TRATAMENTO DA PSICOSE (Antipsicóticos, Neurolépticos, Tranquilizantes Maiores)
1 pág.

TRATAMENTO DA PSICOSE (Antipsicóticos, Neurolépticos, Tranquilizantes Maiores)

Pré-visualização1 página

TRATAMENTO DA PSICOSE (Antipsicóticos, Neurolépticos, Tranquilizantes Maiores)


Fenômenos Psicótico


Psicose = Estado no qual o indivíduo perde o contato com a realidade


Síndrome Ansiedade/Depressão – Síndrome Psicótica/Déficit Cognitivo – Déficit Cognitivo moderado – Quadro Demencial


Psicoses: Diagnósticos Diferenciais

·        Demência

·        Depressão Maior Grave

·        Delirium – INFECÇÕES, CIRURGIAS, DESIDRATAÇÃO

·        AVC

·        Episódio Maníaco

·        Psicose Induzida por Medicação

·        Transtorno Delirante Persistente

 

 

Esquizofrenia: O Fenótipo

 

Sintomas Positivos (estimulam a função mental) – Alvos farmacológicos dos antipsicóticos de primeira geração

·        Alucinações (Visuais, Olfativas, Auditivas)

·        Delírios (Perseguição, Conspiração)

·        Desorganização do Discurso

·        Desorganização do Comportamento

Saliência Aberrante:

·        Desregulação Dopaminérgica

·        Tônus Afetivo

·        Significado Especial

·        Epifania

 

Sintomas Negativos (não estimulam a função mental):

·        Apatia, Avolia, Anedonia, Ambivalência = 4 As (Pode-se incluir Autismo)

·        Verbalização reduzida

·        Pouca higiene

·        Contato ocular limitado

·        Resposta emocional reduzida

·        Isolamento social

Sintomas Afetivos, Sintomas Agressivos, Sintomas Cognitivos

 

 

 

Fisiopatologia

Teorias

·        Desregulação Dopaminérgica

·        Desregulação Glutamatérgica

·        Desregulação Gabaérgica

·        Desregulação Serotoninérgica

Protótipo dos Antipsicóticos: Bloqueio pós-sináptico dos receptores dopaminérgicos (especialmente D2)

Receptores Dopaminérgicos = D1/D5 (estimulatórios) e D2/D3/D4 (inibitórios)

O aumento da atividade dopaminérgica agrava esquizofrenia

 

 

Vias Dopaminérgicas

 

1.  Substância Nigra - Núcleo Estriado = (Via Nigro-Estriatal)

          Via Relacionada à Doença de Parkinson - Parkisonismo Induzido por Drogas

Via Inibitória


2.  Área Tegumentar Ventral (Tegmentum) - Núcleo Accumbens/Sistema Límbico (Mesolímbica)

a.      Motivação, Emoção e Recompensa

b.  Hiperestimulação Dopaminérgica: Responsável pelos Sintomas Positivos = Precisa ser inibida

c.      Receptores Inibitórios (D2/D3/D4) associados ao GABA


3. Área Tegumentar Ventral (Tegmentum) – Córtex Pré-Frontal = (Mesofrontal/Mesocortical)

a.      Planejamento, Foco, Organização, Atenção

b.  Hipoestimulação Dopaminérgica: Piora dos Sintomas Negativos;= Precisa ser estimulada

c.      Receptores Excitatórios (D1/D5)


4.   Via Pituitária-Hipotalamo (Tuberoinfundibular) – Hiperprolactinemia

a.      Via Inibitória


5.   Via Dopaminérgicas Talâmicas – (Instintos Primitivos = Fome, Sexo, Impulsos)


 

MECANISMO DE AÇÃO DOS ANTIPSICÓTICOS

 

ANTIPSICÓTICOS DE PRIMEIRA GERAÇÃO (TÍPICOS)

 

Inibição mais seletiva para receptores dopaminérgicos D2

·        Clorpromazina (baixa potência = menor afinidade) (maior efeito alfa-1 bloq., maior efeito anti-histamínico, maior efeito anti-colinérgico)

·        Tioridazona (baixa potência) (maior efeito alfa-1 bloq., maior efeito anti-histamínico, maior efeito anti-colinérgico)

·        Levomepromazina

·        Haloperidol (alta potência) (pouco efeito anti-colinérgico)

·        Flufenazina (alta potência) (maior efeito anti-H1, pouco efeito anti-colinérgico)

São antagonistas dos receptores D2, M1, alfa-1 e H1. Pouca afinidade pelos receptores 5-HT2

Bloqueio das quatro vias dopaminérgicas:

·        Via Mesolímbica: Melhora dos sintomas positivos

·        Via Mesocortical: Agrava os sintomas negativos

·        Via Nigroestriatal: Síndrome Extrapiramidal

·        Via Tuberoinfundibular: Hiperprolactemia

 


Efeitos Extrapiramidais:

·        Distonia: Espasmos musculares (poucas horas após uso)

·        Acatisia: Síndrome das Pernas Inquietas (dias-semanas)

·        Parkisonismo Farmacológico: Rigidez muscular, bradicinesia e tremores (semanas – meses)

·        Discinesia Tardia: Caretas, mastigação constante (meses-anos, podendo ser irreversível)

A retirada abrupta de paciente usando antipsicóticos típicos pode ocasionar Discinesia Tardia e Catatonia, devido up-regulation de receptores D2 nos neurônios colinérgicos

 

Efeitos Hormonais:

O antipsicótico reduz o efeito inibitório da dopamina na hipófise, diminuindo a inibição da liberação de prolactina

·        Hiperprolactemia

·        Amenorreia/Galactorreia

·        Ginecomastia

 

Reações Adversas

1.             Efeitos Anticolinérgicos

·        Perda da acomodação visual

·        Xerostomia

·        Constipação

·        Retenção Urinária

2.             Bloqueio Alfa 1

·        Hipotensão ortostática

·        Disfunção Erétil

·        Retardo Ejaculatório

3.             Bloqueio H1 histaminérgico

·        Efeito hipnótico

·        Ganho Ponderal

 

ANTIPSICÓTICOS DE SEGUNDA GERAÇÃO (ATÍPICOS)

 

Inibição de receptores serotoninérgicos 5-HT2

 

1.      Clozapina (Protótipo e Padrão – Ouro)

·         Risco de discrasias hematológicas, como agranulocitose = uso em casos refratários

·        Efeito anti-histamínico potente

·        Efeito anti-colinérgico potente

·        Antagonismo alfa-adrenérgico potente

·        Risco Cardiometabólico alto (Síndrome Metabólica) = Receptor X

 

2.      Olanzapina

·        Disponível em formulação de longa duração;

·        Efeito anti-histaminico potente (menor que a Clozapina)

·        Efeito anti-colinérgico potente

·        Risco Cardiometabólico alto (Síndrome Metabólica) = Receptor X

 

3.      Quetiapina

·        Efeito anti-histamínico

·        Efeito anti-colinérgico potente

·        Antagonismo alfa-adrenérgico potente

Efeito dose-dependente (“Família Urso”):

·        Papai Urso: Antipsicótico (800mg)

·        Mamãe Urso: Antidepressivo (300mg)

·        Bebê Urso: Sedativo Hipnótico (50mg)

·        Risco Cardiometabólico intermediário

 

4.      Risperidona

·        Maior potência;

·        Disponível em formulação de longa duração

·        Antagonismo alfa-adrenérgico potente

·        Risco Cardiometabólico intermediário

Mais típico dos atípicos = Efeitos Extrapiramidais!


 

5.      Aripiprazol

·        Maior potência;

·        Agonista parcial de D2 = Estabilizador do sistema dopaminérgico

·        Pouco antagonismo muscarinico

·        Pouco antagonismo histamínico = Pouca propensão ao ganho de peso

·        Risco Cardiometabólico baixo


Bloqueio de receptores serotoninérgicos 5TH2A, 5HT2C e 5HT3, M1, H1, alfa 1 e dopaminérgicos D1, D2 e D4

·        Mais eficazes no alívio dos sintomas negativos

·        Menor efeito extrapiramidal

·         Não produzem discinesias tardias

·        Eficazes em casos de resistência aos antipsicóticos típicos

·        Melhoram a função cognitiva