aula 15 RI
2 pág.

aula 15 RI


DisciplinaPrática Simulada IV491 materiais766 seguidores
Pré-visualização1 página
Plano	de	Aula:	Lei	9099/95.	Recurso	contra	sentença.	Direito	do
Consumidor.
PRÁTICA	SIMULADA	IV	(CÍVEL)	-	CCJ0150
Título
Lei	9099/95.	Recurso	contra	sentença.	Direito	do	Consumidor.
Número	de	Aulas	por	Semana
Número	de	Semana	de	Aula
15
Tema
Recurso	Inominado
Objetivos
O	aluno	deverá	ser	capaz	de:
	reconhecer	qual	o	recurso	a	ser	elaborado;	
dentificar	os	legitimados	para	interpor	o	recurso;	
Aplicar	a	regra	de	competência;	
Redigir	a	peça	com	especial	atenção	à	fundamentação	de	fato	e	de
direito;	
Articular	fato,	valor	e	norma;	
Fundamentar	com	os	dispositivos	legais	pertinentes	ao	caso;	
Identificar	a	diferença	entre	a	apelação	e	o	recurso	inominado	nos
moldes	da	Lei	9099/95;
Estrutura	do	Conteúdo
1.Recurso	de	Inominado:	
1.1.Prazo	de	interposição;	
1.2.	Competência;	Requisitos	de	admissibilidade.
1.3.	Efeitos.
1.5.	Peça	das	razões.
1.6.	Fundamentação	jurídica.
1.7.	Pedido.
2.	Relação	de	Consumo.
2.1.	Prestação	de	serviço.
Aplicação	Prática	Teórica
															Virgínia	Lopez,	domiciliada	na	cidade	do	Rio	de	Janeiro,	ajuizou	perante	o	V	Juizado
Especial	 Cível	 da	Comarca	 da	Capital	 do	 Estado	 do	Rio	 de	 Janeiro,	 em	outubro	 de	 2014,
Ação	de	obrigação	de	fazer	cumulada	com	dano	moral	e	pedido	de	tutela	antecipada,	em
face	de	Usuracard	S.A.	Administradora	de	Cartão	de	Crédito,	 estabelecida	 em	São	Paulo
capital.
								Na	inicial	 informou	que	era	usuária	titular	do	cartão	de	crédito	n°	1234.
9909.	3322.	1100,	emitido	e	administrado	pelo	réu.	Este,	em	virtude	do	atraso
da	 autora	 nos	 pagamentos	 das	 faturas	 dos	meses	 de	 abril	 e	maio	 de	 2014
colocou	 o	 nome	 da	mesma	 no	 Serviço	 de	 Proteção	 ao	 Crédito	 (SPC).	 Ocorre
que	Virgínia	quitou	as	parcelas	que	estavam	vencidas	e	não	pagas,	em	26	de
junho	 de	 2014,	 para	 que	 pudesse	 assinar	 contrato	 de	 financiamento
habitacional,	 mas	 até	 a	 data	 de	 distribuição	 da	 demanda	 a	 Usuracard	 não
havia	 retirado	 o	 seu	 nome	 do	 SPC	 o	 que	 a	 levou	 a	 perder	 o	 contrato	 para
aquisição	da	sua	casa	própria.
							Em	decisão	interlocutória	o	magistrado	determinou	que	o	réu	retirasse	o
nome	 da	 autora	 do	 cadastro	 de	 restrição	 do	 crédito.	 Em	 contestação	 o	 réu
sustentou	a	inexistência	de	dano	moral.
											Finda	a	fase	instrutória	foi	proferida	sentença	confirmando	em	definitivo
a	tutela	antecipada	anteriormente	deferida,	mas	julgou	improcedente	o	pedido
de	dano	moral	requerido	pela	autora	por	entender	incabível.
	 	 	 	 	 	 	 	 	 	 	 Diante	 da	 situação	 hipotética,	 elabore	 o	 recurso	 adequado	 aos
interesses	de	Virgínia.