Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Antropologia

Pré-visualização | Página 1 de 2

• Pergunta 1 
1 em 1 pontos 
 
Apesar das várias contribuições europeias para a cultura brasileira, é 
importante atentarmos para o fato de que a vinda de colonos europeus se 
tratou, principalmente, de uma política de branqueamento da população 
brasileira. Assim, com o alto número de africanos escravizados residindo no 
Brasil — e tendo o um país uma população nativa que era indígena, também 
não branca — ponderar a instituição de iniciativas que objetivassem o 
branqueamento da população. Desse modo, é possível compreendermos a 
miscigenação brasileira não apenas a partir da beleza da diversidade, mas 
como um processo perverso de construção de um país cada vez mais 
branco e menos pardo e negro. Para Schwarcz e Starling (2015), a 
miscigenação forçada de brancos, índios e negros, da qual é consequência 
a diversidade cultural que nos deparamos no Brasil, foi tanto um processo 
de violência quanto marcado por ambiguidades. 
SCHIMITT, M. Antropologia e Cultura Brasileira. Capítulo 3. (Apostila) 
 
 
A partir do texto, avalie as asserções abaixo e a relação proposta entre elas. 
 
I. A evidente e intensa miscigenação brasileira, que decorre de diferentes 
etnias, tanto as que residiram aqui como as que colonizaram o pais, deve 
ser analisada além da beleza que traz a diversidade. 
 
PORQUE 
 
II. A vinda dos colonos europeus teve também um caráter político, visava a 
agricultura própria e o processo de branqueamento da população. 
 
 
É correto afirmar que: 
 
Resposta 
Selecionada: 
 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é 
uma justificativa correta da I. 
Resposta Correta: 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é 
uma justificativa correta da I. 
Feedback da 
resposta: 
Resposta Correta. Colonos europeus vinham ao Brasil também 
com o objetivo de miscigenação e branqueamento da população 
que, constituía-se na época de muitos negros africanos e de 
índios, também não brancos. 
 
 
• Pergunta 2 
0 em 1 pontos 
 
A ideia de que o Brasil opera a partir de uma democracia racial — isto é, de que em nosso 
país as relações entre brancos e negros são pautadas pela igualdade de tratamento, tanto 
no âmbito público quanto no privado — nada mais é do que uma alegoria que não 
representa a realidade. O que podemos observar, diante das práticas cotidianas, é um 
racismo velado que se apresenta, na maioria das vezes, em forma de brincadeiras e 
piadas, bem como se reflete na distribuição de oportunidades e na hierarquia social. 
 
SCHIMITT, M. Antropologia e Cultura Brasileira. Capítulo 3. (Apostila) 
 
Considere as afirmativas abaixo e responda: 
 
I. No Brasil o racismo é velado, sendo que, mesmo com altos índices de preconceito, 
poucos se assumem racistas. 
 
PORQUE 
 
II. A igualdade de tratamento entre brancos e negros não existe no Brasil. 
 
É correto afirmar que: 
Resposta 
Selecionada: 
 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é 
uma justificativa correta da I. 
Resposta Correta: 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II 
não é uma justificativa correta da I. 
Feedback da 
resposta: 
Resposta Incorreta. No Brasil o racismo não é assumido, ou 
seja, é velado. O tratamento e as oportunidades que brancos e 
negros têm são diferentes, mas uma coisa não é causa da outra 
diretamente. 
 
 
• Pergunta 3 
1 em 1 pontos 
 
A história da escravidão é uma narrativa de tragédias, conflitos, descaso, 
preconceitos e injustiças. Ou seja, uma ferida que o Brasil carrega aberta 
até os dias de hoje. 
Antes das campanhas abolicionistas na virada do século XIX, os negros já 
reagiam à escravidão [...] 
 
São consideradas formas de reação dos negros à escravidão: 
 
I. Suicídios e abortos. 
II. Assassinatos de nobres. 
III. Lutas e danças. 
IV. Associação dos orixás aos santos católicos. 
 
É correto o que se afirma em 
 
Resposta Selecionada: 
I, II, III e IV. 
Resposta Correta: 
I, II, III e IV. 
Feedback 
da 
resposta: 
Resposta Correta. Fugas individuais ou em massa e agressões 
contra senhores, suicídios e abortos, atividades musicais; lutas e 
danças, principalmente a capoeira; assim como as comidas e a 
associação dos orixás com santos católicos eram formas de 
reação e preservação de vínculos e costumes de origem 
africana. 
 
 
• Pergunta 4 
1 em 1 pontos 
 
Diversas pesquisas comparativas concluíram que as heranças genéticas de 
duas pessoas de uma mesma raça podem ser mais distantes do que as 
pertencentes à raças diferentes. Isso significa que um norueguês, por 
exemplo, pode, geneticamente, ser mais próximo de um sudanês e mais 
distante de um dinamarquês, da mesma maneira que uma rara doença 
genética pode ser encontrada tanto na Europa quanto na Ásia. Dessa forma, 
biológica e cientificamente, não existem variadas raças, mas, sim, apenas 
uma: a raça humana (LÉVI-STRAUSS,1973). 
LAAI, T. Antropologia e Cultura Brasileira. Capítulo 2.(Apostila) 
 
 Considere as asserções abaixo e a relação proposta entre elas. 
 
I. O conceito científico usado para classificar os seres humanos em raças 
não é mais considerado válido pela ciência 
 
PORQUE 
 
II. A herança e a diversidade genética são substanciais à sobrevivência da 
espécie humana, mas não suficientes para dividi-la em raças. 
 
É correto afirmar que: 
 
Resposta 
Selecionada: 
 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é 
uma justificativa correta da I. 
Resposta Correta: 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é 
uma justificativa correta da I. 
Feedback da 
resposta: 
 Resposta Correta. A classificação dos seres humanos em 
raças não é mais validada pela ciência porque, apesar de sua 
importância, a herança e a diversidade genética não suficientes 
para classificá-la em raças. 
 
 
• Pergunta 5 
1 em 1 pontos 
 
Apesar da diversidade de cores e texturas que formam o nosso país, nem 
todos os grupos étnicos recebem o devido respeito, seja pela cor da pele, 
seja em decorrência de aspectos culturais, como religião ou hábitos 
cotidianos. O preconceito racial pode se manifestar desde comentários 
grosseiros e 
desrespeitosos até o preterimento de vagas de emprego ou abordagens 
desnecessárias por parte de agentes públicos ou privados de segurança. 
Todas essas manifestações — é importante sublinhar — apesar de serem 
praticadas por indivíduos, possuem suas raízes em uma estrutura social que 
avaliza aqueles que cometem atos racistas. Ou seja, essa é uma questão 
que se baseia na história escravagista e de produção de injustiças contra 
grupos étnicos, especialmente negros e indígenas. 
SCHIMITT, M. Antropologia e Cultura Brasileira. Capítulo 3. (Apostila) 
 
 
A partir do texto, avalie as afirmações abaixo: 
 
I. No Brasil todos os grupos étnicos têm acesso aos direitos constituídos. 
II. O racismo praticado no Brasil é estrutural, uma vez que é avalizado na 
sociedade. 
III. O maior desrespeito étnico no Brasil está ligado à religião. 
IV. O racismo interfere na seleção de profissionais em empresas públicas e 
privadas. 
 
É correto apenas o que se afirma em 
Resposta Selecionada: 
II e IV. 
Resposta Correta: 
II e IV. 
Feedback da 
resposta: 
Resposta Correta. As pessoas individualmente cometem atos de 
racismo porque sentem-se amparadas e apoiadas pela 
sociedade. Muitas empresas usam a cor da pele ou a religião 
como critérios de seleção. 
 
 
• Pergunta 6 
1 em 1 pontos 
 
Conforme Pereira (2010), a fim de amainar uma realidade de exclusão, em 
meados da República Velha, algumas estratégias começam a ser criadas 
com o intuito de solidificar a ideia de que não haveria violências e 
preconceitos no Brasil, o que, segundo a autora, dá origem à crença de que 
no Brasil haveria uma democracia racial. Nesse sentido, na década de 1930, 
o sociólogo Gilberto Freyre defendeu a tese de que o Brasil seria um 
exemplo de democracia racial, posto que brancos e negros conviveriam de 
maneira equilibrada e sem maiores adversidades. Por
Página12