Estratégias Educativas para a Prevenção da Violência
163 pág.

Estratégias Educativas para a Prevenção da Violência


DisciplinaEducação Física64.392 materiais344.708 seguidores
Pré-visualização33 páginas
Estratégias Educativas para
a Prevenção da Violência
Rosario Ortega e Rosario del Rey
Brasília, novembro de 2002
As autoras são responsáveis pela escolha e apresentação dos fatos contidos neste livro,
bem como pelas opiniões nele expressas, que não são necessariamente as da UNESCO,
nem comprometem a Organização. As indicações de nomes e a apresentação do material
ao longo deste livro não implicam a manifestação de qualquer opinião por parte da
UNESCO a respeito da condição jurídica de qualquer país, território, cidade, região ou
de suas autoridades, nem tampouco a delimitação de suas fronteiras ou limites.
Título original: Estrategias educativas para la prevención de la violencia:
mediación y diálogo
Publicado originalmente pela Cruz Roja Juventud \ufffd España.
\ufffdUNESCO 2002
\ufffdUNESCO 2002 Edição brasileira
A edição brasileira foi publicada pelo Escritório da UNESCO no Brasil
Estratégias Educativas para
a Prevenção da Violência
Rosario Ortega e Rosario del Rey
edições UNESCO BRASIL
Conselho Editorial da UNESCO no Brasil
Jorge Werthein
Cecilia Braslavsky
Juan Carlos Tedesco
Adama Ouane
Célio da Cunha
Comitê para a Área de Ciências Sociais e Desenvolvimento Social
Julio Jacobo Waiselfisz
Carlos Alberto Vieira
Marlova Jovchelovitch Noleto
Tradução: Joaquim Ozório
Revisão:Mirna Saad Vieira
Revisão Técnica:Marlova Jovchelovitch Noleto e Maria Fernanda Pires
Assistente Editorial: Larissa Vieira Leite
Diagramação: Fernando Brandão
Projeto Gráfico: Edson Fogaça
Copyrigth ©2002, UNESCO
Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
Representação no Brasil
SAS, Quadra 5 Bloco H, Lote 6,
Ed. CNPq/IBICT/UNESCO, 9º andar.
70070-914 \ufffd Brasília \ufffd DF \ufffd Brasil
Tel.: (55 61) 321-3525
Fax: (55 61) 322-4261
E-mail: UHBRZ@unesco.org.br
Ortega-Ruiz, Rosario
Estratégias educativas para a prevenção da violência / Rosario
Ortega e Rosario del Rey; tradução de Joaquim Ozório \ufffd Brasília
: UNESCO, UCB, 2002.
170p.
Título original: Estrategias educativas para la prevención de la
violencia: mediación y diálogo.
ISBN:
1. Problemas Sociais 2. Juventude 3. Violência 4. Educação
5. Cultura de Paz I. Del Rey, Rosario II. UNESCO III. Título
CDD 361.1
mailto:UHBRZ@unesco.org.br
NOTA SOBRE AS AUTORAS
ROSÁRIO ORTEGA é catedrática da Escola Universitária em
Sevilha e presta serviços também como catedrática na
Universidade de Córdoba. Além disso, dirige o projeto
\ufffdAndalucía Anti-Violencia Escolar: SAVE\ufffd e coordena o projeto
europeu \ufffdTackling Violence in Schools on European-wide
Basis\ufffd. Em 2000, publicou \ufffdEducar la Convivencia para Prevenir
la Violência\ufffd e, atualmente, é parceira do \ufffdEuropean
Observatory of Violence in Schools\ufffd.
ROSÁRIO DEL REY é bacharel em Pedagogia. Atualmente,
é professora colaboradora interina do Departamento de
Psicologia Evolutiva e de Educação da Universidade de Sevilha.
Além disso, publicou diversos artigos e participou do projeto
de investigação Peer Support Project no Center for the Study
of Peer and Family Relationship in School of Psychology and
Counseling da Universidade Survey de Londres.
SUMÁRIO
Prefácio ..................................................................................................... 9
Abstract ................................................................................................... 13
Introdução .............................................................................................. 13
1. OS PROBLEMAS DA CONVIVÊNCIA: FALTA
DE MOTIVAÇÃO, NATUREZA CONFLITUOSA
E VIOLÊNCIA ESCOLAR ...................................................... 15
Subsistemas de relações interpessoais: a ecologia
humana do centro educacional .................................................. 20
O problema da motivação para o estudo e o
clima de conflito escolar ............................................................. 24
O clima de conflito e o risco de violência escolar .................. 29
Trabalhar a convivência para prevenir o clima de
conflito e a violência .................................................................... 32
2. ENFRENTAR O CLIMA DE CONFLITO,
PROJETANDO A CONVIVÊNCIA ..................................... 37
Ensinar ou educar? ...................................................................... 39
A convivência não é plana .......................................................... 42
Alfabetização emocional e vida em comum ............................ 44
Como desenhar um projeto de educação para
a convivência? ............................................................................... 48
Primeira fase: análise do contexto e avaliação prévia
das necessidades ........................................................................... 48
Explorando o clima de conflito escolar ................................... 51
Segunda fase: compreender a situação e priorizar
a intervenção ................................................................................. 52
Terceira fase: planejamento e desenho das ações
a serem desenvolvidas ................................................................. 55
Quarta fase: o desenvolvimento das atividades
e a seqüenciação das mesmas ..................................................... 60
Quinta fase: Avaliar como um processo de reflexão
crítica estimula o avanço ............................................................. 61
8
Fase Final: elaboração de um relatório e publicação
da experiência ............................................................................... 64
3. CONVIVÊNCIA E FORMAÇÃO DOS DOCENTES:
O DIÁLOGO COMO INSTRUMENTO ............................. 67
O curso curto: uma estratégia de sensibilização,
iniciação e aprofundamento ....................................................... 69
Atividade 1: Sentir é um passo mais do que conhecer ........... 75
Atividade 1: Buscando uma imagem clara de nosso
sistema de convivência ................................................................ 85
Atividade 2: Analisando os dados de um questionário .......... 90
Atividade 3: Hierarquizar a informação e priorizar
as linhas de intervenção .............................................................. 92
Atividade 4: Desenhar um banco de atividades ...................... 95
Para concluir ............................................................................... 102
4. ATIVIDADES PARA MELHORAR O DIÁLOGO
E A CONVIVÊNCIA NA SALA DE AULA ..................... 105
Atividade 1: a vida nas salas de aula ........................................ 108
Atividade 2: a vida nas salas de aula II .................................... 112
Atividade 3: E tu, como farias? ................................................ 116
Atividade 4: Declaração Universal dos Direitos da Turma.... 119
Atividade 5: O que quero ser quando crescer? Regressando
ao futuro ...................................................................................... 122
Atividade 6: Abusos verbais são abusos reais ........................ 125
Atividade 7: Falar por falar ....................................................... 128
Atividade 8: Não se pode fazer nada ...................................... 131
Atividade 9: É melhor deixar acontecer? ................................ 133
Atividade 10: Conhecidos, companheiros e amigos ............. 135
5. APRENDER A PEDIR AJUDA: MEDIAÇÃO
EM CONFLITOS ..................................................................... 139
O conflito interpessoal no cenário da escola obrigatória .... 140
A mediação: uma estratégia de ajuda externa ........................ 143
Quando e como implantar um programa de
mediação escolar? ....................................................................... 145
O tempo, o espaço, os papéis e as condições da mediação ... 146
Formação, atitudes e habilidades do mediador escolar ........ 149
O desenvolvimento de um programa de mediação .............. 152
Um processo de mediação ........................................................ 156
9
PREFÁCIO
Miriam Abramovay1
A violência na escola é um fenômeno complexo e múl-
tiplo. Como aponta