lei processual penal no tempo
5 pág.

lei processual penal no tempo


DisciplinaDireito Penal I73.516 materiais1.214.065 seguidores
Pré-visualização1 página
2
GRADUAÇÃO EM DIREITO
RODRIGO BEZERRA DE LIMA
LEI PROCESSUAL PENAL NO TEMPO
JOÃO PESSOA-PB
2019
RODRIGO BEZERRA DE LIMA
LEI PROCESSUAL PENAL NO TEMPO
JOÃO PESSOA-PB
2019
1. CONCEITO 
É princípio geral do direito que as normas jurídicas limitam-se no tempo e no espaço, isto é, aplicam-se em um determinado território e em um determinado lapso de tempo.
Com as normas de direito processual penal, não é diferente.
No nosso direito, foi adotado o princípio da aplicação imediata das normas processuais, sem efeito retroativo. É o que estampa o art. 2º do CPP: \u201cA lei processual penal aplicar-se-á desde, sem prejuízo dos atos realizados sob a vigência da lei anterior\u201d. Não há efeitos retroativos na lei processual, somente na lei penal (material) quando mais benéfica. Ex: perdão, anistia, indulto, graça, livramento condicional etc.
Aplica-se, portanto, o princípio do tempus regit actum, ou seja, o tempo rege a ação. Desse princípio, derivam 2 efeitos:
1. As normas processuais têm aplicação imediata, regulado o desenrolar restante do processo, respeitados o ato jurídico perfeito, o direito adquirido e a coisa julgada (art. 5º, XXXVI, CF; LICC art. 6º, CPP, art. 2º).
2. Os atos realizados sob a vigência da lei anterior são considerados válidos.
Deve-se ressaltar, mais uma vez, que a lei processual penal se aplica para o futuro, isto é, não é retroativa, uma vez que só se aplica aos fatos processuais que ocorrerem após a sua entrada em vigor.
A lei processual "respinga" apenas no processo, sem "respingar" na pretensão punitiva.
Há, porém, uma ressalva, que diz respeito às normas mistas, ou seja, de caráter processual e material, conjuntamente \u2013 Normas Heterotópicas. Se a norma contiver disposições de ordem material e processual, deve prevalecer a norma de caráter material, aplicando-se o art. 2º e parágrafo único do CP: se beneficiar o acusado, retroage. Se não beneficiar, não retroage. Ex: prisão; Liberdade Provisória; Fiança; Progressão; se vai responder solto ou não etc.
Como toda lei, a lei processual penal também só se revoga por outra lei, seja expressa ou tacitamente (se incompatível). Art. 2º, § 1º, da Lei 4.657/42 \u2013 LICC. A revogação, ainda, pode ser: total (ab-rogação) ou parcial (derrogação).
2. PRINCIPIOS
2.1 Tempus regict actum
Tempus regit actum é uma expressão jurídica latina que significa literalmente o tempo rege o ato, no sentido de que os atos jurídicos se regem pela lei da época em que ocorreram. Porém, existem duas exceções possíveis que consistem na validade da lei a algo ocorrido anteriormente ao início de sua vigência (retroatividade) e futuramente à revogação da referida (ultratividade).
A norma a aplicar é aquela que está em vigor à data da prática do ato, os fatos complexos de produção sucessiva regem-se pelo regime do tempo em que foram constituídos. Não obstante, caso o fato constitutivo produza efeitos jurídicos que se prolongam no tempo, pode-se aplicar a nova norma, sem que se afete as legítimas expectativas dos interessados. Neste caso, tem de haver um compromisso com o princípio da tutela da expectativa; sendo o mesmo nos sentidos dos atos jurídicos.
Em matéria de Direito Processual Penal Militar, também vigora o princípio "tempus regit actum". O princípio também é conhecido como principio de aplicação imediata das normas processuais penais militares. Está previsto assim: Art. 5º As normas deste Código aplicar-se-ão a partir da sua vigência, inclusive nos processos pendentes, ressalvados os casos previstos no art. 711, e sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior. Este dispositivo deve ser combinado com o Art. 2º do mesmo Diploma Militar. 
Mesmo pensamento é sustentado pelo jurista Adolfo Moisés Vieira da Rocha, que também adere à ideia de efeito imediato, exceção prevista apenas em normas de cunho híbrido, ou seja, que contém matéria penal e processual penal.
REFERENCIAS
BRASIL. Código de Processo Penal. Lei 3.689 de 3 de outubro de 1941.
BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Tradução: Ari Marcelo Solon. Prefácio: Celso Lafer. Apresentação: Tércio Sampaio Ferraz Júnior. 2.ª ed. São Paulo: Edipro, 2014.
ARAUJO, Tales. Aplicação da Lei processual penal no tempo e no espaço. Disponível em: < https://www.megajuridico.com/aplicacao-da-lei-processual-penal-no-tempo-e-no-espaco/ Acesso em: 22/05/2019.
Venho apresentar este trabalho acadêmico
para obtenção de nota NP2 da Disciplina de Teoria Geral do Processo Penal, ministrada pelo professor, Paulo Cunha do curso de Direito das Faculdades ASPER e FAP.