A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
195 pág.
atencao_saude_recem_nascido_profissionais_v1

Pré-visualização | Página 6 de 50

à Saúde do Recém-Nascido
Guia para os Profissionais de Saúde
24
Ministério da saúde
•	Garantia de acesso a leitos de alto risco/cuidado intensivo para a mãe e o bebê pela 
Central de Regulação/Central de Leitos.
•	Atenção qualificada ao parto, já que 98% dos partos no Brasil são hospitalares e mais da 
metade das mortes maternas e neonatais ocorre durante a internação para o parto.2 Deve-
-se considerar não apenas a estrutura hospitalar (equipamentos e recursos humanos), 
mas também o processo assistencial: acompanhamento adequado do trabalho de parto, 
utilização do partograma, promoção do trabalho de parto fisiológico evitando-se inter-
venções desnecessárias que interferem na sua evolução (como ocitocina endovenosa 
de rotina, restrição ao leito, jejum, entre outras) e assistência adequada na sala de parto. 
Destacam-se ainda:
 - Direito a acompanhante da gestante e puérpera durante o trabalho de parto e parto 
(Lei Federal n° 11.108, de 7 de abril de 2005)22 e para o bebê,1 com garantia de aloja-
mento conjunto, inclusive se for necessária a internação do bebê.
 - Promoção do contato mãe-bebê imediato após o parto para o bebê saudável, evi-
tando-se intervenções desnecessárias de rotina e que interferem nessa interação nas 
primeiras horas de vida; estimular o contato pele a pele e o aleitamento materno na 
primeira hora de vida.
•	Captação após a alta hospitalar – após o nascimento ou internação, com agendamento 
de atendimento na Atenção Básica. Na maternidade, o RN deve receber a Caderneta da 
Criança com registros sobre a história da gravidez e nascimento, Apgar, peso e altura ao 
nascer, evolução do bebê, intercorrências, procedimentos realizados, condição de alta e 
recomendações para o seu cuidado no domicílio. Esta é uma ação fundamental para uma 
boa compreensão sobre a condição de saúde do bebê pela equipe de Atenção Básica ou 
especializada que dará continuidade a seu atendimento.
•	 Identificação do RN de risco, notificação da alta, agendamento de consulta na atenção 
básica, programação de visita domiciliar e agendamento para o ambulatório de segui-
mento do RN de alto risco, conforme protocolo local / Ministério da Saúde.20
•	 Continuidade do cuidado/captação do RN pela atenção básica de saúde que deve ser 
realizada após atendimento do RN em serviços de urgência ou após alta hospitalar, por 
meio de agendamento por telefone, pelo envio de cópia/listagem da DN, por meio de 
visita domiciliar e outros, para não haver descontinuidade da assistência.
Atenção à Saúde do Recém-Nascido
Guia para os Profissionais de Saúde
25
A Saúde do Recém-Nascido no Brasil 1 Capítulo
•	Visita domiciliar na primeira semana após o parto, com avaliação global e de risco da 
criança, apoio ao aleitamento materno e encaminhamento para a “Primeira Semana Saú-
de Integral” na atenção básica de saúde.
•	 “Primeira Semana Saúde Integral” – abordagem global da criança e da mãe na atenção básica.20
•	 Primeira consulta na primeira semana de vida e marcação de retornos, conforme a necessidade.
•	 Manutenção do calendário de acompanhamento na atenção básica e visitas domici-
liares, conforme protocolo (local ou do MS)20 e de acordo com a necessidade da criança.
•	 O RN de alto risco deverá manter o calendário de acompanhamento na atenção bási-
ca, além do acompanhamento pelo ambulatório de atenção especializada.
•	O RN de alto risco deve ser acompanhado até pelo menos o segundo ano completo 
de vida (mínimo de duas avaliações por ano); o acompanhamento até o quinto ano é 
desejável, para melhor avaliação da função cognitiva e da linguagem.
Atenção à Saúde do Recém-Nascido
Guia para os Profissionais de Saúde
26
Ministério da saúde
Referências
1. BRASIL. Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá 
outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Retificado no Diário Oficial da União, 27 
set. 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm>. Acesso em: 25 out. 2010.
2. LANSKY, S. et al. Evolução da mortalidade infantil no Brasil: 1980 a 2005. In: BRASIL. Ministério da 
Saúde. Saúde Brasil 2008: 20 anos SUS no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. p. 239-266.
3. BRASIL. DATASUS. Sistema de informação sobre nascidos vivos (Sinasc). Brasília: Ministério da 
Saúde. Disponível em: <http://w3.datasus.gov.br/datasus/index.php?area=0205&VObj=http://
tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nv>. Acesso em: 17 set. 2009.
4. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação estatística internacional de 
doenças e problemas relacionados à saúde. São Paulo: CBCD, 1995 (v.1 e v. 2).
5. BRASIL. Ministério da Saúde. Rede Interagencial de Informações para a Saúde. Indicadores 
e dados básicos para a saúde 2007: tema do ano: nascimentos no Brasil. Brasília: RIPSA 2008. 
Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2007/tema.pdf>. Acesso em: 25 out. 2007.
6. BERQUÓ, E.; GARCIA, S.; LAGO, T. (Coord.). Pesquisa nacional de demografia e saúde da criança 
e da mulher: PNDS 2006. São Paulo: CEBRAP, 2008. (Relatório final). Disponível em: <http://bvsms.
saude.gov.br/bvs/pnds/img/relatorio_final_pnds2006.pdf>. Acesso em: 24 set. 2010.
7. LEAL, M. C.; GAMA, S. G. N.; CAMPOS, M. Fatores associados à morbimortalidade perinatal 
em uma amostra de maternidades públicas e privadas do Município do Rio de Janeiro, 
1999-2001. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, p. 20-33, 2004. Suplemento 1.
8. BARROS, F. C. et al. The challenge of reducing neonatal mortality in middle-income countries: findings 
from three Brazilian birth cohorts in 1982, 1993 and 2004. Lancet, Londres, v. 365, n. 9462, p. 847-854, 2005.
9. SANTOS, I. S. et al. Infant mortality in three population-based cohorts in Southern Brazil: trends 
and diferentials. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, p. 451-460, 2008. Suplemento 3.
10. MATIJASEVICH, A. et al. Perinatal mortality in three population-based cohorts from Southern Brazil: 
trends and diferences. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, p. 399-408, 2008. Suplemento 3.
11. LAMY FILHO, F. et al. Social inequality and perinatal health: comparison of three Brazilian 
cohorts. Brazilian J. Med. Biol. Res., Ribeirão Preto, SP, v. 40, p. 1177-1186, 2007.
12. FRANÇA, E.; LANSKY, S. Mortalidade infantil neonatal no Brasil: situação, tendências e perspectivas. 
In: REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. Demografia e saúde: contribuição para 
análise de situação e tendências. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2009. p. 83-112.
13. VILLAR, J. et al. Caesarean delivery rates and pregnancy outcomes: the 2005 WHO global survey on 
maternal and perinatal health in Latin America. Lancet, Londres, v. 367, n° 9525, p. 1819-1829, 2006.
Atenção à Saúde do Recém-Nascido
Guia para os Profissionais de Saúde
27
A Saúde do Recém-Nascido no Brasil 1 Capítulo
14. MACDORMAN, M. F. et al. Infant and neonatal mortality for primary caesarean and vaginal births to women 
with «no indicated risk,» United States, 1998-2001. Birth Cohorts. Birth, [S.l.], v. 33, n. 3, p. 175–182, 2006.
15. ROSANO, A. et al. Infant Mortality and congenital anomalies from 1950 to 1994: an 
international perspective. J. Epidemiol. Community Health, [S.l.], v. 54, p. 660-666, 2000.
16. BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de vigilância do óbito infantil e fetal 
e do Comitê de prevenção do Óbito Infantil e Fetal. Brasília, 2009.
17. BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RDC n° 36, 3 de junho de 2008. Dispõe sobre 
regulamento técnico para funcionamento dos serviços de atenção obstétrica e neonatal. Diário 
Oficial da União, Brasília, DF, seção 1, n° 105, p. 50, 4 jun. 2008. Disponível em: <http://www.
anvisa.gov.br/divulga/noticias/2008/040608_1_rdc36.pdf>. Acesso em: 10 set. 2009.
18. BRASIL. Ministério da Saúde. Rede Interagencial