ser humano abarcam conhecimentos a respeito de Deus; a natureza inata deste saber implica no reconhecimento, por parte do ser humano, de sua condição de criatura de Deus. Assim, as características humanas são responsáveis por lembrá-lo da magnificência natural de Deus.
Os entendimentos do ser humano a respeito de Deus não são provenientes da criação, de forma que a derradeira passagem, em Romanos, declara que o conhecimento a respeito de Deus não decorre do âmbito do empirismo e sim do que é registrado na mente humana, ou seja, trata-se de um saber de características inatas:
De fato, quando os gentios, que não têm a Lei, praticam naturalmente as coisas requeridas pela lei, tornam-se lei para si mesmos, embora não possuam a Lei; pois mostram que os requerimentos da Lei estão escritas em seu coração. Disso dão testemunho também a sua consciência e os pensamentos deles, ora acusando-os, ora defendendo-os (Romanos 2:14-15).
Trata-se, desta feita, da revelação geral, segundo os estudiosos da teologia, o saber divino na mente do ser humano, não sendo tal conhecimento vindouro do ambiente exterior. O objetivo da observação, portanto, é promover o estímulo mental humano da recordação do saber inato de Deus, o qual fora tolhido pelo pecado, de forma que tal conhecimento promove a interpretação humana da natureza.
A integralidade dos seres humanos possui conhecimento inato a respeito de Deus, de maneira que a totalidade das experiências e do pensar caracterizam-se tais quais testemunhas não passíveis de contra argumentação das características divinas. Assim, a negação da existência divina significa a supressão da verdade, significando a presença de perversidade e rebelião, tornando loucos os indivíduos que consideram-se sábios, segundo Romanos, capítulo 1, versículo 22.
O conhecimento inato de um indivíduo a respeito dos atributos divinos e de sua existência, assim como a lembrança constante que a natureza apresenta, por vezes, não são suficientes para promover o conhecimento salvador a respeito e Deus, de forma que este declarou sua preferência por apresentar ao ser humano, por vias da reflexão através de proposituras, ou seja, as Escrituras Divinas, que tratam-se de sua revelação especial. Por vias destas, é possível obter informações fidedignas a respeito de Deus, de modo que o indivíduo que segue os preceitos bíblicos está no caminho da salvação cristã.
O conhecimento a respeito de Deus é palpável devido à caracterização humana como semelhança e imagem sua, o que permite inferir-se que há características comuns entre ambos, tendo em vista o caráter transcendental divino, sendo possível afirmar que a revelação verbal não abarca o entendimento dos animais e dos objetos inanimados a respeito de Deus.
Percebe-se, portanto, a preferência de Deus em apresentar suas revelações por vias das escrituras bíblicas, com o lastro das palavras, em 
detrimento de experiências e imagens, de maneira que a comunicação, por meios verbais, possui as propriedades de acuidade e precisão, sendo a 
maneira adotada pela Bíblia de efetuar sua transmissão de conhecimento. Desta feita, deriva um sistema teológico fulcrado no teor bíblico, não 
sendo consideráveis formas comunicativas que não sejam verbais.
O sistema de pensamento origina-se de um princípio elementar e emprega a indução e/ou a dedução para dar-lhe continuidade. Um sistema pautado 
no raciocínio indutivo segue o caminho do ceticismo, devido às características e propriedades falaciosas da indução, a qual é dependente do 
empirismo, implicando em observações universais, surgindo estas de entes particulares. Portanto, constatações consolidadas e não refutáveis 
decorrem exclusivamente do raciocínio dedutivo, lastreado por deduções que são pautadas pela lógica (CHEUNG, 2001).
Entretanto, tendo em vista que o raciocínio dedutivo não é responsável pela geração de informações inéditas, o princípio elementar de um sistema pautado pela indução possui a integralidade dos dados que o restante do sistema demanda. Assim, determinado princípio primeiro não será capaz de promover a quantidade de proposições exigíveis para determinar aos seus entes a quantia necessária do conhecimento. Portanto, o raciocínio indutivo e o princípio elementar não cabíveis implicam na inviabilidade do conhecimento.
	A pesquisa acerca da temática de interesse será levantada por meio da busca de literatura científica na internet, em periódicos, livros e repositórios de universidades públicas e privadas, com a utilização das seguintes palavras chave: teologia, teologia dogmática, sociedade atual, fé e cristianismo. 
Num primeiro momento, serão selecionados textos pertinentes ao assunto da pesquisa, ou seja, artigos de revistas científicas e capítulos de livros; publicações em português e inglês. Em seguida, efetuar-se-á a leitura do referido aporte bibliográfico. Posteriormente, selecionar-se-ão os textos relacionados à pesquisa, efetuando-se o seu fichamento. Os dados levantados serão analisados de forma qualitativa que, segundo Vergara (2007), almeja à obtenção de informações de natureza subjetiva. 
A pesquisa será documental, sendo a pesquisa caracterizada como exploratória. Efetuar-se-á uma revisão de literatura, realizada a partir de publicações, artigos, monografias e dissertações, alusivos à teologia dogmática. O método de abordagem utilizado será uma suplementação entre o quantitativo e o qualitativo, com o respaldo de Gil (2010), Richardson (2011), Yin (2012) e Severino (2011). 
2 OBJETIVOS
	2.1 OBJETIVO GERAL
	Apresentar as características da teologia dogmática, tendo em vista suas implicações na sociedade atual.
	2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Discorrer a respeito da organização da teologia sistemática;
Apresentar as características do estudo da teologia.
3 JUSTIFICATIVA
	É correto e possível afirmar que a teologia dogmática segue um caminho divergente da dos vieses teológicos que retratam o âmbito dos assuntos