A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
Aspiração de Secreções e Materiais e Equipamentos Utilizados

Pré-visualização | Página 1 de 1

Aspiração de secreções 
Aspiração de secreções 
• É um procedimento realizado para remover secreções 
do trato respiratório superior e ou cavidade oral 
através de sucção por cateter. 
Objetivos da aspiração 
 
 
• Manter as vias aéreas livres; 
 
• Retirar secreções do trato respiratório e ou boca sem 
traumatismo; 
 
• Prevenir e tratar infecções respiratórias e vias aéreas 
superiores. 
Tipos de aspiração 
• Aspiração orofaríngea e nasofaríngea, aspiração 
orotraqueal e nasotraqueal e a aspiração do tubo 
endotraqueal. 
 
Ordem de Aspiração: é primeiro o tubo endotraqueal, 
segundo a cavidade nasal e terceiro a cavidade oral, 
quando se trata de utilizar a mesma sonda de 
aspiração. 
Aspiração orofaríngea e nasofaríngea 
• É indicada no paciente que consegue tossir normalmente, 
mas que não consegue eliminar as secreções por deglutição 
ou expectoração. 
• A aspiração é realizada após tosse do paciente. 
• É indicada no paciente que apresenta secreções pulmonares, 
capacidade de tossir diminuída e ausência do tubo 
endotraqueal. 
• A sonda é introduzida até a traqueia pela cavidade oral ou, 
através da narina preferencialmente. Este procedimento não 
deve ultrapassar 15 segundos 
• É indicado nos casos de diminuição do estado de 
consciência, obstrução das vias aéreas, ventilação 
mecânica e remoção das secreções acumuladas na 
traquéia. 
• A incidência de aspiração será determinada pela 
observação do paciente, sendo necessária sempre que 
a inspeção ou a ausculta revelarem a presença de 
secreções. 
• Cânula de Guedel - Facilita a aspiração orotraqueal do 
paciente inconsciente, tornando mais fácil o acesso da 
sonda à traquéia. 
Cânula de Guedel 
• A retirada das secreções da traquéia precisa ser 
asséptica, atraumática e eficaz. 
 
• A técnica de aspiração da traqueostomia também tem 
que ser asséptica. Aspirar inicialmente a 
traqueostomia a seguir cavidade nasal e oral. 
Complicações: 
• Hipoxemia e dispnéia, pela remoção de oxigênio com as secreções. 
• Proporciona ansiedade e inquietação podendo alterar o padrão 
respiratório. 
• As arritmias cardíacas podem resultar da hipóxia e do estímulo ao 
nervo vago na árvore traqueobrônquica. 
• Traumatismo traqueal ou bronquial devido a aspiração traumática 
ou prolongada. 
• Pacientes em uso de anticoagulantes ou com discrasia sanguínea 
(alteração na composição e reações do sangue e linfa) podem 
apresentar sangramento como resultado da aspiração. 
• Infecções sistêmicas e pulmonares. 
Materiais: 
• Bandeja contendo: 
• Aspirador que pode ser 
fixado na saída de vácuo ou 
portátil; 
• Frasco coletor e extensão de 
borracha; 
• Cateter de aspiração com ou 
sem dispositivo para 
controlar a sucção; 
 
• Frasco com água destilada; 
• Luva estéril; 
• Toalha de rosto; 
• Mascara e óculos protetor; 
• Gazes. 
 
Procedimento 
• Orientar o paciente; 
• Reunir o material; 
• Lavar as mãos; 
• Ajustar o leito em posição de fowler; 
• Colocar a toalha no tórax do paciente; 
• Testar e ajustar o aspirador para pressão apropriada; 
• Colocar máscaras e óculos protetor e avental ; 
• Abrir a embalagem do cateter de aspiração sem 
contaminar, conectá-lo na extensão de látex; 
• Abrir a embalagem do cateter de aspiração sem 
contaminar, conectá-lo na extensão de látex; 
• Abrir o frasco de água destilada; 
• Manter todo cateter na embalagem estéril; 
• Calçar a luva estéril; 
• Expor o cateter e segurá-lo com a mão dominante. 
• Umedecer o cateter com água destilada mergulhando 
no frasco e verificar o funcionamento da pressão 
devida; 
• Calcular a distância do lóbulo da orelha até a narina, inserir 
delicadamente o cateter com a sucção desligada, deslizar o 
cateter sem forçar através da base de uma narina, em direção a 
traquéia, para aspirar a nasofaringe, ou inserir o cateter na boca 
para aspirar a orofaringe. 
• Aplicar a sucção, ocluindo o orifício de aspiração com o polegar e, 
com suavidade , girar o cateter a medida que está sendo retirado; 
• Irrigar o cateter com a água destilada e repetir o procedimento; 
• Quando estiver concluído o procedimento de aspiração, realizar 
higiene oral; 
• Realizar anotação de enfermagem, registrando volume e aspecto 
do que foi aspirado. 
RESOLUÇÃO COFEN Nº 0557/2017 
Normatiza a atuação da equipe de enfermagem no procedimento de 
Aspiração de Vias Aéreas. 
Deliberação do Plenário do COFEN em sua 492ª Reunião Ordinária, realizada em 15 de agosto de 
2017; 
 
RESOLVE: 
• Art. 1º Aprovar, no âmbito da Equipe de Enfermagem, o procedimento de Aspiração de 
Vias Aéreas, conforme o descrito na presente norma. 
• Art. 2º Os pacientes graves, submetidos a intubação orotraqueal ou traqueostomia, em 
unidades de emergência, de internação intensiva, semi intensivas ou intermediárias, ou 
demais unidades da assistência, deverão ter suas vias aéreas privativamente aspiradas 
por profissional Enfermeiro, conforme dispõe a Lei do Exercício Profissional da 
Enfermagem. 
• Art. 3º Os pacientes atendidos em Unidades de Emergência, Salas de Estabilização de 
Emergência, ou demais unidades da assistência, considerados graves, mesmo que não 
estando em respiração artificial, deverão ser aspirados pelo profissional Enfermeiro, 
exceto em situação de emergência, conforme dispõe a Lei do Exercício Profissional de 
Enfermagem e Código de Ética do Profissional de Enfermagem – CEPE. 
• Art. 4º Os pacientes em unidades de repouso/observação, unidades de 
internação e em atendimento domiciliar, considerados não graves, poderão 
ter esse procedimento realizado por Técnico de Enfermagem, desde que 
avaliado e prescrito pelo Enfermeiro, como parte integrante do Processo de 
Enfermagem. 
• Art. 5º Os pacientes crônicos, em uso de traqueostomia de longa 
permanência ou definitiva em ambiente hospitalar, de forma ambulatorial ou 
atendimento domiciliar, poderão ter suas vias aéreas aspirada pelo Técnico de 
Enfermagem, desde que devidamente avaliado e prescrito pelo Enfermeiro, 
como parte integrante do Processo de Enfermagem. 
• Art. 6º Nas hipóteses dos artigos 4º e 5º desta Resolução, deverá ser 
instituído protocolo institucional prevendo a observação de sinais e sintomas 
do padrão respiratório durante o procedimento, para comunicação imediata 
ao Enfermeiro. 
• Art. 7º A presente Resolução entra em vigor na data de sua assinatura e 
publicação no Diário Oficial da União. 
Vídeos de auxílio 
• O que é aspiração de secreções: 
https://www.youtube.com/watch?v=0NWrHFvE1II 
 
• Como é feito a aspiração de secreções: 
 
• https://www.youtube.com/watch?v=0NWrHFvE1II 
 
 
https://www.youtube.com/watch?v=0NWrHFvE1II
https://www.youtube.com/watch?v=0NWrHFvE1II
Referências: 
• Passos.V.C.S.; Volpato.A.C.B.; Técnicas básicas de Enfermagem. 4ª 
edição, São Paulo: Martinari, 2014. 
• http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05572017_54939.html

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.