Buscar

Apostila PM-BA Pdf - Soldado da Polícia Militar da Bahia

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 657 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 657 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 657 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

Polícia Militar da Bahia
PM-BA
Soldado da Polícia Militar da Bahia
Edital de Abertura de Inscrições – SAEB – 01/2017, de 09 de Maio de 2017
MA040-2017
DADOS DA OBRA
Título da obra: Polícia Militar da Bahia - PM-BA
Cargo: Soldado da Polícia Militar da Bahia
(Baseado no Edital de Abertura de Inscrições – SAEB – 01/2017, de 09 de Maio de 2017)
• Língua Portuguesa 
• Matemática/Raciocínio Lógico 
• História do Brasil
• Geografia do Brasil 
• Atualidades 
• Noções de Direito Constitucional 
• Noções de Direitos Humanos
• Noções de Direito Administrativo 
• Noções de Direito Penal
• Noções de Igualdade Racial e de Gênero 
• Noções de Direito Penal Militar
Autoras:
Jaqueline Lima
Bruna Pinotti Garcia Oliveira
Greice Sarquis
Gestão de Conteúdos
Emanuela Amaral de Souza
Produção Editorial/Revisão
Elaine Cristina
Igor de Oliveira
Suelen Domenica Pereira
Capa
Rosa Thaina dos Santos
Editoração Eletrônica
Marlene Moreno
Gerente de Projetos 
Bruno Fernandes
APRESENTAÇÃO
CURSO ONLINE
PARABÉNS! ESTE É O PASSAPORTE PARA SUA APROVAÇÃO.
A Nova Concursos tem um único propósito: mudar a vida das pessoas. 
Vamos ajudar você a alcançar o tão desejado cargo público. 
Nossos livros são elaborados por professores que atuam na área de Concursos Públicos. Assim a 
matéria é organizada de forma que otimize o tempo do candidato. Afinal corremos contra o tempo, 
por isso a preparação é muito importante. 
Aproveitando, convidamos você para conhecer nossa linha de produtos “Cursos online”, conteúdos 
preparatórios e por edital, ministrados pelos melhores professores do mercado. 
Estar à frente é nosso objetivo, sempre. 
Contamos com índice de aprovação de 87%*. 
O que nos motiva é a busca da excelência. Aumentar este índice é nossa meta. 
Acesse www.novaconcursos.com.br e conheça todos os nossos produtos. 
Oferecemos uma solução completa com foco na sua aprovação, como: apostilas, livros, cursos on-
line, questões comentadas e treinamentos com simulados online. 
Desejamos-lhe muito sucesso nesta nova etapa da sua vida! 
Obrigado e bons estudos!
*Índice de aprovação baseado em ferramentas internas de medição.
PASSO 1
Acesse:
www.novaconcursos.com.br/passaporte
PASSO 2
Digite o código do produto no campo indicado no 
site.
O código encontra-se no verso da capa da apostila.
*Utilize sempre os 8 primeiros dígitos.
Ex: AB026-17
PASSO 3
Pronto!
Você já pode acessar os conteúdos online.
SUMÁRIO
Língua Portuguesa
1.Ortografia oficial. ..................................................................................................................................................................................................01
2. Acentuação gráfica. ............................................................................................................................................................................................05
3. Flexão nominal e verbal. .................................................................................................................................................................................09
4. Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação. ................................................................................................................. 11
5. Emprego de tempos e modos verbais. ..................................................................................................................................................... 19
6. Vozes do verbo. ...................................................................................................................................................................................................19
7. Concordância nominal e verbal. .................................................................................................................................................................. 33
8. Regência nominal e verbal. ............................................................................................................................................................................38
9. Ocorrência de crase. .........................................................................................................................................................................................45
10. Pontuação. .........................................................................................................................................................................................................50
11. Redação (confronto e reconhecimento de frases corretas e incorretas). ................................................................................... 53
12. Intelecção de texto. Redação oficial. ......................................................................................................................................................... 72
Matemática/Raciocínio Lógico
1.Resolução de problemas envolvendo frações, conjuntos, porcentagens, sequências (com números, com figuras, de 
palavras). ....................................................................................................................................................................................................................01
2. Raciocínio lógico-matemático: proposições, conectivos, equivalência e implicação lógica, argumentos válidos. ...... 38
História do Brasil
1. A sociedade colonial: economia, cultura, trabalho escravo, os bandeirantes e os jesuítas. ........................... 01 
2. A independência e o nascimento do Estado Brasileiro. ........................................................................................... 06
3. A organização do Estado Monárquico. ........................................................................................................................ 13
4. A vida intelectual, política e artística do século XIX. ............................................................................................... 17
5. A organização política e econômica do Estado Republicano. ............................................................................... 21
6. A Primeira Guerra Mundial e seus efeitos no Brasil. ................................................................................................ 24
7. A Revolução de 1930. ...................................................................................................................................................... 25
8. O Período Vargas. ............................................................................................................................................................. 27
9. A Segunda Guerra Mundial e seus efeitos no Brasil. ............................................................................................... 31
10. Os governos democráticos, os governos militares e a Nova República. ........................................................... 34
11. A cultura do Brasil Republicano: arte e literatura. ................................................................................................. 38
12. História da Bahia ............................................................................................................................................................. 39
12.1. Independência da Bahia. ...................................................................................................................................... 42
12.2. Revolta de Canudos. .............................................................................................................................................. 44
12.3. Revolta dos Malés. .................................................................................................................................................. 46 
12.4. Conjuração Baiana. Sabinada. .............................................................................................................................. 50
Geografia do Brasil
1. Organização político-administrativa do Brasil: divisãopolítica e regional. ................................................................................. 01
2. Relevo, clima, vegetação: hidrografia e fusos horários. ...................................................................................................................... 05
3. Aspectos humanos: formação étnica, crescimento demográfico. ................................................................................................... 09
4. Aspectos econômicos: agricultura, pecuária, extrativismo vegetal e mineral, atividades industriais e transportes. .........18
5. A questão ambiental degradação e políticas de meio ambiente. .................................................................................................. 41
6. Geografia da Bahia: aspectos políticos, físicos, econômicos, sociais e culturais ........................................................................ 51
Atualidades
Domínio de assuntos relevantes e atuais (nacionais e internacionais) divulgados pelos principais meios de 
comunicação. ..........................................................................................................................................................................................................01
SUMÁRIO
Noções de Igualdade Racial e de Gênero
1. Constituição da República Federativa do Brasil (art. 1°, 3°, 4° e 5°). ............................................................................................... 01
2. Constituição do Estado da Bahia, (Cap. XXIII “Do Negro”). ................................................................................................................ 03
3. Lei federal n° 12.288, de 20 de julho de 2010 (Estatuto da Igualdade Racial). ........................................................................... 03
4. Lei federal nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989 (Define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor) e Lei 
federal n° 9.459, de 13 de maio de 1997 (Tipificação dos crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor). .......... 11
5. Decreto federal n° 65.810, de 08 de dezembro de 1969 (Convenção internacional sobre a eliminação de todas as 
formas de discriminação racial). ........................................................................................................................................................................ 15
6. Decreto federal n° 4.377, de 13 de setembro de 2002 (Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discrimi-
nação contra a mulher). ........................................................................................................................................................................................20
7. Lei federal nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha). ............................................................................................ 27
8. Código Penal Brasileiro (art. 140). ................................................................................................................................................................ 35
9. Lei federal n° 9.455, de 7 de abril de 1997 (Crime de Tortura). ........................................................................................................ 36
10. Lei federal n° 2.889, de 1º de outubro de 1956 (Define e pune o Crime de Genocídio). .................................................... 38
11. Lei federal nº 7.437, de 20 de dezembro de 1985 (Lei Caó). ........................................................................................................... 39
12. Lei estadual n° 10.549, de 28 de dezembro de 2006 (Secretaria de Promoção da Igualdade Racial); alterada pela Lei 
estadual n° 12.212, de 04 de maio de 2011. ................................................................................................................................................. 40
13. Lei federal nº 10.678, de 23 de maio de 2003, com as alterações da Lei federal nº 13.341, de 29 de setembro de 2016 
(Referente à Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República). ................................. 12
Noções de Direito Penal Militar
1. Dos crimes contra a autoridade ou disciplina militar: Motim. Revolta. Conspiração. Aliciação para motim ou revolta. 
Da violência contra superior ou militar de serviço: Violência contra superior. ............................................................................... 01
Violência contra militar de serviço. Desrespeito a superior. ................................................................................................................... 01
Recusa de obediência. Oposição à ordem de sentinela. Reunião ilícita. Publicação ou crítica indevida. Resistência me-
diante ameaça ou violência. ...............................................................................................................................................................................02
2. Dos crimes contra o serviço militar e o dever militar: Deserção. Abandono de posto. Descumprimento de missão. 
Embriaguez em serviço. Dormir em serviço. ................................................................................................................................................. 02
3. Dos crimes contra a Administração Militar: Desacato a Superior. Desacato a militar. Desobediência. Peculato. Pecu-
lato-furto. Concussão. Corrupção ativa. Corrupção passiva. Falsificação de documento. Falsidade ideológica. Uso de 
documento falso. .....................................................................................................................................................................................................03
4. Dos crimes contra o dever funcional: Prevaricação. .............................................................................................................................. 05
Noções de Direitos Humanos
1. Precedentes históricos, Direito Humanitário, Liga das Nações e Organização Internacional do Trabalho (OIT). ......... 01 
2. A Declaração Universal dos Direitos Humanos/1948. .......................................................................................................................... 10 
3. Convenção Americana sobre Direitos Humanos/1969 (Pacto de São José da Costa Rica) (arts. 1° ao 32)..................... 18 
4. Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (arts. 1° ao 15). ................................................................... 27 
5. Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos/1966 (arts. 1° ao 271). ..................................................................................... 30
Noções de Direito Constitucional
1. Constituição da República Federativa do Brasil: Poder Constituinte ............................................................................................. .01 
2. Dos princípios fundamentais. ......................................................................................................................................................................... 03 
3. Dos direitos e garantias fundamentais. ......................................................................................................................................................08 
3.1. Dos direitos e deveres individuais e coletivos. .................................................................................................................................... 09 
3.2. Da nacionalidade. ............................................................................................................................................................................................25 
3.3. Dos direitos políticos. ....................................................................................................................................................................................30 
4. Da organização do Estado. .............................................................................................................................................................................35 
4.1. Da organização político-administrativa. ........................................................................................................................................... 35 
4.2. Da União. ....................................................................................................................................................................................................... 36 
4.3. Dos Estados federados. ........................................................................................................................................................................... 40 
SUMÁRIO
4.4. Do Distrito Federal e dos Territórios. ................................................................................................................................................. 41 
4.5. Da administração pública. ...................................................................................................................................................................... 41 
4.5.1. Disposições gerais. ................................................................................................................................................................................. 41 
4.5.2. Dos servidores públicos. ...................................................................................................................................................................... 52 
4.5.3. Dos militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios. ........................................................................................ 55 
5. Da segurança pública. .......................................................................................................................................................................................55 
6. Constituição do Estado da Bahia. ................................................................................................................................................................. 56 
6.1. Dos Servidores Públicos Militares. ..................................................................................................................................................... 56
6.2. Da Organização dos Poderes. ............................................................................................................................................................... 57 
6.2.1. Do Poder Legislativo. Da Assembléia Legislativa. Das Competências da Assembléia Legislativa. ......................... 57 
6.2.2. Do Poder Executivo. Das Disposições Gerais. Das Atribuições do Governador do Estado. ...................................... 59 
6.2.3. Do Poder Judiciário. Das Disposições Gerais. Da Justiça Militar. ......................................................................................... 60 
6.2.4. Do Ministério Público ........................................................................................................................................................................... 63 
6.2.5. As Procuradorias. .................................................................................................................................................................................... 65 
6.2.6. Da Defensoria Pública. ......................................................................................................................................................................... 65 
6.2.7. Da Segurança Pública. .......................................................................................................................................................................... 66
Noções de Direito Administrativo
1. Administração pública: conceito e princípios. ......................................................................................................................................... 01 
2. Poderes administrativos. ..................................................................................................................................................................................06 
3. Atos administrativos. .........................................................................................................................................................................................10 
3.1. Conceito. ....................................................................................................................................................................................................... 10 
3.2. Atributos. ....................................................................................................................................................................................................... 10 
3.3. Requisitos. ..................................................................................................................................................................................................... 10 
3.4. Classificação. ................................................................................................................................................................................................ 10 
3.5. Extinção. ......................................................................................................................................................................................................... 10 
4. Organização administrativa. ........................................................................................................................................................................... 15 
4.1. Órgãos públicos: conceito e classificação. ....................................................................................................................................... 15 
4.2. Entidades administrativas: conceito e espécies. Agentes públicos: espécies. .................................................................... 16 
5. Regime jurídico do militar estadual: Estatuto dos Policiais Militares do Estado da Bahia (Lei estadual nº 7.990, de 27 
de dezembro de 2001). .........................................................................................................................................................................................22 
6. Lei estadual nº 13.201, de 09 de dezembro de 2014 (Reorganização a Polícia Militar da Bahia). ...................................... 52
Noções de Direito Penal
1. Da aplicação da lei penal. ...............................................................................................................................................................................01
1.1. Lei penal no tempo. ................................................................................................................................................................................. 01
1.2. Lei penal no espaço. ................................................................................................................................................................................ 01
2. Do crime. ...............................................................................................................................................................................................................06
2.1. Elementos. ................................................................................................................................................................................................... 06
2.2. Consumação e tentativa. ......................................................................................................................................................................... 06 
2.3. Desistência voluntária e arrependimento eficaz. ......................................................................................................................... 06
2.4. Arrependimento posterior. ...................................................................................................................................................................06
2.5. Crime impossível. ...................................................................................................................................................................................... 06
2.6. Causas de exclusão de ilicitude e culpabilidade. ......................................................................................................................... 06
3. Contravenção. .....................................................................................................................................................................................................13
4. Imputabilidade penal. ......................................................................................................................................................................................13
5. Dos crimes contra a vida (homicídio, lesão corporal e rixa). ............................................................................................................ 15
6. Dos crimes contra a liberdade pessoal (ameaça, sequestro e cárcere privado). ...................................................................... 19
7. Dos crimes contra o patrimônio (furto, roubo, extorsão, apropriação indébita, estelionato e outras fraudes e recepta-
ção). .............................................................................................................................................................................................................................. 20
8. Dos crimes contra a dignidade sexual ....................................................................................................................................................... 34
9. Dos crimes contra a paz pública (quadrilha ou bando). ..................................................................................................................... 36
10. Legislação esparsa: Lei federal n° 9.455, de 07 de abril de 1997 (Crimes de tortura). ......................................................... ,38
LÍNGUA PORTUGUESA
1.Ortografia oficial. ..................................................................................................................................................................................................01
2. Acentuação gráfica. ............................................................................................................................................................................................05
3. Flexão nominal e verbal. .................................................................................................................................................................................09
4. Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação. .................................................................................................................11
5. Emprego de tempos e modos verbais. .....................................................................................................................................................19
6. Vozes do verbo. ...................................................................................................................................................................................................19
7. Concordância nominal e verbal. ..................................................................................................................................................................33
8. Regência nominal e verbal. ............................................................................................................................................................................38
9. Ocorrência de crase. .........................................................................................................................................................................................45
10. Pontuação. .........................................................................................................................................................................................................50
11. Redação (confronto e reconhecimento de frases corretas e incorretas). ...................................................................................53
12. Intelecção de texto. Redação oficial. .........................................................................................................................................................72
1
LÍNGUA PORTUGUESA
1.ORTOGRAFIA OFICIAL.
A ortografia é a parte da língua responsável pela gra-
fia correta das palavras. Essa grafia baseia-se no padrão 
culto da língua.
As palavras podem apresentar igualdade total ou par-
cial no que se refere a sua grafia e pronúncia, mesmo ten-
do significados diferentes. Essas palavras são chamadas 
de homônimas (canto, do grego, significa ângulo / canto, 
do latim, significa música vocal). As palavras homônimas 
dividem-se em homógrafas, quando têm a mesma grafia 
(gosto, substantivo e gosto, 1ª pessoa do singular do verbo 
gostar) e homófonas, quando têm o mesmo som (paço, pa-
lácio ou passo, movimento durante o andar).
Quanto à grafia correta em língua portuguesa, devem-
se observar as seguintes regras:
O fonema s:
Escreve-se com S e não com C/Ç as palavras substan-
tivadas derivadas de verbos com radicais em nd, rg, rt, pel, 
corr e sent: pretender - pretensão / expandir - expansão / 
ascender - ascensão / inverter - inversão / aspergir aspersão 
/ submergir - submersão / divertir - diversão / impelir - im-
pulsivo / compelir - compulsório / repelir - repulsa / recorrer 
- recurso / discorrer - discurso / sentir - sensível / consentir 
- consensual
Escreve-se com SS e não com C e Ç os nomes deri-
vados dos verbos cujos radicais terminem em gred, ced, 
prim ou com verbos terminados por tir ou meter: agredir 
- agressivo / imprimir - impressão / admitir - admissão / 
ceder - cessão / exceder - excesso / percutir - percussão / 
regredir - regressão / oprimir - opressão / comprometer - 
compromisso / submeter - submissão
*quando o prefixo termina com vogal que se junta com 
a palavra iniciada por “s”. Exemplos: a + simétrico - assimé-
trico / re + surgir - ressurgir
*no pretérito imperfeito simples do subjuntivo. Exem-
plos: ficasse, falasse
Escreve-se com C ou Ç e não com S e SS os vocábulos 
de origem árabe: cetim, açucena, açúcar
*os vocábulos de origem tupi, africana ou exótica: cipó, 
Juçara, caçula, cachaça, cacique
*os sufixos aça, aço, ação, çar, ecer, iça, nça, uça, uçu, 
uço: barcaça, ricaço, aguçar, empalidecer, carniça, caniço, 
esperança, carapuça, dentuço
*nomes derivados do verbo ter: abster - abstenção / 
deter - detenção / ater - atenção / reter - retenção
*após ditongos: foice, coice, traição
*palavras derivadas de outras terminadas em te, to(r): 
marte - marciano / infrator - infração / absorto - absorção
O fonema z:
Escreve-se com S e não com Z:
*os sufixos: ês, esa, esia, e isa, quando o radical é subs-
tantivo, ou em gentílicos e títulos nobiliárquicos: freguês, 
freguesa, freguesia, poetisa, baronesa, princesa, etc.
*os sufixos gregos: ase, ese, ise e ose: catequese, me-
tamorfose.
*as formas verbais pôr e querer: pôs, pus, quisera, quis, 
quiseste.
*nomes derivados de verbos com radicais terminados 
em “d”: aludir - alusão / decidir - decisão / empreender - 
empresa / difundir - difusão
*os diminutivos cujos radicais terminam com “s”: Luís - 
Luisinho / Rosa - Rosinha / lápis - lapisinho
*após ditongos: coisa, pausa, pouso
*em verbos derivados de nomes cujo radical termina 
com “s”: anális(e) + ar - analisar / pesquis(a) + ar - pesquisar
Escreve-se com Z e não com S:
*os sufixos “ez” e “eza” das palavras derivadas de adje-
tivo: macio - maciez / rico - riqueza
*os sufixos “izar” (desde que o radical da palavra de 
origem não termine com s): final - finalizar / concreto - con-
cretizar
*como consoante de ligação se o radical não terminar 
com s: pé + inho - pezinho / café + al - cafezal ≠ lápis + 
inho - lapisinhoO fonema j:
Escreve-se com G e não com J:
*as palavras de origem grega ou árabe: tigela, girafa, 
gesso.
*estrangeirismo, cuja letra G é originária: sargento, gim.
*as terminações: agem, igem, ugem, ege, oge (com 
poucas exceções): imagem, vertigem, penugem, bege, foge.
Observação: Exceção: pajem
*as terminações: ágio, égio, ígio, ógio, ugio: sortilégio, 
litígio, relógio, refúgio.
*os verbos terminados em ger e gir: eleger, mugir.
*depois da letra “r” com poucas exceções: emergir, sur-
gir.
*depois da letra “a”, desde que não seja radical termi-
nado com j: ágil, agente.
Escreve-se com J e não com G:
*as palavras de origem latinas: jeito, majestade, hoje.
*as palavras de origem árabe, africana ou exótica: ji-
boia, manjerona.
*as palavras terminada com aje: aje, ultraje.
O fonema ch:
Escreve-se com X e não com CH:
*as palavras de origem tupi, africana ou exótica: aba-
caxi, muxoxo, xucro.
*as palavras de origem inglesa (sh) e espanhola (J): 
xampu, lagartixa.
*depois de ditongo: frouxo, feixe.
*depois de “en”: enxurrada, enxoval.
Observação: Exceção: quando a palavra de origem 
não derive de outra iniciada com ch - Cheio - (enchente)
2
LÍNGUA PORTUGUESA
Escreve-se com CH e não com X:
*as palavras de origem estrangeira: chave, chumbo, 
chassi, mochila, espadachim, chope, sanduíche, salsicha.
As letras e e i:
*os ditongos nasais são escritos com “e”: mãe, põem. 
Com “i”, só o ditongo interno cãibra.
*os verbos que apresentam infinitivo em -oar, -uar são 
escritos com “e”: caçoe, tumultue. Escrevemos com “i”, os 
verbos com infinitivo em -air, -oer e -uir: trai, dói, possui.
- atenção para as palavras que mudam de sentido 
quando substituímos a grafia “e” pela grafia “i”: área (super-
fície), ária (melodia) / delatar (denunciar), dilatar (expandir) / 
emergir (vir à tona), imergir (mergulhar) / peão (de estância, 
que anda a pé), pião (brinquedo).
Fonte: http://www.pciconcursos.com.br/aulas/portu-
gues/ortografia
Questões sobre Ortografia
01. (TRE/AP - TÉCNICO JUDICIÁRIO – FCC/2011) Entre 
as frases que seguem, a única correta é:
 a) Ele se esqueceu de que?
 b) Era tão ruím aquele texto, que não deu para distribui
-lo entre os presentes.
 c) Embora devessemos, não fomos excessivos nas crí-
ticas.
 d) O juíz nunca negou-se a atender às reivindicações 
dos funcionários.
 e) Não sei por que ele mereceria minha consideração.
02. (Escrevente TJ SP – Vunesp/2013). Assinale a alter-
nativa cujas palavras se apresentam flexionadas de acordo 
com a norma- -padrão.
(A) Os tabeliãos devem preparar o documento.
(B) Esses cidadões tinham autorização para portar fuzis.
(C) Para autenticar as certidãos, procure o cartório local.
(D) Ao descer e subir escadas, segure-se nos corrimãos.
(E) Cuidado com os degrais, que são perigosos!
03. (Agente de Vigilância e Recepção – VUNESP – 2013). 
Suponha-se que o cartaz a seguir seja utilizado para infor-
mar os usuários sobre o festival Sounderground.
Prezado Usuário
________ de oferecer lazer e cultura aos passageiros do 
metrô, ________ desta segunda-feira (25/02), ________ 17h30, 
começa o Sounderground, festival internacional que prestigia 
os músicos que tocam em estações do metrô.
Confira o dia e a estação em que os artistas se apresen-
tarão e divirta-se!
Para que o texto atenda à norma-padrão, devem-se 
preencher as lacunas, correta e respectivamente, com as 
expressões
A) A fim ...a partir ... as
B) A fim ...à partir ... às
C) A fim ...a partir ... às
D) Afim ...a partir ... às
E) Afim ...à partir ... as
04. (TRF - 1ª REGIÃO - TÉCNICO JUDICIÁRIO - 
FCC/2011) As palavras estão corretamente grafadas na se-
guinte frase:
(A) Que eles viajem sempre é muito bom, mas não é 
boa a ansiedade com que enfrentam o excesso de passa-
geiros nos aeroportos.
(B) Comete muitos deslises, talvez por sua espontanei-
dade, mas nada que ponha em cheque sua reputação de 
pessoa cortês.
(C) Ele era rabugento e tinha ojeriza ao hábito do só-
cio de descançar após o almoço sob a frondoza árvore do 
pátio.
(D) Não sei se isso influe, mas a persistência dessa má-
goa pode estar sendo o grande impecilho na superação 
dessa sua crise.
(E) O diretor exitou ao aprovar a retenção dessa alta 
quantia, mas não quiz ser taxado de conivente na conces-
são de privilégios ilegítimos.
05.Em qual das alternativas a frase está corretamente 
escrita?
A) O mindingo não depositou na cardeneta de pou-
pansa.
B) O mendigo não depositou na caderneta de poupança.
C) O mindigo não depozitou na cardeneta de poupanssa.
D) O mendingo não depozitou na carderneta de poupansa.
06.(IAMSPE/SP – ATENDENTE – [PAJEM] - CCI) – VU-
NESP/2011) Assinale a alternativa em que o trecho – Mas 
ela cresceu ... – está corretamente reescrito no plural, com o 
verbo no tempo futuro.
(A) Mas elas cresceram...
(B) Mas elas cresciam...
(C) Mas elas cresçam...
(D) Mas elas crescem...
(E) Mas elas crescerão...
07. (MPE/RJ – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – 
FUJB/2011) Assinale a alternativa em que a frase NÃO con-
traria a norma culta:
A) Entre eu e a vida sempre houve muitos infortúnios, 
por isso posso me queixar com razão.
B) Sempre houveram várias formas eficazes para ultra-
passarmos os infortúnios da vida.
C) Devemos controlar nossas emoções todas as vezes 
que vermos a pobreza e a miséria fazerem parte de nossa 
vida.
D) É difícil entender o por quê de tanto sofrimento, 
principalmente daqueles que procuram viver com dignida-
de e simplicidade.
E) As dificuldades por que passamos certamente nos 
fazem mais fortes e preparados para os infortúnios da vida.
GABARITO
01.E 02. D 03. C 
04. A 05. B 06. E 07. E 
3
LÍNGUA PORTUGUESA
RESOLUÇÃO
1-) 
(A) Ele se esqueceu de que? = quê?
(B) Era tão ruím (ruim) aquele texto, que não deu para 
distribui-lo (distribuí-lo) entre os presentes.
(C) Embora devêssemos (devêssemos) , não fomos ex-
cessivos nas críticas.
(D) O juíz (juiz) nunca (se) negou a atender às reivindi-
cações dos funcionários.
(E) Não sei por que ele mereceria minha consideração.
2-) 
(A) Os tabeliãos devem preparar o documento. = ta-
beliães
(B) Esses cidadões tinham autorização para portar fuzis. 
= cidadãos
(C) Para autenticar as certidãos, procure o cartório lo-
cal. = certidões
(E) Cuidado com os degrais, que são perigosos = de-
graus
3-) Prezado Usuário
A fim de oferecer lazer e cultura aos passageiros do me-
trô, a partir desta segunda-feira (25/02), às 17h30, começa 
o Sounderground, festival internacional que prestigia os mú-
sicos que tocam em estações do metrô.
Confira o dia e a estação em que os artistas se apresen-
tarão e divirta-se!
A fim = indica finalidade; a partir: sempre separado; 
antes de horas: há crase
4-) Fiz a correção entre parênteses:
(A) Que eles viajem sempre é muito bom, mas não é 
boa a ansiedade com que enfrentam o excesso de passa-
geiros nos aeroportos. 
(B) Comete muitos deslises (deslizes), talvez por sua 
espontaneidade, mas nada que ponha em cheque (xeque) 
sua reputação de pessoa cortês.
(C) Ele era rabugento e tinha ojeriza ao hábito do sócio 
de descançar (descansar) após o almoço sob a frondoza 
(frondosa) árvore do pátio.
(D) Não sei se isso influe (influi), mas a persistência 
dessa mágoa pode estar sendo o grande impecilho (empe-
cilho) na superação dessa sua crise.
(E) O diretor exitou (hesitou) ao aprovar a retenção 
dessa alta quantia, mas não quiz (quis) ser taxado de coni-
vente na concessão de privilégios ilegítimos.
5-) 
A) O mindingo não depositou na cardeneta de pou-
pansa. = mendigo/caderneta/poupança
C) O mindigo não depozitou na cardeneta de poupans-
sa. = mendigo/caderneta/poupança
D) O mendingo não depozitou na carderneta de pou-
pansa. =mendigo/depositou/caderneta/poupança
6-) Futuro do verbo “crescer”: crescerão. Teremos: mas 
elas crescerão... 
7-) Fiz as correções entre parênteses:
A) Entre eu (mim) e a vida sempre houve muitos infor-
túnios, por isso posso me queixar com razão.
B) Sempre houveram (houve) várias formas eficazes 
para ultrapassarmos osinfortúnios da vida.
C) Devemos controlar nossas emoções todas as vezes 
que vermos (virmos) a pobreza e a miséria fazerem parte 
de nossa vida.
D) É difícil entender o por quê (o porquê) de tanto so-
frimento, principalmente daqueles que procuram viver com 
dignidade e simplicidade.
E) As dificuldades por que (= pelas quais; correto) pas-
samos certamente nos fazem mais fortes e preparados 
para os infortúnios da vida.
HÍFEN 
O hífen é um sinal diacrítico (que distingue) usado 
para ligar os elementos de palavras compostas (couve-flor, 
ex-presidente) e para unir pronomes átonos a verbos (ofe-
receram-me; vê-lo-ei).
Serve igualmente para fazer a translineação de pala-
vras, isto é, no fim de uma linha, separar uma palavra em 
duas partes (ca-/sa; compa-/nheiro).
 
Uso do hífen que continua depois da Reforma Or-
tográfica:
1. Em palavras compostas por justaposição que formam 
uma unidade semântica, ou seja, nos termos que se unem 
para formam um novo significado: tio-avô, porto-alegrense, 
luso-brasileiro, tenente-coronel, segunda-feira, conta-gotas, 
guarda-chuva, arco- -íris, primeiro-ministro, azul-escuro.
2. Em palavras compostas por espécies botânicas e 
zoológicas: couve-flor, bem-te-vi, bem-me-quer, abóbora-
menina, erva-doce, feijão-verde.
3. Nos compostos com elementos além, aquém, recém 
e sem: além-mar, recém-nascido, sem-número, recém-casa-
do, aquém- -fiar, etc.
4. No geral, as locuções não possuem hífen, mas algu-
mas exceções continuam por já estarem consagradas pelo 
uso: cor- -de-rosa, arco-da-velha, mais-que-perfeito, pé-
de-meia, água-de- -colônia, queima-roupa, deus-dará.
5. Nos encadeamentos de vocábulos, como: ponte Rio-
Niterói, percurso Lisboa-Coimbra-Porto e nas combinações 
históricas ou ocasionais: Áustria-Hungria, Angola-Brasil, Al-
sácia-Lorena, etc.
6. Nas formações com os prefixos hiper-, inter- e su-
per- quando associados com outro termo que é iniciado 
por r: hiper-resistente, inter-racial, super-racional, etc.
7. Nas formações com os prefixos ex-, vice-: ex-diretor, 
ex- -presidente, vice-governador, vice-prefeito.
8. Nas formações com os prefixos pós-, pré- e pró-: 
pré-natal, pré-escolar, pró-europeu, pós-graduação, etc.
4
LÍNGUA PORTUGUESA
9. Na ênclise e mesóclise: amá-lo, deixá-lo, dá-se, abra-
ça-o, lança-o e amá-lo-ei, falar-lhe-ei, etc.
10. Nas formações em que o prefixo tem como segun-
do termo uma palavra iniciada por “h”: sub-hepático, ele-
tro-higrómetro, geo-história, neo-helênico, extra-humano, 
semi-hospitalar, super- -homem.
11. Nas formações em que o prefixo ou pseudo prefixo 
termina na mesma vogal do segundo elemento: micro-on-
das, eletro-ótica, semi-interno, auto-observação, etc.
Obs: O hífen é suprimido quando para formar outros 
termos: reaver, inábil, desumano, lobisomem, reabilitar.
- Lembre-se: ao separar palavras na translineação 
(mudança de linha), caso a última palavra a ser escrita seja 
formada por hífen, repita-o na próxima linha. Exemplo: es-
creverei anti-inflamatório e, ao final, coube apenas “anti-”. 
Na linha debaixo escreverei: “-inflamatório” (hífen em am-
bas as linhas).
Não se emprega o hífen:
1. Nas formações em que o prefixo ou falso prefixo 
termina em vogal e o segundo termo inicia-se em “r” ou 
“s”. Nesse caso, passa-se a duplicar estas consoantes: an-
tirreligioso, contrarregra, infrassom, microssistema, minis-
saia, microrradiografia, etc.
2. Nas constituições em que o prefixo ou pseudopre-
fixo termina em vogal e o segundo termo inicia-se com 
vogal diferente: antiaéreo, extraescolar, coeducação, au-
toestrada, autoaprendizagem, hidroelétrico, plurianual, au-
toescola, infraestrutura, etc.
3. Nas formações, em geral, que contêm os prefixos 
“dês” e “in” e o segundo elemento perdeu o h inicial: desu-
mano, inábil, desabilitar, etc.
4. Nas formações com o prefixo “co”, mesmo quando 
o segundo elemento começar com “o”: cooperação, coobri-
gação, coordenar, coocupante, coautor, coedição, coexistir, 
etc.
5. Em certas palavras que, com o uso, adquiriram no-
ção de composição: pontapé, girassol, paraquedas, para-
quedista, etc.
6. Em alguns compostos com o advérbio “bem”: ben-
feito, benquerer, benquerido, etc.
Questões sobre Hífen
01.Assinale a alternativa em que o hífen, conforme o 
novo Acordo, está sendo usado corretamente:
A) Ele fez sua auto-crítica ontem.
B) Ela é muito mal-educada.
C) Ele tomou um belo ponta-pé.
D) Fui ao super-mercado, mas não entrei.
E) Os raios infra-vermelhos ajudam em lesões.
02.Assinale a alternativa errada quanto ao emprego 
do hífen:
A) Pelo interfone ele comunicou bem-humorado que 
faria uma superalimentação.
B) Nas circunvizinhanças há uma casa malassombrada.
C) Depois de comer a sobrecoxa, tomou um antiácido.
D) Nossos antepassados realizaram vários anteproje-
tos.
E) O autodidata fez uma autoanálise.
03.Assinale a alternativa incorreta quanto ao emprego 
do hífen, respeitando-se o novo Acordo.
A) O semi-analfabeto desenhou um semicírculo.
B) O meia-direita fez um gol de sem-pulo na semifinal 
do campeonato.
C) Era um sem-vergonha, pois andava seminu.
D) O recém-chegado veio de além-mar.
E) O vice-reitor está em estado pós-operatório.
04.Segundo o novo Acordo, entre as palavras pão duro 
(avarento), copo de leite (planta) e pé de moleque (doce) o 
hífen é obrigatório:
A) em nenhuma delas.
B) na segunda palavra.
C) na terceira palavra.
D) em todas as palavras.
E) na primeira e na segunda palavra.
05.Fez um esforço __ para vencer o campeonato __. 
Qual alternativa completa corretamente as lacunas?
A) sobreumano/interregional
B) sobrehumano-interregional
C) sobre-humano / inter-regional
D) sobrehumano/ inter-regional
E) sobre-humano /interegional
06. Suponha que você tenha que agregar o prefixo 
sub- às palavras que aparecem nas alternativas a seguir. 
Assinale aquela que tem de ser escrita com hífen:
A) (sub) chefe
B) (sub) entender
C) (sub) solo
D) (sub) reptício
E) (sub) liminar
07.Assinale a alternativa em que todas as palavras es-
tão grafadas corretamente:
A) autocrítica, contramestre, extra-oficial
B) infra-assinado, infra-vermelho, infra-som
C) semi-círculo, semi-humano, semi-internato
D) supervida, superelegante, supermoda
E) sobre-saia, mini-saia, superssaia
08.Assinale o item em que o uso do hífen está incor-
reto.
A) infraestrutura / super-homem / autoeducação
B) bem-vindo / antessala /contra-regra
C) contramestre / infravermelho / autoescola
D) neoescolástico / ultrassom / pseudo-herói
E) extraoficial / infra-hepático /semirreta
5
LÍNGUA PORTUGUESA
09.Uma das alternativas abaixo apresenta incorreção 
quanto ao emprego do hífen.
A) O pseudo-hermafrodita não tinha infraestrutura 
para relacionamento extraconjugal.
B) Era extraoficial a notícia da vinda de um extraterreno.
C) Ele estudou línguas neolatinas nas colônias ultrama-
rinas.
D) O anti-semita tomou um anti-biótico e vacina an-
tirrábica.
E) Era um suboficial de uma superpotência.
10.Assinale a alternativa em que ocorre erro quanto ao 
emprego do hífen.
A) Foi iniciada a campanha pró-leite.
B) O ex-aluno fez a sua autodefesa.
C) O contrarregra comeu um contra-filé.
D) Sua vida é um verdadeiro contrassenso.
E) O meia-direita deu início ao contra-ataque.
GABARITO
01. B 02. B 03. A 04. E 05. C
06. D 07. D 08. B 09. D 10. C
RESOLUÇÃO
1-) 
A) autocrítica 
C) pontapé
D) supermercado
E) infravermelhos 
2-)B) Nas circunvizinhanças há uma casa mal-assom-
brada.
3-) A) O semianalfabeto desenhou um semicírculo.
4-) 
a) pão-duro / b) copo-de-leite (planta) / c) pé de mo-
leque (doce) 
a) Usa-se o hífen nas palavras compostas que não 
apresentam elementos de ligação. 
b) Usa-se o hífen nos compostos que designam espé-
cies animais e botânicas (nomes de plantas, flores, frutos, 
raízes, sementes), tenham ou não elementos de ligação. 
c) Não se usa o hífen em compostos que apresentam 
elementos de ligação. 
5-) Fez um esforço sobre-humano para vencer o cam-
peonato inter-regional. 
- Usa-se o hífen diante depalavra iniciada por h. 
- Usa-se o hífen se o prefixo terminar com a mesma 
letra com que se inicia a outra palavra
6-) Com os prefixos sub e sob, usa-se o hífen também 
diante de palavra iniciada por r. : subchefe, subentender, 
subsolo, sub- -reptício (sem o hífen até a leitura da pala-
vra será alterada; /subre/, ao invés de /sub re/), subliminar
7-) 
A) autocrítica, contramestre, extraoficial
B) infra-assinado, infravermelho, infrassom
C) semicírculo, semi-humano, semi-internato
D) supervida, superelegante, supermoda = corretas
E) sobressaia, minissaia, supersaia
8-) B) bem-vindo / antessala / contrarregra
9-) D) O antissemita tomou um antibiótico e vacina an-
tirrábica.
10-) C) O contrarregra comeu um contrafilé.
2. ACENTUAÇÃO GRÁFICA.
A acentuação é um dos requisitos que perfazem as re-
gras estabelecidas pela Gramática Normativa. Esta se com-
põe de algumas particularidades, às quais devemos estar 
atentos, procurando estabelecer uma relação de familia-
ridade e, consequentemente, colocando-as em prática na 
linguagem escrita. 
À medida que desenvolvemos o hábito da leitura e a 
prática de redigir, automaticamente aprimoramos essas 
competências, e logo nos adequamos à forma padrão.
Regras básicas – Acentuação tônica 
A acentuação tônica implica na intensidade com que 
são pronunciadas as sílabas das palavras. Aquela que se dá 
de forma mais acentuada, conceitua-se como sílaba tônica. 
As demais, como são pronunciadas com menos intensida-
de, são denominadas de átonas. 
De acordo com a tonicidade, as palavras são classifi-
cadas como:
Oxítonas – São aquelas cuja sílaba tônica recai sobre a 
última sílaba. Ex.: café – coração – cajá – atum – caju – papel 
Paroxítonas – São aquelas em que a sílaba tônica recai 
na penúltima sílaba. Ex.: útil – tórax – táxi – leque – retrato 
– passível 
Proparoxítonas - São aquelas em que a sílaba tônica 
está na antepenúltima sílaba. Ex.: lâmpada – câmara – tím-
pano – médico – ônibus
Como podemos observar, os vocábulos possuem mais 
de uma sílaba, mas em nossa língua existem aqueles com 
uma sílaba somente: são os chamados monossílabos que, 
quando pronunciados, apresentam certa diferenciação 
quanto à intensidade.
Tal diferenciação só é percebida quando os pronun-
ciamos em uma dada sequência de palavras. Assim como 
podemos observar no exemplo a seguir:
“Sei que não vai dar em nada,
Seus segredos sei de cor”. 
Os monossílabos classificam-se como tônicos; os de-
mais, como átonos (que, em, de).
6
LÍNGUA PORTUGUESA
Os acentos 
acento agudo (´) – Colocado sobre as letras «a», «i», 
«u» e sobre o «e» do grupo “em” - indica que estas letras 
representam as vogais tônicas de palavras como Amapá, 
caí, público, parabéns. Sobre as letras “e” e “o” indica, além 
da tonicidade, timbre aberto.Ex.: herói – médico – céu (di-
tongos abertos)
acento circunflexo (^) – colocado sobre as letras “a”, 
“e” e “o” indica, além da tonicidade, timbre fechado: Ex.: 
tâmara – Atlântico – pêssego – supôs 
acento grave (`) – indica a fusão da preposição “a” com 
artigos e pronomes. Ex.: à – às – àquelas – àqueles 
trema ( ¨ ) – De acordo com a nova regra, foi total-
mente abolido das palavras. Há uma exceção: é utilizado 
em palavras derivadas de nomes próprios estrangeiros. Ex.: 
mülleriano (de Müller) 
til (~) – indica que as letras “a” e “o” representam vo-
gais nasais. Ex.: coração – melão – órgão – ímã 
Regras fundamentais: 
Palavras oxítonas:
Acentuam-se todas as oxítonas terminadas em: “a”, “e”, 
“o”, “em”, seguidas ou não do plural(s): Pará – café(s) – ci-
pó(s) – armazém(s) 
Essa regra também é aplicada aos seguintes casos:
Monossílabos tônicos terminados em “a”, “e”, “o”, se-
guidos ou não de “s”. Ex.: pá – pé – dó – há 
Formas verbais terminadas em “a”, “e”, “o” tônicos, se-
guidas de lo, la, los, las. Ex. respeitá-lo – percebê-lo – com-
pô-lo 
Paroxítonas: 
Acentuam-se as palavras paroxítonas terminadas em: 
- i, is : táxi – lápis – júri 
- us, um, uns : vírus – álbuns – fórum 
- l, n, r, x, ps : automóvel – elétron - cadáver – tórax – 
fórceps 
- ã, ãs, ão, ãos : ímã – ímãs – órfão – órgãos 
-- Dica da Zê!: Memorize a palavra LINURXÃO. Para 
quê? Repare que essa palavra apresenta as terminações 
das paroxítonas que são acentuadas: L, I N, U (aqui inclua 
UM = fórum), R, X, Ã, ÃO. Assim ficará mais fácil a memo-
rização!
-ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido ou 
não de “s”: água – pônei – mágoa – jóquei 
Regras especiais: 
Os ditongos de pronúncia aberta “ei”, “oi” (ditongos 
abertos), que antes eram acentuados, perderam o acento 
de acordo com a nova regra, mas desde que estejam em 
palavras paroxítonas. 
* Cuidado: Se os ditongos abertos estiverem em uma 
palavra oxítona (herói) ou monossílaba (céu) ainda são 
acentuados. Ex.: herói, céu, dói, escarcéu.
Antes Agora
assembléia assembleia
idéia ideia
geléia geleia
jibóia jiboia
apóia (verbo apoiar) apoia
paranóico paranoico
 
Quando a vogal do hiato for “i” ou “u” tônicos, acom-
panhados ou não de “s”, haverá acento. Ex.: saída – faísca 
– baú – país – Luís 
Observação importante:
Não serão mais acentuados “i” e “u” tônicos, formando 
hiato quando vierem depois de ditongo: Ex.:
Antes Agora
bocaiúva bocaiuva
feiúra feiura
Sauípe Sauipe
O acento pertencente aos encontros “oo” e “ee” foi 
abolido. Ex.:
Antes Agora
crêem creem
lêem leem
vôo voo
enjôo enjoo
- Agora memorize a palavra CREDELEVÊ. São os verbos 
que, no plural, dobram o “e”, mas que não recebem mais 
acento como antes: CRER, DAR, LER e VER.
Repare:
1-) O menino crê em você
Os meninos creem em você.
2-) Elza lê bem!
Todas leem bem!
3-) Espero que ele dê o recado à sala.
Esperamos que os garotos deem o recado!
4-) Rubens vê tudo!
Eles veem tudo!
* Cuidado! Há o verbo vir:
Ele vem à tarde!
Eles vêm à tarde!
Não se acentuam o “i” e o “u” que formam hiato quan-
do seguidos, na mesma sílaba, de l, m, n, r ou z. Ra-ul, ru
-im, con-tri-bu-in-te, sa-ir, ju-iz 
Não se acentuam as letras “i” e “u” dos hiatos se esti-
verem seguidas do dígrafo nh. Ex: ra-i-nha, ven-to-i-nha. 
Não se acentuam as letras “i” e “u” dos hiatos se vierem 
precedidas de vogal idêntica: xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba 
As formas verbais que possuíam o acento tônico na 
raiz, com “u” tônico precedido de “g” ou “q” e seguido de 
“e” ou “i” não serão mais acentuadas. Ex.:
7
LÍNGUA PORTUGUESA
Antes Depois
apazigúe (apaziguar) apazigue
averigúe (averiguar) averigue
argúi (arguir) argui
Acentuam-se os verbos pertencentes à terceira pes-
soa do plural de: ele tem – eles têm / ele vem – eles vêm 
(verbo vir)
A regra prevalece também para os verbos conter, ob-
ter, reter, deter, abster. 
ele contém – eles contêm
ele obtém – eles obtêm
ele retém – eles retêm
ele convém – eles convêm 
Não se acentuam mais as palavras homógrafas que 
antes eram acentuadas para diferenciá-las de outras se-
melhantes (regra do acento diferencial). Apenas em algu-
mas exceções, como: 
A forma verbal pôde (terceira pessoa do singular do 
pretérito perfeito do modo indicativo) ainda continua sen-
do acentuada para diferenciar-se de pode (terceira pessoa 
do singular do presente do indicativo). Ex: 
Ela pode fazer isso agora.
Elvis não pôde participar porque sua mão não deixou...
O mesmo ocorreu com o verbo pôr para diferenciar da 
preposição por. 
- Quando, na frase, der para substituir o “por” por “co-
locar”, estaremos trabalhando com um verbo, portanto: 
“pôr”; nos outros casos, “por” preposição. Ex:
Faço isso por você.
Posso pôr (colocar) meus livros aqui?
Questões sobre Acentuação Gráfica
01. (TJ/SP – AGENTE DE FISCALIZAÇÃO JUDICIÁRIA – 
VUNESP/2010) Assinale a alternativa em que as palavras 
são acentuadas graficamente pelos mesmos motivos que 
justificam, respectivamente, as acentuações de: década, 
relógios, suíços.
(A) flexíveis, cartório, tênis.
(B) inferência, provável, saída.
(C) óbvio, após, países.
(D) islâmico, cenário, propôs.
(E) república, empresária, graúda.
02.(TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAU-
LO - ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – VUNESP/2013) 
Assinale a alternativa com as palavras acentuadas segundo 
as regras de acentuação, respectivamente, de intercâmbio 
e antropológico.
(A) Distúrbio e acórdão.
(B) Máquina e jiló.
(C) Alvará e Vândalo.
(D) Consciência e características.
(E) Órgão e órfãs.
03. (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE – 
TÉCNICO EM MICROINFORMÁTICA - CESPE/2012) As pa-
lavras “conteúdo”, “calúnia” e “injúria” são acentuadas de 
acordo com a mesma regra de acentuação gráfica.
( ) CERTO ( ) ERRADO
04. (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS 
GERAIS – OFICIAL JUDICIÁRIO – FUNDEP/2010) Assinale a 
afirmativa em que se aplica a mesma regra de acentuação. 
A) tevê – pôde – vê 
B) únicas – histórias – saudáveis 
C) indivíduo – séria – noticiários 
D) diário – máximo – satélite
05. (ANATEL – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-
PE/2012) Nas palavras “análise” e “mínimos”, o emprego 
do acento gráfico tem justificativas gramaticais diferentes.
(...) CERTO ( ) ERRADO
06. (ANCINE – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-
PE/2012) Os vocábulos “indivíduo”, “diária” e “paciência” 
recebem acento gráfico com base na mesma regra de 
acentuação gráfica.
(...) CERTO ( ) ERRADO
07. (BACEN – TÉCNICO DO BANCO CENTRAL – CES-
GRANRIO/2010) As palavras que se acentuam pelas mes-
mas regras de “conferência”, “razoável”, “países” e “será”, 
respectivamente, são
a) trajetória, inútil, café e baú.
b) exercício, balaústre, níveis e sofá.
c) necessário, túnel, infindáveis e só.
d) médio, nível, raízes e você.
e) éter, hífen, propôs e saída.
08. (CORREIOS – CARTEIRO – CESPE/2011) São acen-
tuados graficamente de acordo com a mesma regra de 
acentuação gráfica os vocábulos
A) também e coincidência.
B) quilômetros e tivéssemos.
C) jogá-la e incrível.
D) Escócia e nós.
E) correspondência e três.
09. (IBAMA – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – CES-
PE/2012) As palavras “pó”, “só” e “céu” são acentuadas de 
acordo com a mesma regra de acentuação gráfica. 
(...) CERTO ( ) ERRADO
GABARITO
01. E 02. D 03. E 04. C 05. E 
06. C 07. D 08. B 09. E 
8
LÍNGUA PORTUGUESA
 RESOLUÇÃO
1-) Década = proparoxítona / relógios = paroxítona 
terminada em ditongo / suíços = regra do hiato
(A) flexíveis e cartório = paroxítonas terminadas em 
ditongo / tênis = paroxítona terminada em “i” (seguida 
de “s”) 
(B) inferência = paroxítona terminada em ditongo / 
provável = paroxítona terminada em “l” / saída = regra do 
hiato
(C) óbvio = paroxítona terminada em ditongo / após 
= oxítona terminada em “o” + “s” / países = regra do hiato
(D) islâmico = proparoxítona / cenário = paroxítona 
terminada em ditongo / propôs = oxítona terminada em 
“o” + “s”
(E) república = proparoxítona / empresária = paroxíto-
na terminada em ditongo / graúda = regra do hiato 
2-) Para que saibamos qual alternativa assinalar, pri-
meiro temos que classificar as palavras do enunciado 
quanto à posição de sua sílaba tônica:
Intercâmbio = paroxítona terminada em ditongo; An-
tropológico = proparoxítona (todas são acentuadas). Ago-
ra, vamos à análise dos itens apresentados:
(A) Distúrbio = paroxítona terminada em ditongo; 
acórdão = paroxítona terminada em “ão”
(B) Máquina = proparoxítona; jiló = oxítona terminada 
em “o”
(C) Alvará = oxítona terminada em “a”; Vândalo = pro-
paroxítona
(D) Consciência = paroxítona terminada em ditongo; 
características = proparoxítona 
(E) Órgão e órfãs = ambas: paroxítona terminada em 
“ão” e “ã”, respectivamente.
3-) “Conteúdo” é acentuada seguindo a regra do hiato; 
calúnia = paroxítona terminada em ditongo; injúria = paro-
xítona terminada em ditongo. 
RESPOSTA: “ERRADO”.
4-) 
A) tevê – pôde – vê 
Tevê = oxítona terminada em “e”; pôde (pretérito per-
feito do Indicativo) = acento diferencial (que ainda preva-
lece após o Novo Acordo Ortográfico) para diferenciar de 
“pode” – presente do Indicativo; vê = monossílaba termi-
nada em “e”
B) únicas – histórias – saudáveis 
Únicas = proparoxítona; história = paroxítona termi-
nada em ditongo; saudáveis = paroxítona terminada em 
ditongo. 
C) indivíduo – séria – noticiários 
Indivíduo = paroxítona terminada em ditongo; séria = 
paroxítona terminada em ditongo; noticiários = paroxítona 
terminada em ditongo. 
D) diário – máximo – satélite
Diário = paroxítona terminada em ditongo; máximo = 
proparoxítona; satélite = proparoxítona. 
5-) Análise = proparoxítona / mínimos = proparoxíto-
na. Ambas são acentuadas pela mesma regra (antepenúlti-
ma sílaba é tônica, “mais forte”).
RESPOSTA: “ERRADO”.
6-) Indivíduo = paroxítona terminada em ditongo; diá-
ria = paroxítona terminada em ditongo; paciência = paro-
xítona terminada em ditongo. Os três vocábulos são acen-
tuados devido à mesma regra.
RESPOSTA: “CERTO”.
7-) Vamos classificar as palavras do enunciado:
1-) Conferência = paroxítona terminada em ditongo
2-) razoável = paroxítona terminada em “l’
3-) países = regra do hiato
4-) será = oxítona terminada em “a”
a) trajetória, inútil, café e baú.
Trajetória = paroxítona terminada em ditongo; inútil = 
paroxítona terminada em “l’; café = oxítona terminada em 
“e”
b) exercício, balaústre, níveis e sofá.
Exercício = paroxítona terminada em ditongo; balaús-
tre = regra do hiato; níveis = paroxítona terminada em “i + 
s”; sofá = oxítona terminada em “a”.
c) necessário, túnel, infindáveis e só.
Necessário = paroxítona terminada em ditongo; túnel 
= paroxítona terminada em “l’; infindáveis = paroxítona 
terminada em “i + s”; só = monossílaba terminada em “o”.
d) médio, nível, raízes e você.
Médio = paroxítona terminada em ditongo; nível = pa-
roxítona terminada em “l’; raízes = regra do hiato; será = 
oxítona terminada em “a”.
e) éter, hífen, propôs e saída.
Éter = paroxítona terminada em “r”; hífen = paroxítona 
terminada em “n”; propôs = oxítona terminada em “o + s”; 
saída = regra do hiato.
8-) 
A) também e coincidência.
Também = oxítona terminada em “e + m”; coincidência 
= paroxítona terminada em ditongo
B) quilômetros e tivéssemos.
Quilômetros = proparoxítona; tivéssemos = proparo-
xítona
C) jogá-la e incrível.
Oxítona terminada em “a”; incrível = paroxítona termi-
nada em “l’
D) Escócia e nós.
Escócia = paroxítona terminada em ditongo; nós = 
monossílaba terminada em “o + s”
E) correspondência e três.
Correspondência = paroxítona terminada em ditongo; 
três = monossílaba terminada em “e + s”
9-) Pó = monossílaba terminada em “o”; só = monos-
sílaba terminada em “o”; céu = monossílaba terminada em 
ditongo aberto “éu”.
RESPOSTA: “ERRADO”.
9
LÍNGUA PORTUGUESA
3. FLEXÃO NOMINAL E VERBAL. 
Flexão Nominal
Flexão de número: Os nomes (substantivo, adjetivo 
etc.), de modo geral, admitem a flexão de número: singular 
e plural: animal – animais. 
- Na maioria das vezes, acrescenta-se S: ponte – 
pontes; bonito – bonitos.
- Palavras terminadas em R ou Z: acrescenta-se ES: 
éter – éteres; avestruz – avestruzes. O pronome qualquer 
faz o plural no meio: quaisquer
- Palavras oxítonas terminadas em S: acrescenta-se 
ES: ananás – ananases. As paroxítonas e as proparoxítonas 
são invariáveis: o pires − os pires, o ônibus − os ônibus
- Palavras terminadas em IL: 
átono: trocam IL por EIS: fóssil – fósseis.
tônico: trocam L por S: funil – funis.
- Palavras terminadas em EL:
átono: plural em EIS: nível – níveis.
tônico: plural em ÉIS: carretel – carretéis.
- Palavras terminadas em X são invariáveis: o clímax 
− os clímax.
- Há palavras cuja sílaba tônica avança: júnior − junio-
res; caráter – caracteres. A palavra
Caracteres é plural tanto de caractere quanto de ca-
ráter.
- Palavras terminadas em ão fazem o plural em ãos, 
ães e ões. 
Em ões: balões, corações, grilhões, melões, gaviões.
Em ãos: pagãos, cristãos, cidadãos, bênçãos, órgãos. 
Os paroxítonos, como os dois últimos, sempre fazem o plu-
ral em ãos.
Em ães: escrivães, tabeliães, capelães,capitães, ale-
mães.
Em ões ou ãos: corrimões/corrimãos, verões/verãos, 
anões/anãos.
Em ões ou ães: charlatões/charlatães, guardiões/guar-
diães, cirugiões/cirurgiães.
Em ões, ãos ou ães: anciões/anciãos/anciães, ermi-
tões/ermitãos/ermitães
- Plural dos diminutivos com a letra z. Coloca-se a 
palavra no plural, corta-se o s e acrescenta-se zinhos (ou zi-
nhas): coraçãozinho – corações – coraçõe – coraçõezinhos.
- Plural com metafonia (ô - ó). Algumas palavras, 
quando vão ao plural, abrem o timbre da vogal “o”, outras 
não. Com metafonia singular (ô) plural (ó): coro-coros; cor-
vo-corvos; destroço-destroços. Sem metafonia singular (ô) 
plural (ô): adorno-adornos; bolso-bolsos; transtorno-trans-
tornos.
- Casos especiais: aval, avales e avaiscal − cales e cais-
cós − coses e cós – fel, feles e féis – mal e males – cônsul 
e cônsules.
- Os dois elementos variam. Quando os compostos 
são formados por substantivo mais palavra variável (adjeti-
vo, substantivo, numeral, pronome): amor-perfeito − amo-
res-perfeitos; couve-flor − couves-flores; segunda-feira − 
segundas-feiras.
- Só o primeiro elemento varia. Quando há preposição 
no composto, mesmo que oculta: pé-de-moleque − pés-
de-moleque; cavalo-vapor − cavalos-vapor (de ou a vapor). 
Quando o segundo substantivo determina o primeiro (fim 
ou semelhança): banana-maçã − bananas-maçã (semelhan-
te a maçã); navio-escola − navios-escola (a finalidade é a 
escola).
Alguns autores admitem a flexão dos dois elementos. 
É uma situação polêmica: mangas-espada (preferível) ou 
mangas-espadas. Quando dizemos (e isso vai ocorrer ou-
tras vezes) que é uma situação polêmica, discutível, convém 
ter em mente que a questão do concurso deve ser resolvida 
por eliminação, ou seja, analisando bem as outras opções.
- Apenas o último elemento varia. Quando os ele-
mentos são adjetivos: hispano-americano − hispano-ame-
ricanos. A exceção é surdo-mudo, em que os dois adjeti-
vos se flexionam: surdos-mudos. Nos compostos em que 
aparecem os adjetivos grão, grã e bel: grão-duque − grão-
duques; grã-cruz − grã-cruzes; bel-prazer − bel-prazeres. 
Quando o composto é formado por verbo ou qualquer 
elemento invariável (advérbio, interjeição, prefixo etc.) mais 
substantivo ou adjetivo: arranha-céu − arranha-céus; sem-
pre-viva − sempre-vivas; super-homem − super-homens. 
Quando os elementos são repetidos ou onomatopaicos (re-
presentam sons): reco-reco − reco-recos; pingue-pongue − 
pingue-pongues; bem-te-vi − bem-te-vis.
Como se vê pelo segundo exemplo, pode haver algu-
ma alteração nos elementos, ou seja, não serem iguais. Se 
forem verbos repetidos, admite-se também pôr os dois no 
plural: pisca-pisca − pisca-piscas ou piscas-piscas
- Nenhum elemento varia. Quando há verbo mais palavra 
invariável: O cola-tudo – os cola-tudo. Quando há dois verbos 
de sentido oposto: o perde-ganha – os perde-ganha. Nas fra-
ses substantivas (frases que se transformam em substantivos): 
O maria-vai-com-as-outras − os maria-vai-com-as-outras.
- São invariáveis arco-íris, louva-a-deus, sem-vergonha, 
sem-teto e sem-terra: Os sem-terra apreciavam os arco-íris. 
Admitem mais de um plural: pai-nosso − pais-nossos ou 
pai-nossos; padre-nosso − padres-nossos ou padre-nos-
sos; terra-nova − terras-novas ou terra-novas; salvo-con-
duto − salvos-condutos ou salvo-condutos; xeque-mate 
− xeques-mates ou xeques-mate; fruta-pão − frutas-pães 
ou frutas-pão; guarda-marinha − guardas-marinhas ou 
guardas-marinha. Casos especiais: palavras que não se en-
caixam nas regras: o bem-me-quer − os bem-me-queres; 
o joão-ninguém − os joões-ninguém; o lugar-tenente − os 
lugar-tenentes; o mapa-múndi − os mapas-múndi.
10
LÍNGUA PORTUGUESA
Flexão de Gênero: Os substantivos e as palavras que 
o acompanham na frase admitem a flexão de gênero: mas-
culino e feminino: Meu amigo diretor recebeu o primeiro 
salário. Minha amiga diretora recebeu a primeira prestação. 
A flexão de feminino pode ocorrer de duas maneiras. 
- Com a troca de o ou e por a: lobo – loba; mestre – 
mestra.
- Por meio de diferentes sufixos nominais de gêne-
ro, muitas vezes com alterações do radical: ateu – atéia; 
bispo – episcopisa; conde – condessa; duque – duquesa; 
frade – freira; ilhéu – ilhoa; judeu – judia; marajá – marani; 
monje – monja; pigmeu – pigmeia; píton – pitonisa; sandeu 
– sandia; sultão – sultana. 
Alguns substantivos são uniformes quanto ao gênero, 
ou seja, possuem uma única forma para masculino e femi-
nino. Podem ser: 
Sobrecomuns: admitem apenas um artigo, podendo 
designar os dois sexos: a pessoa, o cônjuge, a testemunha. 
Comuns de dois gêneros: admitem os dois artigos, po-
dendo então ser masculinos ou femininos: o estudante − a 
estudante, o cientista − a cientista, o patriota − a patriota.
 Epicenos: admitem apenas um artigo, designando os 
animais: O jacaré, a cobra, o polvo
O feminino de elefante é elefanta , e não elefoa. Aliá 
é correto, mas designa apenas uma espécie de elefanta. 
Mamão, para alguns gramáticos, deve ser considerado epi-
ceno. É algo discutível. 
Há substantivos de gênero duvidoso, que as pessoas 
costumam trocar: champanha aguardente, dó, alface, eclip-
se, calformicida, cataplasma, grama (peso), grafite, milhar 
libido, plasma, soprano, musse, suéter, preá, telefonema.
Existem substantivos que admitem os dois gêneros: 
diabetes (ou diabete), laringe, usucapião etc.
Flexão de Grau: 
Grau do substantivo
- Normal ou Positivo: sem nenhuma alteração. 
- Aumentativo: Sintético: chapelão. Analítico: cha-
péu grande, chapéu enorme etc.
- Diminutivo: Sintético: chapeuzinho. Analítico: cha-
péu pequeno, chapéu reduzido etc. Um grau é sintético 
quando formado por sufixo; analítico, por meio de outras 
palavras.
Grau do adjetivo
- Normal ou Positivo: João é forte.
- Comparativo: de superioridade: João é mais forte 
que André. (ou do que); de inferioridade: João é menos 
forte que André. (ou do que); de igualdade: João é tão 
forte quanto André. (ou como)
- Superlativo: Absoluto: sintético: João é fortíssimo; 
analítico: João é muito forte (bastante forte, forte demais 
etc.); Relativo: de superioridade: João é o mais forte da 
turma; de inferioridade: João é o menos forte da turma.
O grau superlativo absoluto corresponde a um aumen-
to do adjetivo. Pode ser expresso por um sufixo (íssimo, 
érrimo ou imo) ou uma palavra de apoio, como muito, 
bastante, demasiadamente, enorme etc. As palavras maior, 
menor, melhor, e pior constituem sempre graus de supe-
rioridade: O carro é menor que o ônibus; menor (mais pe-
queno): comparativo de superioridade. Ele é o pior do gru-
po; pior (mais mau): superlativo relativo de superioridade. 
Alguns superlativos absolutos sintéticos que podem 
apresentar dúvidas. acre – acérrimo, amargo – amaríssimo; 
amigo – amicíssimo; antigo – antiqüíssimo; cruel – crudelís-
simo; doce – dulcíssimo; fácil – facílimo; feroz – ferocíssimo; 
fiel – fidelíssimo; geral – generalíssimo; humilde – humíli-
mo; magro – macérrimo; negro – nigérrimo; pobre – pau-
pérrimo; sagrado – sacratíssimo; sério – seriíssimo; soberbo 
– superbíssimo.
Flexão Verbal
As flexões verbais são expressas por meio dos tempos, 
modo e pessoa da seguinte forma: O tempo indica o mo-
mento em que ocorre o processo verbal; O modo indica a 
atitude do falante (dúvida, certeza, impossibilidade, pedi-
do, imposição, etc.); A pessoa marca na forma do verbo a 
pessoa gramatical do sujeito. 
Tempos: Há tempos do presente, do passado (pretéri-
to) e do futuro. 
Modo
Modo Indicativo: Indica uma certeza relativa do falan-
te com referência ao que o verbo exprime; pode ocorrer no 
tempo presente, passado ou futuro: 
Presente: Processo simultâneo ao ato da fala, fato cor-
riqueiro, habitual: Compro livros nesta livraria. Usa-se tam-
bém o presente com o valor de passado, passado histórico 
(nos contos, narrativas) 
Tempos do Pretérito (passado): Exprimem processos 
anteriores ao ato da fala. São eles: 
- Pretérito Imperfeito: Exprime um processo habitual, 
ou com duração no tempo: Naquelaépoca eu cantava 
como um pássaro. 
- Pretérito Perfeito: Exprime uma ação acabada: Paulo 
quebrou meu violão de estimação. 
- Pretérito Mais-que-Perfeito: Exprime um processo 
anterior a um processo acabado: Embora tivera deixado a 
escola, ele nunca deixou de estudar. 
Tempos do Futuro: Indicam processos que irão acon-
tecer: 
- Futuro do Presente: Exprime um processo que ainda 
não aconteceu: Farei essa viagem no fim do ano. 
- Futuro do Pretérito: Exprime um processo posterior 
a um processo que já passou: Eu faria essa viagem se não 
tivesse comprado o carro. 
11
LÍNGUA PORTUGUESA
Modo Subjuntivo: Expressa incerteza, possibilidade ou 
dúvida em relação ao processo verbal e não está ligado 
com a noção de tempo. Há três tempos: presente, imperfei-
to e futuro. Quero que voltes para mim; Não pise na gra-
ma; É possível que ele seja honesto; Espero que ele fique 
contente; Duvido que ele seja o culpado; Procuro alguém 
que seja meu companheiro para sempre; Ainda que ele 
queira, não lhe será concedida a vaga; Se eu fosse bailari-
na, estaria na Rússia; Quando eu tiver dinheiro, irei para as 
praias do nordeste. 
Modo Imperativo: Exprime atitude de ordem, pedido 
ou solicitação: Vai e não voltes mais. 
Pessoa: A norma da língua portuguesa estabelece três 
pessoas: Singular: eu , tu , ele, ela. Plural: nós, vós, eles, elas. 
No português brasileiro é comum o uso do pronome de 
tratamento você (s) em lugar do tu e vós.
Exercícios
01. Assinale o par de vocábulos que formam o plural 
como órfão e mata-burro, respectivamente:
a) cristão / guarda-roupa
b) questão / abaixo-assinado
c) alemão / beija-flor
d) tabelião / sexta-feira
e) cidadão / salário-família
02. Relativamente à concordância dos adjetivos com-
postos indicativos de cor, uma, dentre as seguintes, está 
errada. Qual?
a) saia amarelo-ouro
b) papel amarelo-ouro
c) caixa vermelho-sangue
d) caixa vermelha-sangue
e) caixas vermelho-sangue
03. Indique a frase correta:
a) Mariazinha e Rita são duas leva-e-trazes.
b) Os filhos de Clotilde são dois espalhas-brasas.
c) O ladrão forçou a porta com dois pés-de-cabra.
d) Godofredo almoçou duas couves-flor.
e) Alfredo e Radagásio são dois gentilhomens.
04. Flexão incorreta:
a) os cidadãos
b) os açúcares
c) os cônsules
d) os tóraxes
e) os fósseis
05. Mesma pronúncia de “bolos”:
a) tijolos
b) caroços
c) olhos
d) fornos
e) rostos
06. Não varia no plural:
a) tique-taque
b) guarda-comida
c) beija-flor
d) para-lama
e) cola-tudo
07. Está mal flexionado o adjetivo na alternativa:
a) Tecidos verde-olivas
b) Festas cívico-religiosas
c) Guardas noturnos luso-brasileiros
d) Ternos azul-marinho
e) Vários porta-estandartes
08. Na sentença “Há frases que contêm mais beleza do 
que verdade”, temos grau:
a) comparativo de superioridade
b) superlativo absoluto sintético
c) comparativo de igualdade
d) superlativo relativo
e) superlativo por meio de acréscimo de sufixo
09. Assinale a alternativa em que a flexão do substanti-
vo composto está errada:
a) os pés-de-chumbo
b) os corre-corre
c) as públicas-formas
d) os cavalos-vapor
e) os vaivéns
10. Aponte a alternativa em que haja erro quanto à fle-
xão do nome composto:
a) vice-presidentes, amores-perfeitos, os bota-fora
b) tico-ticos, salários-família, obras-primas
c) reco-recos, sextas-feiras, sempre-vivas
d) pseudo-esferas, chefes-de-seção, pães-de-ló
e) pisca-piscas, cartões-postais, mulas-sem-cabeças
Respostas: 1-A / 2-D / 3-C / 4-D / 5-E / 6-E / 7-A / 8-A 
/ 9-B / 10-E /
4. PRONOMES: EMPREGO, FORMAS DE 
TRATAMENTO E COLOCAÇÃO.
PRONOME
Pronome é a palavra que se usa em lugar do nome, ou 
a ele se refere, ou que acompanha o nome, qualificando-o 
de alguma forma.
A moça era mesmo bonita. Ela morava nos meus sonhos!
[substituição do nome]
A moça que morava nos meus sonhos era mesmo bonita!
[referência ao nome]
Essa moça morava nos meus sonhos!
[qualificação do nome]
12
LÍNGUA PORTUGUESA
Grande parte dos pronomes não possuem significados 
fixos, isto é, essas palavras só adquirem significação dentro 
de um contexto, o qual nos permite recuperar a referên-
cia exata daquilo que está sendo colocado por meio dos 
pronomes no ato da comunicação. Com exceção dos pro-
nomes interrogativos e indefinidos, os demais pronomes 
têm por função principal apontar para as pessoas do dis-
curso ou a elas se relacionar, indicando-lhes sua situação 
no tempo ou no espaço. Em virtude dessa característica, 
os pronomes apresentam uma forma específica para cada 
pessoa do discurso.
Minha carteira estava vazia quando eu fui assaltada.
[minha/eu: pronomes de 1ª pessoa = aquele que fala]
Tua carteira estava vazia quando tu foste assaltada?
[tua/tu: pronomes de 2ª pessoa = aquele a quem se 
fala]
A carteira dela estava vazia quando ela foi assaltada.
[dela/ela: pronomes de 3ª pessoa = aquele de quem 
se fala]
Em termos morfológicos, os pronomes são palavras 
variáveis em gênero (masculino ou feminino) e em núme-
ro (singular ou plural). Assim, espera-se que a referência 
através do pronome seja coerente em termos de gênero 
e número (fenômeno da concordância) com o seu objeto, 
mesmo quando este se apresenta ausente no enunciado.
Fala-se de Roberta. Ele quer participar do desfile da nos-
sa escola neste ano.
[nossa: pronome que qualifica “escola” = concordância 
adequada]
[neste: pronome que determina “ano” = concordância 
adequada]
[ele: pronome que faz referência à “Roberta” = concor-
dância inadequada]
Existem seis tipos de pronomes: pessoais, possessivos, 
demonstrativos, indefinidos, relativos e interrogativos.
Pronomes Pessoais
São aqueles que substituem os substantivos, indicando 
diretamente as pessoas do discurso. Quem fala ou escreve 
assume os pronomes “eu” ou “nós”, usa os pronomes “tu”, 
“vós”, “você” ou “vocês” para designar a quem se dirige e 
“ele”, “ela”, “eles” ou “elas” para fazer referência à pessoa 
ou às pessoas de quem fala.
Os pronomes pessoais variam de acordo com as fun-
ções que exercem nas orações, podendo ser do caso reto 
ou do caso oblíquo.
Pronome Reto
Pronome pessoal do caso reto é aquele que, na sen-
tença, exerce a função de sujeito ou predicativo do sujeito.
Nós lhe ofertamos flores.
Os pronomes retos apresentam flexão de número, gêne-
ro (apenas na 3ª pessoa) e pessoa, sendo essa última a prin-
cipal flexão, uma vez que marca a pessoa do discurso. Dessa 
forma, o quadro dos pronomes retos é assim configurado:
 - 1ª pessoa do singular: eu 
- 2ª pessoa do singular: tu
- 3ª pessoa do singular: ele, ela
- 1ª pessoa do plural: nós
- 2ª pessoa do plural: vós
- 3ª pessoa do plural: eles, elas
Atenção: esses pronomes não costumam ser usados 
como complementos verbais na língua-padrão. Frases 
como “Vi ele na rua”, “Encontrei ela na praça”, “Trouxeram 
eu até aqui”, comuns na língua oral cotidiana, devem ser 
evitadas na língua formal escrita ou falada. Na língua for-
mal, devem ser usados os pronomes oblíquos correspon-
dentes: “Vi-o na rua”, “Encontrei-a na praça”, “Trouxeram-
me até aqui”.
Obs.: frequentemente observamos a omissão do pro-
nome reto em Língua Portuguesa. Isso se dá porque as 
próprias formas verbais marcam, através de suas desinên-
cias, as pessoas do verbo indicadas pelo pronome reto: Fi-
zemos boa viagem. (Nós)
 
Pronome Oblíquo
Pronome pessoal do caso oblíquo é aquele que, na sen-
tença, exerce a função de complemento verbal (objeto di-
reto ou indireto) ou complemento nominal.
Ofertaram-nos flores. (objeto indireto)
Obs.: em verdade, o pronome oblíquo é uma forma 
variante do pronome pessoal do caso reto. Essa variação 
indica a função diversa que eles desempenham na oração: 
pronome reto marca o sujeito da oração; pronome oblíquo 
marca o complemento da oração.
Os pronomes oblíquos sofrem variação de acordo com 
a acentuação tônica que possuem, podendo ser átonos ou 
tônicos.
Pronome Oblíquo Átono
São chamados átonos os pronomes oblíquos que não 
são precedidos de preposição. Possuem acentuação tônica 
fraca: Ele me deu um presente.

Outros materiais